A esperança que não pode morrer é a da transformação da sociedade

d

Charge do Duke (O Tempo)

Leonardo Boff
O Tempo

Apesar de toda a alegria do Carnaval passado, há um manto de tristeza e desamparo que se pode ler nos rostos da maioria das pessoas que encontramos nas ruas das grandes cidades, como Rio e São Paulo. Politicamente, o golpe parlamentar-jurídico-midiático (hoje, sabemos que foi apoiado pelos órgãos de segurança dos Estados Unidos) nos fechou o horizonte. Ninguém pode nos dizer para onde vamos. O que aponta de forma inegável é o aumento da violência, com um número de vítimas que se igualam e até superam regiões em guerra. E ainda sofremos uma intervenção militar no Rio de Janeiro.

Se bem observarmos, vivemos uma guerra civil real. As classes que já estavam abandonadas agora o são mais ainda pelos cortes nos programas sociais que o atual governo impôs a milhares de famílias.

MAPA DA FOME – Tínhamos saído do mapa da fome. Regressamos a ele. E não se diga que foram as políticas dos governos do PT. Essas nos tiraram do mapa. A aplicação rigorosa do neoliberalismo pela nova classe dirigente está produzindo fome e miséria. O crescimento da violência nas grandes cidades é proporcional ao abandono a que foram submetidas.

As discussões dos vários organismos responsáveis pela segurança nunca vão à raiz da questão. O problema real reside na desigualdade social, vale dizer, na injustiça social, histórica e estrutural sobre a qual está construída nossa sociedade. A desigualdade social cresce quanto mais se concentra a renda e quanto mais avança o agronegócio sobre terras indígenas e quanto mais se fazem cortes na educação, na saúde e na segurança.

VIOLÊNCIA – Ou se faz justiça social, o que implica reformas – agrária, tributária, política e do sistema de segurança –, ou nunca superaremos a violência. Ela tenderá a crescer em todo o país.

Se um dia as grandes periferias abandonadas se rebelarem e assaltarem os centros urbanos, poderá se produzir um “bogotaço” brasileiro, como ocorreu em meados do século passado, em Bogotá, na Colômbia, destruindo durante semanas quase tudo que se via pela frente.

Estimo que as elites do atraso, apoiadas por uma mídia conservadora, por uma Justiça fraca, para não dizer cúmplice, e pelo aparato policial do Estado, reocupado por elas, poderão usar de grande violência, agravando a situação. Nesse quadro, como ainda alimentar a esperança de que o Brasil tem jeito e que podemos criar uma sociedade menos malvada, no dizer de Paulo Freire?

ESPERANÇA – Bem disse o bispo dom Pedro Casaldáliga lá dos fundos do Araguaia: portadores de esperança são aqueles que se empenham para superar situações de barbárie. Essas mudanças nunca virão de cima, nem do atual establishment; virão de baixo, dos movimentos sociais organizados e de parcelas de partidos comprometidos com o bem-estar do povo.

O papa Francisco, ao reunir-se com os movimentos sociais latino-americanos em Santa Cruz de la Sierra, na Bolívia, propôs que sigamos estes três pontos fundamentais: a economia para a vida, e não para o mercado; a justiça social, sem a qual não haverá paz; e o cuidado com a Casa Comum, sem a qual nenhum projeto terá sentido.

A esperança nasce desse compromisso de transformação. Ensinou Ernst Bloch: a esperança não uma virtude entre outras. Ela é muito mais: é o motor de todas elas. É a capacidade de pensarmos o novo ainda não ensaiado; é a coragem de sonhar outro mundo possível e necessário; é a ousadia de projetar utopias que nos fazem caminhar e que, quando derrotados, nos fazem levantar para retomar a caminhada. Essa esperança não pode morrer nunca.

25 thoughts on “A esperança que não pode morrer é a da transformação da sociedade

  1. Pronto o Frei comunista teve uma nova recaída e agora, como sempre, a culpa é dos outros. Roubaram, liquidaram com a economia do país, pensaram que tinham feito um milagre econômico, o qual nunca existiu e agora estão isentos de culpa. Se, o inferno existe, o Boff vai direto para lá.

    • Parabéns, Paulo2. Você disse de forma sucinta e magistral o que eu queria dizer. O que está ocorrendo com o Frei Boff não é apenas desfaçatez, é uma questão de caráter.

  2. Essa coisa ainda fala? Isso aí é resultado de muita cheirada. Não é frei coisa alguma. Isso aí é um bicho tonto que não sabe aonde está e nem para onde vai. Só que ainda tenta arrastar outros idiotas e débeis mentais.

  3. O senhor que escreveu este texto escreve com sarcasmo. Claro que não é verdade o que diz. É um tipo de texto feito não pra informar, mas pra manipular. Manipular inocentes. Claro que o autor tem seu público a quem direciona. Ele alimenta esperança deste público, até por que de esperança ele parece bem entender. Concordo que a violência é multifatorial, mas também é verdade que falta de caráter tem sido a grande marca dos tempos contemporâneos. Por ser um escrito que fala do Santo Papa, um homem pacífico, é inconveniente que incite a violência também (como ao relembrar o ocorrido na Colômbia, e desejá-lo no Brasil). Então o paradoxismo evidenciado apequena o emaranhado de palavras bonitas.

  4. 1) Prezado Teólogo, não adianta só transformar a sociedade, é preciso tb que cada se transforme, se transmute no sentido espiritual.

    2) A História tem nos mostrado diversas mudanças sociais que não deram em nada, justamente porque não houve melhoria do indivíduo.

    3) Interagindo o interior e o exterior é possível boas transformações.

  5. Essa aí de cima é a tal malta conservadora a que eu me referi lá no aviso do almoço.
    Se não gostou ignora!
    Mas a turba adora uma baixaria e xinga o tal frei como se fosse Judas de sábado de aleluia.

  6. “VIOLÊNCIA – Ou se faz justiça social, o que implica reformas – agrária, tributária, política e do sistema de segurança –, ou nunca superaremos a violência. Ela tenderá a crescer em todo o país.”

    RAPAZ!!! Será que a violência começou no governo Temer?
    Será que antes do golpe vivíamos no paraíso?
    Para evitar grosserias, não irei adjetivar o tal Frei.

    Abraços.

    • Sr. Vieira, e pode ter certeza que daqui a poucos meses o Sr. vai escutar as mesmas promessas feitas há 30 anos atrás pelos políticos ditos democrátivos.
      “Vamos fazer as reformas das reformas”
      Vamos reformar o Estado”
      Vamos fazer a REforma Política
      Vamos fazer a Reforma Agrária,
      Vamos fazer a REforma Tributária
      Vamos fazera Reforma Reformando as REformas REfazendo as Reformas que não Foram Reformadas.”

      Abraços de algum canto do Tucanistão, este Paraíso da Carnificina.

  7. Lá vem o sacerdote de missa negra, com suas bazófias; será que ainda existe idiota que se deixa manipular por esse carcamano petista.

  8. “a esperança não é uma virtude entre outras…Ela é muito mais: é o motor de todas elas.”

    Tem certeza? Esperança, pelo dicionário, é simplesmente uma disposição do espírito que induz a esperar que uma coisa se há-de realizar ou suceder.
    Esperar que algo vai suceder não implica em nenhum motor para nenhuma virtude.
    Malcolm Gladwell cita que é preciso dedicar cerca de 10 mil horas para se adquirir world-class expertise em uma determinada área, de acordo com estudos cientificos. Portanto, realização tem a ver com trabalho, determinação, dedicação. Quem espera as coisas acontecerem é o mortadela. petista.
    Mais uma martelada: Virtude é a disposição do espírito que nos induz a exercer o bem e evitar o mal. Como se vê, repolho não é tomate: Esperança não pode de ser motor de porra nenhuma porque ela é apenas uma disposição do espirito. E virtude não é um conjunto de qualidades inerentes a um indivíduo, mas aquela que tem a ver com a bienfaisance envers le prochain, como a definia Voltaire.
    Seja pelo menos lógico, se não pode ser coerente.

  9. A esperança já morreu há 33 anos atrás, logo no inicio do “massacre democrátivo” desenvolvido pelas Três Facções Quadrilheiras Criminosas que tomaram de assalto o Páis.

  10. BOFF TEM RAZÃO, as forças armadas não podem fazer o papel de bucha de canhão, ou seja, de escudo de bandidos e quadrilhas lesa-erário, lesa-pátria e lesa-humanidade. As forças armadas têm o dever de ser proba, leal e servir com fidelidade aos superiores interesses da nação e do seu comandante em chefe maior que é a população, e não se submeter aos interesses inconfessáveis do “Quadrilhão” do pemedebezão ladrão, que em estado de fuga da Polícia Federal e da persecução penal face à avalanche de crimes lesa-erário e lesa-pátria pelos quais está sendo investigada e já denunciada pela Procuradoria Geral da República, tomou o poder de assalto e passou a usá-lo como bunker contra o estado democrático de direito, passando a rifar a preço de banana o patrimônio público nacional, com a política, o estado, o mercado e a população capturados, dominados e manipulados por bandidos mancomunados, canoa furada essa na qual as forças armadas não podem embarcar de jeito nenhum, sob pena de estar fazendo coisa ainda pior do que 1964, prestando-se agora ao papel de serviçais, braços armados, de um imenso “Quadrilhão” internacional explícito denunciado pela Procuradoria Geral, milhares de vezes pior do que a famigerada intentona comunista hipotética e fantasiosa que tanto combateram em 1964. https://www.brasil247.com/pt/247/poder/344021/Boff-pede-a%C3%A7%C3%A3o-do-Ex%C3%A9rcito-contra-entreguismo-de-Temer.htm

  11. Definitivamente Boff é um psicopata.
    Vive a esquizofrenia advinda de uma nefasta religião política conhecida como socialismo em que se tenta convencer o outro a inexistência de um objeto mesmo diante dele: a negação do óbvio.

  12. Todas as vezes que Boff é publicado na TI, chove sobre ele pedradas de todos os lados. Se ele lê o que escreve aqui, deve ser algo desagradável para ele.

    Por que a TI publica?
    Não sei. Direito lhes assiste.
    O que se assiste é também uma desidratação tanto de sua pessoa e do que escreve.

    Nunca gostei nem gosto das publicações de Boff, mas indago pela razão da TI expô-lo dessa maneira, sabedora de que o que ele publica será motivo implacável de crítica.

  13. Boff escreve para os sem cérebro, que não tem capacidade de raciocinar com um pouco de lucidez.
    Fala de violência assombrosa, e esse n° assustador vem de que Governo?
    Fala do Brasil de volta ao mapa da fome: então que política econômica era essa que em um ano coloca milhares de volta à miséria?
    Ele fala como se vivêssemos as mil maravilhas no Governo PT.
    Como estava a educação no Governo PT? Saúde? Segurança? Infra estrutura? Economia? Corrupção?
    Quem defende bandidos, a eles se iguala.
    Boff é fake news.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *