Ditadura, tortura e censura formam uma afronta à dignidade humana

Suplício do pau-de-arara era praticado nas ruas

Pedro do Coutto

Pesquisa do Datafolha publicada ontem pela Folha de São Paulo e O Globo revelou que a grande maioria da população brasileira, na qual se inclui o eleitorado que volta as urnas no próximo domingo, rejeita todas essas formas que atentam contra a liberdade e a dignidade humana. O levantamento assim iluminou o pensamento brasileiro de forma bastante clara, mas ao mesmo tempo acentuou que uma parcela considerável da opinião pública teme a hipótese de implantação de novo regime totalitário do país. A imensa maioria, vale frisar, é contra qualquer ditadura, porém, ao mesmo tempo, teme pela hipótese de se configurar a sombra do passado recente.

As ditaduras incluem automaticamente a censura à imprensa e a tortura nos porões das masmorras. No passado recente pode se dividir em duas partes de nossa história: a de Vargas de 37 a 45 e a que foi instalada em 1964 e só terminou 21 anos depois.

TUDO IGUAL – Nas duas ditaduras houve censura à imprensa, torturas, suspensão de habeas corpus e de mandados de segurança. Na ditadura de Vargas, para se ter uma ideia, basta lembrar que o lendário advogado Sobral Pinto invocou a Lei de Proteção aos Animais para fazer cessar as torturas praticadas contra o comunista alemão Harry Berger. Uma versão que predominou através de décadas foi a de que Sobral se baseou na Lei de Proteção aos Animais para defender Luis Carlos Prestes.

O advogado na fase final de sua vida, em almoço com jornalistas políticos, ao responder a uma colocação de Vilasboas Correa, esclareceu que usou essa figura legal para que cessasse as torturas contra o comunista alemão encarcerado pela polícia de Filinto Muller. Fica aí, portanto, uma informação que talvez seja útil para que o ponto verdadeiro da questão seja esclarecido.

Prestes, preso em 35, não foi vítima de torturas físicas. Anistiado por Vargas em 45, o líder comunista elegeu-se senador pelo então Distrito Federal, hoje cidade do Rio de Janeiro.

SOMBRAS DO PASSADO – São episódios dos quais a história do Brasil e a própria história universal flutuam como sombras de processos indignos à consciência humana e também a idéia de liberdade. Não precisamos citar o nazismo, que é o ponto máximo do que de hediondo pode produzir a mente de seres incompatíveis com a existência dos seres humanos. Podemos citar também o ditador Stalin que comandou a antiga União Soviética de 1924 a 1953.

Passemos ao futuro. O repúdio a ditadura está também sintetizado no temor que tal hipótese desperta. O povo brasileiro quer viver em liberdade, o bem maior que se pode desejar para o país.

20 thoughts on “Ditadura, tortura e censura formam uma afronta à dignidade humana

  1. Eu nasci em 1952, tinha 12 anos quando houve o golpe de 1974 e só comecei a votar em 1970.
    durante aquele tempo, só não votava em presidente e governador, que eram eleitos por eleição indireta, isto que dizer que, eram eleitos por parlamentares que nós elegíamos.
    Porém naquele tempo, tínhamos a segurança de andar pelas ruas das cidades, sem qualquer temor, tanto de bandidos, como de forças de repressão. Naquele tempo a liberdade de ir e de vir, era total.
    O pais começou a progredir, o tal “milagre brasileiro”, não foi invencionice não, foi verdadeiro.
    Dizem que havia corrupção, não duvido, porém muito longe a roubalheira em escala industrial da era PT, e alguns dizem até que não se divulgava as mazelas do governo, por causa da censura. Conversa.
    No Paraná um governador foi tirado do cargo, na era Geisel, justamente por má conduta, tudo com ampla divulgação.
    Dificilmente encontro hoje gente que viveu naquele tempo e que não vá votar no Bolsonaro, todos sentem saudades do tempo da ordem e progresso.

    • Cara, Bolsonaro não prestou nem para servir a farda que lhe tirou da miséria do Vale do Ribeira, inserido no “Ramal da Fome ” de SP, onde estava destinado ser um plantador de banana. Vocês não conseguem cuidas nem dos seus quartéis satisfatoriamente, e agora ficam achando porque tem o porte das armas por delegação do estado são os donos do próprios estado. Recolham-se às suas insignificâncias intelectuais, governar o país é função de civis. Ademais, quem anda para trás e dos lados é caranguejo e não gente. B171, nem pensar. Tô fora. Comigo não, violão. Quem não conhece que compre essa sua conversinha boba pra boi dormir. Basta de 171, pelo amor de Deus.

      • Seu Lauro José, governar o país não é privilégio de nenhuma classe. E mais, ser militar não coloca os fardados em condição inferior de intelectualidade (conforme suas palavras).
        Veja seu José: sem desmerecer outras instituições de formação, posso lhe garantir que o ITA e o IME estão no topo dos melhores institutos de engenharia do país – e são militares. O Colégio Militar era e deve ainda ser considerado um dos melhores em nosso país para a educação que precede a universidade.
        Muito cuidado com esse negócio de intelectualidade. Conhecer Latim era considerado intelectual, no entanto essa língua morta só é usada por juízes (especialmente do STF) para satisfazer egos carentes de reconhecimento de suas importâncias pela sociedade que lhes olham de soslaio.
        Vou terminar: os presidentes militares erraram muito, mas queriam ardentemente acertar. Todos morreram com o salário de general. O civil Lula, no entanto, roubou e deixou que roubassem como nunca em nosso país. E foi, como o senhor sabe, um ignorante rasteiro e com péssimos hábitos. E acentuo: era civil!
        Vou me calar certo de que posso contar com a sua simpatia.

    • Caro Ananias, nascido em 54, eu, nascido no início de 81, faço minhas observações considerando uma a uma de suas afirmações.

      1) “durante aquele tempo, só não votava em presidente e governador,… eram eleitos por parlamentares que nós elegíamos.”

      E esses eleitos (somente os que podiam se candidatar) pelos cidadãos-eleitores não tinham o rabo preso?

      2) “naquele tempo, tínhamos a segurança de andar pelas ruas das cidades”

      Naquele tempo, também as notícias corriam como hoje?

      3) “naquele tempo… a liberdade de ir e de vir, era total”

      Essa tal liberdade que existia encontrava limite quando o exercício dela não fosse do interesse do grupo dominante: governo militar e elite branca cristã. A liberdade de expressão, no entanto, era tolhida, livros queimados e censura vigorava.

      4) ” o tal “milagre brasileiro”, não foi invencionice não, foi verdadeiro”

      Imagino que esteja se referindo à industrialização.
      Natural num país que tinha sua população predominante no campo até então, que, o êxodo provocado com a industrialização, significasse uma melhoria das condições econômica e propiciadas, ainda, por avanços da evolução da medicina com os antibióticos, na saúde.

      5) “Dizem que havia corrupção, não duvido, porém muito longe a roubalheira em escala industrial da era PT, e alguns dizem até que não se divulgava as mazelas do governo, por causa da censura. Conversa.”

      Vigorava o princípio da publicidade dos atos estatais como regra?
      Os orçamentos do Estado e os gastos do governos eram propostos, discutidos, votados e publicados?
      Podiam cobrar do governo em que esferas? – No manso parlamento?
      Havia diploma similar à Lei 12.527/2011, a chamada “Lei da Transparência”?

      Ao contrário, sabe-se que nada disso havia. Muitos documentos da autoridade monetária da época ainda permanecem sob sigilo até os dias de hoje, segundo li numa matéria.
      E conforme apurou a organização Auditoria Cidadã, em 1964, a dívida externa brasileira somava US$ 3,294 bilhões e, em 1985 totalizava US$ 105,171 bilhões.
      O Estado brasileiro foi levado pelo governo militar à assumir compromissos internacionais no período 1964-85 que, posteriormente, representaram a necessidade de convolar ano a ano (ou teríamos que suspender os compromissos e decretar moratória – coisa que nenhum governante teve culhão de fazer).
      Há aproximadamente uma semana li um artigo tratando das promessas dos candidatos e o que enfrentaria no próximo ano considerando o orçamento já aprovado. No próximo ano (2019) de cada R$ 3 do orçamento de mais de 3 trilhões com despesas da União R$ 1 é para rolar a dívida.

      6) “No Paraná um governador foi tirado do cargo, na era Geisel, justamente por má conduta, tudo com ampla divulgação.”

      Pois bem. Não teria justo pela ampla divulgação dos fatos que o governo militar resolveu sacar o governador Haroldo Leon Peres? – Segundo notícias existiam gravações telefônicas vazadas de um grande empresário onde tratava de negócios com ele.

  2. No Brasil não cabe mas uma ditadura, pois alguns acham que seria a forma de melhorar o já falido estado brasileiro, não percebem o que foi o passado tenebroso deste sistema, quem do regime militar foi punido, em outros países houve punição contra quem matou, torturou e enriqueceu, mas o Brasil esquece rapidamente, ainda acham que este sistema acabará com a bandidagem, a educação de um povo é o único meio de acabar com a violência, melhorar a economia e trazer paz ao seu povo.

  3. Meu caro! Quem faliu o Brasil, não foram os militares, muito pelo contrário, foram os “democráticos” tipo PT e cia.
    Agora o segmento militar da sociedade, acha que pode administrar o pais em tempos de democracia, e como todos os outros segmentos que já governaram e governam, põem o seu projeto a apreciação popular.
    Se o povo aprovar, devera assumir o comando do pais e ponto final.
    Alegar que houve ditadura militar no passado para negar que possam ganhar uma eleição, é negar a própria democracia, todos podem participar.
    Só haverá ditadura novamente no Brasil, se o povo aceitar, na força, jamais, nem o petismo admirador de Cuba e Venezuela, conseguirá.

  4. Pesquisa feita de encomenda, pelos amigos da bandidagem, para arrefecer o espírito de mudança do povo e de seus novos representantes. Só mais uma tentativa de manipular o povo.
    Quanto à tortura, ninguém, em sã consciência, defende sua prática indiscriminada. Mas é indesmentível que, ao longo dos tempos, como arma de guerra, a sua eficácia está mais do que comprovada.

      • No dia que tua filhinha for sequestrada e receberdes uma mensagem com ameaças de sevícias, estupro e assassinato caso não pagues o resgate que não podes pagar … vejamos o que tens a dizer sobre a tortura.

  5. O Homem quando vivia como os outros animais, antes do advento da mente, cometia alguma violência igual a estes, tipo disputa pela fêmea ou alimento. Coisa que raramente causava mortes.
    Com a mente o ideal, a mentira, as religiões ou ideologias, as guerras pelo poder. A tortura é inevitável. Infelizmente.

    • E se o torturado for vc, ou os seus ? Guerra ? Que guerra , há a trocentos anos que vocês vivem coçando o saco sem participar de nenhuma guerra, comendo do bom e do melhor, às custas do sangue, suor, lágrimas e vidas do povo contribuinte ? Só se for guerra entre irmãos, que não precisam de mais torturadores, pois eles já se matam entre si, à base de 60 mil vidas ao ano. Precisamos de gente inteligente, sábia, capaz de resolver essa sangria, e não de mais cabeças de bagre para piorá-la ainda mais.

    • Raramente causa mortes naqueles tempos distantes da evolução?
      A tortura é inevitável?
      Veja o quanto a evolução parece não haver atingido a todos pelo modo de pensar deste indivíduo.

  6. Enfiar uma faca na barriga de alguém que esta distraído, com o propósito de uma eliminação física da pessoa, tendo por objetivo retira-lo de uma disputa eleitoral, fazendo com que esta indivíduo seja obrigado a permanecer longo tempo hospitalizado e correr risco de vida, também não é uma tortura?
    Quem foi dos denunciantes de torturas aqui no Brasil, que se rebelou contra este fato? Ninguém, alguns até aplaudiram, como um padre católico, que deitou falação a favor do ato.
    Tortura é só quando é contra a esquerda? Contra os outros é patriotismo? Não sejam mesquinhos e injustos.

    • Falou que é esquerda, essa gente obediente aos dogmas de uma religião conhecida como socialismo, as mentiras, os roubos e os assassinatos, quando cometidos por ela, é pela causa.
      Resumindo: Na religião socialista, o hediondo encontra justificativas para sua prática.

    • “Enfiar uma faca na barriga de alguém que esta distraído, com o propósito de uma eliminação física da pessoa, tendo por objetivo retira-lo de uma disputa eleitoral, fazendo com que esta indivíduo seja obrigado a permanecer longo tempo hospitalizado e correr risco de vida, também não é uma tortura? ” Mas o autor desse crime ao que consta está preso, e pagando pelo crime que praticou, bem ao contrário dos torturadores e criminosos de 64 que jamais foram punidos, porque se anistiaram, para nunca mais voltarem ao poder, mas pelo visto estão forçando o alambrado da lei de anistia paga abocanharem outra vez o pote de melado e repetirem as mesmas cagas outra vez.

  7. Um dia terei a honra de conhecer o jornalista e articulista autor desse artigo em tela, Pedro do Coutto.

    Gosto muito do seu modo de escrever.
    Quem dera que eu tivesse uma ínfima parte do seu talento, quem dera …

    Todavia, homem da mídia, jornalista famoso, sério, competente, honesto, traz naturalmente consigo o espírito de corpo do seu segmento.

    Ora, o maior inimigo do jornalismo é a censura.
    Paradoxalmente, durante esses tempos fechados, a criatividade explode, e homens e mulheres nesta profissão mostram a suas criatividades incontestáveis.

    Entretanto, para o povo, o maior mal que pode lhe acontecer é ter um governo ladrão, corrupto, desonesto, venal, que rouba o dinheiro público que deveria ser destinado às áreas necessitadas, para ser embolsado pelo grupelho que está no poder!

    Coutto assinalou, na sua ótica de jornalista, os males que considera os mais graves;
    O célebre profissional esqueceu que o país roubado e explorado por organizações criminosas, travestidas em partidos políticos, pela falta de verbas que alega e tenta justificar as carências em setores vitais à nação, também é tortura, ditadura – o dinheiro é gasto entre eles – e censura!

    Logo, faltou ao excelente artigo, a palavra HONESTIDADE, pois de nada adiantam a democracia, não haver tortura e censura, se o povo está desempregado, inadimplente, o pais estagnado, falido ética e moralmente, os cofres públicos raspados, carga tributária insuportável, furto descarado com a tabela de restituição do IR, congelada anos a fio, o povo sem saúde que atenda a demanda, educação deprimente e segurança inexistente!

    Com razão o texto de Pedro do Coutto, todavia, para ser um artigo perfeito e ser pendurado na parede emoldurado, faltou a exigência que devemos permanentemente alertar aos governantes:
    trata-se da obrigação de serem honestos!

  8. que bacana, mas em que isso influencia hoje? vamos falar sobre os milhões de mortos na extinta URSS, os milhares em Cuba e agora Venezuela? deixa de ser desonesto intelectual… e bobinho…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *