“Antes só do que mal acompanhado”, diz Índio da Costa, esnobando Crivella

O candidato do PSD, Índio da Costa, em convenção no Rio, neste sábado (21)

Índio da Costa criticou Eduardo Paes ao discursar

Italo Nogueira
Folha

O deputado federal Índio da Costa (PSD) oficializou sua candidatura ao governo do Rio de Janeiro neste sábado (21) afirmando ser melhor estar “só do que mal acompanhado”. As negociações partidárias da última semana fizeram com que ele perdesse o esperado apoio do PRB, do prefeito da capital, Marcelo Crivella. E com a adesão do Centrão ao presidenciável Geraldo Alckmin (PSDB), a tendência é que os tucanos apoiem o ex-prefeito Eduardo Paes (DEM). E o PRB decidiu apoiar o ex-governador Anthony Garotinho (PRP).

“Tem um velho ditado que deve pautar todos os acordos políticos nesse novo tempo. Antes só do que mal acompanhado”, afirmou em discurso na convenção do PSD, que indicou como vice o deputado Zaqueu Teixeira, também do PSD.

ATAQUES A PAES – Índio da Costa, contudo, não criticou nem mencionou o PSDB e Crivella. Seus ataques foram direcionados a Paes, que até este fim de semana tentava atrair o PSD para sua aliança.

“Estamos abertos para todos os partidos que não representem o atual governo, nem o seu modelo. […] Eles [grupo de Paes] fizeram de tudo para que eu estivesse na aliança com eles, e obviamente que isso não tinha nenhuma hipótese de isso acontecer”, afirmou o deputado, ex-secretário da gestão de Paes e de Sérgio Cabral (MDB).

Ex-secretário de Infraestrutura da gestão Crivella até março, ele afirma que nunca teve a garantia de apoio do prefeito. “Não há rompimento. Há uma relação de amizade e respeito. Política é política. O PRB escolhe o rumo dele. Cada um está fazendo que entende ser o mais importante para o Rio de Janeiro”, disse o candidato do PSD.

REUNIÃO PASTORAL – Índio da Costa perdeu o apoio de Crivella ao afirmar que o prefeito errou no caso da reunião com pastores no Palácio da Cidade, em que é acusado de ter oferecido privilégios a evangélicos no acesso a serviços públicos. Ainda que tenha sido contrário ao impeachment, o posicionamento o afastou do palanque do prefeito.

Neste sábado, Índio fez um discurso com foco na segurança pública. Privilegiou a defesa de policiais e adotou uma linha de rigor no combate ao crime. “Uma criança ou um velho, ou uma pessoa de qualquer idade, portando um fuzil, escolheu estar em guerra. Vai ser preso. E se partir para o enfrentamento, vai sofrer as consequências. E o governador vai estar ao lado do policial no momento de qualquer atitude que tenha”, declarou Índio.

É a primeira vez que Índio disputa o governo do estado. Em 2016, ele ficou em quinto lugar na disputa pela Prefeitura do Rio de Janeiro, com 9% dos votos válidos. No 2º turno, apoiou Crivella.

12 thoughts on ““Antes só do que mal acompanhado”, diz Índio da Costa, esnobando Crivella

  1. Para a prefeitura parecia ser o candidato mais consistente mas fez péssima campanha. Para o estado ninguém sabe quem é Indio da Costa.

  2. Temos que acabar com isto, como não sei.
    O pilantra faz parte do legislativo, se candidata ao executivo, se perder volta para o cargo.

    Malandragem oficial.
    Quer se candidatar, tudo bem, porém se perder, vá catar coquinhos.

    Virou um verdadeiro mercado de interesses….

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *