Em plena ditadura do Estado Novo, a Academia “elegeu” Getúlio Vargas. Revoltados, Sergio Buarque de Holanda, Gilberto Freyre e Carlos Drummond de Andrade, condenaram a Academia para sempre. Três grandes intelectuais, sem fardão.

Nelson Lucena, de Caratinga, MG:
”Helio, no momento em que o Ziraldo, meu conterrâneo, parece que vai vestir o fardão tão cobiçado, vejo a tua revelação de que Chico Buarque não quis e não quer a Academia, por causa do pai, que também não quis. Podia explicar como isso aconteceu? Pensei que todos namorassem essa eleição”.

Comentário de Helio Fernandes:
A vida pública no Brasil, caiu muito nos últimos anos, Lucena. Em todos os sentidos e não apenas no político. No plano intelectual acompanhou todo o resto, incluindo a entrada na Academia, muitos fazem o que “for preciso”, para conseguir esse fardão. E a própria Academia tem uma história de submissão e subserviência, que não honra a sua importância histórica, às vezes chega a ser histérica.

Em plena ditadura do Estado Novo, (tão cruel e torturadora quanto a de 1964 ou até mais) o ditador Vargas fez saber que pretendia entrar para a Academia. (Essa comunicação foi feita por intermédio de Lourival Fontes, diretor do DIP, que comandava a censura à imprensa).

Vargas jamais escreveu coisa alguma, se apresentou como candidato com os 10 volumes dos “Discursos”, nenhum escrito por ele. Assim mesmo foi eleito facilmente, era a época em que jornalistas e escritores, (que dominavam a Academia) gozavam das delícias dos empregos públicos, pródigos e valorizados. (Ainda não se vivia de escrever, fosse em jornais ou em livros).

A repercussão negativa foi terrível. Três dos principais intelectuais daquela época, (e chegaram até hoje) Sergio Buarque de Holanda, Gilberto Freyre e Carlos Drummond de Andrade, protestaram com veemência, não admitiam que a Academia se vergasse daquela forma a um ditador atrabiliário.

Revoltados, fizeram um “pacto pessoal”, que repercutiu fortemente, embora a imprensa fosse abertamente ligada à ditadura. (Como aconteceria em 1964, e como se repetirá sempre, com as naturais restrições de alguns, que honram a humanidade).

Por esse acordo, Sergio, Freyre e Drummond assumiam o compromisso de “jamais entrarem para a Academia”, e não entraram mesmo, apesar dos seguidos convites e insinuações, pois eram naturalmente invencíveis na disputa de qualquer vaga.

***

PS – Pouco tempo depois, a Academia tentou se redimir num episódio menor. O general Dolabella, ainda na ditadura, foi candidato único. Teve apenas 10 votos, um choque enorme, morreria de enfarte na mesma noite.

PS2 – Muito tempo depois, Jorge Amado, já na Academia, trataria do episódio, com um livro que publicou com o título sugestivo e elucidativo: “Farda, fardão, camisola de dormir”. Não sei como encontrar, nem quem editou, mas vale a pena a procura e a leitura.

PS3 – Em relação à eleição de agora, teu conterrâneo Ziraldo, caiu dos 11 votos que teve quando perdeu para José Mindlin, cuja vaga agora quer preencher.

PS4 – Única modificação: acadêmicos estão recebendo telegramas de Martinho da Vila. Era apenas um “devaneio” do presidente Marcos Vilaça, tenta se transformar em realidade.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *