10:30 da manhã, Brasília não acorda porque não dormiu

Que noite, diziam “legal e politicamente”, os que de qualquer maneira estão envolvidos ou têm interesses, DIRETOS ou INDIRETOS, na permanência ou saída de Arruda da prisão.

O Ministro Marco Aurélio Mello sabe muito bem, sem consultar ninguém, que sua decisão se restringe unicamente ao aspecto legal, (constitucional) da prisão do governador. (A mesma dúvida dos dois ministros do STJ, que não acompanharam o relator).

Esses Ministros consideravam que a Assembléia Legislativa, deveria ser ouvida. Mas como PEDIR AUTORIZAÇÃO a uma Assembléia, tão desmoralizada (ou mais) do que ele?

Isso transforma a questão num labirinto, onde todo e qualquer passo é no escuro, e todos correm risco. A decisão de Marco Aurélio, importantíssima para a libertação e a liberdade do governador corrupto. Mas a partir daí, conseqüências, acordos, desacordos, principalmente no setor político.

“Quem é quem em Brasília” conversando ininterruptamente, a noite toda. E no quadro dessas sugestões-conversações, duas questões importantíssimas. 1 – O DEM quer e aceita a saída de Arruda, mas quer também que o vice Paulo Octávio continue no cargo.

Se baseiam no fato dele ser o vice legitimo, e se não assumir, o governo irá para o presidente da Assembléia, que é do PT.

2 – Isso agrada ao Planalto, mas que por precaução, se movimenta num outro sentido: a INTERVENÇÃO. Por que o interesse tão grande de Lula e do governo? Elementar: o INTERVENTOR seria nomeado pelo próprio Lula, depois de aprovado pelo senado.

Não existe nenhuma razão que justifique essa INTERVENÇÃO, pedida pelo Procurador Geral da República. A que foi apresentada oficialmente: “Brasília está tão CONTAMINADA (palavra usada pelo Procurador geral) que ninguém conseguiria governar a capital”.

Concordamos inteiramente. Mas qual o “SANTO”, que feito INTERVENTOR, LIMPARIA BRASÍLIA IMEDIATAMENTE? E quantos estados, estão CONTAMINADOS PELAS MESMAS OLIGARQUIAS CORRUPTAS? A opinião pública quer a LIMPEZA de Brasília, mas que tudo fique LIMPO mesmo. E que os garis não sejam os mesmos de sempre.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *