Na morte de Santiago, onde estavam Caetano Veloso, Pablo Capilé e a Mídia Ninja?

Carlos Newton

Depois da morte de Santiago Andrade, é bom lembrar o que vem acontecendo desde junho passado, quando começaram as manifestações populares, no Rio de Janeiro e São Paulo, organizadas pelo movimento Passe Livre, que depois foram se encorpando, ganhando adeptos e incluindo protestos contra a Copa do Mundo e exigindo “Padrão Fifa” para educação, saúde, transportes e segurança.

De repente, apareceram em cena os black blocs. Surgiam na fase final dos protestos, provocavam a polícia de uma maneira inacreditável, quebravam o que estivesse na frente, especialmente abrigos de ônibus e agências bancárias.

Junto aos black blocs, notabilizou-se a mídia ninja bancada pela ONG de Pablo Capilé, espalhada pelo país com generoso financiamento do governo federal, de governos estaduais e prefeituras, não somente ocupadas pelo PT mas também por outros partidos, inclusive o PSDB de São Paulo, vejam que ironia, além de empresas privadas e entidades interessadas em agradar a quem está no poder.

“ALTERNATIVA” À MÍDIA

Os ardorosos defensores de Capilé argumentavam que seus seguidores eram uma alternativa à mídia normal, para “cobrir” as manifestações e denunciar as agressões dos policiais. Muita gente boa entrou nessa esparrela, inclusive Caetano Veloso, que foi visitar os tais ninjas e se deixou fotografar como black bloc, que santa ingenuidade.

Na época, aqui no Blog, chamávamos atenção para uma realidade flagrante – os mídias ninjas jamais apresentavam imagens de manifestantes agredindo policiais nem fazendo atos de vandalismo. Pelo contrário, suas imagens visavam  sempre denegrir os policiais.

O melhor exemplo foi a série de imagens de um manifestante correndo pelas ruas e depois sendo alvo de pistola de choque e agressão por policiais, fato que virou um escândalo nacional. Mas esqueceram de mostrar o que o manifestante fizera antes, provocando os policiais de tal forma que eles perderam a razão.

Agora, na morte de Santiago Andrade, onde esta a a mídia ninja? Todas as imagens que documentaram o assassinato do cinegrafista foram feitas pela mídia nacional e estrangeira, incluindo jornalistas ingleses e russos. Nem uma só imagem da mídia ninja. Por que será? Devo perguntar ao Caetano Veloso? Ou a Dilma Rousseff, tão amiga e ligada a Pablo Capilé?

Que Deus proteja os jornalistas de verdade!

Joaquim Barbosa desistiu de concorrer à Presidência? Desistiu, mas não desistiu muito…

Carlos Newton

A imprensa alardeia que o presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Joaquim Barbosa, afirmou que não será candidato a presidente nas eleições de 2014, conforme nota divulgada sábado. Mas o texto da mensagem precisa ser lido com muita cautela. Como se sabe, cada palavra tem um peso e um significado, enquanto o tempo dos verbos define passado, presente e futuro, que não podem se misturar.

Assim, vamos analisar o texto da nota oficial, para que cada um tire suas conclusões:

NOTA À IMPRENSA

1) O Presidente do Supremo Tribunal (STF), Ministro Joaquim Barbosa, ratifica que não é candidato a presidente nas eleições de 2014.

2) Com relação a uma possível renúncia ao cargo que hoje ocupa, o Ministro já manifestou diversas vezes seu desejo de não permanecer no Supremo até a idade de 70 anos, quando teria que se aposentar compulsoriamente. No entanto, não existe nenhuma definição com relação ao momento de sua saída. Ele não fez consulta alguma ao setor de recursos humanos do STF sobre benefícios de aposentadoria.

3) No que se refere ao seu futuro após deixar o Tribunal, o Ministro reserva-se o direito de tomar as decisões que julgar mais adequadas para a sua vida na ocasião oportuna. Entende que após deixar a condição de servidor público, suas decisões passam a ser de caráter privado.

4) O Ministro Joaquim Barbosa não faz juízo de valor sobre nenhum dos partidos políticos brasileiros, individualmente. A respeito do quadro partidário, já expressou sua opinião no sentido da realização de uma ampla reforma política que aprimore o atual sistema. Apesar de já ter tornado público o seu voto nas últimas três eleições presidenciais, o Presidente do STF, Tribunal que é o  guardião da Constituição, ratifica seu respeito por todas as agremiações partidárias, seus filiados e eleitores.

E O FUTURO?

Como se vê, Joaquim Barbosa foi bem claro quanto ao passado e o presente. Mas e quanto o futuro, o que disse ele?

No que se refere ao seu futuro após deixar o Tribunal, o Ministro reserva-se o direito de tomar as decisões que julgar mais adequadas para a sua vida na ocasião oportuna. Entende que após deixar a condição de servidor público, suas decisões passam a ser de caráter privado.

Portanto, o certo é que ele vai pedir aposentadoria ao Supremo. Se o fizer antes de 5 de abril, poderá ser candidato. E não faltam partidos. Pode escolher e até formar uma coalizão.

No entanto, não existe nenhuma definição com relação ao momento de sua saída – diz a nota, sintomaticamente..

A divulgação da nota pela assessoria do STF ocorreu após publicação de reportagem, na revista Veja deste fim de semana, dando conta de que o ministro teria dito a interlocutores que pretendia deixar o Supremo após o julgamento dos embargos infringentes do processo do mensalão. Ou seja, nos próximos dias.

Vamos aguardar.

Ministro da Justiça quer deixar os mascarados circulando livremente nas manifestações…

Carlos Newton

O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, demonstra uma inquietante incoerência. Ao mesmo tempo em que defende nesta sexta-feira o aumento de penas de crimes decorrentes de manifestações, como dano ao patrimônio e lesão corporal, e o uso de balas de borrachas pela polícia, ele considera um erro classificar como crime o uso de máscaras em protestos.

Ou seja, não haverá esse importante detalhe no projeto de lei que a presidente Dilma Rousseff enviará ao Congresso Nacional nos próximos dias para conter os excessos nas manifestações de rua.

O ministro argumenta que o projeto precisa coibir os atos de vandalismo, mas tem de garantir o direito de manifestação do cidadão. Na teoria, tudo, mas na prática Cardoso demonstra uma ingenuidade surpreendente. Ele se esquece de que é atrás das máscaras que se escondem os criminosos. Quem é do bem não precisa de máscara para ir à manifestação.

A principal característica em comum entre Fábio Raposo e Caio de Sousa é justamente o fato de os dois terem comparecido à manifestação com o rosto encoberto. Caio de Sousa estava com uma camisa preta amarrada na cabeça, no estilo ninja, enquanto Fábio Raposo estava com uma máscara antigases, o que é ainda pior, pois evidencia sua disposição de enfrentar a polícia. E onde ele conseguiu a máscara?

Quando a baderna começou, sugerimos aqui no blog que toda pessoa com rosto encoberto fosse detida para averiguações. Alguns Estados já aprovaram legislação nesse sentido, mas o governo federal continua usando antolhos, conforme se depreende da declaração do ministro Cardozo. Antolhos é uma peça que não chega a ser uma máscara, mas continua a ser muito usada nas cavalariças.

Carlos Chagas dá mais uma contribuição para documentar os bastidores da Revolução de 64

Carlos Newton

A documentação dos bastidores da Revolução de 1964 ganha mais uma contribuição do jornalista político Carlos Chagas, que na época trabalhava em O Globo e se tornou uma das principais testemunhas dos acontecimentos. O lançamento do primeiro volume da obra “Os golpes dentro do golpe – 1964/69”, pela Record, será em Brasília, no próximo dia 26, numa quarta-feira, no restaurante Carpediem, a partir das 18 horas. E o segundo volume, cujos originais já estão na editora, será lançado no final do ano.

“Nos dois volumes é feito um relato, dia a dia, da tragédia iniciada 50 anos atrás, com um registro das preliminares do golpe e depois a fixação do regime militar, seus desdobramentos e suas contradições, até seu final, 21 anos depois. Acompanhei tudo, primeiro como editor-político de O Globo, depois como diretor da Sucursal de O Estado de S. Paulo em Brasília. E nos meses de maio a outubro de 1969, como Secretário de Imprensa da Presidência da República, no governo Costa e Silva”, diz Chagas.

Nessa época, Chagas e eu trabalhávamos juntos na editoria de Política de O Globo, com dois grandes jornalistas: Antonio Vianna de Lima e Jair Rebelo Horta. Chagas já era um dos profissionais mais importantes do país, responsável pela coluna Política, publicada diariamente.

Lembro que em 3 de outubro de 1966 foi realizada a eleição indireta do general Costa e Silva para sucessor de Castelo Branco. Depois de “eleito”, Costa e Silva foi fazer uma viagem ao exterior (Europa e Estados Unidos), para se apresentar como futuro presidente brasileiro. E a direção de O Globo indicou Carlos Chagas para integrar a comitiva de jornalistas que iria acompanhar o general e fazer a cobertura da viagem. Foi assim que ficou conhecendo Costa e Silva.

Quando foi convidado para ocupar a Secretaria de Imprensa da Presidência da República, Chagas não quis aceitar. Chegou à Redação de O Globo e nos contou o que estava acontecendo. Descemos para conversar mais à vontade na lanchonete da esquina da Rua Irineu Marinho. Chagas estava irredutível, não queria trabalhar com os militares.

Antonio Vianna, que era mais experiente do que nós, disse que Chagas estava cometendo um erro, porque, próximo ao general Costa Silva, poderia interceder positivamente junto a ele para que não houvesse torturas e tudo o mais. E eu acrescentei que não gostava de trabalhar no Globo, mas meu amigo José Fernandes do Rego, que havia sido barbaramente torturado, me convencera a continuar no jornal. Insistimos muito, e a contragosto Chagas decidiu aceitar o convite de Costa e Silva, e até hoje tem sido erroneamente criticado por isso, como se tivesse sido colaborador do regime militar, o que decididamente nunca foi verdade.

“Retornando a O Globo depois do impedimento do presidente Costa e Silva, da prisão do vice-presidente Pedro Aleixo, da usurpação do poder pela Junta Militar e da escolha do general Garrastazu Médici para presidente da República, consultei Roberto Marinho sobre a conveniência de escrever sobre o período. Ele então me autorizou a elaborar uma série de reportagens de página inteira que o Estado de S. Paulo se interessou em publicar simultaneamente, entre janeiro e fevereiro de 1970.  O título era: “113 dias de angústia: Impedimento e morte de um Presidente”. Ganhei o Prêmio Esso de Jornalismo daquele ano, como, também, o primeiro dos três processos a que respondi pela Lei de Segurança Nacional, um movido pelo governo Médici, dois durante o governo Ernesto Geisel”, diz Chagas, lembrando que o único jornalista que teve mais processos do que ele no regime militar foi Helio Fernandes.

Detalhe que Chagas não citou: logo em seguida, o governo Médici obrigou O Globo a publicar uma outra série de reportagens sobre o mesmo tema, com o mesmo destaque e título muito parecido. Até a diagramação era semelhante. Os textos, pavorosos e irreais, vinham assinados por Emiliano Castor, um repórter que funcionava como informante do SNI e ganhava a vida passando informes sobre os outros jornalistas.

(artigo republicado por ter saído no dia do apagão “internético”)

Prefeito do Rio vai entrar no Livro Guinness de Recordes com o maior engarrafamento do mundo

Carlos Newton

Os sites dos jornais noticiam que, ao anunciar o fechamento do chamado Mergulhão da Praça Quinze, a partir deste domingo, o prefeito Eduardo Paes alertou que este é o momento que vai causar mais transtornos para a população desde as mudanças provocadas pela interdição do Elevado da Perimetral. E previu o caos que todos já esperavam, menos ele, desde que a prefeitura começou a demolir os quatro quilômetros do Elevado da Perimetral, a principal ligação viária do Centro do Rio, sob o estranho pretexto de “embelezar” a área portuária.

Em entrevista coletiva, concedida na manhã de sexta-feira, Paes frisou que a população deve evitar ir de carro ao Centro e dar prioridade ao transporte público.

“O Centro não terá condições de receber a mesma quantidade que recebe normalmente de carros. Se isso acontecer, a situação será caótica” — disse Paes. “É importante que as pessoas fiquem atentas às mudanças viárias. Quem insistir em vir de carro para o Centro vai encontrar um cenário complicado. Se não houver a colaboração da população, vai ocorrer o caos”.

O prefeito é totalmente irresponsável. Vai causar o maior engarrafamento permanente do mundo, exclusivamente para beneficiar a especulação imobiliária. As contas de sua família no paraíso fiscal vão bombar, é claro. Mas ele não está nem aí para o interesse público. Antes de entrar no Livro Guinness de Recordes, deveria ser internado e submetido a uma camisa de força.

Estamos de volta, depois de mais um “problema” inexplicável

Carlos Newton

Certamente este não é o melhor blog da internet, mas não há dúvida de que é o mais sujeito a chuvas e trovoadas, saindo do ar a pretexto de “problemas técnicos”, sem a menor justificativa.

Durante cinco anos, jamais tivemos problemas. De repente, saímos do ar quando estávamos no servidor UOL, sem explicação. Depois de dezenas de telefonemas e pedidos de apoio técnico, um funcionário do UOL nos esclareceu que eu havia entrado no “Painel do Cliente” e desconectado o Blog da plataforma WorldPress. Ele dizia que tinha sido eu, porque era a única pessoa a conhecer a senha. Ocorre que eu nem sabia que existia “Painel do Cliente” e nem lembrava da senha que havia fixado quatro anos atrás.

Tivemos de fazer de novo o Blog e voltamos à cena, até que, alguns meses depois, saímos novamente do ar. Dessa vez, recebi um e-mail em tom ríspido de uma funcionária do UOL, reclamando que nós teríamos aberto simultaneamente mais de 30 páginas, ao editar o Blog. Mas como? Apenas eu tenho acesso a edição do Blog, trabalho sozinho, infelizmente. Como poderia abrir simultaneamente mais de 30 computadores?

Por sua sugestão de meu amigo e companheiro Yuri Sanson, mudamos do UOL para o HostGator. Três meses depois, novamente saímos do ar. A primeiro explicação que deram ao Yuri Sanson foi de que havia acessos demais. Mas como? Os blogs não podem fazer sucesso e serem acessados em massa? Depois, a desculpa mudou para algum problema nos “plugins”…

De qualquer modo, ao contrário do que aconteceu no UOL, conseguimos voltar após alguns dias de pane. É um avanço, não há dúvida, e vamos continuar no Hostgator.

Por fim, para quem acredita em coincidências, na primeira pane estávamos cobrindo com exclusividade absoluta o caso Rosemary Noronha, inclusive anunciando com antecedência as datas em que ele tinha de comparecer ao Fórum Criminal em São Paulo.

Na segunda pane, o assunto em voga era a briga entre Lula e Dilma Rousseff, nos bastidores do PT e do governo, em disputa para ver quem sai candidato, assunto que também cobríamos com exclusividade.

Agora, na terceira pane, estávamos dedicados a esmiuçar as denúncias do delegado Romeu Tuma Jr. contra Lula, a respeito de o antigo líder sindical ter colaborado com a ditadura militar, atuando como informante do DOPS sob codinome “Barba”.

Para quem gosta de coincidências…

###
PS – Redigi rapidamente essa nota e nem revisei, porque tenho de sair. Mas daqui a pouco estaremos de volta, podem apostar.

Governo é insano, vai fazer campanha publicitária enaltecendo a Copa

Carlos Newton

O governo federal mudou o discurso em relação à Copa depois que pesquisas sigilosas apontaram no ano passado que a população via com ceticismo o “legado” do evento e enxergava as obras como uma “maquiagem” para garantir o sucesso do Mundial.

Reportagem de Natuza Nery e Filipe Coutinho, publicada pela  Folha, mostra que foram feitos levantamentos pelos institutos Análise e Ibope, que resultaram num trabalho de 428 páginas sobre o perfil das manifestações populares, a relação delas com a Copa e os índices de aprovação e rejeição. O custo desses levantamentos não foi revelado.

As pesquisas foram feitas entre junho e agosto de 2013 e o resultado  fez com que a presidente Dilma Rousseff mudasse o tom de seus discursos e declarações. A mensagem oficial deixou de enfatizar as obras de infraestrutura que ficariam como herança do evento e passou a enaltecer o ufanismo e o orgulho do “país do futebol” em sediar a Copa.

A reportagem da Folha conta que então surgiu o mote “Copa das Copas” em detrimento do “Pátria de Chuteiras”, criado por Nelson Rodrigues e inicialmente adotado, sem a  menor menção ao autor. O mote “Copa das Copas” foi bolado pelo marqueteiro Nizan Guanaes em uma reunião com Dilma em novembro passado. No dia 6 de dezembro, no sorteio da Copa, Dilma usou o bordão pela primeira vez – repetiu várias vezes depois, inclusive em sua conta no microblog Twitter.

DIZENDO O ÓBVIO

Os levantamentos, que certamente custaram uma fortuna, dizem apenas o que todos sabem. Por exemplo: “A imagem dos estádios como obra é a melhor possível, mas é exatamente essa imagem que torna os estádios alvos de crítica, porque são comparados com a qualidade dos hospitais e escolas.”

E o texto recomenda ao governo sempre usar o termo “fiscalizar” ao tocar no tema. E foi justamente o que o governo não fez. Pelo contrário, liberou geral e dispensou as obras de licitações, sob pretexto da necessidade de “urgência” das obras.

O pior é a insanidade. O governo vai lançar uma campanha publicitária caríssima, para enaltecer a importância da Copa do Mundo. Ou seja, vai provocar as massas e dar a elas munição para incendiarem o País. Para citar novamente Nelson Rodrigues, podemos dizer que isso é o óbvio ululante. Mas o governo, do alto de sua prepotência, não consegue enxergar.

Ataque de Lula a Joaquim Barbosa é uma estratégia que pode dar errado

Carlos Newton

O ex-presidente Lula repete a mesma estratégia usada no caso Rosegate e continua fugindo dos jornalistas. Está em campanha aberta, faz discursos, participa de encontros com empresários, mas circula permanentemente protegido pelos seguranças do PT e do Instituto Lula, que não permitem acesso a nenhum jornalista. Apenas os fotógrafos e cinegrafistas podem se aproximar dele, mas não têm permissão para fazer-lhe perguntas.

No último sábado, em Ribeirão Preto, num discurso de meia hora, Lula fez uma defesa veemente do PT e dos filiados que foram presos após serem condenados pelo Supremo Tribunal Federal no escândalo do mensalão. Mas não deu uma só palavra sobre as denúncias do delegado Romeu Tuma Jr. a respeito da atuação de Lula como informante do DOPS durante o regime militar, sob codinome de “Barba”.

ATAQUES AO SUPREMO

No discurso, Lula atacou os ministros do Supremo Tribunal Federal , sem citá-los nominalmente. Disse que “o grande papel do ministro da Suprema Corte é falar nos autos do processo e não falar para a televisão o que ele pensa”. E acrescentou: “Se quer fazer política, que entre para um partido”.

Em seguida, assinalou: “Quando você indica alguém, você está dando um emprego vitalício e o cidadão, quando quer fazer política, diga não aceito ser ministro, vou ser deputado, entrar para um partido político e mostrar a cara”.

CUTUCANDO A ONÇA

A tática de Lula de tentar “esquecer” as graves denúncias de Romeu Tuma Jr. é compreensível. Mas ficar atacando os ministros do Supremo pode ser um tiro pela culatra, como se dizia antigamente.

Até 5 de abril, o ministro Joaquim Barbosa tem prazo para se desincompatilizar (se aposentar do Supremo) para sair candidato. É claro que a candidatura dele não interessa ao PT, à presidente Dilma Rousseff e ao próprio Lula, porque pode significar os votos que faltam para levar a disputa para o segundo turno.

Como todos sabem, Joaquim Barbosa é rebelde e irritadiço. Cutucá-lo com vara curta, como Lula está fazendo, pode ser um péssimo negócio.

Morte do cinegrafista agrava a acusação para homicídio doloso

O cinegrafista da TV Bandeirantes que foi atingido por um rojão durante protesto no Centro do Rio Foto: Reprodução da TV Globo

Carlos Newton

Foi anunciado hoje que o cinegrafista da Rede Bandeirantes Santiago Ilídio Andrade, de 49 anos, teve morte cerebral na manhã desta segunda-feira. Santiago está no Centro de Terapia Intensiva do Hospital municipal Souza Aguiar, no Centro, desde a quinta-feira da semana passada.

As informações são de que 90% do lado esquerdo do cérebro do cinegrafista estariam sem irrigação. O site de O Globo diz que, na porta do hospital, muitos amigos e colegas do cinegrafista choram e lamentam o acontecido.

Em nota, a Secretaria Municipal de Saúde informou que a morte encefálica foi diagnosticada nesta segunda-feira pela equipe de neurocirurgia do hospital. “A pedido da família, a secretaria torna público o agradecimento a todos os que torceram pelo seu restabelecimento e que, num ato de solidariedade, atenderam ao chamado para doar sangue ao Hemorio’, diz trecho da nota.

Agora, a acusação contra os dois manifestantes que lançaram o arfefato passa a ser de homicídio doloso, que pode condená-los à pena máxima – 30 anos de prisão.

Dilma acredita que as acusações de Tuma Jr. vão inviabilizar a candidatura de Lula

Carlos Newton

A sucessão presidencial está cada vez mais empolgante. Dois conhecidos jornalistas políticos – Ricardo Noblat e Josias de Souza – já anunciaram que Marina Silva desistiu de disputar e até aceita ser vice de Eduardo Campos, na chapa do PSB, mas só anunciará essa decisão no mês que vem. Ou seja, a notícia ainda não está confirmada.

No PSDB, o candidato oficial é o senador Aécio Neves, mas há controvérsias. O jornal O Globo chegou a anunciar a desistência do ex-governador José Serra, que manda no partido. Porém, no dia seguinte ele desmentiu, dizendo que não era bem assim.

Também no PT a situação continua indefinida. O partido prefere a candidatura de Lula, mas aceita a contragosto votar em Dilma Rousseff, que luta com todas as armas para tirar as possibilidades de Lula concorrer. Nessa reta de chegada para a definição, Dilma está mais animada. Em sua opinião, as denúncias do delegado Romeu Tuma Jr., ex-secretário nacional de Justiça, sobre a atuação de Lula como informante do DOPS no regime militar, podem inviabilizar definitivamente uma nova candidatura do ex-presidente.

LULA NÃO LIGA

O raciocínio de Dilma Rousseff parece linear. É muito possível que as denúncias de Tuma Jr. atinjam Lula profundamente, sobretudo se o delegado apresentar no segundo livro as provas que afirma dispor, não somente contra Lula, mas também contra José Dirceu, Tarso Genro e companhia limitada.

Mas acontece que Lula não liga para isso. O exercício do poder exacerbou sua autoestima. Julga ser inatingível, acha que é uma espécie de Abraham Lincoln redivivo, mas não conhece a frase famosa: “Pode-se enganar a todos por algum tempo; pode-se enganar alguns por todo o tempo; mas não se pode enganar a todos o tempo todo”. Por isso, continua viajando e delirando, julgando-se acima do bem e do mal.

Sua tática é bastante conhecida. Finge que não é com ele, manda o PT blindá-lo no Congresso e foge da imprensa. Repete exatamente o que fez no caso Rosegate, em que conseguiu êxito total. Um ano depois, ninguém toca mais no assunto.

Traduzindo: Lula continua pré-candidato e já está em campanha, a pretexto de ajudar Alexandre Padilha. Acha que a crise econômica enfraquecerá Dilma Rousseff de tal forma que o PT saberá se livrar dela.

E JOAQUIM BARBOSA?

Bem, este é o quadro atual. Mas fica faltando a possibilidade de o ministro Joaquim Barbosa se candidatar. Esta continua a ser a grande incógnita. E o grande temor do PT, porque a candidatura dele, no mínimo, levaria a disputa para segundo turno.

Os demais candidatos (Eduardo Campos/Marina Silva e Aecio Neves/José Serra), o PT, Lula e Dilma acham que os derrotam ainda no primeiro turno.

O presidente do Supremo tem até o dia 5 de abril para se desincompatibilizar. O que fará ninguém sabe.

AMANHÃ: Lula pode provocar a candidatura de Joaquim Barbosa

CNJ investiga precatório de R$ 4 bilhões do Parque Villa Lobos e honorários advocatícios de r$ 400 milhões, pagos ilegalmente pela Fazenda de SP

Carlos Newton

Por decisão do corregedor, ministro Francisco Falcão, o Conselho Nacional de Justiça abriu processo de investigação para apurar as razões pelas quais a Fazenda do Estado de São Paulo pagou cerca de quatro bilhões de reais aos titulares do precatório do Parque Villa Lobos – o mais elevado do Estado de São Paulo. O processo, instaurado em 18 de dezembro de 2013, examina também por que foram pagos honorários advocatícios de cerca de R$400 milhões aos escritórios  que representaram os desapropriados, tudo com juros moratórios indevidos, vez que as parcelas dessa dívida judicial foram quitadas sem atraso algum.

Por extrema ironia, esse processo de desapropriação, o maior do Estado, envolvendo área situada na marginal Pinheiros e onde funcionava “antigo lixão”, iniciou-se em meados de 1988 e já em 1991 transformou-se em precatório, com tramitação e celeridade incomuns. O metro quadrado da área foi equiparado ao de áreas habitadas dos Jardins.

A decisão do CNJ é baseada em petição e documentação encaminhadas pelo jornalista Afanasio Jazadji, no caso, representado pelo escritório Luiz Nogueira Advogados Associados, de São Paulo.

Classificado como Pedido de Providências, o processo em questão gerou ofício do CNJ enviado ao presidente do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo para que preste as informações necessárias até o próximo dia 17 de fevereiro de 2014.

O DESPACHO

Diz o despacho do ministro corregedor e transformado em ofício:

“Expeça-se ofício ao Exmo. Sr. Desembargador Presidente do Tribunal de Justiça do  Estado de São Paulo, solicitando informações em relação aos fatos narrados no requerimento inicial (EVENTO1-REQINIC1),  assinalando o prazo de 15 (quinze) dias para resposta.

Considerando as irregularidades envolvendo a Fazenda Pública Estadual, a manifestação do TJSP deverá vir acompanhada de cópias das peças processuais que embasaram a formação do precatório, em especial sentença, acórdão, cálculo de liquidação e o valor efetivamente pago com os respectivos comprovantes e demais documentos que a Presidência entender devidos para esclarecimento do caso.

Os documentos poderão ser examinados na página eletrônica de consulta processual do CNJ. Cópia do presente servirá como ofício.

A resposta deverá ser enviada eletronicamente pelo Sistema e-CNJ, direcionada ao Pedido de Providências – Corregedoria, nos termos da Portaria no. 52/2010 da Presidência do Conselho Nacional de Justiça”

INQUÉRITO 542/2011

Destaques-se que no Ministério Público do Estado de São Paulo tramita desde meados de 2011 inquérito que também apura irregularidades no pagamento desse precatório e de outros e que segundo o promotor Marcelo Duarte Daneluzzi, “a situação envolve danos materiais ao erário que devem alcançar a estratosfera”. Nesse caso, apura-se a ocorrência de improbidade administrativa.

Lamentavelmente, para a grande imprensa, essas graves irregularidades investigadas pelo CNJ e pelo MPE até agora não mereceram registro algum. Afinal, o que são os R$ 4 bilhões ou os míseros R$ 400 milhões pagos a advogados com recursos públicos?

Onde está Wally? Ou melhor, onde está Lula?

Carlos Newton

A história só se repete como farsa, diziam Karl Marx e Friedrich Engels no texto do livro 18 Brumário, sobre o golpe de estado ocorrido em Paris e que representou o fim da Revolução Francesa. Mas aqui abaixo da Linha do Equador, há exceções a esta regra.

Assim como aconteceu no final de 2011, início de 2012, no chamado caso Rosegate, quando o ex-presidente Luiz Inacio Lula da Silva simplesmente sumiu, o mesmo curioso fenômeno político volta a se registrar, e em pleno ano eleitoral.

Desde que foi lançado o livro “Assassinato de Reputações”, do delegado Romeu Tuma Jr., ex-secretário nacional de Justiça, Lula está fugindo dos jornalistas, que tentam entrevistá-lo sobre a acusação de que ele era íntimo do delegado Romeu Tuma e atuava como informante do DOPS, sob o codinome Barba.

O pior é que o sumiço de Lula terá de se prolongar, porque Romeu Tuma Jr. já está se preparando para lançar o segundo livro, desta vez exibindo documentos. Um deles o delegado já até liberou para a imprensa: a cópia da resposta oficial do Departamento de Justiça das Ilhas Cayman sobre a conta aberta em nome de José Dirceu para liberar as propinas do mensalão.

http://veja.abril.com.br/blog/augusto-nunes/files/2013/12/Doc-Cayman_Alta.jpg

O delegado Tuma Jr. liberou o documento para o jornalista Augusto Nunes, que o entrevistou no programa Roda Viva, da TV Cultura. Entregou também ao jornalista da TV Cultura e da Veja uma foto que mostra Lula sorrindo ao ser preso, ao lado de Dona Marisa. Na foto, Tuma Jr., que já era agente da Polícia Federal e participou da ocorrência, aparece logo atrás de Lula, à direita. E já circulam informações de que em março Tuma Jr. dará nova entrevista ao Roda Viva.

 

No caso das gravíssimas denúncias de Tuma Jr., Lula, o Planalto e o PT tentam a mesma estratégia do Rosegate

Carlos Newton

As acusações são graves demais para passarem despercebidas. Desta vez, não vai adiantar insistir na estratégia que Lula, o governo e PT têm usado com eficiência para se livrar de denúncias pesadas, como aconteceu no chamado caso Rosegate. Na época (final de 2012), o PT blindou Lula no Congresso, evitando a convocação de qualquer depoente que pudesse tocar no assunto, e o próprio Lula passou alguns meses longe da imprensa, saindo pela porta dos fundos e até pela lavanderia de hotéis, quando estava no exterior.

Lula não falava sobre o assunto, o PT também se fechou em copas, e o governo fingiu que nada tinha a ver com o assunto, embora Rosemary Noronha fosse funcionária direta de Dilma Rousseff, na condição de chefe do Gabinete da Presidência da República em São Paulo. E o Planalto aproveitou bem a oportunidade, ao “vazar” muitas notícias sobre os atos de corrupção da namorada do ex-presidente, visando a desestabilizá-lo e afastar qualquer possibilidade de candidatura de Lula à sucessão de Dilma Rousseff, conforme era (e ainda é) intenção dele.

No Rosegate, a estratégia deu certo para Lula, para o PT e para o governo, que até agora ainda funcionam mais ou menos como uma coisa só, uma espécie de “santíssima trindade” político-partidária (no mau sentido, claro). Um ano depois, ninguém fala mais em Rosemary Noronha, a segunda-primeira-dama, que acompanhou o então presidente em cerca de 30 viagens ao exterior, no período de apenas um ano e meio, e fazia negócios escusos como chefe do Gabinete da Presidência.

INIMIGOS CORDIAIS

Hoje, Lula e sua sucessora estão cada vez mais distantes, embora tentem manter as aparências. São inimigos cordiais, digamos assim, porque acima de suas divergências está a necessidade de se preservar no poder, seja com Lula ou com Dilma, que continua e continuará obedecendo as ordens dele, se for reeleita, claro.

Mas agora as denúncias do ex-secretário nacional de Justiça, Romeu Tuma Jr. são gravíssimas e não podem deixar de ser respondidas. Como se sabe, no programa Roda Viva, Tuma Jr. insistiu em afirmar que Lula era informante do DOPS no governo militar e garantiu ter provas dessa desclassificante acusação. Tuma também voltou a acusar o governo de ter montado uma “fábrica de dossiês” governista para atingir adversários, reabriu o caso Celso Daniel e os grampos no Supremo, o programa foi um verdadeiro festival.

SILÊNCIO TOTAL

Lula nada diz, os dirigentes, ministros, governadores e parlamentares do PT também estão em silêncio, o assunto está blindado no Congresso. Mas acontece que Tuma Jr. está escrevendo o segundo livro, no qual promete divulgar as provas que conseguiu colher, inclusive as obtidas nos arquivos do DOPS paulista, sobre as relações de Lula com os militares e policiais de São Paulo,

Já se sabia das ligações de Lula com o general Golbery do Coutto e Silva, o principal estrategista do regime militar, que incentivou a ascensão do líder sindical e a criação do PT, para neutralizar Leonel Brizola e impedir que ele chegasse à Presidência. Mas ninguém tinha comprovação de que Lula realmente tinha agido como agente duplo e era informante do DOPS paulista, sob o codinome Barba. Agora tudo pode vir à tona, porque muitas testemunhas deste fato ainda estão vivas.

Por enquanto, o que se pode dizer é que o silêncio de Lula é ensurdecedor. E também constrangedor.

Governo impede o Congresso de convocar Tuma Jr. para depor sobre acusações a Lula e ao PT

Carlos Newton

A estratégia do governo é blindar o Congresso para impedir que o ex-secretário nacional de Justiça, Romeu Tuma Jr., compareça a alguma comissão da Câmara ou Senado para depor sobre suas acusações, publicadas no livro “Assassinato de Reputações”, especialmente a denúncia de que Lula era informante do DOPS no governo militar, reafirmada segunda-feira no programa Roda Viva, em rede nacional.

No Senado, atendendo orientação do governo Dilma, em dezembro os parlamentares da base aliada bloquearam e impediram a aprovação do requerimento apresentado pelo senador Alvaro Dias (PSDB-PR), para que a Comissão de Constituição e Justiça ouvisse Tuma Jr., a respeito de suas denúncias sobre a montagem de uma “fábrica de dossiês” governista para atingir adversários.

Em seu requerimento, Alvaro Dias defendia a necessidade de se pedir esclarecimentos a Tuma Jr., que revelou a existência de um esquema montado pelo governo federal para montagem de dossiês voltados para “assassinar reputações”.

O senador Alvaro Dias criticou a decisão dos senadores governistas de barrar e rejeitar o requerimento, e afirmou que o Congresso Nacional não pode se eximir do papel constitucional de fiscalizar os atos do Poder Executivo.

“O que queremos discutir aqui no Senado é a gravidade das denúncias formuladas por Romeu Tuma Jr., no livro e fora do livro, na revista Veja e fora da revista Veja, que revelam a existência de uma fábrica de dossiês nos porões da polícia suja, fábrica que é acionada por especialistas, principalmente quando as eleições se aproximam. As denúncias apresentam indícios já conhecidos, mas o que revelou o delegado Tuma Jr. é que existem muitos capítulos não escritos em vários episódios conhecidos da sociedade”, diz Álvaro Dias, acrescentando:

“Há um capítulo não escrito em relação ao mensalão, há um capítulo não escrito em relação ao crime de Santo André, e precisamos escrever esses capítulos em nome do respeito ao povo. Precisamos dar a oportunidade de Romeu Tuma esmiuçar as denúncias e aqueles que o contestam, que o façam em sua presença. O Senado tem grande responsabilidade, e não pode ficar passivo diante desses fatos. O Senado é a casa da transparência, e fatos graves como os descritos pelo delegado não podem ficar na penumbra da ignorância”.

Após a rejeição do requerimento, o senador Alvaro Dias defendeu que o PSDB convide o delegado Romeu Tuma Jr., para comparecer a uma reunião conjunta na Liderança do partido. Desta forma, o delegado poderá esclarecer a deputados e senadores, e também à imprensa, o teor de suas denúncias.

“O PSDB pode fazer isso, convidar o delegado, e assim estaremos cumprindo nossa missão constitucional. Há uma denúncia grave de que foi montado um aparelho policial confundindo-se com o Estado brasileiro, com objetivo de alvejar opositores. É papel nosso esclarecer as denúncias e dar prosseguimento a elas”, defende o senador.

E aí? Ninguém vai processar o Tuma Jr.?

Carlos Newton

Esta novela vai ter muitos capítulos. Só está começando. Haverá emoções de fazerem inveja até a Roberto Carlos. As acusações do ex-secretário nacional de Justiça, Romeu Tuma Jr., são gravíssimas e ele afirma ter provas. Diz já haver sofrido ameaças, mas ainda não foi processado.

O programa Roda Viva ressurgiu com essa entrevista e voltou a seus dias de glória. O mérito é do apresentador-diretor Augusto Nunes, que repaginou a composição, colocando apenas cinco debatedores. Houve época em que havia mais de dez entrevistadores, o programa virou uma bagunça. Coisa de amador. Nesse tipo de programa, não se pode colocar muitos debatedores, isso é óbvio.

O fato é que Tuma Jr. diz ter provas de todas as denúncias. Isso inclui, é claro, as acusações de que Lula era informante do DOPS. Já se sabia das ligações de Lula com o general Golbery do Coutto e Silva, o principal estrategista do regime militar, que incentivou a ascensão do líder sindical e a criação do PT, para neutralizar Leonel Brizola e impedir que ele chegasse à Presidência. Mas ninguém sabia que Lula era também informante, sob o codinome Barba.

No Roda Viva, Tuma Jr. revelou que o arquivo do DOPS está preservado e desafiou que sejam abertos. É claro que ele já o fez. Os documentos estão em seu poder. Tuma Jr. está apenas fazendo suspense e valorizando a denúncia. Seus 15 minutos de fama vão se prolongar indefinidamente, para desespero do PT.

Já ia esquecendo: desta vez a Rede Brasil exibiu o Roda Viva normalmente. Quando Marina Silva deu entrevista, no final do ano passado, a Rede Brasil (leia-se: o governo) “esqueceu” de exibir.

Tuma Jr. balança a República, confirma que Lula era informante do DOPS e diz que possui provas sobre todas as denúncias

Carlos Newton

O programa Roda Viva começou morno, mas foi enquentando no decorrer do período, até começar a cozinhar o PT, Lula, Gilberto Carvalho, Dilma Rousseff e companhia limitada. No final, a panela de pressão estava realmente fervendo, e o ex-secretário nacional de Justiça e ex-delegado federal Romeu Tuma Jr. aproveitou para anunciar que está escrevendo o segundo livro da série “Assassinato de Reputações”.

Entre os entrevistadores, dois estavam a favor dele – o apresentador Augusto Nunes e o colunista Ricardo Setti, do site da Veja. Os demais estavam flagrantemente tentando demolir Tuma Jr., que pesa uns 120 quilos e é duro na queda. Os jornalistas Mário Cesar Carvalho, da Folha, Eugenio Bucci e Fernando Barros, ambos do Estadão, e a historiadora Cristine Prestes tentaram fustigar o entrevistado, mas ele absorveu bem os golpes e respondeu de forma irrefutável as perguntas, portando-se com muita firmeza.

No início, o programa foi uma chateação, porque o entrevistado só se preocupava em explicar a montagem das acusações contra ele no episódio da chamada máfia chinesa. E tanto fez que acabou demonstrando que realmente foi vítima de uma armação. No final, Tuma Jr. conseguiu fazer um estrago na reputação de muitos petistas, especialmente Gilberto Carvalho e Lula.

NINGUÉM PROCESSA…

O programa começou com o apresentador Augusto Nunes afirmando que Tuma Jr., no livro, faz pesadas acusações contra importantes autoridades brasileiras. E perguntou se o ex-delegado já está sendo processado por alguém que tenha sido alvo de suas denúncias.

Tuma Jr. respondeu que até agora ninguém o processou. “O que houve é que fizeram ameaças a mim e a minha família, mas processo mesmo ninguém abriu”, assinalou, explicando que nenhum dos acusados deve processá-lo porque isso daria margem à abertura de uma investigação judicial, na qual ele poderia apresentar provas da veracidade de suas denúncias.

Em seguida, Mário César Carvalho lembrou o caso da máfia chinesa, e Tuma Jr. passou a explicar esse episódio, que foi o grande motivo para a preparação do livro, destinado a reparar os danos à sua imagem de homem público.

O segundo entrevistador, Ricardo Setti, puxou o assunto do assassinato de Celso Daniel, mas Tuma Jr. continuou falando sobre a armação que fizeram contra ele, grampeando seus telefonemas durante dois anos e depois vazando para a imprensa seu suposto envolvimento com criminosos.

“No único grampo divulgado, eu apareço falando com o denunciante do caso, mas fizeram parecer na imprensa que eu estava me comunicando com algum integrante de uma quadrilha”, explicou, dizendo que não existia a tal máfia chinesa, nunca abriram inquérito contra ele e o depoimento que prestou à Polícia de São Paulo simplesmente sumiu.

ESTADO POLICIAL

O entrevistador seguinte, Eugenio Bucci, perguntou sobre as irregularidades na Polícia Federal denunciadas no livro. Tuma Jr. então confirmou as acusações, dizendo que o Brasil está vivendo num Estado policial, que não pode continuar. Disse que a Polícia Federal está “instrumentalizada” pelo governo e tem extrapolado suas obrigações, ao usar seus serviços de inteligência com objetivos partidários, para prejudicar adversários políticos.

Logo depois, Fernando Barros perguntou sobre o caixa 2 da prefeitura de Santo André e o envolvimento do ministro Gilberto Carvalho, secretário-geral da Presidência da República. Indagou se Tuma Jr. tem provas das acusações.

O ex-delegado confirmou rapidamente as denúncias, dizendo que Carvalho era mesmo o encarregado de recolher a propina. E voltou a se defender das acusações sobre a tal máfia chinesa.

A entrevistadora Cristine Prestes insistiu em indagar se Tuma Jr. tem provas, pois isso não ficara claro na resposta anterior dele a Fernando Barros. Para variar, o entrevistado continuou dando mais detalhes sobre a armação feita a propósito da máfia chinesa e disse que pediu para ser investigado na Comissão de Ética do Planalto, onde foi considerado inocente por unanimidade. Por fim, a respeito das provas, disse apenas que apresentará os documentos assim que alguém ousar processá-lo.

CENTRAL DE DOSSIÊS

Depois do intervalo, Augusto Nunes indagou se a “central de dossiês” denunciada no livro continua funcionando.

“Bem, não estou mais lá, mas acredito que ainda estejam fazendo isso, porque continuam realizando investigações irregulares através do Serviço de Inteligência da Polícia Federal”, comentou. Disse que, na época em que constatou essas distorções, chegou a alertar o ministro da Justiça Tarso Genro, que lhe respondeu que isso era normal.

O ex-delegado disse então que Polícia federal está instrumentalizada pelo governo e tem usado poderes de polícia judiciária, fazendo inquéritos sigilosos, sem dar acesso aos advogados das pessoas investigadas e agindo movida por interesses político-partidários.

GRAMPO NO SUPREMO

Em seguida, Mário Cesar Carvalho tentou desmentir Tuma Jr. sobre o grampo no Supremo contra Gilmar Mendes e outros ministros. Disse ter entrevistado o agente da Polícia Federal citado no livro, que lhe negou ter ido a Brasília atuar no STF. A essa altura do programa, parecia que pela primeira vez algum dos entrevistadores enfim conseguira derrubar uma das acusações do ex-secretário nacional de Justiça.

Mas Tuma Jr. se saiu bem. Confirmou que houve mesmo os grampos no Supremo e disse que o agente da Polícia Federal mentiu ao ser entrevistado por Carvalho. Para provar, exibiu um documento de requisição de passagem para Brasília em nome do tal agente. Depois, assinalou que a Polícia Federal grampeou não somente os telefones fixos do Supremo, como também os celulares dos ministros.

CASO CELSO DANIEL

Aí o programa esquentou de vez, porque Tuma Jr. então se alongou sobre assassinato de Celso Daniel em 2002, quando era prefeito de Santo André e coordenava a campanha de Lula.

O ex-delegado disse ter feito fotos do cadáver de Celso Daniel, mostrando que ele sofrera tortura, porque havia marcas nas costas. Assinalou ter conseguido desvendar o crime e até fez um acordo de delação premiada com o suposto assassino, mas no dia seguinte ele foi morto na cadeia, antes de prestar depoimento.

“Depois disso, fui afastado do caso, sob alegação de que o inquérito seria conduzido por uma delegacia especializada”, ironizou.

E confirmou que o hoje ministro Gilberto Carvalho era o encarregado de receber a propina da Caixa 2 da Prefeitura de Santo André, dizendo que isso lhe foi revelado pessoalmente por Carvalho, em 2010, e o ministro chorou ao lhe fazer tal confissão.

ACUSAÇÕES A LULA          

No final vieram as acusações ao ex-presidente Lula, que eram aguardadas desde o início do programa. Tuma Jr. disse que foi nomeado para a Secretaria Nacional de Justiça na cota pessoal de Lula, a quem conhecera como líder sindical no regime militar, quando trabalhava no DOPS e Lula era informante e muito ligado ao seu pai, o então delegado Romeu Tuma, que depois entrou na política e virou senador.

Garantiu que Lula sempre foi próximo aos militares e citou um episódio ocorrido numa reunião, quando a advogada Terezinha Zerbini, fundadora do Movimento Social pela Anistia, defendia os direitos de militantes metalúrgicas perseguidas pelos militares e Lula cassou-lhe a palavra.

Disse que as fotos de Lula sendo preso mostram bem sua ligação com os militares e com o DOPS, porque registram que o então líder sindical foi conduzido no banco de trás da viatura policial, sentando junto à janela, com o vidro aberto e fumando, uma situação inadmissível se ele fosse um preso qualquer.

Assinalou que Lula passou muitas informações aos policiais e disse que tudo está bem documentado, porque os arquivos do DOPS foram preservados. “Lula tem muitas revelações a fazer”, ironizou Tuma Jr., desafiando: “Abram os arquivos do DOPS! Abram os arquivos!”.

Depois, falou também sobre o caso Rosegate, que envolve a namorada secreta de Lula, Rosemary Noronha, e comentou que a Polícia Federal ficou mal no episódio, que teria “capítulos hollywoodianos”. E por fim, disse que está escrevendo o segundo livro, dando a entender que os documentos serão publicados nesta próxima edição.

Lula sendo preso

Reflexões sobre a tentativa de manter um Blog independente na Internet

Carlos Newton

Manter na internet um espaço independente como o Blog da Tribuna pode ser utopia. Muitos comentaristas reclamam da moderação, que é feita exclusivamente para evitar ofensas. Lembrando nossa querida amiga Laura Alvim (filha de Álvaro Alvim, mártir da Medicina brasileira), que doou ao Rio de Janeiro um belíssimo centro cultural em Ipanema, temos esperanças de que um dia essas críticas acabem. Ela dizia que “de tanto forjar, um dia o ferreiro consegue dar forma à obra”.

O importante é manter um espaço livre, em que todas as facções ideológicas, filosóficas e culturais possam se manifestar. É claro que estamos infestados de “soldados da web”, que agem a favor e contra o governo, patrulhando incansavelmente qualquer manifestação que lhes desagradem.  A propósito, a ministra Helena Chagas acaba de se demitir em protesto às pressões do PT para que o governo sustente maior número de  “blogs sujos”, além dos que já vêm sendo patrocinados.

Há também outro tipo de “soldados da web”, de orientação apenas ideológica, que não são necessariamente atrelados ao governo ou à oposição, mas também patrulham  qualquer opinião adversa.

Alguns “soldados” são mutantes, aparecem e desaparecem, mudam de nome e às vezes até trocam de sexo, chega a ser engraçado. Mas essas manifestações extremadas fazem parte da rotina democrática. Temos de conviver com elas e aceitá-las.

E assim vamos nós, tentando um equilíbrio na corda bamba deste sonho de jornalismo independente. Ainda estamos nos recuperando do mais recente ataque de hackers, que conseguiram nos tirar do ar por duas semanas, mas vamos em frente. O próximo passo é refazer a contagem dos acessos, para saber se já recuperamos nosso patamar habitual.

###
BALANÇO DE JANEIRO

Aproveitamos para agradecer a todos que têm conseguido contribuir para manter o Blog da Tribuna, que hoje sobrevive em função de seus comentaristas, exatamente como aconteceu com o jornal Movimento nos governos militares.

Há três anos, quando o Blog ia ser extinto, por ter perdido os patrocinadores, a sugestão de haver apoio dos comentaristas partiu de Carlo Germani, um notável engenheiro de Belo Horizonte. Devemos a ele a existência do Blog e também seu aperfeiçoamento. Foi Germani quem sugeriu a publicação de charges, entrou em contato com Alpino, Duke e Sponholz e conseguiu que eles autorizassem a publicação no Blog.

Germani tem andado sumido, mas voltou quando fomos atacados novamente pelos hackers, e até previu que o Blog não tem futuro, se não arranjar patrocinadores fixos.

Hoje, estamos divulgando o balanço de janeiro, lembrando que a data corresponde ao dia em que a contribuição entrou na conta, e não ao dia do depósito. Assim, se o depósito foi feito dia 30, por exemplo, pode ser que a entrada em conta só tenha ocorrido nos primeiros dias de fevereiro.

Bem ou mal, estamos conseguindo ir em frente. Muito obrigado a todos, e vamos ver até quando conseguiremos resistir, mantendo esse espaço livre na internet.

DIA   REGISTRO  OPERAÇÃO   VALOR

02         004792        DP DINH AG      60,00
02         100014        DOC ELET          50,00
03         031227        DEP DIN LOT     20,00
06         061804        DEP DIN LOT     35,00
07         071800        DEP DIN LOT     51,00
07         800009        DOC ELET        100,00
08         081645        DEP DIN LOT     50,00
13         110951        DEP DIN LOT     60,00
15         151228        DEP DIN LOT     34,00
17         171704        DEP DIN LOT   200,00

+++

Na conta do Banco Itaú, foram feitos os seguintes depósitos:

Dia 07    DOC 001.1629              50,00
Dia 21    TBI 0406.49194-4        50,00
Dia 29    TBI 9368.46169-6        40,00
Dia 31    TEC DEP DINH               70,00

++++

As publicidades inseridas no Blog, relativas aos últimos três meses, renderam R$ 339,20, ou seja, em janeiro houve uma entrada de aproximadamente R$ 113,00.

Entrevista de Tuma Jr. sobre os podres do governo Lula é hoje à noite, às 22 horas.

Carlos Newton

A TV Cultura está bombando as chamadas para o Roda Viva desta segunda-feira, às 22 horas, em que o entrevistado será Romeu Tuma Junior, secretário nacional de Justiça do governo Lula entre 2007 e 2010, autor do livro “Assassinato de Reputações – Um Crime de Estado”, publicado pela Editora Topbooks (557 págs., R$ 69.90).

O livro resultou de um depoimento prestado ao longo de dois anos ao jornalista Cláudio Tognolli. E Tuma Júnior diz possuir documentos que provam suas denúncias e quer prestar depoimento ao Congresso.

Em recente entrevista à revista Veja, Tuma Jr.  disse que, durante todo o tempo em que esteve na Secretaria Nacional de Justiça, recebeu ordens para produzir e esquentar dossiês contra uma lista inteira de adversários do governo.

“0 PT do Lula age assim. Persegue seus inimigos da maneira mais sórdida. Mas sempre me recusei. (…) Havia uma fábrica de dossiês no governo. Sempre refutei essa prática e mandei apurar a origem de todos os dossiês fajutos que chegaram até mim. Por causa disso, virei vítima dessa mesma máquina de difamação. Assassinaram minha reputação. Mas eu sempre digo: não se vira uma página em branco na vida. Meu bem mais valioso é a minha honra”, afirmou.

DIRETO DO PLANALTO

O autor do livro-bomba já disse também que as ordens para atacar os adversários do PT vinham direto do Palácio do Planalto, da Casa Civil, do próprio Ministério da Justiça…

“No livro, conto tudo isso em detalhes, com nomes, datas e documentos. Recebi dossiês de parlamentares, de ministros e assessores petistas que hoje são figuras importantes no atual governo. Conto isso para revelar o motivo de terem me tirado da função, por meio de ataque cerrado a minha reputação, o que foi feito de forma sórdida. Tudo apenas porque não concordei com o modus operandi petista e mandei apurar o que de irregular e ilegal encontrei”, assinalou.

Segundo Tuma Jr., o Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica, autarquia vinculada ao Ministério da Justiça) era um dos instrumentos da fábrica de dossiês.

“Conto isso no livro em detalhes. Desde 2008, o PT queria que eu vazasse os documentos enviados pela Suíça para atingir os tucanos na eleição municipal. O ministro da Justiça, Tarso Genro, me pressionava pessoalmente para deixar isso vazar para a imprensa. Deputados petistas também queriam ver os dados na mídia. Não dei os nomes no livro porque quero ver se eles vão ter coragem de negar”, acrescentou.

CASO CELSO DANIEL

No livro, Tuma Jr. é incisivo também quando aborda do caso Celso Daniel. Diz que militantes do PT estão envolvidos no assassinato do prefeito de Santo Andre, que na época era um dos mais importantes políticos do PT.

“Aquilo foi um crime de encomenda. Não tenho nenhuma dúvida. Os empresários que pagavam propina ao PT em Santo André não queriam matar, mas assumiram claramente esse risco. Era para ser um sequestro, mas virou homicídio.

Além disso, no livro, Tuma Jr. também diz no livro que descobriu a conta do mensalão nas Ilhas Cayman, mas o governo e a Polícia Federal não quiseram investigar.

“Quando entrei no DRCI, encontrei engavetado um pedido de cooperação internacional do governo brasileiro às Ilhas Cayman para apurar a existência de uma conta do José Dirceu no Caribe. Nesse pedido, o governo solicitava informações sobre a conta não para investigar o mensalão, mas para provar que o Dirceu tinha sido vítima de calúnia, porque a Veja tinha publicado uma lista do Daniel Dantas com contas dos petistas no exterior. O que o governo não esperava é que Cayman respondesse confirmando a possibilidade de existência da conta. Quer dizer: a autoridade de Cayman fala que está disposta a cooperar e aí o governo brasileiro recua? É um absurdo.

LULA INFORMANTE

Tuma Jr. também afirma no livro que o ex-presidente Lula foi informante da ditadura.

“Quero deixar isso bem claro. O que conto no livro é o que vivi no Dops. Eu era investigador subordinado ao meu pai e vivi tudo isso. Eu e o Lula vivemos juntos esse momento. Ninguém me contou. Eu vi o Lula dormir no sofá da sala do meu pai. Presenciei tudo. Conto esses fatos agora até para demonstrar que a confiança que o presidente tinha em mim no governo, quando me nomeou secretário nacional de Justiça, não vinha do nada. Era de muito tempo. 0 Lula era informante do meu pai no Dops”, afirmou, acrescentando: “Não excluo a possibilidade de algum relatório do Dops da época registrar informações atribuídas a um certo informante de codinome Barba”.

Bem, hoje à noite tem mais declarações bombásticas de Tuma Jr. Veremos o que os petistas dirão amanhã.

Vem aí a campanha publicitária da Copa, que vai incendiar os protestos

Carlos Newton

Em sua coluna de O Globo, o jornalista Ilimar Franco revela que o governo decidiu fazer uma espalhafatosa campanha publicitária para falar dos “benefícios” da Copa no Brasil. O ministro Gilberto Carvalho (da Secretaria-Geral da Presidência e que é o porta-voz de Lula neste governo) já confirmou a empreitada, que até já estaria bem atrasada.

O colunista de O Globo explica que a tal campanha não saiu antes por orientação de João Santana, responsável pelo marketing do governo. Com base nas pesquisas que mostravam forte rejeição à Copa, Santana sustentou que não havia chegado a hora de realizá-la. Por isso, tal campanha, já sugerida pelo ministro Aldo Rebelo (Esportes), não saiu.

Por fim, Ilimar Franco relata que o marqueteiro do ex-presidente FH, Nizan Guanaes, quando esteve com Dilma, propôs o mesmo e é dele a frase “A Copa das Copas”, adotada como mantra pela presidente.

A iniciativa de colocar na mídia uma campanha desse tipo é de uma ousadia inacreditável. Terá um resultado altamente previsível. É óbvio que a “exaltação” da Copa vai fortalecer as manifestações de protesto de quem prefere ter educação, transporte, segurança e saúde de qualidade, ao invés de gastar bilhões com uma Copa “padrão Fifa”. Podem apostar.

Índios ameaçam vingança e a força-tarefa federal tem de proteger quem trafega pela Transamazônica

Carlos Newton
A TV Globo mostrou na noite de sexta-feira a gravidade da situação em Humaitá, no Sul do Amazonas, onde várias aldeias das etnias tenharim e juiahui declararam-se em estado de guerra em protesto contra a prisão de cinco indígenas da etnia tenharim.
Agora, os carros, ônibus, caminhões e motocicletas só estão circulando pela Rodovia Transamazônica em comboios, com proteção da força-tarefa, com integrantes do Exército, Polícia Federal e Polícia Rodoviária Federal.
De acordo com o delegado federal Alexandre Alves, peças de um carro encontradas na reserva e depoimentos de várias testemunhas indicam que três homens (o professor Stef Pinheiro, o representante comercial Luciano Freire e o técnico Aldeney Salvador) foram sequestrados e assassinados pelos índios em 16 de dezembro, como represália pela morte do cacique Ivan Tenharim, que segundo a polícia teve um acidente de moto, mas os indígenas insistem em dizer que ele foi assassinado.
PRISÃO PREVENTIVA
Os cinco índios, entre eles dois filhos do cacique Ivan Tenharim, tiveram a prisão preventiva decretada pela Justiça Federal por trinta dias e foram levados para a superintendência da Polícia Federal em Porto Velho (RO).
A força-tarefa, com integrantes do Exército, Polícia Federal e Polícia Rodoviária Federal permanece em alerta na região e controla a Transamazônica no trecho que corta a reserva. O serviço de balsa no rio Madeira, suspenso na quinta-feira, foi retomado na manhã de sexta-feira.
O problema é da maior gravidade e não há perspectiva de solução. Quando a força-tarefa se retirar da área, tudo pode acontecer.