A concepção do ser humano nos limites de uma ecologia integral

n

Ilustração de Duke (O Tempo)

Leonardo Boff
O Tempo

Em sua encíclica “Sobre o Cuidado da Casa Comum”, o papa Francisco submeteu a uma rigorosa crítica o clássico antropocentrismo de nossa cultura a partir da visão de uma ecologia integral, cosmocentrada, dentro da qual o ser humano comparece como parte do Todo e da natureza. Isso nos convida a revisar nossa compreensão do ser humano nos limites dessa ecologia integral.

Perguntamo-nos, não sem certa perplexidade: quem somos, afinal, enquanto humanos? Tentando responder: o ser humano é uma manifestação da energia de fundo, de onde tudo provém (vácuo quântico ou fonte originária de todo ser); um ser cósmico, parte de um universo, possivelmente entre outros paralelos, articulado em 11 dimensões (teoria das cordas); formado pelos mesmos elementos físico-químicos e pelas mesmas energias que compõem todos os seres; somos habitantes de uma galáxia média e circulamos ao redor do Sol, estrela de quinta magnitude, uma entre outras 300 bilhões, situada a 27 mil anos-luz do centro da Via Láctea, no braço interior do espiral de Órion; morando num planeta minúsculo, a Terra, tida como um superorganismo vivo, que funciona como um sistema que se autorregula, chamado Gaia.

ELO DA CORRENTE – Somos um elo da corrente da vida; um animal, portador da psique ordenada por emoções e pela estrutura do desejo, de arquétipos ancestrais e coroada pelo espírito que é aquele momento da consciência pelo qual se sente parte de um Todo maior, que o faz sempre aberto ao outro e ao infinito; capaz de intervir na natureza e, assim, de fazer cultura, de criar e captar significados e valores e se indagar sobre o sentido derradeiro do Todo e da Terra, hoje em sua fase planetária, rumo à noosfera, pela qual mentes e corações convergirão numa humanidade unificada.

E somos mortais. Custa-nos acolher a morte dentro da vida e a dramaticidade do destino humano. Pelo amor, pela arte e pela fé pressentimos que nos transfiguramos através da morte. E suspeitamos que, no balanço final das coisas, um pequeno gesto de amor verdadeiro e incondicional vale mais que toda a matéria e a energia do universo juntas. Por isso, só vale falar, crer e esperar em Deus se Ele for sentido como prolongamento do amor, na forma do infinito.

PRESENÇA DE DEUS – Pertence à singularidade do ser humano não apenas apreender uma presença, Deus, perpassando todos os seres, senão entreter com ele um diálogo de amizade e de amor. Intuir que Ele seja o correspondente ao infinito desejo que sente, infinito que lhe é adequado e no qual pode repousar.

Esse Deus não é um objeto entre outros, nem uma energia entre outras. Se assim fosse, poderia ser detectado pela ciência. Comparece como aquele suporte, cuja natureza é mistério, que tudo sustenta, alimenta e mantém na existência. Sem Ele, tudo voltaria ao nada ou ao vácuo quântico de onde cada ser irrompeu. Ele é a força pela qual o pensamento pensa, mas que não pode ser pensado. O olho que tudo vê, mas que não pode ser visto. Ele é o mistério sempre conhecido e sempre por conhecer, indefinidamente. Ele perpassa e penetra até as entranhas de cada ser humano e do universo.

UMA EQUAÇÃO – Podemos pensar, meditar e interiorizar essa complexa realidade, feita de realidades. Mas é nessa direção que deve ser concebido o ser humano. Quem ele é e qual é seu destino derradeiro se perde no incognoscível, sempre de alguma forma cognoscível, que é o espaço do mistério de Deus ou do Deus do mistério. Somos seres sendo sem parar. Por isso, é uma equação que nunca se fecha e que permanece sempre em aberto. Quem revelará quem somos?

8 thoughts on “A concepção do ser humano nos limites de uma ecologia integral

  1. Pode perguntar também pro Stephen Hawking ou Richard Dawkins. A igreja muda?! devagarinho demais, mas tá fincada na trindade. Cada um se defende como pode.

  2. Sob esse enfoque podemos lembrar o que disse o Mestre revelando quem somos: “Acaso não sabeis que sois templos do Divino e que o Espírito de Deus habita em vós? Não buscai Deus fora de vós! Ele está dentro de vós!” Aqui podemos compreender que cada um de nós é uma partícula desse Todo onde tudo se insere. Assim, nada há que possa existir fora dessa Energia ou Força Pensante, impossível de ser mensurada! Tudo o que convencionamos chamar de bem ou de mal faz parte do Todo e nada sai de Lá. O homem, para adequar-se ou justificar-se diante desse “mistério” criou e fortaleceu, ao longo dos tempos, uma divindade antropomórfica à sua imagem e semelhança! Como ficaria a pergunta mais correta: Quem é ou o quê é Deus?

  3. E mais: Está escrito nos evangelhos: “ainda que eu ame incondicionalmente com toda a consciência e de meu coração, entregando profundamente meu espírito a este amor, ainda assim se não tiver caridade não entrarei no reino dos céus. Ainda que eu dê todos meus pertences, toda minha riqueza aos pobres, e até mesmo a roupa do corpo, ainda assim se não tiver caridade não entrarei no reino dos céus.”
    Moral da história ao invés de perdermos tempo com sofismas; vamos visitar um doente no hospital, um abrigado em um asilo ou até mesmo um presidiário abandonado no inferno, vamos usar nossos recursos criando trabalho para esta juventude e por aí em diante.

  4. Eu tenho criticado Leonardo Boff um dos líderes da “Teoria da Libertação desde o momento que foi julgado pelo Vaticano que lhe deu a oportunidade de defender sua tese, tendo como debatedor o cardeal Ratzinger, depois papa. Boff saiu dizendo que foi um julgamento como na Idade Mádia. Mas lá estavam quase todos os cardeais e três jornalistas convidados e naturalmente com compromissos de divulgação restrita. O certo é que Boff foi massacrado por Ratzinger e balbuciou diversas vezes. Mas isso é passado. Hoje eu gostei do que escreveu.

  5. Alguém disse: “É fácil identificar um escrito infectado pela heresia modernista. Foge de duas palavras: “ALMA” e “ETERNIDADE”. Evita, deleta. Bingo!

  6. O artigo tem no seu primeiro parágrafo um convite a reflexão de que o universo encerra um propósito (programador, programa e analista de sistemas) e o homem não é a parte principal, mas a especial, pois especialmente foi dotado de qualidades que as outras criações não foram, contudo não somos o centro do eterno propósito, mas recebemos o dever de cuidar de toda criação terrena com liberdade de se negar a isso, o que implica arruinar a qualidade de vida de todos, mas nunca de destruir o propósito e as criações, embora possa individualmente destruir-se.
    O Analista e Gerador da Diversidade (programador) fará as correções para salvar o seu propósito eterno, onde o homem é apenas uma parte,não um deus.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *