Disputas estaduais dificultam que PSB feche acordo com algum presidenciável

Imagem relacionada

Acordo com o PSB é fundamental para Ciro Gomes

Igor Gadelha e Renan Truffi
Estadão

Os cenários eleitorais em São Paulo, Minas e Pernambuco dificultam as negociações de três partidos que têm presidenciáveis e tentam fechar coalizão com o PSB – o PDT do ex-ministro Ciro Gomes (PDT), o PSDB do ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB) e o PT, que mantém a candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preso e condenado pela Lava Jato. O apoio do PSB passou a ser cobiçado por diversos presidenciáveis após o ex-ministro Joaquim Barbosa decidir que não disputaria a eleição.

Dirigentes do PSB foram procurados por interlocutores de pelo menos três presidenciáveis. O presidente nacional da legenda, Carlos Siqueira, teve encontros com os dirigentes do PDT, Carlos Lupi; do PT, a senadora Gleisi Hoffmann (PR); e do Podemos, a deputada federal Renata Abreu (SP).

PRÉ-REQUISITOS – Nas conversas, o PSB avisou que vai levar em conta o alinhamento político e programático e a convergência nas alianças nos Estados. “São conversas iniciais para podermos tomar uma decisão com pé no chão mais para frente. O que está sendo avaliado é uma identidade política e como esse partido pode colaborar com os projetos regionais do PSB”, disse ao Estadão/Broadcast o ex-governador do Espírito Santo e secretário-geral do PSB, Renato Casagrande, que esteve nas negociações.

Em Pernambuco, sétimo maior colégio eleitoral do País, a reeleição do governador Paulo Câmara é prioridade para o PSB. Para isso, a legenda quer o apoio do PT, que condiciona a negociação ao apoio do PSB a Lula no plano federal. A contrapartida é considerada uma “fatura muito alta” dentro da legenda.

MINAS E SÃO PAULO – Em Minas, o PT exige apoio à reeleição de Fernando Pimentel, mas o PSB também é cobiçado pelo PSDB.

PSB e PSDB também negociam aliança em São Paulo. O governador Márcio França (PSB) sonha em ter apoio de Alckmin. As negociações do PSB com o PSDB e o PT preocupam Ciro Gomes, que tenta trazer a legenda para a vice de sua chapa, e o nome preferido por ele é de Márcio Lacerda, ex-prefeito de Belo Horizonte e que é amigo pessoal e já trabalho diretamente com Ciro Gomes, quando ele era ministro da Integração Nacional.

21 thoughts on “Disputas estaduais dificultam que PSB feche acordo com algum presidenciável

  1. Newton, O PDT jogou muita conversa fora. Se tivesse limitado as palavras vazias , sem sentido e as “metáforas” mal formuladas e entendidas como grosseria e má educação. Hoje o partido estaria sendo procurado como “a menina bonita do salão”. Na política deve-se falar pouco e ouvir muito. Fazer o que? Esperar um ato inteligente.Quiça um milagre.

  2. 1) O problema do Ciro, a meu ver, é que, se eleito, ele pode chamar o PT para governar… e nem todos os eleitores do chamado Campo Altruísta (o termo progressista está maculado) querem isso.

    • Vão dançar tango e parar na cadeia com a Christina. Em todos os países os palhaços existem, e os bandidos, também. O Lula e o PT não são uma exceção. Em alguns eles vão presos e, em outros são executados. Talvez devêssemos começar com o bandido maior.

  3. “O indulto de Lula está no forno”, diz Elio Gaspari.
    “Se vier a ser eleito presidente da República, Ciro Gomes poderá indultar Lula no primeiro dia de governo”.
    Tatuaram no Tiro gomes a estrelinha do PT…perdeu coroné.

  4. Bem, o blog é democrático e cada um externa seu pensamento.O Élio Gaspari é um bom articulista, mas essa do Ciro Gomes indultar o Lula só pode ser piada.

    Grande abraço para todos.

      • Amigo, não tem nem perigo do Ciro fazer essa bobagem.

        Seria crime de lesa-pátria como disse o Bendl abaixo, e , correria sério perigo de ser enxotado pelas FFAAs.

        Abraço.

  5. Volto à vaca fria:

    Se Ciro vencer as eleições, e cometer esse crime lesa-pátria, de indultar Lula, na razão inversa da liberdade do ladrão e genocida, cai o Ciro!

    Esse golpe não vai se realizar!!!

    E como o candidato pelo PDT será questionado a respeito nos debates, certamente Ciro ou diz a verdade ou, se mentir, pois no Planalto faria o contrário, indiscutivelmente será enxotado de Brasília!

    Ciro não pode brincar com esta situação, pois demasiadamente séria e grave, apesar de eu não acreditar que ele possa cometer tamanha asneira.
    Mais devo acreditar que se trata de intriga política, do que verdadeiramente Lula ser indultado.

  6. Ciro já disse que se ele declarasse bancar o indulto Lula o mandaria pra PQP. Resta saber se o faria por baixo dos panos, coisa que eu não acredito, como o Bendl, seria cometer um harakiri político. O Ciro pode ser meio destemperado, mas pra burro ele não serve.

  7. É vital para o Ciro conquistar os votos lulopetistas, mas há um impasse: se houver um apoio publico, formal, ele perde por outro lado, da parte do eleitorado de esquerda que não aceita essa aliança. Como o lulismo não o apoiaria sem um acordo, a coisa fica enrolada. Acho que a tendência é Ciro se voltar mais a direita, mas dependendo do alcance dessa manobra, também pode trazer algum prejuízo eleitoral. Se correr o bicho pega, se ficar o bicho come, traduzindo no popular.

    • É um político experiente e pode até ter jogo de cintura e sair bem desse imbróglio. Mas, ao que parece, vai pesar muito nessa eleição a coerência do candidato, é o que favorece o Bolsonaro, que passa a imagem de autenticidade, apesar dos pesares.

      • Levi,

        Análise perfeita sobre a bifurcação que Ciro se encontra:
        se declara o seu amor pelo PT, conforme o presidente da sua sigla com relação à Dilma, quem hoje quer distância de Lula não lhe concederá o voto;
        se ao distanciar-se da esquerda, em busca de apoio de quem detesta o PT e Lula pelos crimes cometidos pelo meliante e sua quadrilha, entrará em choque com Bolsonaro, que tem sido original tanto na sua plataforma de governo quanto conduta política.

        Um abraço.
        Saúde e paz.

  8. Os antilulistas deviam ser agradecidos a Lula, pois sem a existência dele, não teria sentido viver, pois não teriam seu objeto de ódio para passar o tempo.

    • Quem roubou o país e explorou o povo de forma inclemente, impiedosa e cruel, decididamente não foram os antilulistas, mas o PT e seus seguidores, comprovando que quem sente ódio pela população é a quadrilha de ladrões, e não quem tem sido acusado injustamente.

      Basta inverter a frase, que se chegará á conclusão exata de quem odeia, de quem tem raiva, pois aquele que acusa o outro de ódio deveria agir ao contrário, mas não foi este comportamento que os petistas adotaram quando decidiram roubar o erário e explorar o cidadão.

      Uma questão simples de lógica!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *