Bolsonaro e Haddad são dois personagens perdidos numa eleição suja

Resultado de imagem para bolsonaro e haddad

Ilustração reproduzida do Arquivo Google

Carlos Newton

A campanha chega ao fim e pouco se sabe sobre os objetivos de cada candidato, na eleição mais suja e manipulada dos últimos tempos, que espantaria até o genial dramaturgo e ator Plínio Marcos, que gostava de conviver com as pessoas nas ruas e tinha exata noção do que pensa o povo, como é denominada aquela faixa da população abaixo da classe média. Como é maioria, o povo acaba decidindo a eleição, e não adianta mais tentar enganá-lo, porque hoje ele usa celular e whatsapp, troca informações o tempo todo e tem muito mais noção das coisas do que antigamente.

No metrô, no ônibus e nas ruas, quando eu via aquelas pessoas de cabeça baixa, mexendo nos celulares, pensava que era uma legião de imbecis, mas estava errando. Na verdade, ao trocar mensagens incessantemente, eles estão deixando de ser imbecis, eis minha conclusão.

EXEMPLOS – Jair Bolsonaro (PSL), Romeu Zema (Novo), Wilson Witzel (PSC) e outros fenômenos que surgiram nesses eleições tinham tudo para serem derrotados, porque seus partidos são nanicos e receberam minúsculas verbas do Fundo Eleitoral. Para complicar, também não tinham espaço na propaganda do rádio e TV, o quadro era desanimador para todos eles, mas foram em frente.

O caso de Bolsonaro é todo especial, porque ele não tinha legenda. Era filiado ao PP há anos, mas sabia que o partido não aceitaria sua candidatura. Migrou para o PSC criado pelo pastor Everaldo Dias Ferreira, que o batizou nas águas turvas do Rio Jordão, mas o dono do partido também não quis lhe dar legenda. Abandonado, Bolsonaro assinou um compromisso de filiação ao PEN, que trocou de nome para Patriotas, mas o candidato acabou desistindo. Na undécima hora, conseguiu fechar filiação no PSL, embora seu nome dividisse o partido.

Seis meses depois, se arrependimento matasse, estaríamos no velório conjunto do PP, do PSC e do Patriotas, que perderam a chance de crescer de uma hora para a outra.

FALA O POVO – A eleição dos outsiders , incluindo Bolsonaro, que não é considerado um “político profissional”, foi toda tramada nos celulares, por quem já cansou da chamada classe política e declarou temporada de caça às velhas raposas.

Já praticamente eleito, Bolsonaro sabe que precisa desesperadamente ter maioria folgada no Congresso. Para formar a base aliada, está se compondo com o Centro, que sabe se contorcer para se amoldar ao governo, digamos, a qualquer governo.

Ao contrário do que dizem, Bolsonaro não vai perseguir nem torturar ninguém. O tempo é curto e o novo presidente vai sofrer muito para tentar solução aos grandes problemas nacionais. Pode até se arrepender de ter se tornado presidente.

###
P.S. 1
Nos últimos 28 anos, Bolsonaro teve uma vida de sonhos. Pouco trabalho na Câmara, facilidade de se reeleger, nem fazia campanha. Arranjou emprego para as mulheres e os filhos na política, a família enriqueceu e ele resolveu ser presidente.  

P.S. 2Os problemas são tantos que é preciso muita coragem para enfrentá-los. Os governos federais, estaduais e municipais estão pré-falidos. O Brasil é um país exaurido pela classe política. Aqui no Rio de Janeiro, depois da Copa e da Olimpíada, a cidade está falida. O legado do irresponsável e corrupto Eduardo Paes é tenebroso, mas poucas pessoas têm a exata noção do mal que ele fez à cidade. Mas logo todos saberão, quando acabarem as auditorias em curso. (C.N.)

46 thoughts on “Bolsonaro e Haddad são dois personagens perdidos numa eleição suja

  1. Bolsonaro é o que temos para hoje! Agora só ele afasta a ameaça do retorno ao poder por parte da quadrilha lulopetista.

    Sendo eleito, terá total legitimidade para governar. E ninguém governa sozinho. Terá instituições sólidas e com bons níveis de eficiência para apoiá-lo. Aprenderá também a dialogar com os outros poderes.

    Ninguém nasce presidente da república! Cada qual vai aprendendo, dia após dia, a exercer tão nobre função.

    Eu confio que ele terá inúmeras chances de começar a recolocação deste país nos trilhos.

    Os muitos anos de quadrilha lulopetista no poder fizeram um estrago incalculável no Brasil. Mas a reconstrução é possível e viável.

    • Tenho dúvida sobre a afirmação do redator sobre a fortuna do Bolsonaro. Duvido muito da tal fortuna. É aceitável que depois de 20 anos na vida política ele tenha amealhado alguns milhões. Leve em conta a idade em que ele está. Até eu que vivo de carpintar pude comprar minha casinha pra viver. Por que não ele?
      Os que roubaram ainda o atacam como se ele fosse um Silvério dos Reis. Isso não é justo, especialmente vindo de um homem isento como diz ser o nosso digníssimo e amado readator.
      Vou repetir um dito do Mandela: “May your choices reflect your hopes, not your fears.” (Decida de tal modo que seus objetivos sempre reflitam suas esperanças, não seus temores).

  2. Estamos começando do zero.
    Vamos acompanhar (nossos cidadãos). Governador: Começou fazer uma ponte e nunca terminou, escolas e nunca terminou. Ou seja, cada obra não terminada teria uma pontuação como na nossa carteira de habilitação. Atingiu determinado pontos: cassação. Uma ponte 10 pontos, uma escola 20 pontos…E assim sucessivamente. Seria automático no TSE. Não necessitaria passar pelas câmaras respectivas. São provas irrefutáveis. O cidadão é e são os avaliadores. Com isto temos o acompanhamento diuturnamente de todos.
    Acredito que seremos um país melhor e participativo.
    Pontuação no TSE – Jair se acostumando.

  3. Poucos discordam de que Bolsonaro já deveria estar eleito, não fosse as urnas do TSE, Raquel Dodge, STF, Temer, caciques dos grandes partidos, Lula, FHC e etc. Sua ascensão derrubou estigmas que só a classe de péssima índole e seus vassalos, seja na mídia, nas instituições politicamente mobiliadas, consideravam necessários. Sem campanha milionária, sem se vender para conseguir tempo de televisão, aglutinando um imenso número de partidos em troca de favores, sem considerar a sutil, mas verdadeira, tentativa de influência das agências de pesquisa que muitas vezes influenciam os eleitores ao invés de dar a sociedade um quadro exato de como o povo vem se posicionando em relação aos candidatos. Bolsonaro mostrou que o povo está decidido desde o início e isso não pode ser mudado com artifícios e pirotecnia. Único candidato a presidente, depois de muitas eleições, que sofreu um ataque direto contra a sua vida. Lembrando que no Brasil, ninguém, por por que fosse jamais recebeu tamanha dose de hostilidade. As investigações continuam e com as descobertas, aumenta-se a proteção de seguranças à figura do presidenciável. O que encontra similaridade, quando juízes verdadeiramente isentos e éticos, batem de frente com o crime organizado, tendo muitas vezes que dormir no próprio tribunal para não serem executados. Não há outra saída para o Brasil. O povo e todos são testemunha de como é difícil e quantas barreiras o sistema vem impondo contra a eleição de alguém não aceito pelo mesmo sistema. A eleição de alguém neste país não pode ser isso ou chegará a hora em que o sistema tomará a eleição para si e decidirá sozinho quem se elege ou não no Brasil. Haddad representa o retorno triunfante de tudo por que o povo mais lutou para se ver livre, representa jogar por terra todo suor gasto por horas e horas nas ruas, desde junho de 2013, todo extenuante esforço gasto para lutar contra o sistema e prender gente que sempre se achou acima da justiça do país, acima das leis. Nosso povo luta por usa identidade, mas encontra sempre a barreira dos interesses dos maus. O povo precisa ser mais forte e sobrepor essa barreira para merecer seu futuro.

  4. Começou o mimimi dos bolsos…
    Quem apoia tortura não é gente !
    Perseguidor de minorias,racista, cafajeste sem preparo, péssimo militar,falso moralista,linguajar chulo etc…
    Fascista NÃO !

    • Ah, mortadela…

      Nenhum candidato é perfeito, sempre falta alguma coisa:
      -Para Ciro falta controle;
      -Para Marina falta competência;
      -Para Haddad falta honestidade;
      -Para BOLSONARO faltam 3 dias!!
      #B17

      TIC TAC TIC TAC !

    • O PT apoiou 7 (sete) ditaduras: Congo, Cuba, Venezuela, Zimbabue, Angola, Guiné Equatorial e Gabão.
      No entanto, o Bolsonaro é fascista, perseguidor de minorias, racista, cafajeste sem preparo, péssimo militar, falso moralista, linguajar chulo etc e, sobretudo quem ameaça a incipiente democracia brasileira?
      Quanta DESFAÇATEZ!

  5. CN, quando fiz o comentário abaixo em outro post veio logo um comentarista responder o meu comentário, é um direito dele e eu sempre defendo o direito de qualquer pessoa.
    Veremos se o candidato irá respeitar os direitos do trabalhador, caso seja eleito?

    O seu P.S.1 é perfeito, entretanto o “povão” não sabe disso e muito menos da avalanche de retirada de direitos.

    Eu nunca vi nenhum candidato oferecer uma moita de capim aos eleitores do seu concorrente,
    eu nunca vi um candidato pegar um tripé de uma câmera fingir que é um fuzil e dizer que é para fuzilar a petralhada.

    https://www.youtube.com/watch?v=KKeJn6HgEdc

    https://www.youtube.com/watch?v=jcBmypbsmjk

    Não é digno um candidato a presidente do Brasil falar coisas tão inadequadas.
    Mesmo sendo bravatas, falou e ponto.

    “As pessoas mais humildes que votarão em Bolsonaro não tem a mínima ideia do programa de governo dele. Principalmente no tocante ao que serão prejudicados.

    E os outros não sabem explicar direito porque votarão, dizem apenas que precisamos mudar, e que se ele errar “a gente tira ele”, ah inocentes.

    Mudar com essa turma aí….”

      • Este não é míope e sim cego por opção. O pior cego é aquele que não quer enxergar. Repete o mesmo mantra petista não mostra nenhuma proposta do candidato dele e sabe por quê? Porque o PT não tem propostas, nenhuma!

        • 1- Transposição do Rio São Francisco.

          2- Criação de centenas de escolas técnicas.

          3- Criação de 14 Universidades públicas.

          4- Minha casa minha vida para milhões de brasileiros.

          5- Programa LUZ para todos.

          6- Acabar com a reforma trabalhista que não gerou emprego.

          7- Água para todos com a construção de milhares de cisternas.

          8- Farmácia popular

          9- Reservas cambiais 380 bilhões de dólares.

          10- Aumento do poder de compra do salário mínimo.

          11- Prouni e Pronatec

          Agora procure que você vai achar muito mais. Com sua visão de superman.

          Um bom dia.

          • Agora ficou cego de vez! Nem com óculos, binóculo, luneta ou telescópio! Ainda enxerga moita de capim e nem viu que o cara da carroça estava em outro vídeo, com camisa petista! Cadê o oftalmo?

  6. Se a moda é dizer não ao NAZIFASCISMO, o primeiro a ser extirpado da vida pública é o próprio PT.
    É o único partido brasileiro que possui um FÜHRER, nos moldes do velho Adolf Hitler, e que só mandou inscrever o “Andrade”, quando não mais havia a possibilidade do próprio ser o candidato.
    Práticas nazistas são as adotadas pelo petismo, como trancamento de ruas, invasão de terras, depredação de prédio públicos, e por ai vai.
    Querer enquadrar como nazifascistas as atitudes de um indivíduo, que não comunga com práticas populistas e também nega as “origens divinas” do endeusado e encarcerado, isto sim é atitude comprometedora da democracia, de que tanto juram defender.
    O velho ditado bíblico do ” diga-me com quem andas, que eu te direi quem és”, não deixa nenhuma dúvida, partido com tendencia ao totalitarismo é o PT, afinal o petismo não é chegado em ditaduras pelo mundo afora?
    Então não venham “vaticinar” autoritarismo em um possível governo Bolsonaro.
    O que o povo deseja é um presidente que exerça a sua autoridade dentro da lei, e não um covarde de plantão.

    • Podemos observar na esquerda política algumas características comuns ao nazismo, a saber: a esquerda odeia Israel assim como os nazistas odeiam judeus. A esquerda é a favor do desarmamento do mesmo modo que Hitler instituiu o estatuto do desarmamento da população na Alemanha. A esquerda quer controlar os meios de comunicação, tal como os nazistas controlavam a imprensa. A esquerda tem hábito de fazer aliança com ditaduras ou ter simpatia com regimes muçulmanos, agindo de modo semelhante ao governo nazista e sua aliança com a Itália de Mussolini e a aproximação às lideranças muçulmanas no Oriente Médio. Enfim, se existe alguém que poderia ser comparado a um nazista, provavelmente este alguém seria um esquerdista, pois Hitler também era a favor da supressão da identidade individual em prol da identidade de uma classe dominante do Estado, assim como os esquerdistas defendem a identidade de governo controlado pela classe do proletariado.

  7. Bom, prá começo de conversa, alerto sobre a minha previsão se Haddad vencer as eleições no domingo:
    Ele não assume!

    Eu poderia dizer que Haddad representa o mal.
    – Que mal é este?
    TODOS!

    Desde um brutal retrocesso como país e povo, quanto entregar de bandeja para ladrões a nação brasileira!

    Podem acusar falsamente Bolsonaro de fascista, nazista, machista, racista … pois o deputado não teve um dia como governante, logo, rótulos dados por idiotas e imbecis.

    No entanto, em se tratando de petistas, a verdade é uma só:
    ORGANIZAÇÃO CRIMINOSA!

    Não há como de sã consciência votar no representante de Lula, que irá indultá-lo, colocá-lo em algum ministério, e será quem nos governará, um ladrão e genocida!

    Perdemos o orgulho?
    A dignidade não vale mais nada?
    Esta é a preocupação nossa com o nosso futuro?!

    Haddad no poder, e o Brasil estará arruinado em definitivo em menos de um ano!
    Repetiremos a Albânia, quando a sua moeda não valia um tostão furado, e os albaneses ficaram sem dinheiro, o país havia quebrado!

    Haddad será o roubo mais uma vez instituído;
    estatais assaltadas;
    fundos de pensão explorados;
    obras superfaturadas;
    ministros metendo a mão no orçamento de suas pastas;
    ministros da Fazenda sendo presos por corrupção;
    novos escândalos;
    desemprego;
    inadimplência;
    juros extorsivos;
    os bancos terão o retorno do melhor período de suas histórias, onde os lucros eram absurdos;
    violência, que aumentará e ficará incontrolável;
    aborto liberado;
    drogas liberadas;
    educação continuará sendo medíocre;
    saúde insuficiente para atender a demanda;
    mais médicos cubanos, e mais dinheiro para Cuba;
    Zé Dirceu ministro;
    Dilma ministra;
    Paulo Bernardo, corno e ladrão, ministro;
    Lewandowski, Mendes e Toffoli, irão se transformar nos nossos três Reis Magos!

    Votar no Haddad é quem se identifica com a desonestidade, a corrupção, quem elege o bandido como herói.

    Justamente pelo que citei acima, Haddad não pode assumir, caso seja eleito.

    Não há como chamar de Excelência o ladrão, o criminoso, o estelionatário, o genocida!!!

    Não há como um canalha e inescrupuloso, com vários inquéritos contra si porque corrupto, ser presidente e ter ainda por cima seguranças!

    Não é possível que mais uma vez permitiremos que os dirigentes petistas se lambuzem em roubar o dinheiro do povo e se tornem bilionários, na razão inversamente proporcional do quanto o cidadão empobrece!

    Haddad no poder, e o Brasil será definitivamente partido ao meio!

    Teremos poderosos movimentos separatistas, surgindo o país para os petistas transformá-lo em parque de Diversões, e a nação para os brasileiros legítimos, que querem trabalhar, se desenvolver, progredir, viver em paz e ter um futuro radiante!

    • Impedir que um ladrão assalte a sua casa é golpe? Derrubar o Maduro é golpe? Impedir que uma quadrilha assuma o poder do país pode ser chamado de golpe? Melhor defini o qu é golpe.

  8. Caríssimo dr. Belem,

    GOLPE será a vitória de Haddad!

    O Brasil seria visto e analisado pelos mais brilhantes psicanalistas e psiquiatras do mundo, pois seremos reconhecidos como a nação que perdeu para si mesma!!!

    Mais ou menos como depois de eu ser assaltado, reconhecer o ladrão na rua, e convidá-lo para ir à minha casa almoçar comigo e minha família!

    Pois quem votará em Haddad estará mais uma vez dando a chave da sua casa para o ladrão, que já a roubou várias vezes!!!

    Abraços.

  9. O povo brasileiro mais uma vez fará o tal “jeitinho” resolver a situação, e elegerá o capitão, tirando da esquerda a possibilidade de acabar com o pais.
    Até o desacreditado IBOPE da vitória para o Bolsonaro.
    Na folha de São Paulo, parece que já começou a “guerra civil”, com apedrejamentos mútuos.

  10. Dilma e Lula já proferiram coisas muito mais estúpidas e ofensivas, mas depende do filtro de quem escuta considerar isso relevante ou não. O que disseram viralizou na net e “não lembra” quem não quer. Na verdade, disseram, fizeram e já estavam no cargo de presidente da República, e aí sim, nada se poderia fazer. Lula está preso de Dilma só continua inelegível pela justiça do eleitor, não a do STF. Esse país é um só e não podemos ter gente que só pensa com um lado da cabeça, o lado da esquerda. Quanto ao racista que elegeu o deputado negro mais votado, reproduzo uma frase que não pode ser atribuída a Lenin, mas também não há provas do contrário. “Acuse os adversários do que você faz, chame-os do que você é”.

  11. O ego de Lula
    O Estado de S. Paulo, 25 de outubro de 2018

    Lula não consegue soar democrático nem quando isso poderia favorecer o campo petista. Sua carta é uma reafirmação das mistificações que fazem de Lula um dos demagogos mais perniciosos da história nacional.
    Por mais que o PT tenha se esforçado para fingir que seu candidato à Presidência, Fernando Haddad, não é um mero preposto de Lula da Silva, há algo que nenhum truque de marketing será capaz de mudar: o PT sempre foi e continuará a ser infinitas vezes menor do que o ego de Lula. Na reta final da campanha eleitoral, justamente no momento em que Haddad mais se empenha para buscar apoio fora da seita lulopetista, o demiurgo de Garanhuns, decerto inquieto na cela em que cumpre pena por corrupção, resolveu divulgar uma carta para exigir – a palavra adequada é essa – que todos reconheçam a inigualável grandeza de seu legado como governante e que votem no seu fantoche se estiverem realmente interessados em salvar a democracia brasileira, supostamente ameaçada pelos “fascistas”.
    O tom da mensagem é o exato oposto do que seria recomendável para quem se diz interessado em angariar a simpatia daqueles que, embora não tenham a menor inclinação para votar em Jair Bolsonaro (PSL) para presidente, tampouco gostariam de ver o PT voltar ao poder. Para esses eleitores, somente se o PT reconhecesse, de maneira honesta e sem adversativas, seu papel preponderante na ruína econômica, política e moral do Brasil nos últimos anos, cujos frutos mais amargos foram o empobrecimento do País e a desmoralização da política, talvez houvesse alguma chance de mudar de ideia. Mas isso é impossível, em se tratando de Lula da Silva, que se considera o mais importante brasileiro vivo e o maior líder que este país jamais terá.
    Na carta em que diz que “é o momento de unir o povo, os democratas, todos e todas em torno da candidatura de Fernando Haddad, para retomar o projeto de desenvolvimento com inclusão social e defender a opção do Brasil pela democracia”, Lula não reserva uma única vírgula ao desastre econômico do governo de Dilma Rousseff, outra de suas inesquecíveis criações. Ao contrário: afirma que Dilma sofreu impeachment em razão de uma imensa conspiração de “interesses poderosos dentro e fora do País”, incluindo “todas as forças da imprensa” e “setores parciais do Judiciário”, para “associar o PT à corrupção” – omitindo escandalosamente o fato de que Dilma foi cassada exclusivamente por ter fraudado as contas públicas com truques contábeis e pedaladas. O petrolão, embora tenha sido motivo mais que suficiente para que o PT fosse defenestrado do poder para nunca mais voltar, não foi levado em conta no processo.
    Como jamais teve compromisso real com a democracia – que pressupõe respeito a quem tem opinião divergente, para que seja possível o consenso – e também nunca reconheceu a legitimidade de nenhum governo que não fosse o seu ou de seus títeres, Lula não consegue soar democrático nem quando isso poderia favorecer o campo petista. A carta, ao contrário, é uma reafirmação de todas as mistificações que fazem de Lula um dos demagogos mais perniciosos da história nacional.
    Lá estão as patranhas que tanto colaboraram para fazer do antipetismo um movimento tão sólido e vibrante, conforme atestam as pesquisas de opinião. Lula, sempre no plural majestático, diz que “fizemos o melhor para o Brasil e para o nosso povo” e por isso “tentam destruir nossa imagem, reescrever a história, apagar a memória do povo”. O sujeito desse complô, claro, é indeterminado, mas unido no que Lula chamou de “ódio contra o PT”. Tudo porque, diz Lula, “tiramos 36 milhões de pessoas da miséria”, porque “promovemos o maior ciclo de desenvolvimento econômico com inclusão social”, porque “fizemos uma revolução silenciosa no Nordeste” e porque “abrimos as portas do Palácio do Planalto aos pobres, aos negros, às mulheres, ao povo LGBTI, aos sem-teto, aos sem-terra, aos hansenianos, aos quilombolas, a todos e todas que foram discriminados e esquecidos ao longo de séculos”. Nada mais, nada menos.
    Esse panegírico só serve para mostrar que Lula é mesmo incorrigível – e que seu arrogante apelo para “votar em Fernando Haddad” e assim “defender o estado democrático de direito” contra a “ameaça fascista que paira sobre o Brasil” não vale o papel em que está escrito.

  12. A diferença entre os dois é que um, como todos nós, pode estar doente, mas isto é normal. Pega-se uma gripe e a cura. Erra-se em alguma atitude, reconhece isso e procura-se consertar.
    Já, o outro é doentio.
    Na sanha pelo poder essa gente da qual haddad faz parte já mostrou a que veio desde a falida URSS, que o próprio haddad elogiava, até os dias de hoje com ainda Cuba e Coreia do Norte e a Venezuela agora que a copiou.

    ….”Suspeita-se dos espertos,dos velhacos; dos farsantes; no entanto , não poderíamos atribuir-lhes nenhuma das grandes convulsões da história; não acreditando em nada, não vasculham nossos corações, nem nossos pensamentos mais íntimos; abandonam-nos à nossa indolência, ao nosso desespero ou a nossa inutilidade; a humanidade deve a eles os poucos momentos de prosperidade que conheceu: são eles que salvam os povos que os fanáticos torturam e os idealistas arruínam.” CIORAM

  13. Discurso para governar
    WILLIAM WAACK
    O Estado de S. Paulo, 25 de outubro de 2018
    Talvez alguns gestos de Jair Bolsonaro permitam vislumbrar que ele sabe a diferença entre realidade e retórica.
    Tem um discurso para ganhar eleição e tem um discurso para governar. Dizem que a frase é de Tancredo Neves. Diante de uma eleição que as pesquisas de intenção de voto apontam como decidida já desde o primeiro turno, resta saber que outro discurso Jair Bolsonaro está disposto a empregar. O de ganhar a eleição deu certo.
    Talvez alguns gestos de quem – se as pesquisas estão certas – vai ser o novo presidente brasileiro permitam vislumbrar que ele sabe a diferença entre realidade e retórica. A intenção por ele manifestada de preservar alguns quadros da atual equipe econômica, por exemplo. Faz supor que reconhece a existência de funcionários públicos que servem ao Estado e não ao governo da vez.
    Ou a articulação de um apoio amplo para eleger um presidente da Camara dos Deputados saído não necessariamente das hostes do chefe do executivo, o que sugere o alguma ideia de que o Legislativo precisa de independência e não de controle pelo Planalto.
    Tome-se também a manifestada disposição de rever a pretendida fusão do Meio Ambiente com Agricultura — aliás, o moderno setor agropecuário brasileiro compete internacionalmente dentro de reconhecidos padrões de sustentabilidade. Ou a de voltar atrás no anúncio de subordinar o Ministério da Indústria e Comércio à super pasta da Fazenda – países modernos e avançados separam finanças e economia.
    Note-se, porém, que esses são mecanismos para governar, mas ainda não indicam em que eixos se dará a atuação do governo. Da mesma maneira, permanecem nebulosas as declarações de que a política externa será desvinculada de apegos ideológicos.
    Nesse sentido, tenho chamado a atenção para o fato de que a imagem no exterior do provável novo presidente brasileiro é muito ruim, e não adianta dizer que é culpa de esquerdismo da “mídia internacional” – embora as esquerdas brasileiras tivessem mobilizado que laços existissem lá fora com o mundo diplomático, acadêmico, dos partidos e instituições internacionais pintando o Brasil como uma masmorra do apartheid social (e, agora, fascista). O fato é que a imagem ruim existe.
    Mandatários de vários países formam opiniões sobre colegas de outros países também a partir do que recebem da própria mídia local. Parte substancial desses órgãos de imprensa (e, reitero, nada a ver com “esquerdistas”) considera Bolsonaro um risco à democracia ignorando as evidências de que a escolha que está sendo feita pelo eleitorado brasileiro é antes de mais nada a manifestação de profunda desconfiança e descrédito nas instituições existentes (como STF, partidos, imprensa) – “clima” do qual Bolsonaro é consequência e não causa.
    O assalto às instituições começou muito antes dele. A corrupção é entendida pelos eleitores como a mais evidente e palpável expressão de degradação do funcionamento de todo o arcabouço jurídico-normativo-político. No fundo não deveria causar surpresa alguma a maneira como o pêndulo oscilou agora contra as forças políticas (não só o PT, evidentemente) que se apoiaram sobretudo na mentira, roubalheira e populismo fiscal irresponsável. Antes de surgir um Bolsonaro, já existia um enorme cansaço de “tudo isto aí”.
    A ideia propagada por Bolsonaro de que ele é capaz de limpar o jogo sujo, e enfrentar tudo o que está corrompido (começando pela restauração de valores tradicionais), acabou sendo um grande triunfo eleitoral.
    Mas apenas esse discurso, diria Tancredo, não lhe permitirá governar.

      • Conversinha mole para despistar otário, pra boi dormir na sombra. Conheço essas pegadinhas de outros carnavais, década de 80, de 90, de 2000, de 2010, de 2020… Assessor de imprensa, dedo duro e quinta-coluna não faltam no $istema podre. E se essa coisa não for descarrilada já, ainda que com atraso de mais 50 anos, não será descarrilada nunca, o país vai virar um oco, na sarjeta com um grilo cantando dentro.

  14. Fala apenas o C.N. combinar a sua pretensão de eleger Bolsonaro com os russos, né Mané ? Se conseguir quem sabe o Bolsonaro se lembre dele, quem sabe para ocupar a assessoria de imprensa, aliás um bom nome, experiência não falta. Kkkkk…

  15. Copiado de um amigo, judeu e com grande conhecimento histórico…
    Para os grandes intelectuais de esquerda, que obviamente já sabem disso tudo, pois são superiores:
    Durante este período eleitoral, observei várias postagens fazendo alusão a Hitler, comparando-o com o candidato Jair Bolsonaro.
    Reputo-as mais fruto de desconhecimento histórico-filosófico do que, propriamente, má-fé.
    Inicio, portanto, o cotejo entre as duas figuras públicas:
    *1. Filiação ao PT*
    Hitler era integrante e um dos líderes proeminentes do PARTIDO DOS TRABALHADORES Alemães (DAP – Deutsche Arbeiterpartei), cuja denominação foi, posteriormente, transformada em Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães (NSDAP – Nationalsozialistische Deutsche Arbeiterpartei ou, simplesmente, NAZI).
    Não é Jair Bolsonaro quem é filiado ao PT – Partido dos Trabalhadores…
    *2. Ligação com Ditadores*
    Hitler mantinha estreita relação com líderes ditatoriais, tendo inclusive, antes do início da Segunda Guerra Mundial, firmado com os soviéticos, então sob o comando de Stalin (ídolo da esquerda brasileira), o Pacto de Não-Agressão Germano-Soviético (em 23 de agosto de 1939), conhecido, também, como Pacto Molotov–Ribbentrop, dividindo o território da Polônia, ficando ela sob o controle Nazista e Soviético.
    Jamais vi Jair Bolsonaro bajulando Hugo Chávez, Maduro, Fidel Castro, Evo Morales ou quaisquer outros autocratas.
    *3. Controle dos meios de comunicação*
    Após a ascensão de Hitler ao poder, “os meios de comunicação foram tomados pelas agências do Ministério da Propaganda de Joseph Goebbels”.
    Foi Haddad, não Jair Bolsonaro, quem prometeu, em seu Plano de Governo, fazer um “novo marco regulatório da comunicação social eletrônica”.
    É de bom alvitre lembrar que, em agosto/2017, em evento realizado na UFRJ, Lula vaticinou: ‘vou ganhar e fazer a regulação da imprensa’. Isso foi ratificado, no twitter, em dezembro/2017.
    Está consignado no Plano de Governo de Jair Bolsonaro ser ele “contra qualquer regulação ou controle social da mídia”.
    *4. Propriedades Privadas*
    Sob a égide do Nazismo, propriedades privadas e diversas empresas, pertencentes aos seus adversarios politicos e aos judeus, foram invadidas e expropriadas, levando-se a cabo uma odienta politica ideológica dita “superior”.
    É Fernando Haddad, e não Jair Bolsonaro, quem apoia as abjetas, desprezíveis e repugnantes invasões de terra, capitaneadas por excrementos paramilitares, como o MST, Sem-teto e outros congêneres, defendendo, em seu plano de governo, “democratizar a propriedade da terra com políticas de reforma agrária” e enfrentar a “a criminalização dos movimentos sociais”.
    De forma antagônica, consta do Plano de Governo de Jair Bolsonaro que seus bens “são sagrados e não podem ser roubados, invadidos ou expropriados!”.
    *5. Assassinatos de “Aliados”*
    Hitler assassinou vários de seus “aliados”, dentre os quais figura Ernst Röhm, líder das Tropas de Assalto (SA – Sturmabteilung).
    Não foi Jair Bolsonaro quem matou Celso Daniel e Toninho do PT.
    *6. Desarmamento Civil*
    É fato incontroverso: todo regime totalitário pressupõe o desarmamento da população civil. Essa medida, faz-se mister ressaltar, foi adotada por Hitler, Stalin, Mao Tse-tung, Fidel Castro e Hugo Chávez.
    O PT, favorável à proibição da venda de armas, mesmo perdendo o Referendo de 2005, nunca se resignou com a derrota. Fernando Haddad, em seu plano de governo, propugna que “a política de controle de armas e munições deve ser aprimorada”.
    Jair Bolsonaro, de modo completamente divergente, sustenta a reformulação do “Estatuto do Desarmamento para garantir o direito do cidadão à LEGÍTIMA DEFESA”.
    Assim, vê-se que Fernando Haddad é quem subscreve as idéias do regime nazista.
    *7. Coletivismo*
    No campo sociológico, Hitler adotou o coletivismo, corrente ideológica retratada, de forma sintética, como a homogeneidade social, estruturada de forma unificada, sem divisão de classes, em que há a supressão da individualidade em benefício de um suposto “bem comum”. N’outras palavras, o indivíduo se torna um meio para os fins do Estado; os seus interesses particulares só são legítimos se estiverem em consonância com os “desígnios da comunidade”.
    No plano de governo de Jair Bolsonaro, a individualidade, a liberdade e a propriedade foram valores que ganharam relevância. Ele prega “liberdade para as pessoas, individualmente, poderem fazer suas escolhas afetivas, políticas, econômicas ou espirituais”.
    Não há, portanto, similitude sociológica alguma entre Jair Bolsonaro e Hitler.
    *8. Fusão das Instituições*
    Hitler fundiu as instituições do Estado com as estruturas do partido, tendo, em março/1933, substituído a bandeira da Alemanha pela suástica nazista, símbolo do NAZI.
    É Jair Bolsonaro o candidato que prega que a nossa bandeira seja vermelha?
    *9. Prisão*
    Antes de ser “o Führer”, Hitler foi preso, pelo incidente do Putsch da Cervejaria, realizado em 08 de novembro de 1923.
    Não é Jair Bolsonaro quem está preso em Curitiba!
    *10. Conclusão*
    Críticas, todos podem fazê-las. Façam-nas, todavia, com verdade filosófica e fundamento histórico. Não sejam, portanto, disseminadores do analfabetismo político, da ignorância factual e da puberdade intelectual.
    Caio Terceiro Neto Parente
    Bibliografia:
    1. Hitler e o Nazismo – Dick Geary, Editora Paz e Terra
    2. A Segunda Guerra Mundial – Os 2.174 dias que mudaram o Mundo – Martin Gilbert, Ed. Casa da Palavra
    3. Como ser um conservador – Roger Scruton, Ed. Record
    4. A Política da Prudência – Russell Kirk, Realizações Editora
    5. Hitler – Ian Kershaw, Companhia das Letras
    6. Plano de Governo do PT (http://www.pt.org.br/wp-content/uploads/2018/08/plano-de-governo_haddad-13_capas-1.pdf)
    7. Plano de Governo de Jair Bolsonaro (http://politicaedireito.org/br/wp-content/uploads/2018/08/PLANO_DE_GOVERNO_JAIR_BOLSONARO_2018.pdf)
    8. https://politica.estadao.com.br/noticias/geral,vou-ganhar-e-fazer-a-regulacao-da-imprensa-diz-lula-em-evento-na-ufrj,70001933851
    9. https://www.institutoliberal.org.br/blog/licoes-dos-nazistas-sobre-o-controle-de-armas/

  16. Um artigo interessante do ex-tucano Xico Graziano:
    “Responder a esse enigma é essencial para entender a dinâmica dessas eleições de 2018. Eu afirmo, com convicção: a campanha de Haddad representa o retrovisor de nossa sociedade. O PT se coloca como esquerda, mas virou um partido obsoleto.

    Apresento 4 argumentos em favor de minha opinião:

    O PT defende a carcomida estrutura do Estado brasileiro, banca velhas e desnecessárias empresas estatais, se alia ao pior corporativismo, quer manter privilégios salariais. Apoia o intervencionismo público e condena o mercado capitalista. O PT não entende de economia globalizada;
    O PT professa uma ideologia antiga, típica da sociedade de classes, polarizada entre patrões e operários, ricos e pobres. Suas ideias marxistas são ultrapassadas, não se coadunam com a economia pós-industrial, da era tecnológica e digital, da sociedade complexa e empreendedora. O PT não gosta da meritocracia, detesta ver gente subir na vida pelo esforço próprio;
    O ideário do PT se coloca contra o avanço científico na engenharia genética, combate o moderno agronegócio e defende o campesinato rural. Valoriza a falsa ciência, das terapias alternativas e exotéricas, em detrimento da medicina de ponta. O PT namora com o obscurantismo;
    O PT não promove a emancipação dos miseráveis, preferindo mantê-los aprisionados pelo favorecimento político. Antes se trocava votos por cestas básicas e água; agora se compra a consciência com bolsa-família. No campo, o MST faz da reforma agrária um antro de poder, às custas da dependência dos assentados.
    O PT sofreu uma metamorfose em sua trajetória. Nasceu pobre, ficou rico. Vendeu uma ilusão, galgou o poder, nele se locupletou, tornou-se anacrônico. A prova está dada nos resultados eleitorais.
    Vota em Haddad quem votava na ARENA. Vota no PT quem defende privilégios.

    Falando em regalia, destaco certa contradição. Surgido no seio dos operários, o PT defende causas culturais próprias da fina flor pós-modernista. Quando seus militantes desfilam nus em frente às igrejas, ofendem as pessoas simples. Se isso é esquerda, o PT é elite.

    As ideologias antigas, que amparavam as receitas socialistas ou capitalistas, andam, na verdade, se esfarelando, se mesclando, às vezes se invertendo. Ainda mais após a Lava Jato, moralidade tomou o lugar da ideologia. Esquerda virou sinônimo de corrupção.”

    https://www.poder360.com.br/opiniao/eleicoes/a-metamorfose-do-pt-escreve-xico-graziano/

    • A dinâmicas desta eleições é a mesma dinâmicas das demais eleições, e golpe. É a dinâmica 171, típica da república 171, dos me$mo$ que há 128 anos se digladiam pelo poder, golpismo ditatorial, partidarismo eleitoral, e seus tentáculos, velhaco$, dos quais somos todos vítimas, reféns, súditos, escravos e otários, há 128 anos. O resto é ilusão ou conivência. Simples assim.

  17. Votei em Bolsonaro por uma promessa implícita de combater o PT. Existia a suspeita que os chamados partidos políticos na oposição eram apenas vigaristas que fingiam oposição.
    No PSDB, por exemplo, começou a colar a pecha de simples apoio ao PT. Que adorariam correr aos coleguinhas que não tinham medo de sujar as mãos e todos juntos criarem um país socialista.
    Bolsonaro era oposição pura, direita de verdade, que dizia coisas que muitos sentiam ser verdade mas tinham medo de sua figura.
    Quando o PSDB apodreceu de vez (muitos, como Alckmin, nem perceberam) já havia um plano B engedrado há quase uma década: a franquia Bolsonaro.
    Se não trair os eleitores, como fizeram os tucanos, Bolsonaro terá sempre apoio até que o PT seja exterminado (o que será maravilhoso).

    • Cada louco com a sua mania. A diferença é que tem doido mais esperto que outros doidos, que não rasgam notas de R$ 100,00, e que são loucos pelas verdinhas. Não vejo vantagem nenhuma exterminar o PT e deixar o resto, que tudo leva a crer consegue ser muito pior que o PT, em que pese a massiva propaganda enganosa em sentido contrário, tipo pega trouxas . Esquenta não Lorenzoni do DEM vem ai, para ocupar o lugar do Zé Dirceu na casa civil. Já deu pra ver a cara da turma dele.

  18. “MPRESSIONANTE PROFECIA DO GENERAL MOURÃO FILHO(*)
    SOBRE DOUTOR LULA e DOUTOR BOLSONARO, E A MASSA IGNARA. Um à paisana e o outro fardado, um manso ou outro violento

    General Mourão Filho(1900-1972) foi um dos principais líderes do Movimento Cívico-Militar de 31 de março de 1964 (também chamado de Contra-revolução de 1964), que impediu a instalação no Brasil de uma ditadura comunista por terroristas e agitadores marxistas treinados, financiados e armados pela ditadura comunista de Cuba.
    Este herói nacional não conheceu Lula. Mas, ao que tudo indica, além de seu destemor pessoal, era um profeta, como o provam as palavras que o militar escreveu no início dos agitados anis 1970:
    “Ponha-se na presidência qualquer medíocre, louco ou semi-analfabeto, e vinte quatro hora depois a horda de aduladores estará à sua volta, brandindo o elogio como arma,l convencendo-o de que é um gênio político e um grande homem, e de que tudo o que faz está certo. Em pouco tempo transforma-se um ignorante em um sábio, um louco em um gênio equilibrado, um idiota em um estadista. E um homem nessa posição, empunhando as rédeas de um poder praticamente sem limites, embriagado pela bajulação, transforma-se num monstro perigoso. “

  19. -Para que uma VACINA seja inventada, faz-se necessário que antes exista uma DOENÇA a ser combatida.
    -E o Bolsonaro foi a vacina que apareceu ante a doença da CORRUPÇÃO que se alastrou no Brasil durante os governos do PSDB e do PT.

    -Não é o melhor anticorpo, mas é o anticorpo que temos. É pegar ou continuar no mesmo estado.

    • Argumento fake. O nome da Vacina de verdade contra a podridão $istema da qual bolsonaro é parte integrante, chama-se RPL-PNBC-DD-ME, o projeto novo e alternativo de política e de nação. O resto é tudo mais dos me$mo$, mais e mais 171, de direita, de esquerda e de centro. Este sim é o novo de verdade, o resto é deserto de Homens e ideias. Nada contra o Bolsonaro enquanto sócio-proprietário do $istema podre, 171, que luta pela manutenção do dito-cujo, desde que ele à sua moda fake não invada a praia do novo de verdade, a nossa praia, até porque se invadi-la à moda fake como tem tentado fazer vai levar muito pau de encontro, até virar gente grande e séria.

  20. Essa estória de dizer que o Bolsonaro arrumou emprego para os filhos é desonesta.
    Até onde sei eles foram eleitos pelo povo, como manda a lei.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *