Escritório de líder do governo Bolsonaro na Câmara é alvo de buscas de operação da Promotoria do Paraná

Fraudes ocorreram entre o final de 2011 e o ano de 2014

Adriana Justi, Luciane Cordeiro e Isabela Leite
G1

O Ministério Público do Paraná (MP-PR) cumpre um mandado de busca e apreensão no escritório do deputado federal Ricardo Barros (PP), em Maringá, no norte do Paraná, na manhã desta quarta-feira, dia 16. De acordo com o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), a investigação envolve fraudes na contratação de energia eólica e começou com base em informações da colaboração premiada da Operação Lava Jato, que foram enviadas pelo Supremo Tribunal Federal (STF), em novembro de 2019.

As fraudes ocorreram, ainda conforme o Gaeco, entre o final de 2011 e o ano de 2014. Os crimes investigados são corrupção e lavagem de dinheiro. Além do escritório de Barros, há um mandado de busca em São Paulo contra Delmo Sérgio Vilhena. Em nota, Ricardo Barros disse que está tranquilo e em total colaboração com as investigações.

DEFESA – O parlamentar reafirmou a sua conduta ilibada , e informou que solicitou acesso aos autos do processo para poder prestar mais esclarecimentos à sociedade e iniciar sua defesa. “Ricardo Barros, relator da lei de abuso de autoridade, repudia o ativismo político do judiciário”, diz trecho da nota.

Barros é líder do governo Bolsonaro na Câmara dos Deputados desde agosto e foi ministro da Saúde de 2016 a 2018, durante o governo Temer. O parlamentar está no sexto mandato na Câmara e, antes, foi prefeito de Maringá.

MANDADOS JUDICIAIS – Segundo o Gaeco, oito mandados de busca e apreensão foram expedidos pela Justiça. Além de Maringá e São Paulo, há ordens sendo cumpridas em Curitiba e em Paiçandu, que também fica na região norte do Paraná. Quatro empresas são investigadas na ação, ainda conforme o MP-PR.

As ordens estão sendo cumpridas em: uma residência em Curitiba
Uma residência em São Paulo; uma residência em Paiçandu
Um escritório de contabilidade em Maringá; quatro em empresas (endereços não foram divulgados)

INVESTIGAÇÕES – Os investigadores do Paraná querem saber a relação entre Vilhena com Ricardo Barros e a esposa dele, Cida Borghetti, ex- governadora do Paraná. Conforme a Polícia Civil, na casa de Delmo Vilhena foram encontradas notas fiscais de hotéis de Maringá em nome dele e cadernos com anotações à época dos fatos investigados. Os policiais também apreenderam documentos, computadores e celulares.

A ação é realizada pelo do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do MP e conta com a ajuda da ajuda da Polícia Civil.

8 thoughts on “Escritório de líder do governo Bolsonaro na Câmara é alvo de buscas de operação da Promotoria do Paraná

  1. Outro em maus lençóis. Meus Deus, a continuar assim, o que será de nós? Um pastor foi condenado por estuprar uma adolescente; um deputado líder de bancada teve sua porta escancarada pela PF a procura de evidências; pastores pedem ao presidente perdão por dívidas dos crentes. O que está havendo com essa gente?
    O que será que essa turma delinquente pensa que somos? Vão pra nave que partiu! E levem consigo o presidente!

  2. Meu Deus, só espero que ninguém aqui vai manifestar surpresa, só faltava essa!
    Já tive ocasião de contar aqui um ditado espanhol, que traduzido fica assim “As boas parelhas, Deus as cria e elas sozinhas se juntam”

  3. Líder do governo no Senado investigado, Lider do governo na Câmara investigado, filho 01 investigado, filho 03 investigado, assessor para assuntos milicianos investigado…tenho que dizer o que o Bob Jefferson diz para o Dirceu: Para com isso aí gente, senão vocês vão condenar um inocente”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *