Bolsonaro deflagra campanha para 2022 e já encara João Dória como adversário

Resultado de imagem para bolsonaro reeleição  CHARGES

Bolsonaro já está em plena campanha para a reeleição em 2020

Pedro do Coutto

Noite de segunda-feira em jantar na mansão do empresário Paulo Marinho, o presidente Jair Bolsonaro deflagrou antecipadamente o debate pela sucessão de 2022, afirmando-se como candidato a reeleição e acentuando, ao mesmo tempo, que terá como adversário o governador João Dória.

Disse o presidente da República aos jornalistas: “Dória deve se preocupar mais com o Brasil do que apenas com São Paulo”.

FÓRMULA UM – Reportagens de Daniel Gullino e Gustavo Maia, O Globo, e de Renata Agostini, O Estado de São Paulo, focalizaram a reunião que se destinou a trazer de volta para o Rio a Fórmula 1 no ano de 2021. A competição deixaria de se realizar em Interlagos, São Paulo. Daí porque esteve presente Chase Carey, diretor executivo da Fórmula 1.

O governador Wilson Witzel participou do jantar e apoiou a mudança. O prefeito Marcelo Crivela não estava na lista de convidados de Paulo Marinho, que é suplente do senador Flávio Bolsonaro.

A arrancada do presidente da República, como acontece invariavelmente na política, produzirá diversos reflexos. Um deles a reforma previdenciária, outro a reforma tributária. A Câmara Federal empenha-se em se tornar responsável pelo menos por grande parte das duas reformas.

DECRETO DAS ARMAS – O amanhecer das eleições de 2022 começou a influir no próprio presidente da República. Ele revogou o decreto que ampliava em larga escala a posse e o porte de armas no país. Com isso retirou de sua preocupação uma derrota no Supremo e outra no Senado. A matéria, sai, portanto, das pautas do STF e da Câmara alta.

Mas os reflexos não terminam aí. Rodrigo Maia é mais um concorrente em potencial à sucessão presidencial. Sendo assim, na verdade ele não tem interesse na vitória do projeto do governo. Pelo contrário. Votará por uma reforma, mas aquela que resultar do texto elaborado pela própria Câmara dos Deputados.

Aliás, vale frisar que o presidente da Casa já se mostra favorável aos substitutivos das duas reformas. É fundamental observar que os dois projetos interessam profundamente à mão de obra ativa do país, hoje na escala de 110 milhões de pessoas. Mas há também 32 milhões de aposentados do INSS, além dos aposentados e pensionistas do funcionalismo federal. Ainda persiste a dúvida se a reforma da Previdência vai se estender ou não aos estados e municípios.

SUBSTITUTIVOS – Rodrigo Maia sem dúvida incentivou que as Comissões Técnicas elaborem substitutivos capazes de fazer com que a aprovação das matérias se tornem aceitáveis pela população. Na dança de interesses, pelo que sinto, está se verificando um afastamento gradativo do Ministro Paulo Guedes de toda a movimentação em torno dos projetos do Governo.

O retraimento forçado de Paulo Guedes e as candidaturas de João Dória e Rodrigo Maia, além da tentativa de reeleição de Bolsonaro jogaram para cima as articulações políticas na busca de consequências eleitorais.

O amanhecer da sucessão surgiu no horizonte de Brasília muito mais rapidamente do que se poderia presumir.

12 thoughts on “Bolsonaro deflagra campanha para 2022 e já encara João Dória como adversário

  1. Falando em conto do vigário, falando em construir pista de F1 onde só se chega a cavalo, mas dá pra superfaturar e roubar horrores, eis que damos de cara com os maiores vigaristas da atualiddade: Doriana e Bozolado….

    É um crime que o Brasil se auto impõe…..

    • 6 meses de derrotas seguidas no governo e fala em reeleição? A macumba deve ser braba mesmo….

      Esses dois artistas de circo, bozó e doriana, não valem o que comem, não passam de um cancer que assola a politica brasileira.
      E se dizem escrupulosos, tradicionais, de pudor….
      O Brasil afundando e esses canalhas peidando campanha eleitoral.
      Não há como a avançar com esse tipo de gentalha.

  2. CONTRA GOLPISMOS — O presidenciável Ciro Gomes (PDT) declarou em entrevista nesta terça-feira (25), na rádio Jovem Pan de São Paulo, acreditar que o presidente Jair Bolsonaro não encerra o mandato. Ressaltou, porém, que ele e a legenda brizolista não focam no impeachment: “Quem falar ‘fora Bolsonaro’ não conta comigo”. https://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/agencia-estado/2019/06/25/nao-creio-que-bolsonaro-termine-mandato-mas-sou-contra-impeachment-diz-ciro.htm?cmpid=copiaecola

  3. Seis meses de governo, Bolsonaro, não deu o ar da graça, seu principal projeto pelo qual vem lutando é armar a classe média alta, isto porque o tralhador que tem salário baixo não tem condições de comprar uma arma e enfrentar a burocracia para posse, ou porte de arma.
    É um erro Bolsonaro com seis meses de governo cheio de contradições e esculhambação insinuar que vai ser candidato em 2022.
    O presidente que quer ser reeleito procura fazer um bom governo e um ano antes das eleições lançar sua candidatura. Naturalmente, Bolsonaro conta com os votos certos dos evangélicos, mas isso não é suficiente.
    Bolsonaro não vai mudar sua mentalidade política de direita radical, em que vê o Brasil infestado de comunistas e que o
    PT representa a esquerda, vai continuar governando com ideologia e certamente a tendência é um desgaste maior.
    Bolsonaro se fosse mesmo patriota
    acabaria com a famigerada reeleição que só gerou corrupção e prejuízo ao Brasil.

  4. Seis meses e zero produção. Falar em reeleição, alguém que procura demonstrar emoção diante dos símbolos pátrios, torna-se, no mínimo, muito desapontador e desalentador. No trotar dos muares, Doria irá saboreá-los com farofa, uma vez que ao fritar todos aqueles que são ou lhe foram próximos, o presidente ora neo-candidato produzirá um grande deserto de apoiadores, além de posar para a mira dos franco-atiradores camuflados nos plenários do congresso. Muito antes, com o naufrágio da tentativa de reeleição de Trump, os balões irá murchar ao vento.

  5. Há muito que os políticos brasileiros só se preocupam com a próxima eleição e esquecem do país. O mal não é só do Bolsonaro. Não se dão conta de que priorizar os problemas nacionais é o que seria necessário para ganhar eleições. Preferem se ocupar apenas, e às custas da população, desse tolo “Game of Thrones” que pode acabar tão mal quanto o original da HBO.

  6. Boa noite , leitores(as):

    Senhores Pedro do Coutto e Carlos Newton , o que o Presidente da República Jair Messias Bolsonaro , fez e mostrou até agora além de , INTRIGAS , FALTA DE RESPEITO COM SEU VICE-PRESIDENTE , MINISTROS e AUXILIARES e Privatização da ” PREVIDÊNCIA SOCIAL PÚBLICA ” e nada fez para ao menos para estabilizar o desemprego do povo Brasileiro , para postular precocemente um segundo mantado ?

Deixe uma resposta para Antonio Rocha Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *