A gratidão de Gilvan Borges, nem suplente nem eleito

Quem esteve mais tempo em exposição na televisão, na manhã de hoje, foi Gilvan Borges. Sua situação é curiosa. Num Senado cheio de indigentes (perdão, suplentes), ele pode dizer que não é suplente, e não é mesmo. Mas também não foi eleito, espantoso.

O que aconteceu com ele: foi derrotado pelo senador Capiberibe. Entrou na Justiça Eleitoral contra o vencedor, ganhou (?) mas havia recurso. O tribunal eleitoral comunicou ao senado, o então presidente Renan Calheiros TIROU O MANDATO DO VENCEDOR que estava na tribuna. Renan quase chorando, “lamento, mas não posso fazer nada”.

Capiberibe saiu da tribuna já sem mandato, Renan imediatamente ENTREGOU o título, vá lá, o mandato, ao senhor Gilvan Borges, nada surpreendente, ele é do Amapá.

Agora, pelo menos, não pratica traição com os amigos Sarney e Renan, diz, “tudo é perseguição da imprensa”. (Exclusiva)

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *