Bolsonaro repete “meu Exército” em evento com generais e fala em “respeito à Constituição”

Bolsonaro participou de cerimônia de promoção de oficiais-generais

Ricardo Della Coletta
Folha

Em discurso em cerimônia de promoção de oficiais-generais, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou nesta quinta-feira (8) que o Exército representa “uma estabilidade” para o Brasil e que atua “dentro das quatro linhas da Constituição”. O presidente também voltou a usar a expressão “meu Exército”, que gerou críticas por ser interpretada como uma tentativa de politizar a instituição.

“O nosso Exército, tradição, o nosso Exército de respeito, de orgulho, bem como reconhecido por toda nossa população, representa para o nosso Brasil uma estabilidade. Nós atuamos dentro das quatro linhas da nossa Constituição. Devemos e sempre agiremos assim. Por outro lado, não podemos admitir quem porventura queira sair deste balizamento”.

“NOSSO EXÉRCITO” – “Agradeço ao meu Exército brasileiro, o qual ainda integro, ao nosso Exército brasileiro, por este momento. Temos certeza que venceremos os desafios e cada vez mais colocaremos o Brasil no local de destaque que ele bem merece”, disse Bolsonaro, em outro momento de seu pronunciamento.

A fala do mandatário ocorre na esteira da maior crise militar registrada desde a redemocratização do país.A crise foi deflagrada com a decisão de Bolsonaro de demitir Fernando Azevedo e Silva do comando do MInistério da Defesa. No lugar, Bolsonaro nomeou o ex-ministro da Casa Civil, general Walter Braga Netto.

Segundo interlocutores, o agora ex-ministro da Defesa vinha resistindo a pressões de Bolsonaro por um maior apoio das Forças Armadas na defesa de medidas do governo, principalmente na oposição a políticas de distanciamento social adotadas por governadores e prefeitos. Além do mais, Azevedo vinha bloqueando as investidas do presidente pela saída do general Edson Pujol do comando do Exército.

RESSENTIMENTO – Como resultado da demissão de Azevedo, Pujol —que participou da cerimônia desta quinta— e os comandantes da Marinha e da Aeronáutica também anunciaram que deixariam seus postos. Como mostrou a Folha nesta terça-feira, parte expressiva da cúpula do Exército ainda está ressentida com as trocas efetuadas pelo Palácio do Planalto.

A carta de demissão de Azevedo, em que ele argumenta ter preservado as Forças Armadas como “instituição de Estado, também foi interpretada como uma tentativa de Bolsonaro de aprofundar a politização dos militares, o que gerou novas críticas contra o mandatário.

“BOM E CONFORTÁVEL” – Para tentar evitar o adensamento da crise, Bolsonaro decidiu respeitar critérios de antiguidade na escolha dos novos comandantes do Exército, da Marinha e da Aeronáutica. Ainda em seu discurso nesta quinta-feira, Bolsonaro disse que é “muito bom e confortável” ser o “chefe supremo das Forças Armadas” tendo a seu lado os membros dessas instituições.

“Os momentos são difíceis. Vivemos uma fase um tanto quanto imprecisa, mas temos a certeza pelo nosso compromisso, pela nossa tradição, sempre teremos como lema a nossa bandeira verde e amarela; e a nossa perfeita sintonia com os desejos da nossa população. Assim agiremos”, declarou.

6 thoughts on “Bolsonaro repete “meu Exército” em evento com generais e fala em “respeito à Constituição”

  1. O EXTRATO DO ESTRATO

    (Alusão às ditaduras militares latino-americanas)
    Até há pouco tempo, QI – Quociente de Inteligência, era a Unidade que media o potencial do intelecto humano. Mas, recentemente, QI fora substituído pela TAR – Taxa de Assimilação e Raciocínio. Como referência, convencionou-se que um asno é dotado de dez TAR’s ou um decaTAR.
    Ainda assim, dentro do gênero humano, existe uma categoria, cujos membros não passam de miliTAR e, entre eles, há elementos que são rebaixados ao ponto de picoTAR. E os mais elevados chegam a diTAR. Outros se desesperam por não terem a capacidade de mediTAR.
    Para que tenhamos uma prenoção desses ínfimos valores, é necessário que saibamos: o prefixo MILI – é igual à milésima parte. PICO – vale a trilionésima fração do inteiro. DI – equivale a duas vezes à unidade. MEDI – significa metade.

  2. A minha AGU
    A minha Polícia
    O meu Ministério Público
    O meu Senado
    A minha Câmara
    O meu Judiciário
    (Fim)

    Ihhh. Agora já era…
    Passou do ponto de retorno e não tem mais volta – não em pouco tempo. Talvez uma década ou mais.

    É isso que pode acontecer… quando se ignora os gestos, que mais à frente viram falas, atos e vai tomando conta…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *