Enquanto Chico Rodrigues teve de tirar a cueca, Davi Alcolumbre veste uma tremenda saia justa

Davi Alcolumbre testa positivo para coronavírus, diz assessoria - Tribuna  de Minas

Além da saia justa, o colarinho também está apertado…

Deu na Coluna do Estadão

Como efeito colateral do episódio do dinheiro na cueca do senador Chico Rodrigues (DEM-RR), Davi Alcolumbre se enfiou numa saia-justa. O presidente do Senado, que busca o apoio de seus pares e de ministros da Corte para se manter no comando da Casa, terá de decidir se desagradará a senadores ou ao ministro Luís Roberto Barroso e alguns de seus colegas de STF.

Nos grupos de WhatsApp de parlamentares, tem sido amplo o apoio a Rodrigues, afastado do cargo pelo ministro. A decisão monocrática foi considerada afronta ao Parlamento.

DECISÃO AFOITA –  Ângelo Coronel (PSD-BA), por exemplo, chamou a decisão de “afoita” e “midiática”. Mecias de Jesus (Republicanos-RR) classificou o afastamento do colega de “fato institucional da maior gravidade”. Até a oposição entrou no meio: Jean Paul Prates (PT-RN) disse concordar com os colegas no grupo.

“Não tem nada que desabone Chico Rodrigues. Espero que o Davi realmente tome providências e dê amparo legal ao nosso amigo e companheiro”, disse em áudio no grupo de senadores Vanderlan Cardoso (PSD-GO).

E o senador Nelsinho Trad (PSD-MS) enquanto aguardava o início de uma missa, disse sobre Rodrigues: “Se eu puder ser um bálsamo nesse ferimento, serei”.

CÂMARA REAGE – Houve intensa repercussão também na Câmara: “Afastar um senador por decisão monocrática e antes da denúncia não tem guarida na Constituição. Ministro não pode estar preocupado só com “likes”, mas com a Constituição”, afirma Marcelo Ramos (PL-AM).

“A conduta do senador Rodrigues tem de ser apurada e, se comprovada como ilegal, ser duramente punida, mas dentro dos limites da lei e da Constituição”, completa Ramos.

Para ampliar a sensação de afronta ao Legislativo, não foram poucos os parlamentares que viram na decisão do STF de manter a prisão de André do Rap uma “reescritura da lei” pela Corte, em gesto claro de ativismo judicial.

TUDO ERRADO – A despeito da enorme capivara de André do Rap e de sua periculosidade, o episódio começou e terminou mal para STF com a “mudança” do artigo 316 do Código Penal, aprovado pelo Congresso e sancionado por Jair Bolsonaro.

A “estreia” pra valer de Luiz Fux no plenário como presidente do STF foi bem ao estilo do ministro: sob fortes holofotes. Nesse clima, ´rÉ preciso lembrar que há uma ação no STF, sob relatoria de Gilmar Mendes, que questiona a possibilidade de reeleição à presidência das Casas. Como a Coluna antecipou, a advocacia do Senado alega ser possível e tratar-se de uma questão “interna corporis”.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOGAinda há senadores decentes. Está na hora de dar um basta nesse tal de Alcolumbre, cuja família quer dominar o Amapá política e financeiramente. Ele já teve seus 15 minutos de fama, deve se recolher (ou ser recolhido) à sua insignificância. (C.N.)

16 thoughts on “Enquanto Chico Rodrigues teve de tirar a cueca, Davi Alcolumbre veste uma tremenda saia justa

  1. Todo o Brasil comentou e ainda comenta sobre o dinheiro no cofre (que cofre, hein!) do senador, só o Alcolumbre que, representando o senado, não fala nada.

    Está sendo conivente com a maracutaia. Mostra-se, também, um defensor de bandidos. Defensor de bandido, bandido é.

    • Concordo plenamente ! Todos sabem que os presidentes da câmara e do senado NÃO podem ser reeleitos mas ninguém quer entregar o docinho. E por que esse tal de Chico Rodrigues precisou esconder o dinheiro na cueca? ISSO É COISA DE BANDIDO !!! Esse governo do BOÇALNATO é uma esculhambação !

  2. Concordem ou não, toda está balbúrdia, agora sem controle, é consequência direta de aloprados justiceiros que conseguiram dar o golpe iniciado em 2006 c o mensalão, e concluído em 2016 c a saída da Dilma.
    Agora, sem nenhum democrata que possa liderar a volta a normalidade, cada dia, cada semana, cada mês, estamos piores nos mais diversos índices que se possam medir.

    • Ronaldo
      É o contrário do que estas tentando passar!
      Tudo isto é o resultado de governos corruptos, que ficaram no poder desde a redemocratização. São resultados produzidos por canalhas e por parcela da sociedade que lá os colocou!
      O atual é só uma ponte! Como sairíamos do lixo para a limpeza total?
      O próximo governo, se a parcela maior da sociedade tiver e usar o cérebro, poderemos iniciar a construção de um país e não de um latifúndio de gentalha.
      Abraço
      Fallavena

  3. As coisas que acontecem, além de terríveis também se tornam engraçadas.
    Outro dia fui sacar no caixa de um banco a quantia de dois mil reais, e tiver que dizer ao caixa, o que iria fazer com o dinheiro. Disse-me ele, que agora é assim.
    Pois bem, se o Chico Rodrigues sacou na boca do do caixa, ao ser indagado o que faria com o dinheiro, será que teria respondido, ” vou enfiar na bunda?”

  4. Caro Elser,

    Eu diria que, desde a eleição de Jânio Quadros, o Brasil vem perdendo a essência de Estado, País, Nação e Pátria, que seria a sua ética e moralidade.

    Essas duas últimas palavras foram substituídas pelo “jeitinho”, depois apadrinhamento, em seguida por tráfico de influência, ali adiante por quem indicou, e chagamos à corrupção, que se instalou em definitivo nos governos porque constataram a facilidade de enriquecimento ilícito com rapidez e segurança.

    Pois o processo tomou tamanho vulto, que o Brasil não anda mais sem propina, negociatas, acordos espúrios, corporativismo, que impedem que voltemos a nos desenvolver, crescer, e progredirmos coletiva e individualmente.

    Ética e moral foram deletadas pelos poderes constituídos, criando uma expressão nova, mas que define o momento atual de desonestidade que impera:
    Blindagem.

    Quando ouvimos que alguém ou uma instituição será “blindada”, já sabemos antecipadamente que existem fatos que não ousariam ser discutidos à luz do sol, que existe corrupção, e que precisa ser escondida do público de qualquer maneira, mesmo a mais ridícula existente:
    “Comissão de Ética”.

    Em outras palavras:
    Câmara do conchavo; gabinete do ridículo; sistema de ajustes da corrupção; setor de explicações para otários; local de deboche; sala de risos; corte de aperfeiçoamento do cinismo e hipocrisia; preparação para mandar às favas o povo!

    Forte abraço.
    Saúde e paz.
    Te cuida, meu!

    • Chico, mais uma vez você é arguto, objetivo, sintético e brilhante na exposição da evolução dos problemas que fundamentam a disfunção sócio-política do nosso pais.
      Do seu breve relato podemos concluir, indubitavelmente, que a sociedade nacional se encontra refém de uma organização criminosa e exploradora, apelidada de “Três Poderes”
      Até aí, nada de novidade, o que eu gostaria de apontar para você é um fato que venho observando a partir do início do atual governo.
      A dissimulação, o sigilo, a ocultação de atos impróprios, manobras legislativas e, principalmente, atitudes e declarações lenientes com a corrupção, foi totalmente relaxada. Hoje não há pejo nenhum em atacar a Lavajato, concederem HCs esdrúxulos em favor dos “inimigos públicos” e em defender as cuecas sujas de um membro do Senado da República.
      E é aí que eu pergunto, será que é só complexo de emulação do Mito, polêmico e agressivo, ou…será alguma técnica psicológica destinada a humilhar e desiludir as vítimas para diminuir-lhes o poder de reação e incutir-lhes a ideia de inevitabilidade?
      Abraço

      • Moreno, meu caro amigo,

        Excluindo teus elogios ao meu comentário, que merece ser parabenizado és tu, diante da tua conclusão indiscutível, irreparável, quanto à possibilidade do que acontece conosco ser inevitável, assim como também a falta de reação popular.

        Indiscutivelmente somos obrigados a buscar na psicologia, na psicanálise, na psiquiatria, as razões pelas quais somos tão resignados, tão complacentes, tão IRRESPONSÁVEIS conosco e com o país!

        Olha só, Moreno:
        como tenho tempo para pensar, pois aposentado, em casa e doente, algo devo fazer ou me colocar dentro do caixão e pedir que me enterrem.
        Che, tenho meditado muito a respeito dessa inércia.

        Afinal das contas, vivemos um momento histórico da civilização marcado pela mentalidade da notícia.
        Mas todas são clichês, rótulos que se destacam na fluência da vida.
        Não só nos conformamos com as notícias soltas, ainda mais as tais fake news, mas também vivemos a nossa própria vida em grande parte como se estivéssemos fazendo notícias!

        Vivemos assim, diante dos outros e não diante de nós mesmos.
        No entanto, viver é ter a consciência de construir a própria vida.

        Moreno, VIVER É CAMINHAR, certos de que não existe um caminho anteriormente traçado na existência.
        O caminhar é o caminho, cada passo que damos abre um caminho;
        cada escolha que realizamos NOS APRISIONA e nos fortalece porque é uma autodeterminação.

        O modo por que vivemos constrói a expressão do que somos e do que nos fazemos ser.
        Pensar a vida não é pensá-la em termos de caminho que percorremos porque viver NÃO É PASSAR, mas é ser!

        Quantas vezes ouvimos a expressão ” passei por poucas e boas”, “passei por problemas econômicos”, “passei por uma fase ruim”, passei pela perda de um ente querido que muito eu amava” …
        E daí?
        As passagens resultaram algo de positivo dentro da pessoa?
        Fizeram-na crescer?
        Aprender?
        Ter mais consciência?
        Evitar futuras “passagens ruins”?

        Não, pois já passamos pelos momentos que nos deixaram tristes ou decepcionados ou frustrados ou amargurados.
        Curiosamente, meu caro amigo, nunca usamos a mesma expressão para momentos alegres, notaste?

        – Passei por momentos inesquecíveis com uma mulher”.
        Não. Normalmente, o assunto se encaminha assim:
        – Nem conto o que me ACONTECEU??!!

        “As ideias movem o mundo” ;
        ideias confusas produzem ações indecisas;
        ideias claras e precisas sustentam a firmeza das ações;
        os homens que desejam ser firmes nos seus atos chegam a preferir ideias QUE NÃO SÃO VERDADEIRAS, mas que se apresentam a ele com clareza e simplicidade.

        Arrastamos em nossa herança cultural uma série de posições doutrinárias, cuja autoria desconhecemos, e por isso julgamos que são nossas, apenas porque não sabemos quem as lançou e por que o fez, então se faz necessário, primordial, REPENSAR as doutrinas que abraçamos.

        Na maioria das vezes nos satisfazemos com uma concepção que nos parece coerente e engenhosa, quando o importante é verificar se os problemas que ela pretende solucionar foram colocados adequadamente, e se a colocação falsa dos problemas gerou soluções que já estavam previamente CONFORMADAS por esta maneira inadequada de colocá-los!

        Em outras palavras:
        Aceitamos a irreversibilidade da pobreza, miséria, do desemprego e até da corrupção institucionalizada porque INEVITÁVEIS, e pelo fato de tendência política alguma tem solução!
        Contentamo-nos com a nossa limitação, falta de disposição, de vontade, determinação,. e até mesmo de alterar aquilo que está nas nossas próprias mãos!

        O mito do poder da máquina, da ciência e da tecnologia criou uma divisão no ser humano porque ele continuou a ser um místico sem se dar conta, criando uma série de CULTOS que o desviam de uma direção a que está chamado por sua natureza!

        É aquilo que me bato nos comentários:
        de nada adianta rezar, suplicar a Deus, pedir bênçãos, se temos poder para resolver nossos problemas e de encontrar as soluções para os que se apresentam.
        E são cultos que nos pedem o impossível, pois ou se dedica a vida a Deus, então o refúgio físico e mental ou se procura ser alguém na vida e ir à luta por isso.

        Trata-se do homem à procura do Homem,.
        Colocando todas as esperanças no puro esforço da razão e no emprego de forças naturais, o homem se vê obrigado a procurar um conceito de si mesmo, e descobrir que não é um dado absoluto, mas um problema, diante das encruzilhadas que se apresentam pela frente.

        Essa corrida para a produção, que tanto agrada o capitalismo, a exploração do trabalho alheio, desviou a atenção de si mesmo, pensando em si apenas como instrumento de produção, quando seria necessário descobrir que a sua ocupação, o que faz, só tem valor em função do que ele é, então os problemas do fazer só se solucionam se o homem repuser em seus justos termos o conceito de dignidade de sua própria natureza, que poderá ocasionar que emerja dos limites do necessário para os valores devidos a uma vida de liberdade e criação.

        Finalizo:
        ou o homem se volta para si mesmo, deixando de lado encontrar fora do seu eu as soluções para seus problemas ou, então, jamais irá trilhar o seu caminho, mas vai acompanhando outros na trilha errada de sempre.

        Assim está o país:
        antes, o certo era Lula;
        agora, é Bolsonaro.
        O povo segue ambos como se visse um jogo de tênis, quando as cabeças andam de um lado para outro rapidamente, e FICAM ESTÁTICOS, olhando os que disputam seus espaços.

        Assim nos encontramos:
        apenas olhando os acontecimentos, esperando que alguém nos puxe pela mão e nos leve caminhar.
        Queremos um salvador, então os cultos, as missas, o fervor de uma fé que não é a verdadeira, pois a legítima diz:
        POSSO ou, no mínimo, VOU TENTAR!

        Enquanto quisermos trilhar o caminho dos outros, jamais encontraremos o nosso, então a inevitabilidade dos que nos acontece, mais pela nossa desvalorização pessoal, que pela condição que nos encontramos.

        Ou o povo se dá conta que ele mesmo tem condições de resolver seus problemas ou continuará eternamente dependendo dos outros, dos mais espertos, dos mais rápidos, mesmo que suas determinações sejam através de ilicitudes, mas vão à luta, mesmo construindo seus caminhos do mal.

        Ou deixemos de ser plateia e entramos na quadra para jogar ou somente iremos ver a bola e a banda passar e, com elas, as nossas vidas!

        Um abração.
        Saúde e paz.
        Te cuida, parceiro.

  5. Jornalista e Editor Carlos Newton ( Tribuna da Internet ) – muito oportuna aqui o seu comentário, este tal de Acolumbre, já deu o Senado no Brasil merece pessoas de Bem – ABI toda nossa colaboração de Apoio de todos os Jornalistas e da Imprensa de todo o Brasil -visite o site da ABI http://www.abi.org.br

  6. Imagina só uma “quadrilha” se perpetuando no poder do senado e da câmara?!!!
    Dez mandatos seguidos sem ninguém poder fazer nada?!!!
    Talvez, seja isto que nós brasileiros necessitemos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *