Emoção e razão podem acoplar-se

Carlos Chagas

Juscelino Kubitschek havia assumido pouco antes a presidência da Republica. A capital era no Rio e a União Nacional dos Estudantes iniciou mais uma de suas badernas ideológicas, protestando contra a permanência de Roberto Campos no  BNDE, contra o aumento nas passagens dos bondes, contra a derrota do Flamengo para o Madureira e até contra o  abandono dos gatos cegos na Praça da República. Claro que estamos exagerando, mas o espírito libertário da juventude explodia,  encontrando  a maior  receptividade no novo governo.

A sede da UNE funcionava na praia do Flamengo, a poucas quadras de distância do  Catete, sede do Poder Executivo. Os jovens saíram em passeata, numa gritaria dos diabos. Foram entrando, a ponto   de ocuparem os jardins do palácio.  JK desceu de seu gabinete para ouvir os protestos. Oradores aos montes, diante dele, desancavam o governo, os Estados Unidos, a Humanidade e quem sabe o Universo.

Um deles era estudante de Direito, Sepúlveda Pertence, hoje ministro aposentado do Supremo Tribunal Federal. Se ainda agora elogiamos seus dotes oratórios,  imagine-se como era o seu arrebatamento verbal,  há mais de cinquenta anos.

Quanto o jovem  terminou sua saraivada de diatribes, o presidente, ao   lado, quis saber o seu nome. E logo depois o desarmou perguntando: “você não é filho do José Pertence, lá de Belo Horizonte? Como você  é desaforado, meu filho!”

Daquela singular  confraternização saiu a decisão do presidente da República de dialogar com os estudantes, propondo uma visita à UNE para explicar o seu governo, marcada para poucos dias depois.

Na manhã aprazada, Juscelino chegou de carro. A calçada estava coalhada de jovens, que começaram a manifestar-se  antes mesmo que ele pisasse o chão.   Vaias ensurdecedoras, que o acompanharam no saguão do primeiro andar, na escadaria,  e,  em especial,  no auditório lotado. Posta uma pequena mesa no palco, o presidente não sentou. De pé, recebia os protestos sem demonstrar irritação nem  surpresa.

Como tudo na vida passa, as vaias também passaram. JK, então, num amplo gesto, arregaçou a manga do paletó, consultou o relógio de pulso e falou:

“Bendito o país em que os seus estudantes podem vaiar o seu presidente da República durante quatro minutos, na certeza de que nada lhes acontecerá.”

Seguiram-se cinco minutos de aplausos muito mais entusiasmados, depois dos quais, como mascate do desenvolvimento, Juscelino detalhou planos, programas e metas que vinha executando. No final, diante de anteriores críticas da imprensa de que só pensava em obras, descuidando do  ser humano, completou:

“Para quem estamos fazendo tudo isso? Para os fenícios?”

Na  volta ao palácio do Catete, os estudantes acompanharam o carro presidencial entre gritos de alegria e de entusiasmo.

Essa historinha se conta por quem foi sua testemunha, numa evidência de que quando emoção e razão conseguem acoplar-se, conclui-se que nem tudo está  perdido…

Vegetal ou animal?

Para ficarmos em lembranças, agora que o Congresso entra em recesso e deixa momentaneamente de produzir indignações, vale continuar com JK. Não como testemunhas, pois não somos tão velhos assim, mas por termos ouvido o episódio da voz do próprio presidente, já nos seus anos finais de vida.

Ele ainda governava Minas, já com seu nome lançado para presidente da República e convivendo com o apoio de uns e a intolerância de outros. Um de seus  maiores adversários era o então presidente Café Filho.

Precisando ir ao palácio do Catete para tentar resolver grave problema dos cafeicultores mineiros, decidiu que não falaria de política, muito menos de sucessão, dada a má vontade que o chefe do governo lhe dedicava.

Qual foi sua surpresa quando, ao entrar no gabinete presidencial, Café era todo sorrisos, conduzindo-o até um grupo de poltronas e indagando sobre sua saúde, a família e sucedâneos. Em certo momento, o anfitrião levantou-se, pediu-lhe que também se levantasse e fosse até a mesa de despachos. Lá, afastando a cadeira presidencial, Café pediu-lhe que sentasse nela.

Espantadíssimo, Juscelino sentou, sem saber o que falar. Foi quando o presidente deixou cair a máscara e revelou-se como era. Em tom   agressivo, pontificou: “Essa foi a primeira e  a última vez em que você se senta nessa cadeira! Os militares não aceitam sua candidatura,e eu também não!”

JK contava haver deixado a sala com muita raiva,  sem sequer haver tratado da questão dos cafeicultores mineiros. No andar térreo foi abordado pelos jornalistas, que ignoravam o episódio de minutos antes. Foram perguntando: “então, governador, resolveu o problema do café?”

Resposta imediata de quem, como ele dizia, Deus o havia poupado do sentimento do medo:

“De que café você está falando, meu filho? Do vegetal ou do animal?”

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *