Bolsonaro, Ciro ou Haddad – um dos três será presidente da República

Resultado de imagem para bolsonaro. ciro e haddad

Pela primeira vez nas últimas eleições, o PSDB está fora

Pedro do Coutto

A pesquisa do Datafolha, publicada sexta-feira, dia 14, em O Globo e na Folha de Sã Paulo, revela uma tendência bem firme, a três semanas das eleições. Bolsonaro subiu, Haddad também e Ciro Gomes manteve o mesmo índice da pesquisa anterior. Vemos assim 26 para Bolsonaro, Ciro 13 e Haddad também 13. Mas o aspecto mais importante desta pesquisa é que os demais candidatos não conseguiram avançar, sendo que Geraldo Alckmin recuou. Falando em recuo, o maior deles foi o de Marina Silva: desceu de 16 para 8%.

O quadro se refere a duas pesquisas: uma realizada a 21 de agosto e outra agora, nos dias 13 e 14 de setembro. Nenhum outro candidato despertou entusiasmo junto ao eleitorado. Tanto é assim que o número dos dispostos a anular o voto ou votar em branco caiu sensivelmente.

BRANCO OU NULO – As intenções de voto no sentido do sufrágio branco ou nulo foram absorvidas por Bolsonaro e Fernando Haddad. Aliás, foram os dois que avançaram. Ciro, embora esteja no páreo, permaneceu no lugar que já estava. Mas seus eleitores manifestaram confiança na sua possibilidade de avançar, caso contrário ele em vez de ficar estacionado, teria descido vários degraus, como aconteceu com Marina Silva, principalmente, e Geraldo Alckmin, que não está demonstrando forte presença na campanha, embora possua maior tempo de exposição na TV e no rádio.

Não é uma questão de marketing, pois marketing só não resolve. Tem que refletir a disposição do candidato e sobretudo pontos concretos em sua plataforma. Caso contrário, as mensagens se igualam na generalidade, não transmitindo a sensação de algo de novo capaz de abrir a esperança dos eleitores e eleitoras.

MESMOS DESEJOS – Este é um ângulo essencial das campanhas políticas. Todas as pessoas são a favor de maior poder de compra, segurança, educação, saúde e melhor transporte.  Essas manifestações igualam as candidaturas. Por isso os que vão votar a 7 e 28 de outubro não recebem uma prova evidente de que tais ideias são para valer.

Mesmo que, no fundo, não sejam para valer, têm que ser convincentes e ao mesmo tempo deslocarem o ânimo dos eleitores para um estágio de maior emoção. Por esse fato é que nas campanhas em busca do voto uns candidatos se destacam em relação aos outros.

SENTIMENTO – A emoção, em grande parte, adiciona-se à razão lógica. Por isso é que os candidatos necessitam acender a chama do sentimento de cada eleitor.

A fase em que nos encontramos, a três semanas das eleições, desloca de forma ponderável o esforço político para uma espécie de competição esportiva.

Um dia Juscelino Kubitschek me disse numa entrevista ao “Correio da Manhã”: o candidato só se sente forte se for capaz de provocar o grito com seu nome nas ruas e praças do Brasil.

11 thoughts on “Bolsonaro, Ciro ou Haddad – um dos três será presidente da República

  1. Pelo andar da carruagem, pode rolar um segundo turno até entre CIRO X HADDAD, que será o pior dos mundos para os golpista$ de 2016, ou castigo em dose dupla para os mesmos. Já cantamos essa bola aqui antes, em primeiríssima mão. Se bem conhecemos a mentalidade desse povo que opera o $istema, Ciro não tira votos de Haddad, mas tira votos do Bolsonaro face ao antipetismo muito forte na direita e que faz qualquer coisa para matar o PT e que, desta feita, perdido pelo golpe, pode usar até Ciro, ex-ARENA, como bala de prata para essa finalidade, sendo sintomática a presença de Katia Abreu na chapa, até porque na reta final, no segundo turno, Bolsonaro perde até para o Boulos, face ao antimilitarismo na política que é muito mais forte do que o antipetismo no conjunto da sociedade, com o militarismo político assim entrando na muda outra vez e tirando o dele da reta.

  2. MERVAL MEXENDO NA HISTÓRIA – Bolsonaro perde sem margem de dúvidas para Ciro Gomes, mas já está empatado tecnicamente com os demais candidatos. Para quem perdia de todo mundo no começo da campanha, é um grande avanço já ser competitivo contra a maioria de seus adversários.

    O líder trabalhista Leonel Brizola morreu certo de que houve um complô contra ele para colocar Lula no segundo turno, que seria um adversário mais fácil de ser batido por Collor. Bolsonaro, que lidera a pesquisa eleitoral desde sempre quando Lula não aparece, está se tornando competitivo no segundo turno, e mais uma vez um pedetista considera-se a melhor opção para vencer a direita. http://www.tribunadainternet.com.br/haddad-e-ciro-se-distanciam/

    MANOBRANDO PESQUISA: O sistema enche balão de Haddad temendo Ciro, como inflou Lula contra Brizola. Quem não vê? No mesmo dia em que o Datafolha divulga pesquisa apontando “empate técnico” com seu oponente no campo democrático e popular, Ciro Gomes, Fernando Haddad mudou o nome de um programa copiado há algumas semanas do presidenciável pedetista obtendo com isto generosas manchetes da grande imprensa. O fato curioso é que a pesquisa enquadra Ciro e Haddad nos 13% (número da sigla petista) em sondagem de primeiro turno e pela primeira vez o petista “vence” (com só 1% acima) um hipotético segundo turno contra Jair Bolsonaro. Há ou não manobra demais nesse jogo? https://oglobo.globo.com/brasil/haddad-altera-plano-de-governo-do-pt-assume-programa-defendido-por-ciro-23068838

    A pesquisa espontânea Datafolha, na qual o entrevistado é abordado com uma pergunta – “Em quem você votará para presidente?” – sem indução como fazem na estimulada, as chances de Ciro Gomes chegar ao segundo turno e vencer as eleições são mais evidentes e maiores do que encobrem nesse joguete de ‘empates técnicos’ ou manchetes diluídas pelos fatos. http://www.tribunadainternet.com.br/indecisos-brancos-e-nulos-continuam-vencendo-a-eleicao-com-mais-de-50/

    MANCHETE DA FOLHA DEPRECIA A PRÓPRIA NOTÍCIA: O candidato do PDT avançou inicialmente sobre territórios tradicionalmente petistas, consolidando um desempenho razoável no Nordeste e no eleitorado mais pobre. Agora ele se descola de Haddad nas demais fatias da população. Nas últimas semanas Ciro cresceu quatro pontos e chegou a 14% entre eleitores com curso superior. Haddad oscilou um ponto pra cima, chegando a 10%. Haddad aposta na força de Lula no Nordeste para crescer nas semanas que restam até as eleições, mas Ciro que foi governador do Ceará será um obstáculo: O pedetista ganhou seis pontos na região e chegou a 20%, contra 13% de Haddad. www1.folha.uol.com.br/poder/2018/09/ciro-cresce-na-classe-media-e-haddad-avanca-entre-os-mais-pobres.shtml

  3. os candidatos apresentados na pesquisa não me agradam.
    Vendo as ultimas pesquisas observei que eliminando os primeiros colocados, tão divulgados nos meios de comunicação, aparecem candidatos que mereciam ser destaques na mídia.

    Acho.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *