Aécio Neves explode o PSDB em plena estrada das urnas de 2018

Resultado de imagem para aecio neves charges

Charge do Duke (dukechargista.com.br)

Pedro do Coutto

Manchete principal de O Globo, Folha de São Paulo e O Estado de São Paulo, edições de sexta-feira, o senador Aécio Neves, ao afastar Tasso Jereissati da presidência interina do PSDB, sem dúvida explodiu a legenda do partido na estrada das eleições de 2018. A sigla foi pelo ar e os estilhaços vão se refletir não só na sucessão presidencial, mas também nas disputas pelos governos estaduais. Um pedaço fica reservado para o pleito de senadores e deputados federais. Afirmando estar sendo pressionado, Aécio não teve coragem para ele próprio reassumir o posto, pois é preciso lembrar que dele foi afastado por nebulosas transações com Joesley Batista.

Aécio terminou investindo Alberto Goldman no comando partidário, sob o pretexto de que escolhia alguém isento para presidir o PSDB até as eleições internas marcadas para 9 de dezembro.

HOUVE PRESSÃO? – Em vez de pacificar, o senador mineiro agravou as divergências entre os tucanos. Em primeiro lugar, de quem teria partido a “pressão” alegada por Aécio Neves? Só pode ter sido do presidente Michel Temer, como indica a lógica das hipóteses. Mas Michel Temer é do PMDB e, aparentemente, nada tem a ver com o PSDB.  Tornar-se-ia assim uma interferência extrapartidária.

Enquanto Tasso Jereissati anuncia que disputará o pleito interno de 9 de dezembro, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, em entrevista a Silvia Amorim, O Globo deste sábado, propõe a investidura de Geraldo Alckmin numa tentativa de reunificar as correntes em que se divide a legenda. A divisão, aliás, revela-se inevitável, sobretudo, porque ao destacar o nome de Alckmin, FHC afirmou a Silvia Amorim que seu candidato para presidir a sigla em dezembro é o senador Tasso Jereissati.

No domingo passado 5 de novembro, FHC sustentou a tese de que o PSDB deixe o governo Temer a partir do próximo mês, sob pena de não poder disputar a próxima sucessão para presidente da República.

ROMPIMENTO – É claro que ao anunciar seu apoio a Tasso Jereissati, Fernando Henrique Cardoso praticamente assinou seu rompimento com Aécio Neves. Isso porque Tasso, ao ser substituído, formalizou sua ruptura frontal com Aécio Neves. Por isso, se Tasso vencer a disputa, o resultado será catastrófico para Aécio. E se Marconi Perillo, candidato de Aécio, vencer a disputa, fica evidente a abertura de profunda dissidência que poderá levar os descontentes a ingressarem em outro partido.

De qualquer forma, Aécio Neves sai derrotado do episódio. E vale lembrar que um processo no Supremo corre contra ele e que a devolução de seu mandato, por seis votos a cinco, não se vincula ao fim do julgamento no qual é réu na Corte Suprema.

O telefonema entre ele e Joesley Batista o compromete totalmente. Porque, se fosse em torno de um empréstimo financeiro, não haveria necessidade de entrega do valor em dinheiro vivo. Bastaria um depósito bancário. E por falar em depósito bancário, qual a garantia que Aécio ofereceu a Joesley?

One thought on “Aécio Neves explode o PSDB em plena estrada das urnas de 2018

  1. Mais um Walkig dead político!
    Só o senador Electrolux que não vê!
    Esse Aécio Never tá muito Maradoniano.
    rsrs
    Se ele sumisse agora, ainda iria incomodar o cheiro do chorume por muito tempo.
    Atenciosamente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *