Entre o ex-presidente Lula ou o atual Bolsonaro, ninguém sabe quem é o mais “mascarado”

Jair Bolsonaro comanda sua versão do Exército Brancaleone

Vicente Limongi Netto

Parece piada de humor negro:  o exército do presidente Brancaleone com a turba ignara de arrogantes serviçais, os irmãos metralha e ele próprio, passaram a usar máscara. Autêntico teatro de negacionistas dissimulados. Precisou Lula voltar das trevas usando máscara e incentivando a vacinação, para despertar as almas insensíveis de plantão no Palácio do Planalto.

Antes, o deplorável ministro das Relações Exteriores e patética comitiva, que incluiu Eduardo Bolsonaro, passaram vexame em Israel. Foram obrigados a usar máscaras.  

ARTIGO DE LUXO – Durante um ano os canastrões debocharam das normas sanitárias e da importância do uso da máscara. E a vacina é escassa. Tornou-se artigo de luxo. O imaculado filho senador aproveitou a deixa, tirou 6 milhões da poupança e comprou uma suntuosa casinha no Lago Sul.

Desde sempre, o mito de barro desdenhou da pandemia, chegando ao cúmulo de chamar a covid-19 de “gripezinha”. Depois, colecionou pilhérias ridículas, como “quem vacinar, “vira jacaré”.

Grosseiro, boca suja, sem educação, um dos filhinhos do Brancaleone mandou enfiar a máscara naquele lugar. Todo esse oceano de parlapatices e sandices por obra e graça daqueles que têm obrigação de oferecer bons exemplos e respeito ao próximo, enquanto centenas de milhares de famílias brasileiras são massacradas e infelicitadas pela covid. #repugnantes.

FORO PRIVILEGIADO – Para que Eduardo Pazuello não perca o foro privilegiado, Bolsonaro meteu na cabeça que  precisa arrumar alguma nova função para o ex-ministro da saúde. É do temperamento do presidente não deixar amigo na chuva.  Sugeriram a Bolsonaro a presidência do Banco Central ou da Petrobrás. O presidente recusou, alegando que o coitado do ex-ministro anda estressado. Trabalhou duro no ministério da Saúde. Precisa descansar o esqueleto. Pegar um batente mais leve. Nessa linha, o chefe da nação tem recebido pencas de sugestões. Analisa todas elas. Com carinho, zelo e espírito público.

Na lista de Bolsonaro consta: diretor da frota de veículos do Palácio do Planalto; capelão do Alvorada; diretor do setor das máscaras, luvas e álcool gel do Ministério da Economia;  administrador do serviço médico do Planalto; diretor da usina de lixo de Brasília; conselheiro especial do governador João Dória; salva-vidas da piscina do Alvorada;  chefe da segurança pessoal do presidente da Câmara, deputado Arthur Lira; gerente do hotel de turistas em Fernando de Noronha; chefe da guarida  do condomínio onde mora Bolsonaro, na  Barra da Tijuca;  diretor administrativo do Ninho do Urubu, sede do Flamengo; comandante militar no Haiti;  chefe de gabinete do vereador Carlos Bolsonaro; consultor financeiro de Fabrício Queiroz; e, por fim, estagiário da TV-Globo, para trabalhar na equipe de William Bonner.

Nessa terça-feira, após a posse de Queiroga, diziam em Brasília que Pazuello iria trabalhar com o ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni, que não faz nada e está precisando de alguém para ajudá-lo nessa função.

BIG BROTHER REAL – Serão realmente bem-vindos, saudáveis e esperançosos bons tempos para o Brasil, se o novo ministro da Saúde, o paraibano Marcelo Queiroga, espelhar-se na conterrânea dele, Juliette, participante do BBB-21.

A advogada Juliette defende suas opiniões com firmeza, clareza e lucidez. Não abre mão de suas convicções.  Não se omite. É autêntica e respeitada no jogo. Trata todos bem, mas não admite servir de boi de piranha para ninguém. A propósito, alguns participantes do BBB não admitem a sagacidade e a inteligência de Juliette.

A bolsonarista Sarah, por exemplo, comanda o patético e covarde espetáculo de inveja contra a paraibana. Hilários tiros no pé.  Não é à toa que Juliette tem 15 milhões de seguidores nas redes sociais. Vai comendo o jogo pelas beiradas.

14 thoughts on “Entre o ex-presidente Lula ou o atual Bolsonaro, ninguém sabe quem é o mais “mascarado”

  1. “QUERIDOS FORMANDOS, BURROS E JUMENTOS!”

    “Se alguém ainda tinha alguma dúvida, o ranking do Pisa provou de uma vez por todas que a tal “pátria educadora”, que encheu péssimas universidades com péssimos alunos formados por péssimos professores, era apenas um embuste.

    Distribuir diplomas a pessoas de baixa inteligência, nenhum talento, estúpidas, cotistas etc, é como marcar a ferro o traseiro de bois e vacas que estão indo para o abate. Neste caso, justificável.

    Na nossa cultura deformada pelo “coitadíssimo”, ou para falar mais academicamente, pelo “ethos-igualitarista moderno”, teimamos em achar que a Universidade é para todos: Nunca foi e nunca será!
    Essa é uma das maiores mentiras da modernidade.

    A decadência da civilização se iniciou com a universalização do ensino, com a troca da formação espiritual e intelectual puras, “ars gratia artis”, no sentido aristotélico, pelo adestramento meramente utilitarista para fins de sobrevivência.

    Universidade é para uma elite intelectual. É para quem realmente tem talentos, gosta de estudar e tem uma inteligência privilegiada. Sua prioridade é produzir conhecimento e não formar mão de obra … e, muito menos ainda, formar militantes revolucionários que pretenderão implantar no País regimes ultrapassados e falidos, como o comunismo para proveito de poucos, por exemplo.

    Para formar profissionais e mão de obra, existe o ensino profissionalizante e técnico.

    As oportunidades que devem ser oferecidas a todos, é a de uma boa formação de base onde, por meio da meritocracia, serão revelados aqueles mais capazes de ir para a Universidade e, lá, PRODUZIREM CONHECIMENTO
    Transformar todo mundo em universitário apenas para não ferir a autoestima do jovem maconheiro que usa piercing no nariz e alargador na orelha, é algo completamente estúpido!

    Tudo que os governos do PT conseguiram, foi queimar centenas e centenas de bilhões de reais, para produzir o pior, o mais idiota, o mais ignorante, o mais analfabeto, e por consequência, o mais mimado, alienado e arrogante aluno do mundo!

    Nivelaram todo mundo por baixo, destruíram qualquer possibilidade de formar uma verdadeira elite intelectual para o País. São mais de duas décadas jogadas inteiramente no lixo! Trocaram a meritocracia (de alunos e professores) pela “universalização”, pela “política de cotas” e pela “ideologização”.

    Nunca reconhecendo que as pessoas são essencialmente diferentes, umas mais inteligentes, mais capazes, mais interessadas e mais esforçadas que as outras. E tentam enfiar, goela abaixo de todos, o maldito igualitarismo que sempre favorecerá o vulgar, o grosseiro e o ignorante. Sempre nivelará por baixo, rebaixará a tudo e a todos, e produzirá os piores resultados.

    Reúna vários alunos inteligentes e todos se tornarão mais inteligentes ainda.
    Cerquem um gênio de medíocres e vulgares, e testemunhará sua lenta e gradual decadência.

    Numa era em que a humanidade enfrenta a sua mais radical transformação tecnológica, a civilização cibernética põe em cheque toda a cultura humanista, havendo uma mudança profunda de quase todos os paradigmas científicos, sociais e econômicos. Nanotecnologia, microbiologia, projeto genoma, matriz energética, 5G e 6G, Internet das coisas etc.

    Nós gastamos trilhões em 20 anos para produzir uma geração “Nem-Nem” de mimados, estúpidos, deprimidos, feminizados ou masculinizados, vazios, idiotas e arrogantes, que votam num PT, num PSOL e morrem de medo de se tornarem adultos. Uma legião de falsos graduados sem possibilidade de emprego, endividados com o FIES, caminhando para a meia idade, morando com os pais e frequentando a marcha da maconha porque precisam urgentemente se alienar e legalizar seu suicídio.”

    Autoria de Maurício Mühlmann Erthal, lido durante uma colação de grau do curso de Relações Internacionais da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), em Porto Alegre/RS.

  2. BBB 21 ???
    É isto que está sendo usado no artigo???
    Como disse o viciado : È o fim da picada !
    Interrompi a leitura, com muito prazer !
    Credo !

  3. Pelo menos, aquele que for mais bem mascarado estará mais protegido contra Covid-19.
    Mas há um ponto, dentre outros, distintos entre as prefuscas de ambos: um usa máscara removível (a barba) e outro, máscara patibular (que lembra a morte).

  4. “Não há espírito crítico quando passamos por cima do princípio que diz que, para opinar, devemos primeiro conhecer, quando deixamos de valorizar que a autonomia intelectual e moral consiste em percorrer um longo e duro trecho de verdades.”

    Escrevi isso há algum tempo.

    Escolhas

    Por que Bolsonaro ainda possui um percentual importante do eleitorado?
    Por que Lula, da mesma forma, também tem um grande eleitorado cativo?

    Por que essas preferências de grande parte do nosso povo por figuras que já demonstraram não terem as condições morais e éticas para governarem?

    Racionalmente não é possível chegar a respostas satisfatórias para essas escolhas. O que sobra é a paixão, a fé cega como explicação para isso.

    Bolsonaro é aquele velho político que se diz apolítico, aquele que espertamente transfere as suas responsabilidades para outros. Um político que sempre demonstrou pouca capacidade para exercer o cargo ao longo de toda a sua carreira política e até militar.

    Lula também é outro que gosta de fugir das suas responsabilidades, principalmente daquelas que possam atingir a sua imagem.

    Há um percentual importante que arrependeu-se de tais escolhas, os quais, somando-se àqueles que votaram em outros candidatos, os que anularam seus votos e aqueles que votaram em branco, podem ter se tornado a maioria.

    Mas será que essa maioria, poderia optar por ideias ou continuará seduzida por figuras pessoais populistas, independentemente de possuírem um projeto de desenvolvimento ao país?

    Aí o candidato brada: vou acabar com a corrupção, vou governar sozinho, vou diminuir os impostos, vou zerar o desemprego, vou dar saúde e segurança para todos, a educação vai decolar. Tudo isso sem colocar o como vai fazer isso. E, incrível, continuamos a cair nessas esparrelas.

    Visitando as redes sociais e consultando as mídias tradicionais, vejo que continuamos na mesma.
    As preferências por fofocas, escândalos, por coisas irrelevantes parece que imperam. Matérias sobre ideias que possam finalmente ter um potencial para dar um rumo definido e sustentável de desenvolvimento ao nosso país são ignoradas por nós.

    Continuaremos errando até quando? Procurando por soluções mágicas eternamente?

  5. O escândalo de ontem, a comprovação da inexistência de moral e ética no Supremo, podem ser resumidos numa só frase:

    Juiz concursado acusado de parcialidade, sendo julgado por juízes indicado pelo … réu (ministra Cármen Lúcia e ministro Lewandowski)!!!

    Indiscutivelmente atuaram como garantistas … de Lula retornar ao Planalto e completar a sua tarefa de esvaziar os cofres brasileiros.

    Respeitosamente, mas só não vê a pantomima de ontem quem sempre foi favorável a Lula, independente se às claras ou dissimuladamente.

    A data de 23 de março de 2021 deverá ser preservada como o Dia da Vergonha, em lembrança às atuações de ministros do Supremo que inverteram os polos processuais:
    O juiz se tornou réu e, o réu, transformado em juiz!

    Mas só nesta republiqueta!!!

  6. Caro Bendl,

    sou favorável à justiça imparcial. Só isso, então tua acusação de que só não viu a pantomina de ontem quem é favorável à Lula é injusta.

    Até porque, se lembro bem, quando alguém aqui no blog escreveu algo a respeito dos eleitores do Bolsonaro, foste bastante incisivo na resposta.

    Talvez a tua lógica seja falha. Quando concordo que o juiz, no caso do julgamento de Lula não agiu imparcialmente, não estou dizendo que Lula é inocente. É simples, mas a compreensão das coisas parece, às vezes, difícil.

    Vários juristas renomados, não só do Brasil, concordaram com os ministros que consideraram Moro imparcial no caso específico.

    Abraço, saúde e vida longa.

  7. Vidal, meu conterrâneo,

    Sei que não és petista ou um apoiador de Lula.
    Mesmo que tenhas sido, quem sou eu para te criticar, pois errei feio quando votei em Bolsonaro.

    Não levas para o lado pessoal o que postei, por favor, nada a ver.
    O meu recado foi aos adoradores de Lula, seus seguidores, a turma que volta e meia escreve batendo na tecla que Lula sempre foi inocente.

    Agora, penso que concordarás comigo, em razão desta tua inteligência infinitamente superior à minha, que o julgamento de Moro ontem teve de tudo, menos imparcialidade.
    A ponto que na própria Turma do STF, dois ministros votaram contra a suspeição de Moro.

    Logo, se imparcialidade se identifica com unanimidade, e não a tivemos ontem, continuo convicto que assistimos uma pantomima, um teatro de baixa qualidade.

    E justifico essa minha afirmação, exatamente pela frase que postei, onde ela resume o exotismo na decisão de Moro ter sido julgado suspeito:
    Juiz concursado acusado de parcialidade, sendo julgado por juízes indicados pelo … réu (ministra Cármen Lúcia e ministro Lewandowski)!!!

    Convenhamos, che, inexistiu imparcialidade neste caso, e sobrou parcialidade contra Moro.

    Eu até poderia aceitar a sua suspeição, se os ministros que julgassem Moro não fossem nomeados por Lula.
    No entanto, o ladrão colocou oito ministros no STF, oito!

    Sabes quando que o Supremo será imparcial em julgamentos onde Lula esteja envolvido?
    Quando sapo criar cabelo na testa!!

    Abração.
    Que tenhamos ideias opostas, posições diferentes, mas, da minha parte, jamais levarei as nossas discordâncias para o terreno pessoal, jamais.

  8. Pois é caro Bendl,

    não sei porque lembrei da condenação de Al Capone. Todo mundo sabia de seus crimes, mas como não foram encontradas provas, ele foi condenado por sonegação fiscal, não pelo conjunto da obra..

    Abraço, saúde e vida longa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *