Caciques do Centrão que apoiam Alckmin são alvo de ao menos 13 inquéritos

Resultado de imagem para centrao charges

Charge do Nani (nanihumor.com)

Deu na Folha

Para triplicar seu tempo de TV na campanha, o presidenciável Geraldo Alckmin (PSDB) fechou acordo com líderes partidários que têm uma ficha de ao menos 13 inquéritos criminais por suposto envolvimento em corrupção, lavagem de dinheiro e outros crimes contra a administração pública. Os representantes do Centrão que assumiram a dianteira das negociações com o tucano são investigados na Lava Jato, a maioria por recebimento de propinas da Odebrecht. Os casos motivaram rumorosas operações da Polícia Federal e tramitam no Supremo Tribunal Federal.

Presidente do PP, o senador Ciro Nogueira (PI) foi denunciado pela Procuradoria-Geral da República como integrante do chamado quadrilhão de seu partido. Conforme a acusação, ele e outros congressistas recebiam subornos em vários órgãos, entre eles a Petrobras.

SOBRAM DOIS – O PP tem o maior número de parlamentares citados no petrolão. Tanto que, no capítulo de sua delação sobre os implicados no esquema, o doleiro Alberto Yousseff disse que, no partido, “só sobram dois”.

Em outros três processos, Nogueira é apontado como beneficiário de até R$ 5,2 milhões em pagamentos de Odebrecht, Queiroz Galvão e UTC. Neste último caso, foi denunciado por, supostamente, obter R$ 2 milhões para favorecer a empreiteira em obras.

Nogueira também sofreu medidas de busca e apreensão da PF em abril e, em junho, foi denunciado por tentar obstruir investigações. É acusado de ameaçar um ex-assessor que diz ter testemunhado seus crimes. O Supremo ainda não decidiu sobre a eventual abertura de ações penais contra o senador. E a Procuradoria também pediu apuração sobre pagamento de propina a Nogueira pela JBS.

PAULINHO DA FORÇA – Presidente do Solidariedade, o deputado Paulo Pereira da Silva (SP), o Paulinho da Força Sindical, também ajudou no acerto com Alckmin.

No Supremo, ele enfrenta duas investigações sobre fraude e corrupção para liberar cartas sindicais no Ministério do Trabalho. A mais recente veio à tona em maio, com a Operação Registro Espúrio. Paulinho e outros políticos estão proibidos de frequentar a pasta.

Quatro delatores da Odebrecht citaram repasses de caixa dois para o deputado, o que motivou mais dois inquéritos. Nas planilhas de propina do grupo, ele era identificado como Força ou Forte. Num dos casos sob investigação, o deputado teria recebido R$ 1 milhão em 2014 em troca do “apoio político” dado à empreiteira numa greve. Outro inquérito, referente às eleições de 2010, apura recebimento de R$ 200 mil.

MAIA BOTAFOGO – Forte fiador da aliança com o PSDB, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (RJ), desistiu de sua candidatura ao Planalto por Alckmin e foi um dos que viajaram a São Paulo para celebrar a aliança com o tucano.

Associado ao codinome Botafogo nas planilhas da Odebrecht, ele é alvo de dois inquéritos. Um apura se recebeu R$ 100 mil pela aprovação de medidas provisórias de interesse do grupo. Outro investiga pagamentos de caixa dois a ele e ao pai, o ex-prefeito do Rio César Maia, em 2008 e 2010.

O presidente nacional do PR, Valdemar Costa Neto, também desembarcou da candidatura Bolsonaro para aderir a Alckmin. Condenado e preso no esquema do mensalão, voltou a figurar no noticiário policial em 2016, também por causa da delação da Odebrecht. Dois executivos o acusaram de receber propinas nas obras da Ferrovia Norte-Sul. Seu grupo político teria ficado com 4% do valor do contrato da empreiteira com a Valec.

EX-MINISTRO – Chefe do PRB, o ex-ministro Marcos Pereira da Silva é investigado por, supostamente, receber R$ 7 milhões para que o partido aderisse à chapa de Dilma Rousseff em 2014. O episódio foi relatado por ex-dirigentes da Odebrecht.

O empresário Joesley Batista, dono da JBS, disse em delação ter negociado repasse de outros R$ 6 milhões ao ex-ministro, em troca da promessa de facilidades na Caixa.

18 thoughts on “Caciques do Centrão que apoiam Alckmin são alvo de ao menos 13 inquéritos

  1. Em um futuro governo já estaria preparado o loteamento dos Ministérios para a turma do Centrão continuar a meter a mão. Eduardo Cunha deve estar dando risadas. O país pode ter vinte Lava Jato, não sairá deste círculo. Como disse um amigo, o Brasil não sobrevive sem corrupção. Lamentável.

  2. Qual candidato não é apoiado por um partido corrupto? O PT é a própria corrupção, o MDB, o PTB e o PDT do Ciro já deveriam ter sido extintos e nem preciso continuar.

  3. O jornalismo de ódio levou a Abril para o buraco

    O presidente executivo Giancarlo Civita e o presidente do conselho editorial, Victor Civita Neto, pegaram o boné e deixaram a empresa sob o comando da consultoria Alvarez & Marsal, que nomeou o executivo Marcos Haaland como o novo CEO.

    Não é exatamente um destino glorioso para a editora fundada em 1950, pelo ítaliano naturalizado norte-americano Victor Civita.

    Ela começou com o Pato Donald e agora é tragada pelo Brasil dos patos.

    O discurso oficial da mídia para a sua crise é de que tudo é causado por mudanças estruturais na sua base tecnológica.

    O avanço rápido da internet atropelou os veículos impressos e eletrônicos tradicionais, e destruiu os modelos de negócio anteriores.

    A publicidade, na qual esses modelos se baseavam, migrou para os veículos digitais e deixou os velhinhos da mídia a verem navios de dívidas.

    Tudo isso é verdade, mas se audiência e circulação dependem de volume de público consumidor, uma decisão política dos grupos de mídia teve peso enorme no seu atual infortúnio. E, como tantos outros fatos, é omitida por eles.

    Foi a aposta na radicalização do discurso em favor do mercado e de sua ideologia, e na demonização de tudo e todos que defendessem o trabalhismo, o socialismo, qualquer alternativa de esquerda, incluindo o moderadissimo nacional-desenvolvimentismo.

    Seguindo o mesmo rumo ditado por Rupert Murdoch para a mídia corporativa mundial, a VEJA converteu o PT, o partido dito “populista” que estava no poder, no grande alvo nacional, o ícone da corrupção, o inimigo a vencer para a salvação do Brasil.

    Foi seguida e apoiada por toda a grande imprensa nacional, com os resultados conhecidos por todos: um impeachment fraudulento, a economia arruinada e um governo pós-petista desastroso, do qual todos agora tentam se afastar.

    Ao fazer a sua guinada radical à direita, insultando e demonizando a esquerda sem cessar, a mídia perdeu inevitavelmente mercado.

    Foi abandonada pelos leitores, ouvintes e espectadores de esquerda, sempre os mais interessados em informação, análise e debate.

    A mídia jogou fora o filé de seu público, para abraçar-se com os consumidores de direita, que não responderam como era esperado.

    Agora eles se nutrem de memes e fake news produzidas diretamente por agências ideológicas tipo MBL nas redes sociais, e chegam mesmo a acusar uma Globo ou uma Folha de “esquerdistas”.

    A mídia tanto fez pela depuração ideológica de seu público, insuflando nele o amor pelo ódio, que acabou fecundando o seu próprio ovo da serpente.

    Ele quebrou, a serpente escapou, odeia todo mundo e agora o refúgio dos barões midiáticos é o cofre dos bancos.

    https://goo.gl/FZzT5o

  4. Paulo, apenas repito o comentário de outro post:

    -Quem ganhar as eleições, seja deus ou seja diabo, terá que governar com os bandidos, pois não poderemos importar um Congresso Nacional da Finlândia. As negociações já são esperadas e podem ser consideradas “normais” nessa nossa baderna institucional.

    -Caso o vencedor seja um cidadão medianamente honesto, terá como controlar esses criminosos ao escolher os menos nocivos para o país, o que já será alguma coisa.

    -Os únicos que podem fazer o que bem querem nesta terra, sem dar satisfação a ninguém e à lei alguma, são os FARAÓS DO SUPREMO, representantes na Terra de SET, o deus do caos, e de ANÚBIS, o deus guardião e guia dos mortos, diariamente, pelo descaso da nossa Justiça…

  5. Psiu! 13 é exclusividade do PT. Para mencionar esse número, antes você tem de pagar pelo direito de propriedade ao Lula e Zangalo.

  6. António,

    Enquanto o sistema não for mudado o Brasil continuará sendo roubado pelas quadrilhas do legislativo, do executivo e do judiciário.

    saudações

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *