Caiu a ficha e é hora de repensar as relacões com os EUA, defendem assessores de Bolsonaro

Charge sem autoria, reproduzida da Folha de S.Paulo

Valdo Cruz
G1 Política

Apesar de não externarem publicamente, o presidente Jair Bolsonaro e sua equipe já avaliam que o relacionamento com os Estados Unidos precisa ser repensado, porque a qualidade da parceria com o presidente Donald Trump não está sendo nada boa para o Brasil. Nas palavras de um assessor presidencial, “caiu a ficha” e a hora é de ser pragmático com o governo norte-americano.

Desde o início do governo, o presidente Bolsonaro adotou uma política deliberada de alinhamento com os Estados Unidos. Fez diversas concessões ao governo norte-americano, mas até agora só recebeu promessas em alguns setores e ameaças de retaliação em outros. Por isso, a avaliação agora, feita pela equipe presidencial, é que “a qualidade da parceria não está sendo boa para o Brasil”.

DEVAGARINHO – Isso não significa que o governo brasileiro irá praticar de imediato algum tipo de retaliação contra os Estados Unidos. Adotar esse caminho de cara, argumentam assessores da equipe econômica, seria ir contra a linha do governo atual, que é pela abertura da nossa economia, e não pela adoção de medidas protecionistas.

Por enquanto, a ordem interna é apostar nas negociações para reverter a decisão de Trump, que anunciou a adoção de sobretaxa de 25% sobre a importação de aço brasileiro e de 10% sobre o alumínio. Negociadores brasileiros conversaram com funcionários da Casa Branca e ouviram deles o reconhecimento de que Trump pode ter errado ao incluir o Brasil no aumento de tarifas de importação.

Primeiro, porque, ao contrário de outros países, a maior parte do aço brasileiro exportado para os Estados Unidos é utilizada como insumo pelas siderúrgicas norte-americanas. Com isso, se a tarifa de importação sobe, o custo delas também sobe e acaba prejudicando a própria economia americana.

COTAÇÃO CAMBIAL – Segundo, os funcionários norte-americanos concordam que o Brasil não estava adotando nenhuma medida artificial de desvalorização cambial, como havia acusado Trump.

Agora, a expectativa é que, nas conversas com o presidente americano, ele possa voltar atrás. Ou que a medida fique apenas na ameaça e não entre em vigor.

Por isso, o governo brasileiro está optando por evitar declarações críticas públicas contra Donald Trump. O Brasil não afasta, porém, a possibilidade de uma reação caso a sobretaxa seja realmente adotada nas próximas semanas.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
Em tradução simultânea, Trump tem o comportamento semelhante. Diz as coisas por impulso, sempre pensando em agradar aos eleitores, e acaba falando besteira. Ou seja, Trump não é confiável e está pouco ligando para o Brasil. (C.N.)

 

10 thoughts on “Caiu a ficha e é hora de repensar as relacões com os EUA, defendem assessores de Bolsonaro

    • Ligações, “Pikeanas & Mazzinianas”!
      “O Plano Demoníaco de Albert Pike Para a Implementação da Nova Ordem Mundial.”
      “Albert Pike, foi o Grande Comandante da Maçonaria norte-americana de 1859-1891. Durante seu mandato, teve uma visão de como a Nova Ordem Mundial poderia ser estabelecida. O Plano previa três guerras mundiais. A Primeira e a Segunda Guerra Mundial ocorreram exatamente conforme previsto. O Plano prevê que o Anticristo surgirá a partir da fumaça, poeira e destruição causada por uma Terceira Guerra Mundial, que será travada entre árabes e israelenses. Essa guerra agora está iminente!!”

  1. Desde o início do governo, o presidente Bolsonaro adotou uma política deliberada de alinhamento com os Estados Unidos. Fez diversas concessões ao governo norte-americano, mas até agora só recebeu promessas em alguns setores e ameaças de retaliação em outros. Por isso, a avaliação agora, feita pela equipe presidencial, é que “a qualidade da parceria não está sendo boa para o Brasil”.

    DEVAGARINHO – O governo Bolsonaro vai reagir ficando de quatro e pedir para Trump que pelo menos o faça sem brutalidade e devagarinho.

  2. Bolsonaro com a sua ideologia de direita radical, achou que sua subserviência ao Trump iria colher alguns frutos para o Brasil. Como diz o ditado português: Quem muito se abaixa o c… aparece
    Trump está se lixando para os países das Américas,
    não adianta dizer que é amigo, e para onde os EUA for o Brasil vai atrás. Independentemente de se amigo ou inimigo dos americanos, Trump respeita países que tem personalidade e forte na área militar. Veja o tratamento e o respeito que ele dá ao KIm Jong-Unn, a China, a Rússia e outros países não alinhados

  3. Deixar de considerar o uso da tecnologia G-5 oferecida pelos chineses, só por causa da cara feia do Trump, isso será muita imbecilidade! Se pelo menos olhasse para as lições da história iria aprender com Getúlio Vargas que não cedeu de graça o apoio aos EUA na 2ª Guerra ! CSN está até hoje lá produzindo aço. o mesmo aço que o Trump hoje quer sobretaxar. ACORDA BOLSONARO, DEIXE DE SER SABUJO!

  4. Só um imbecil como este boçal é que acredita que gente poderosa dá realmente importância para gente insignificante como ele. Como o cara passou mais da metade da vida dizendo o que bem pensava, costume de parlamentar, não percebeu que encontrou outro igual a ele, só que este disse e fazia o que queria desde o berço.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *