Autênticas, textuais e entre aspas

Helio Costa, Ministro da Globo no “governo” de Lula: “Sou candidato a governador de Minas. Se o PMDB não me der legenda, por exigência do PT, não disputarei cargo algum”.

Parece um garoto mimado e briguento, que contrariado, diz, “não brinco mais”. As coisas são realmente surrealistas. Helio Costa é Ministro indicado pelo PMDB. E nomeado pelo governo do PT. Como pode ser vetado, embora seja dos piores ministros?

No Piauí, Mão Santa, que é do PMDB não subserviente ao PT, recebeu a comunicação oficial do “seu” PMDB: “Por exigência do PT, não podemos te dar legenda para a reeleição”. Sempre, mas sempre mesmo, os senadores se candidatavam a governador ou se reelegiam no Senado. Mudou mesmo, ou melhor, mudou muito.

Tudo isso pela necessidade de muitos palanques para Dona Dilma. (Que não é candidata. Se for, não ganha nem chega ao segundo turno. Mas continua “PACeirando” os mais diversos partidos).

No Rio Grande do Sul, as coisas se complicaram. Tarso Genro, candidato a governador pelo PT, me disse: “Sou candidato e não vou esperar o prazo de desincompatibilização, sairei antes”. Sairá mesmo.

E como montar um “palanque” com o PMDB? Este tem dois candidatos a governador: Germano Rigotto (que já ocupou o cargo e se lançou apressadamente a presidente) e José Fogaça. Este, então, não quer nada com o PT. Já foi senador, prefeito de Porto Alegre, reeleito, quer continuar a carreira, o normal é governar o estado.

Rigotto já aceitou, disputará (vencerá) uma vaga no Senado. Sergio Zambiasi, eleito com grande votação, não quer mais o cargo. Voltará a ser radialista popularíssimo.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *