Entre direita e esquerda, parece recomendável trafegar pelo “caminho do meio”

Imagem relacionadaCarlos Newton                    ####  Charge do Laerte (www.laerte.com)

Na “Tribuna da Internet”, não se discutem frivolidades nem são divulgados modismos ou notícias de interesse popular, digamos assim. Por isso, o Blog é frequentado basicamente por pessoas intelectualizadas, que se interessam pela abordagem de assuntos políticos e econômicos do Brasil e do mundo. É natural que se discutam aqui temas de natureza ideológica, embora as ideologias já estejam totalmente ultrapassadas, tese que defendo desde a década de 70, no século passado, conforme já expus aqui na TI.  É claro que as ideologias morreram e não sabem, o debate é apenas bizantino, mas está destinado a resistir in saecula saeculorum, como se dizia no Latim arcaico, e o dia a dia da “Tribuna da Internet” demonstra esta realidade à exaustão.

Como admirador do marxismo ou socialismo democrático (as teses evoluem), acompanho com especial interesse essas discussões e posso garantir que neste Blog há muito mais comentaristas de direita do que de esquerda.

NEOMARXISMO – O editor da TI é marxista, porém jamais se filiou ao Partidão e não tem admiração pelos países que desvirtuaram os ensinamentos de Karl Marx e Friedrich Engels, ao instaurarem ditaduras implacáveis, na qual a democracia ficou sufocada e a imprensa jamais teve a mínima liberdade.

Nos artigos que escrevi em 1978 na “Revista Nacional”, em plena Guerra Fria, sob o título “A morte das ideologias”, que foram discutidos na Escola Superior de Guerra, assinalei que, se Marx e Engels estivessem vivos e morassem na URSS, teriam sido exilados nos Gulaps da vida. Eles jamais concordariam com os rumos da Revolução russa, seriam dissidentes. Se eu morasse lá, também estaria na Sibéria, chupando picolé de gelo…

Chamar de marxistas os regimes da URSS, da China, da Albânia, de Cuba, de Angola, do Camboja e da Venezuela, entre outros, é demais para a minha ironia, que a contragosto só aceita o comunismo dos vietnamitas, que recuperaram o país do imperialismo da França, da China e dos Estados Unidos, e que agora parece que estão dando um salto rumo a um marxismo mais moderno, que Deus os proteja.

FAZER O QUE É CERTO – A cegueira ideológica que conduz ao radicalismo entre direita e esquerda (ou vice-versa) chega a ser ridícula e patética. A meu ver, as pessoas precisam se despir desses preconceitos e raciocinar com liberdade, para identificar o que é certo ou errado. Nos últimos anos, tenho estudado um pouco os chamados avatares – aqueles líderes que na História da Humanidade têm ensinado os caminhos de uma vida melhor, entre os quais Jesus Cristo desponta como uma síntese de seus antecessores. Aliás, acredito que todos eles sejam precursores do marxismo.

Um deles, o nobre hindu Sidartha Gautama, conhecido como Buda, nasceu 560 anos antes de Cristo, na região que hoje chamamos Nepal. Foi ele quem criou o “caminho do meio”, baseado na moderação e na harmonia, sem cair em extremos. E ensinou as oito práticas para que nos libertemos do sofrimento:

1) Entendimento correto; 2) Pensamento correto; 3) Linguagem correta; 4) Ação correta; 5) Modo de vida correto; 6) Esforço correto; 7) Atenção plena correta; 8) Concentração correta”– eis a síntese dos ensinamentos de Buda. No dia em que estas lições forem enfim assimiladas, a Humanidade será infinitamente melhor, sem necessidade de nenhuma ideologia.

###
P.S.1Os ensinamentos de Buda confirmam minha opção por um marxismo moderno, que aproveite o que há de melhor nas ideias de Marx e Engels e as misture ao capitalismo de nossos dias, fazendo um chiclete com banana, nem que seja para lembrar o genial cantor Jackson do Pandeiro. Se o presidente americano Donald Trump conhecesse o que dizia Buda, não faria tanta coisa errada nem ameaçaria o futuro da Humanidade. Quase sempre, fico assustado com as barbaridades de Trump, que age como se fosse o AntiCristo previsto nas escrituras.

P.S.2 – Bolsonaro e sua troupe, ao invés de seguirem o sábio e seguro “caminho do meio, estão indo com muita sede da pote, ao idolatrar um falso líder como Trump, que se comporta como uma ameaça à paz mundial. Mas ainda há tempo de Bolsonaro acordar do pesadelo. (C.N.)

22 thoughts on “Entre direita e esquerda, parece recomendável trafegar pelo “caminho do meio”

  1. Demétrio Magnoli analisou por que os intelectuais “entraram em transe” com o triunfo de Jair Bolsonaro:

    “Intelectuais, no sentido em que uso aqui o termo, geralmente são funcionários públicos. Suas vidas, seus salários e suas aposentadorias dependem do Estado. Medo de perder emprego ou renda — eis uma hipótese tentadora para explicar o fenômeno em curso. Se a chama do autoritarismo pulveriza a democracia, nenhuma lei ou tribunal protegeria os direitos dessa parcela do funcionalismo encarregada de pensar. O medo, porém, estende-se bem além disso.

    Bolsonaro foi alvo de mais manifestos de intelectuais e artistas que o comum dos candidatos não petistas. A tradição moderna de manifestos eleitorais merece exame sociológico. Artistas os assinam pois cultivam a reconfortante ilusão de que seus fãs têm interesse em saber o que eles pensam. Intelectuais, por outro lado, têm plena ciência de que suas preferências eleitorais não mudam nem um mísero voto, em Belford Roxo ou no Leblon. Ao contrário do que parece, eles não assinam manifestos para impulsionar um candidato ou partido, mas para beneficiarem a si próprios.

    Manifestos oferecem prestígio a quem os firma — e prestígio é o que buscam, acima de tudo, os intelectuais (…). É uma iniciativa de marketing heterodoxo que difunde uma marca e, potencialmente, amplia oportunidades profissionais. A classe dos caçadores de prestígio teme a perda coletiva de prestígio sinalizada pela ascensão de Bolsonaro ao Planalto.”

    https://www.oantagonista.com/brasil/intelectuais-em-transe/

  2. Sintetizados em alguns pontos, o pensamento de Buda seria o ‘caminho do meio’.

    Se sim, temo que serve como Norte e como tal, acho difícil ou quase impossível segui-lo. Servirá como rumo utópico e não deve ser em nada desprezível. Mas utópico permanecerá. A utopia não é boa conselheira em política, feita, como dizia Magalhães Pinto, mutante como as nuvens.

    Infelizmente a história não é feita pelo ‘caminho do meio’. Talvez contrapontos aqui e acolá.

    Exemplo? Quando a ‘Constituição cidadã’ foi promulgada — e Ulysses Guimarães não era homem de extremos — esta se tornou exemplo extremista (até o juro deveria ser tabelado à razão de 12% ano ano), posto que o pêndulo ia de um lado (fim da ditadura) e rumava para o outro.

    É utópico a justaposição entre marxismo e democracia? E sua prima primeira, o socialismo? Quando perguntado na entrevista com Roberto D’Ávila se fora algum dia da esquerda (outro filhote do marxismo/socialismo), Roberto Campos respondeu que sim, mas como expressão de uma espécie de “gonorreia juvenil”.

    É utópica a justaposição? Creio que seja. Factível a possibilidade política desta combinação? Não o creio. A história me servirá de apoio.

    Ainda que Carlos Newton diga com muita sabedoria que, se vivo, Marx seria mandado para a Sibéria, as tentativas de fazer essa que eu direi, ‘amalgamento’ do melhor (marxismo) de um com o outro (democracia) é uma impossibilidade lógica, principial e histórica.

    Aqui chego na comparação popular entre Trump e Bolsonaro. Além de grosseira, é espúria porque os universos são completamente diferente lá e cá, muito embora o denominador entre ambos, seja no aspecto constitucional como na teia política, ambos estão dentro do sistema democrático e de direito.

    Não esperem um golpe tanto de Trump como de Bolsonaro. Mas se Lula tivesse com o seu partido vingado, o golpe que começou e vingou na economia, no aparelhamento do Estado, haveria de consumir-se. Como disse ‘Chico’ de Oliveira, “Lula não tem caráter” e seu braço direito (ops!), José Dirceu é cópia cuspida e escarrada do primeiro.
    Melhor esperar por 180 dias pelo novo governo. As críticas atuais a ele, Bolsonaro, são justamente o oposto do ‘caminho do meio’.

    Imaginem se o vitorioso fosse Haddad! “A rés publica se transform[aria de vez] em cosa nostra.”. https://citacoes.in/autores/roberto-campos/

    Aliás, por mais de 16 anos o Partido dos Trabalhadores e sua entourage mandou e desmandou nesse país e noto que poucos se cobrem de horror e rubro fica a face da intelligentsia brasileira diante do que alguns chamam de o maior roubo — moral, político e econômico — da história do Brasil.

    Não votei em Bolsonaro, não votei em Haddad. Mas o primeiro nem tomou posse e já se cravou uma segunda faca, agora em seu peito, chamando-o de algo como cópia de Trump.

    A esquerda no Brasil, os comunistas de plantão, esquerdistas com viés marxista de antanho, os sonhadores socialistas, todos, com raríssimas exceções, não vêem a hora de Bolsonaro meter os pés pelas mãos.

    Imaginem se no lugar do Lula no 3º andar da PF em Curitiba estivesse Bolsonaro! Salvar-se-ia alguma coisa? E no entanto o presidiário recebe honras e ainda por cima é tido como alguém que a justiça fez-lhe injustiça.

    A ‘direita’ — só para marcar um pequeno referencial — não tem a menor chance no Brasil.

  3. Pela charge, x Laerte deve se achar muito “intelectualizadx”. Até aí tudo bem. Mas, olhando pra elx, quem elx é, e o que elx é, eu prefiro ter o rótulo de imbecil e boçal, com muita honra e alívio.

    • O nosso ilustre Editor-Moderador, criador e proprietário do Jornal Virtual TRIBUNA DA INTERNET onLINE, Jornalista Sr. CARLOS NEWTON se diz Marxista Democrático.

      A nosso ver o Marxismo se caracteriza pela abolição da Propriedade Privada dos Meios de Produção. Todos os Meios de Produção são propriedade do Estado e o Estado é o único Empregador. A nosso ver não há Democracia que impeça o abuso desse Poder bsoluto de ser o único Empregador.
      O Poder Absoluto corrompe absolutamente (Lord ACTON ).

      Melhor um Capitalismo onde a propriedade dos Meios de Produção sejam Privados, bem REGULADO, onde TODOS tenham parte na Propriedade dos Meios de Produção, ( participação direta e principalmente indireta nos LUCROS).
      Mil vezes melhor um Capitalismo onde TODOS sejam no mínimo Classe Média.
      No começo do Capitalismo Século XVIII mesmo na Inglaterra 80 Pc da População eram Pobres, ganhavam menos do que as famosas 3 Cestas Básicas, hoje só 5 Pc está nessa situação.
      Mesmo no Brasil onde operamos um muito mal regulado Capitalismo, hoje só 25 Pc são Pobres.

      Eu sei que o grande Jornalista Sr. CARLOS NEWTON vai dizer: Bortolotto, tu não entendes Nada de Nada, não sabes que os Padres Jesuítas aqui na América do Sul, especialmente Paraguai, Brasil, Argentina e Uruguai, criaram um modelar Marxismo ou Comunismo nas MISSÕES , gerador de bom excedente, Você que vive dizendo que o Comunismo não produz nem para o sustento, que importam até alimentos, e as Missões Jesuíticas Comunistas duraram mais de 200 anos e só foram vencidas militarmente pelos Exércitos juntos do Império Português e Espanhol.

      É verdade, mas as Missões foram um caso particularíssimo, porque enquanto o Marxismo é Materialista e Ateu, as Missões eram baseadas na mais pura Espiritualidade Cristã Jesuítica.
      Depois a Nomenclatura era mínima, só 2 Padres por Missão que tinha de 6.000 a no máximo 20.000 Habitantes, quando passava disso criava-se nova Missão, e a têmpera dos Padres era do mais puro aço de Damasco. Viviam os 2 Padres na Comunidade, com todo o Poder discricionário, e não se tem notícia de um caso sequer de abuso sexual que tenha acontecido. Onde se vai achar uma Nomenclatura dessas em outro lugar?

      Esse é portanto um caso particularíssimo de Marxismo que deu certo, que não implodiu, mas que ė impossível de ser replicado.
      Abração.

      • Desta vez você desafinou, Amigo Bortolotto. Criticou meu artigo sem ler com atenção. Nenhum marxista moderno defende o Estado como único empregador nem o controle de todos os meios de produção. Isso é a maior maluquice, coisa de dois séculos atrás. Conforme escrevi e você não leu, defendo um misto de marxismo e capitalismo, extraindo o que há de melhor nos dois sistemas, misturando chiclete com banana.

        Abs,

        CN

  4. Em se tratando de estado, o único caminho é produção e emprego.

    Quanto a alma ou o coração dos cidadãos , é problema de cada um. Aliás Cristo como Buda também , como bom entendido da nossa realidade disse “Meu reino não é deste mundo” (material)

    Enfim, não vamos misturar as coisas para não obscurecer a realidade com misticismos ideológicos..

  5. VIDA LONGA AO CARLOS NEWTON. Sábias palavras. É por aí o caminho do Mapa da Mina do bem comum do povo brasileiro, e da humanidade, a nosso ver. Bolsonaro, muda de vida cara e de ideias, senão o Leão vai te pegar, e não será com peixeira não e nem na bala, mas, isto sim, na boa e na moral, com ideais, argumentos e, sobretudo com a verdade, aquela que vc leu na Bíblia que liberta os ignorantes das trevas e da opressão dos ímpios, como manda a Democracia de Verdade, Direta, com Meritocracia Eleitoral. E cadê o Projeto Novo e Alternativo de Política e de Nação, libertador, o novo caminho para o novo Brasil de verdade, porque evoluir é preciso, que é o que deveria interessar a todos, ou seja, esperança, motivação, reinvenção do Brasil, hj mais quebrado do que arroz de terceira por ideologias de direita, de esquerda e de centro em guerra tribal, primitiva, permanente e insana por poder, dinheiro, vantagens e privilégios, sem limite$, das quais, no Brasil, há 129 anos, somos todos vítimas, reféns, súditos, escravos e otários, fantasiados de cidadãos e cidadãs, e dos quais urge nos libertarmos, antes tarde do que nunca. Parem com essas idiotices, pelo amor de Deus, a população não aguenta mais isso, disputa de poder pelo poder, a população precisa de esperança, motivação, utopia versus ideologias vencidas, ideais novas, projeto novo e alternativo de política e de nação posto em execução. Entenderam
    cabeças de bagre, ou será preciso desenhar ?

  6. Utopia por utopia, apenas sepultemos a vaidade que viceja em nossos corações e as rivalidades deixarão de existir.
    Como isso é impossível, continuemos a existir na quimera da veleidade…

  7. Buda indica o caminho do meio, nem tão lá e nem tão cá.

    O líder espiritual de milhões de pessoas deveria ter comido um cogumelo azedo certamente, quando proferiu essas palavras.
    A verdade afirma ser impossível viver dessa forma!

    O mundo idealizado pelos grandes nomes, que são autores de filosofias religiosas, imaginam uma existência perfeita e a propalam como possível para um ser humano cuja vida, no entanto, é diametralmente diferente da sua!

    A começar, que Buda nasceu na Índia, um país absolutamente diferente de todos no que diz respeito às religiões professadas.

    O próprio Cristo, por exemplo, foi radical em algumas circunstâncias:
    «Não penseis que vim trazer paz à terra; não vim trazer paz, mas espada. Pois vim causar divisão entre o filho e seu pai, entre a filha e sua mãe e entre a nora e sua sogra, assim os inimigos do homem serão os da sua própria casa. Quem ama seu pai ou sua mãe mais do que a mim, não é digno de mim; quem ama seu filho ou sua filha mais do que a mim, não é digno de mim; e aquele que não toma a sua cruz e não me segue, não é digno de mim. O que acha a sua vida, perdê-la-á; mas o que perde a sua vida por minha causa, achá-la-á.» (Mateus 10:34-39) ”

    “Vim lançar fogo à terra, e que mais quero, se ele já está aceso? Mas tenho de ser batizado com um batismo, e como me angustio até que ele se cumpra! Pensais que vim trazer paz à terra? Não, eu vo-lo digo, mas divisão; porque de ora em diante, haverá numa casa cinco pessoas divididas, três contra duas, e duas contra três; estarão divididas: o pai contra seu filho, e o filho contra seu pai; a mãe contra sua filha, e a filha contra sua mãe; a sogra contra sua nora, e a nora contra sua sogra.” (Lucas 12:49-53)

    Não existe a possibilidade de se ser eternamente omisso ou alheio a certas posições, a meu ver, lógico.

    Há certos momentos que temos de decidir, tomar uma posição, e quando assim se age não está se buscando o caminho do meio, mas aquele que é o correto ou útil, naquela circunstância.

    Dito isso, até mesmo a reencarnação, que Buda trouxe como novidade na sua filosofia, apesar de os gregos (Pitágoras) muito antes defendiam a alma passar por reencarnações, a metempsicose, cujo espírito daquele corpo poderia voltar até mesmo na forma de animal irracional ou vegetal, deveria ter admitido que este processo de se ir e vir do além é radical, nada com relação ao caminho do meio.

    Enfim, eis um tema que tenho preferência para debater, porém o faço conforme os avanços tanto da Ciência quanto da Tecnologia, afora o meu crescimento interior, que se soma à experiência de vida adquirida diariamente, e os ensinamentos obtidos em leituras e neste blog, a Tribuna da Internet, com seus excelentes articulistas e comentaristas.

    Agora, curiosamente, até a Física, determina através da Pressão Centrípeta, que se volte para o centro, pois é o significado desta palavra grega, voltar para o centro!

    Como não somos apenas matéria, mas também de espírito, de vontades, determinações, objetivos, sentimentos, que não são vistos, mas que existem, o caminho do meio nos faria lá adiante bater no canteiro ou sair da rota, caso nos defrontemos com uma bifurcação e temos de decidir se iremos à esquerda ou à direita.

    Por fim, deixo um ponto a ponderar:
    Qual é o oposto do homem?
    A mulher, lógico.
    Se a razão da nossa vida é ter uma mulher ao nosso lado, decididamente ela não pode ser o caminho do meio ou esta relação não será duradoura ou jamais procuraríamos a mulher da nossa vida!

  8. Estado só tem um caminho, o técnico.
    Essa de querer ajeitar as coisas por sentimentalismo é que levou este país para o buraco:

    Só para citar um exemplo dessa incompetência ou pior, enganação (socialismo):

    — “Vamos cobrar impostos altos em tudo, inclusive alimentos e remédios para que, com essa fortuna, criar benefícios para os mais necessitados.”

    Resultado: 40 milhões desempregados.

    • O sentimentalismo que levou a república 171 à bancarrota é o sentimentalismo da roubalheira propiciada pelo sistema podre que a manipula, sem perspectiva de mudança de verdade.

  9. -O Jornalista está certo: Se você colocar um grupo de pessoas boas e honesta para discursar em uma sala, não saberá distinguir quem é de direita ou quem é de esquerda, quem é religioso e quem é ateu.

  10. A bondade e a honestidade, antigamente pregadas pela maioria dos pais, não têm lado, nem religião e, muito menos, uma ideologia diversa daquela que ensina o comportamento ético e humano.
    -Não adianta ser de direita e jogar fósforo branco nas pessoas;
    -Também não adianta ser de esquerda e viver em um palácio cujas despesas sejam pagas com a escravidão dos semelhantes.

    Abraços.

  11. Ideologia não, ideias sim
    Ideias e ideologia são coisas diferentes.
    Uma ideologia é um sistema de manipulação do pensamento e das ideias em função de um objetivo de poder.
    Ideias são a essência viva da mente humana. Ideias são o resultado dinâmico do processamento da realidade pelo intelecto e pelo sentimento. A realidade não existe sozinha, nem os conceitos ou ideias existem sozinhos, ou não deveriam existir. A ideologia instaura uma cisão entre a realidade e os conceitos, arranca as ideias de seu enraizamento orgânico na realidade, e assim petrifica o pensamento para controlar as pessoas.
    Ao repudiar a ideologia, é preciso ter cuidado para não deixarmos de ter ideias. O repúdio à ideologia deve significar a libertação das ideias, e não sua exterminação. Do contrário, faríamos exatamente o que a ideologia quer. Na ideologia as ideias estão lá, acorrentadas, magrinhas, esfomeadas, trabalhando como escravas para o sistema de dominação. Precisamos romper as correntes que assujeitam as ideias, trazê-las para fora e banhá-las novamente na realidade.
    Não podemos confundir as coisas, não podemos decretar o fim do pensamento ao estabelecer o fim da ideologia.
    Os brasileiros nos revoltamos contra a ideologia que nos dominou, aberta ou insidiosamente, por muito tempo, sob a forma do marxismo escancardo ou mais frequentemente do globalismo com suas várias vertentes. Agora, essa ideologia tenta metamorfosear-se para seguir dominando. Uma perigosa metamorfose ocorreria se, em nome do fim da ideologia, nos submetêssemos à proibição de pensar e de ter ideias.
    Ninguém quer substituir uma ideologia por outra. Mas não se deve, tampouco, substituir a ideologia pelo vazio, pelo mecanicismo, pela tautologia, pela superficialidade. Para vencer a ideologia há que voltar a pensar, e não deixar de pensar, sob a desculpa de que qualquer pensamento é ideológico.

    Um saudável pragmatismo deve substituir a ideologia. Ser pragmático não significa não ter alma. Ser pragmático não significa não ter coração. Ser pragmático significa estudar a realidade a partir do que somos e buscar os melhores caminhos para o que queremos ser.
    (Texto de Ernesto Araujo. Diplomata e próximo chanceler do Brasil)
    Publicado originalmente no blog do autor: https://www.metapoliticabrasil.com/blog/ideologia-n%C3%A3o-ideias-sim

    • E que tal a ideologia imperialista norte-americana ? Bobagens, as ideologias são imortais. Se as ideais conseguirem colocá-las e administrá-las dentro arena limpa de disputas, como nos propõe a RPL-PNBC-DD-ME, a boa ideia cujo tempo chegou, já estará de bom tamanho, estará aberta a porta para a evolução.

  12. Trump está ameaçando mais o futuro da humanidade que o habitual dos governantes norte-americanos, sejam republicanos ou democratas? Os imbroglios internacionais nos quais os Estados Unidos estão envolvidos datam de muito antes da posse de Trump, alguns deles começaram logo após a II Guerra Mundial, como no caso da Coréia do Norte, e nenhum deles foi resolvido pelos ‘verdadeiros’ líderes ianques. A crise com a Rússia vem se agravando pelo menos desde a invasão americana do Iraque em 2003, e não dá sinal de arrefecer. Na verdade, a atual campanha contra a Rússia é toda conduzida pelos democratas e pela mídia liberal, e superou muito em matéria de ódio a mentalidade da Guerra Fria, e só pode ser comparada à abjeta propaganda anti-japonesa dos anos 40. Tudo que é russo é vilipendiado na imprensa de língua inglesa, que já não teme o ridículo de denunciar até mesmo Masha e o Urso como propaganda chauvinista russa.
    https://www.thetimes.co.uk/edition/news/childrens-show-is-propaganda-for-putin-say-critics-j9wxcvslm

  13. Caro C. N.,

    “O caminho do meio é o princípio descoberto por Siddhartha Gautama – o Buda – (príncipe do Nepal que, tendo renunciado ao trono, à família, esposa e filho, à riqueza, se dedicou à busca da erradicação das causas do sofrimento humano e de todos os seres, e desta forma encontrou um caminho até o “despertar” ou “iluminação”. Após o que se tornou mestre ou professor espiritual, fundando o budismo- Wikipedia). O Caminho do Meio tem outras várias definições, a mais comum é a prática de não-extremismo: um caminho de moderação e distância entre a autoindulgência e a morte.

    Pergunto: um príncipe abandonar tudo aos 29 anos para a vida de mendicante foi uma decisão moderada ou extrema, radicalíssima?

    Tivesse o príncipe praticado o caminho do meio, nunca teria saído do palácio! Percebem como não dá para condenar as ações alheias com régua curta?

    Que ninguém se iluda: a história da humanidade é escrita com sangue, suor, lágrimas e radicalismo de todo tipo. Jesus pregou ideias radicais em seu tempo e por isso foi crucificado pelos romanos. Sua pregação extrema, porém, serve de base da civilização ocidental cristã. A ciência, tal como a conhecemos hoje, jamais teria prosperado sem a louca obstinação de indivíduos que ousaram afrontar as verdades estabelecidas e por isso foram para a fogueira e/ou execrados em vida.

    Essa é a nossa natureza. Cabe a nós estabelecer limites às nossas ações. A vida é diversidade. É caos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *