A democracia não abre exceções, porque as regras têm de ser para todos

Resultado de imagem para censura charges

Charge do Jota (Arquivo Google)

Carlos Newton

A equação é simples, não é preciso ser euclidiano nem pitagórico para entendê-la. Ao criar a Tribuna da Internet, como desmembramento da Tribuna da Imprensa, o editor pensou que poderia ser respeitado e valorizado um espaço na web que abrigasse todas as tendências políticas, filosóficas e sociais que visassem ao bem comum. Um blog simples, no qual as pessoas pudessem trocar ideias a partir das notícias mais importantes, e tivessem uma válvula de escape para essa vida inaceitável que levamos, em que as desigualdades sociais são mantidas a todo custo, não se faz uma correta distribuição de renda, não existem oportunidades iguais nem meritocracia, e ainda há pessoas que acham que as crianças e idosos abandonados nas ruas sofrem por causa do karma, vejam a que ponto pode chegar a desfaçatez humana.   

A ideia do blog parecia boa, logo virou um sucesso, servindo de pauta e influenciando os jornalistas, e o servidor UOL vive reclamando que temos leitores demais, é uma chatice. Mas não sabíamos que o fracasso iria nos subir à cabeça.

MISSÃO IMPOSSÍVEL – Jamais pensamos em agradar a todos, não alimentávamos missões impossíveis. Nossa tese é a defesa do pluralismo democrático, algo consensual, que não admite discussões, mas não funciona. As pessoas não querem expor as ideias, tentam impor suas opiniões de forma bizarra e grosseira. Querem transformar a TI num veículo de mão única, sem notar que praticamente todos os blogs são assim, por isso não têm a menor graça, os leitores logo se enfadiam.

Ontem, um comentarista reclamou que a TI não reproduz matérias do “Jornal da Cidade”, um site sensacionalista, sem a menos credibilidade, que é considerado campeão matéria de fake news e processos judiciais. Como diria o Barão de Itararé, era só o que faltava…

SIGNO DA LIBERDADE – Tentamos viver aqui sob o signo da liberdade. Isso significa que ninguém é proibido de participar do blog, desde que obedeça às regras de não ofender, não perseguir e não usar palavrões. É o mínimo que se pede. Mas nem o mínimo conseguimos…

Decidimos deletar 100 comentários de quem fugir às regras, depois 200, e assim por diante. Mostrou ser um remédio adequado. As ofensas e provocações diminuíram. Mas sempre há os recalcitrantes.

José Guilherme Schossland usou gratuitamente a expressão “couro de pica”, foi deletado e agora diz ser “perseguido político”, alegando que o editor o abduz “por ordens superiores”.

O CASO BENDL – Francisco Bendl é meu amigo há muito anos, mas as regras também valem para ele. Antes de deletar 100 comentários do Bendl, nos últimos dias o editor enviou e-mails a ele, pedindo pela enésima vez que cessasse as provocações a seus desafetos e que não saísse em defesa de outros comentaristas, quando seu nome não fosse citado.

Não adiantou nada. Bendl não somente recusou meu pedido, como me enviou o comentário que pretendia postar esculhambando sua desafeta Carioca da Gema, que nos últimos dias já tinha sido punida em 300 deletações e estava quieta, se adaptando às regras do Blog.

Regras são regras. Bendl não está expulso do blog (ninguém está), pode comentar à vontade, mas não deve ofender aos outros, para também não ser ofendido, como ensina o Pai Nosso, a oração suprema do Cristianismo.

15 thoughts on “A democracia não abre exceções, porque as regras têm de ser para todos

  1. …essa vida inaceitável que levamos…

    …há pessoas que acham que as crianças e idosos abandonados nas ruas sofrem por causa do karma, vejam a que ponto pode chegar a desfaçatez humana.

    GOSTEI, CN.

    PS
    O “estado” é um mentiroso. Ele rouba e mente. O “estado” se coloca como voz do povo nas na verdade é a voz de um pequeno grupo que deseja manter o poder é o controle de uma nação.

    (Assim falou Zaratrusta. Capitulo: Do novo ídolo)

    BOM DIA E BOM DOMINGO A TODOS.

    • Joca!
      Realmente, é necessária uma pausa para refletirmos sobre o verdadeiro significado de “mecanismos formadores de opinião pública”. A partir da própria definição, vemos que “O Estado, alguém, organizações ou grupos entendem que o público não tem capacidade de formar a sua própria opinião. Assim, atuam no sentido de introjetar nas massas, as suas próprias vontades, ideologias e apelos para que os indivíduos sigam suas propostas. Para isso se valem dos instrumentos das”comunicação de massa” para fazerem valer suas propostas. Buscando alcançar seus objetivos, empregam artimanhas da própria Psicologia e massacram, através da mídia comprometida, suas propostas, verdades ou artimanhas. Tudo isso podemos constatar através da atuação subalterna, venal, corrompida e desestruturante da maior parte da imprensa atual. Observe, a título de curiosidade, o que se passa em todos os noticiários da TV. Com raras exceções, em todos eles as notícias são as mesmas, até com os mesmos comentários ou imagens… Afinal, que tipo de “supra agência” tem sob seu controle os instrumentos da difusão? Quem controla isso? Hoje, não podemos dar crédito à chamada grande mídia pois atua no sentido da enganação e da falácia a serviço de seus mandatários, na medida em que não difunde o que seja de real interesse público, porém, se prende à disseminação do que em vez de construir, coopera com a desconstrução de imagens, de pessoas, de valores, de princípios, posturas, etc…

  2. Infelizmente o blog foi tomado em sua área de comentários por meia dúzia de pessoas que nada acrescentam além de sua chatice repetitiva. Tem um caso que é questão psiquiátrica. O sujeito usa vários pseudônimos, além de usar o próprio nome tb, e de usar um pseudónimo pra concordar e elogiar a ele mesmo. Tem outro que repete a mesma coisa em todos os artigos. Outro ao postar comentário resolver postar agradecimentos e abraços a cada um que comentar seu comentário. Assim, pensamos que determinados artigos tem muitos comentaristas participando e ao abrir vemos que de 70 comentários postados apenas 5 ou 6 comentaristas diferentes participaram. Em razão disso vi que muitos comentaristas imteressantes deixaram de postar na área de comentários. Foi assim que decidi deixar de contribuir com a TI, deixar de abrir a caixa de comentários e pouco a pouco estou buscando deixar de acessar a TI. Embora muito válido seja o esforço do CN em publicar a TI e de sua tentativa de ser democrático, com a ausência de bons comentaristas, a TI foi se tornando cada dia mais apenas um reprodutor de artigos da imprensa podre identificada como Folha de São Paulo, Estadão e Globo e sua revista subsidiária.
    Deixo um abraço ao CN por seus esforços e por respeito pois, embora discorde de seu ponto de vista político o reconheço como um dos poucos jornalistas brasileiros que tentam ser imparciais, coisa que nenhum ser humano com idéias próprias é mas que na tarefa de informar requer esforços para minimizar suas tendências. Finalizo parabenizando mais uma vez CN pelos esforços e pela democracia mas opino que é uma meia dúzia de comentaristas sem noção própria de quão inconvenientes são, do quão impositores tentam ser, que eu, e creio que outros tantos, não participamos mais da TI.

  3. 100 comentários a partir de que data, Carlos Newton. Como você controla que chegou aos 100 no caso de dívida passada? Acho eu, que seria válida a deletação na hora em que se publica a postagem ofensiva.

  4. A regra de deletar 100 comentários, para alguns, é inútil. Existem pessoas que postam 10 ou 20 comentários POR MATÉRIA! Replicam incessantemente a todos, tergiversando ininterruptamente. Alguns comentários são quase monossilábicos. Aí se você for retirar 100 comentários deste importunador você retirará apenas o que ele postou nas ultimas 2 ou 3 horas.
    A tática de esvaziar a TI deu certo. Assim como a mídia ativista pró PT sempre usou da mesma tática para esvaziar opiniões contrárias. Queira ou não o blog já perdeu a qualidade que tinha pois o engarrafamento planejado colapsou a informação. Só não vê quem não quer.

  5. 1) Aprendi nos meus bons tempos de jovem “revisor publicitário” a máxima:

    2) “Falem mal mas falem de mim”.

    3) Ou seja, em tempos de sociedade da informação/consumo somos “produtos”. Uns vão gostar, outros não.

    4) Portanto, não esquentemos a cabeça: nem Jesus agradou todo mundo.

  6. Bendl, não estou aqui agora para aprovar ou reprovar a regra implantada pelo CN. Se foi combinado de uma forma e , caso seja desrespeitada, que seja executada! (muito embora o critério, às vezes, possa ser muito subjetivo, mas isso é outro assunto). Apenas observo um fenômeno injusto. Ter 100 comentários com conteúdo, caprichados e bem escritos seus em comparação com 100 grunhidos, latidos e mugidos desconexos daquela “pessoa” que se utiliza de um adjetivo pátrio como codinome, é uma covardia. A falta de cultura é um problema sério em nosso país. .. Abraço fraternos.

    • Concordo em gênero, número e “degrau”. Comentários do Bendl são um prazer de se ler.
      Latidos de Virgílio, Andrebr, carioca não sei das quantas e outros, simplesmente os ignoro.
      É uma pena

  7. Tem pessoas que como vc , Bendl, tem muitos amigos de muitos anos. Já outros, não tem mais nenhum, pois já morreram todos há anos…

  8. Desde quando o Brasil é uma nação democrática ?
    A democracia no Brasil é mais uma das grandes falacias deste pais ;
    É INDEPENDENTE MAS , CONTINUA COLONIZADO.
    ABOLIRAM A ESCRAVATURA MAS , NÃO ACABARAM COM A ESCRAVIDÃO .
    TODOS HOMENS SÃO IGUAIS PERANTE AS LEI MAS , AS LEIS PRIVILEGIAM POUCOS.
    TODO PODER EMANA DO POVO MAS , O POVO NÃO POSSUI PODER ALGUM , SÃO MERAS OVELHAS QUE AJOELHAM PARA SEREM TOSQUIADAS

  9. Poucos Blogs tem a credibilidade da TI. Manter a pluralidade sem ferir brios é difícil, todavia relevante. O C.N., não obstante suas convicções p0líticas divergirem da minha e de tantos outros, merece credibilidade. Daí o número relevante de leitores. E que assim seja!

  10. https://www.vaticannews.va/pt/papa/news/2018-10/papa-francisco-rezar-terco-outubro-contra-diabo.html

    tradição espiritual, Miguel é o chefe dos exércitos celestes e protetor da Igreja.

    P. – O Rosário termina, portanto, com uma oração especial …

    R. – Sim, o Santo Padre nos convida, no final da recitação do Rosário, a fazer duas orações. A primeira oração é dirigida a Maria. É uma invocação muito antiga. Chama-se “Sub tuum presidium”. É uma oração do terceiro ou quarto século, muito bonita, na qual se pede, de fato, para estar “sob a proteção” de Maria:

    À Vossa Proteção recorremos, Santa Mãe de Deus. Não desprezeis as nossas súplicas em nossas necessidades, mas livrai-nos sempre de todos os perigos, ó Virgem gloriosa e bendita.
    A segunda oração é a tradicional a São Miguel. É uma oração escrita por Leão XIII, que também nos ajuda a orar pela proteção da Igreja:

    “São Miguel Arcanjo, defendei-nos no combate. Sede o nosso refúgio contra as maldades e ciladas do demônio. Que Deus manifeste sobre ele o seu poder, esta é a nossa humilde súplica. E vós, Príncipe da Milícia Celeste, com o poder que Deus vos conferiu, precipitai no inferno a Satanás e aos outros espíritos malignos, que andam pelo mundo para perder as almas. Amen”.

    São orações que hoje não se conhecem muito, mas existem ainda muitos cristãos, muitos católicos, que as recitam. E este tempo, é a ocasião para rezar mais, com maior empenho, para que o Senhor possa nos ajudar a não sermos cúmplices, a não deixar ao inimigo a natureza humana, e para que possa nos ajudar – rezando a Maria e ao Arcanjo Miguel – a proteger a Igreja das armadilhas do inimigo. Então, neste mês, dirigimos nossas orações a Maria, como nos pede o Santo Padre.”

    Um aperto de mão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *