É preciso militarizar os presídios, para conseguir sufocar as facções criminosas

Resultado de imagem para rebelião em presídio

Em prisões geridas pelos militares, não haveria rebeliões

Carlos Newton

Conforme relatamos no artigo de quinta-feira, o problema central da criminalidade é o domínio do sistema carcerário pelas facções, através da cooptação dos agentes penitenciários e dos funcionários dos presídios. No Japão, para dominar a Yakuza, que era a mais bem organizada máfia do mundo, o governo teve de militarizar o sistema, com regras draconianas. Quando isso ocorrer no Brasil, logo se perceberá que é possível evitar a existência de celulares na prisão, de onde muitos chefões comandam o crime organizado.

No Brasil, essa solução só pode ser aplicada se o controle dos presídios for entregue aos militares, que promoveriam a substituição de todos os funcionários e agentes, com os novos servidores passando a trabalhar incógnitos, com os rostos encobertos por máscaras de cirurgia. E os presos seriam proibidos de levantar a cabeça para tentar reconhecê-los, exatamente como acontece no Japão.

PRISÃO ESPECIAL – A primeira prisão a funcionar nestes termos seria federal e destinada a abrigar os líderes de facções criminosas, que teriam penas severas e tratamento draconiano, com horários e normas rígidas, passando a maior parte do dia na cela, sem direito a prolongados banhos de sol ou a terem contato social com outros presos.    

Este presídio destinado aos chefões seria o único do país em que os presos não trabalhariam. Em todos as outras penitenciários os detentos prestariam serviços, para receberem salários. Haveria colônias agrícolas e prisões industriais ou prestadoras de serviços, como mecânica e lanternagem de veículos públicos, fabricação e reparos de móveis e de outros itens. Além disso,  os detentos de menor periculosidade seriam encarregados de trabalhar em obras urbanas e rurais, sob comando dos engenheiros militares.

Ao mesmo tempo, as leis contra o crime precisam ser mais rígidas, sem benesses, nem indultos de Natal e saídas para Dias das Mães. Somente presos de menor periculosidade poderiam usufruir desses benefícios. Seriam leis temporárias, já existentes desde o Direito Romano, para fases emergenciais, com agora se verifica. 

MILITARES NO COMANDO – Todos os presídios seriam administrados por militares. As normas seriam rigorosas, os presos fariam exercícios físicos e ordem unida. Assim como no Japão, a alimentação seria de boa qualidade, para garantir a saúde dos detentos, mas sem excessos. E não existiram cantinas nos presídios, nem trafico de bebidas alcoólicas e drogas.

A meu ver, somente os militares podem aprimorar o sistema carcerário. Em pouco tempo se veriam os resultados, pois as facções criminosas, sem o uso de celulares nos presídios, ficariam desorganizadas, sem receber ordens dos chefões que estão cumprindo penas. A confusão seria tamanha que se destruiriam entre si, em chacinas que seriam verdadeiras faxinas.  

Depois da aperfeiçoado o sistema carcerário, os militares então passariam a apoiar as forças de segurança na repressão ao crime organizado. Como não estamos em guerra, seria um serviço inestimável que os militares prestariam ao país. Mas quem se interessa?

###
P.S.Por piedade, não acusem o editor de ser militarista. Na verdade, sou comunista, mas respeito as outras ideologias e não consigo ser idiota, nem mesmo quando estou distraído. (C.N.) 

34 thoughts on “É preciso militarizar os presídios, para conseguir sufocar as facções criminosas

  1. Carlos Newton,você foi cirúrgico e,mostrou como se extirpa um câncer.
    Com certeza os amigos Bendi e Fallavena,vão gostar muito dessa postagem.
    Mas como no Brasil os políticos além de autoridades dos mais altos poderes,estão envolvidos até a alma com o crime organizado,sòmente um militar teria qualidade moral para tomar essa atitude.
    Grande abraço e mais uma vez postagem genial.

  2. Excelente artigo. Militarista? O texto inteiro demonstra apenas uma coisa: ordem e disciplina. Merece todo meu apoio e respeito pela análise.

  3. Bom dia Carlos Newton.

    Você mostra claramente nesse artigo, a solução para o caso. Inclusive, humanamente.
    Assim entendo.

  4. Bastaria colocar um oficial da ativa para comandar (e, não, dirigir) um presídio, juntamente com subordinados também militares, e tudo passaria a funcionar, mesmo com a legislação ridícula que rege a questão. E a razão é simples: o comandante de uma Organização Militar é responsável e responde por TUDO o que acontece no seu interior. Correndo o risco de responder a um IPM, ser preso e expulso da corporação, o comandante permitira essa zona de entrada de celulares, drogas, rebeliões, etc.?

  5. Eu acho que com as benesses do judiciário humanizado, isso jamais irar acontecer …
    As organização dos direitos dos manos, logo se insurgirão contra essa desumanidade senhor Carlos Newton .
    Quer resolver sem precisar fazer muita coisa ? Basta o governo cortar o dinheiro para essas pseudos organizações humanitárias .

  6. 1) Parabéns CN, ótimo artigo. Concordo plenamente.

    2) Para que as Esquerdas não reclamem, lembro que a China é de esquerda e lá tem prisões agrícolas, campos de reeducação social e similares.

    3) O básico no chamado Império Celeste = assim o Taoísmo/Confucionismo multimilenar refere-se à China são os chamados “Deveres Humanos”.

    4) Mas vale para todos, desde o mais simples meliante até o Ministro da República.

  7. Muito bom! Concordo plenamente com tudo que você diz nesse e também no artigo anterior sobre o assunto, Carlos Newton.
    Como a TI é leitura de muitos, quem sabe o tema desta matéria chegue a alguns ouvidos moucos e a ideia de fato se espalhe e dê resultados. Quem sabe…

  8. Interessante e curiosamente, os militares que são tão criticados, e agora mais do que nunca, passaram a ser a solução para os nossos problemas!!!

    É a segurança pública, também os presídios deveriam ser administrados pelo Exército, a construção de estradas porque sobra dinheiro e o tempo utilizado é muito mais rápido do que qualquer construtora …

    A bem da verdade, e aceitem ou não, o poder público faliu, desmoronou-se, implodiu com a corrupção, ocasionando que os poderes perderam autoridade moral sobre qualquer iniciativa ou obra que pretendem realizar.

    Enquanto isso, os militares mantém a sua organização, hierarquia, disciplina, que são imprescindíveis em ocasiões onde a falta de exemplos positivos geram exatamente a baderna, a balbúrdia, o surgimento de facções criminosas pela ausência de quem possa combatê-las.

    Quando foi decidido que haveria intervenção militar no Rio, escrevi que uma das primeiras medidas deveria ser a guarda dos presídios, pois lá estariam os chefões do tráfico de drogas e armas, os planos para queimar ônibus, e deixar a população amedrontada.

    O artigo do Mediador, solicitando que os presídios sejam militarizados, vem ao encontro daquilo que pede a sociedade, segurança.

    Independente de ser comunista ou não, Newton mostra-se sensato, ainda mais quando constata que a falta de autoridade moral e ética não existem mais em quaisquer governos, municipal, estadual e federal, contaminando as demais instituições, principalmente as polícias civis e militares!

    Por que nas FFAA a autoridade é mantida, tanto a moral quanto o moral das tropas, indiscutivelmente deveria ser levado em conta por qualquer governante este método utilizado pelo Exército, Marinha e Aeronáutica, que em situações como estas são lembrados como soluções para nossos impasses ou pela incompetência governamental!

    Logo, percebe-se claramente que as críticas que neste blog são direcionadas aos militares advém de posicionamentos políticos, e não que o interesse seja o bem do país e do povo, aliás, estes que se danem, conforme o caos estabelecido há quatro anos!

    Uma pena que a sugestão de os presídios serem militarizados não se estenda para o congresso e Planalto, que deveriam também ser reorganizados e presos os ladrões do erário e do povo!

    Não bastariam que os bandidos que atuam nas ruas fossem presos, se os criminosos que estão soltos graças à impunidade continuassem livres, praticando qualquer tipo de crime porque escudados por foros privilegiados.

    Enfim, a lembrança de se utilizar os militares é um bom sinal, ainda mais quando sugerido por um comunista confesso, que, diga-se de passagem, só se sabe que é simpatizante desse regime porque assim se identifica, haja vista seu comportamento ser de absoluta democracia no seu blog e de respeito às posições contrárias às suas, justiça seja feita!

    Newton é uma espécie de comunista light, soft, moderno, que não é radical, portanto, com ele podemos dialogar, discutir, debater, até mesmo brigar, pois se trata de gente boa, mesmo que seja um pouco manhoso, turrão, características pessoais absolutamente aceitáveis.

    Da mesma forma parabenizo o artigo porque procedente, pontual e adequado ao momento nacional!

    • A Intervenção no Rio tem sido atacada por ideólogos, jornalistas, ONGs, políticos e demais arautos do politicamente correto. Se imputarem aos militares a administração dos presídios, mantendo o mesmo clima externo que sufoca a administração presidiária, com detentos e seus cooptados livres, não avançaremos no sentido positivo, pois esses ameaçam as famílias dos servidores do sistema penitenciário. Para que isso funcione haverá necessidade de revisar a legislação, sobretudo no que diz respeito à pena de morte, pois essa já foi decretada pela bandidagem que mata a seu bel prazer e comprova isso com a morte de mais de 50 policiais militares durante esses primeiros meses do ano, sem contar suas vítimas… Sugiro que vejam o conteúdo do link abaixo.

      http://materiais.brasilparalelo.com.br/sala-de-transmissao-perspectiva-brasil-paralelo-forca-do-crime-no-brasil

  9. Prezado Carlos Newton, belo texto. Acredito que a militarização dos presídios de forma sistemática, hierárquica e disciplinar nunca foi aplicada no Brasil. É uma hipótese que, em tese, não pode ser descartada. Talvez seja mesmo a melhor solução.

  10. o sujeito é comunista? não deu certo em lugar nenhum…r… tu tens ideia do que é comunismo? vai tu cuidar de presidio…. deixa de ser desonesto intelectual pra pedir ajuda do exército… vcs da sociedade civil de esquerda que se f…r…

  11. Perfeita análise atacando a base da desorganização. O obstáculo, como sempre, são as ONGs, OABs, partidos e coletivos de esquerda que não aceitam mudanças no código penal da década de 40. Saidinhas, visita íntima, progressão absurda de pena, agentes anônimos são recusados peremptoriamente pelos senhores dos direitos humanos. Bloquear celulares então é tarefa quase impossível, ninguém sabe por quê. Mas, teoricamente, a sugestão é plenamente sensata.

    • Já que ninguém respondeu. ..

      O sargento do Exército Carlos Alberto de Almeida, de 46 anos, considerado o maior armeiro do tráfico de drogas do Rio de Janeiro, foi preso por policiais da Delegacia Especializada em Armas, Munições e Explosivos (Desarme) na Favela da Coreia, em Senador Camará, Zona Oeste, na noite desta sexta-feira. Outras três pessoas envolvidas na mesma facção criminosa também fora presas com ele: Alexsandro Rodrigues Figueira, de 34 anos; Felipe Rodrigues Fugueira, de 31; e Murilo Barbosa Ludigerio, de 22. As informações foram divulgadas pela Polícia Civil.

  12. Bom Dia,

    Eu considero o Carlos Newton como um comunista teórico, mas ao mesmo tempo um analista pragmático, que sempre faz excelentes análises no blog. Alguma coisa precisa acontecer para mudar essa situação que só piora e causa insegurança a toda a sociedade.

  13. E ganham bem … Há uma grande diferença entre sonho e realidade .
    Os serviços de inteligência das Forças Armadas e das polícias do Rio de Janeiro estão investigando ex-militares do Exército e da Marinha suspeitos de oferecem treinamentos a criminosos que dominam favelas da capital fluminense. De acordo com reportagem publicada neste domingo (4) pelo jornal O Estado de S.Paulo , esses instrutores recebem de R$ 3 mil a R$ 5 mil por hora de treinamento para ensinar quadrilhas a manusearem fuzis e granadas, e até mesmo técnicas de camuflagem e a definição de rotas de fuga.
    Um oficial do Exército ouvido pelo jornal relatou que a existência desses treinamentos foi notada no fim do ano passado devido ao comportamento de criminosos armados durante operação na favela da Rocinha, na zona sul do Rio de Janeiro . À época, as Forças Armadas prestavam auxílio na busca pelo traficante Rogério 157, que acabou preso em dezembro .

    “[Os criminosos] seguiam claros padrões profissionais, até no gestual de comando”, disse o oficial ao Estadão . Segundo seu relato, as quadrilhas se deslocavam de forma coordenada em grupos de até 12 criminosos, fazendo disparos seletivos e evitando o contato direto.

  14. Perfeito!

    Não se tem que militarizar a sociedade. Tem é que militarizar é os presídios! Com o isolamento dos cérebros, acabarão as autorizações para execuções (inclusive dos agentes penitenciários), chacinas, remessa de drogas, incursões e grandes assaltos nas ruas. Como seria a solução, duvido que venha a ser tomada.

    Cena vista por um amigo meu em Pernambuco: Um jovem chega de moto em um comércio de uma pequena cidade, entra e diz:
    -O meu patrão quer falar contigo – e entrega o celular para o comerciante.
    -Alô, fulano? Tudo bem irmão? Aqui é beltrano. Sabe como é, rapaz. Estou precisando de cinco mil reais, tem como você entregar esse dinheiro para esse rapaz aí?
    O comerciante sabe que o tal “beltrano” é um conhecido traficante e homicida que está preso. E também sabe que, se não der o dinheiro, ele ou algum parente dele será executado. Sem saída e sem ter onde e a quem reclamar, dá o dinheiro para o jovem… mais uva vez.
    Reclamar para quem, se o bandido já nas barbas da Justiça e da Polícia e já está cumprindo a pena máxima permitida neste país?

    Abraços.

    (PS: Os senhores se lembram quando os cidadãos foram obrigados a recadastrar todos os aparelhos celulares pós-pagos com a desculpa que era para evitar que aqueles sem cadastro fossem usados nos presídios?)

  15. Parabéns C.N.!, sua análise é perfeita. O que precisamos é de ORDEM e MERITOCRACIA para reduzir a desordem que contamina e impera nas atividades públicas e até privadas ou seja, precisamos de uma bom “banho civilizatório”.

  16. Que tal experimentar o militares cuidar de 50% das escolas públicas para administração militar. E depois de 10 anos ver qual sistema vai estar melhor. Escolas que não servem pra nada e presídios que servem para escola do crime. Tudo invertido nessa zona.

    • Essa é uma excelente ideia! Em vez disso, o MEC, ideologiza a Escola e manda incluir nos conteúdos livrinhos de sacanagem para iniciar as crianças! Em vez de educar e instruir, propaga o emburrecimento ideológico… Que objetivos educacionais tem esses dirigentes para o futuro do país e dessa geração?

      • Pois é, veja só que o mostro está incontrolável, e querem o exerci cito. Na educação fingem que está tudo OK. Presidio é somente a amputação já era, pois, essa doença deveria ser cuidada na base da inclusão das crianças na educação e sem essa vigarice de Paulo freire.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *