Ex-diretor da Petrobras revela que pegou R$ 1,5 milhão em propinas do PT

Resultado de imagem para renato duque

Duque conta que foi Vaccari quem lhe ofereceu a propina do PT

Deu em O Tempo
(Estadão Conteúdo)

O ex-diretor de Serviços da Petrobras Renato Duque afirmou, em novo interrogatório, que pegou R$ 1,5 milhão em propinas que supostamente “iriam” para o PT. Segundo ele, o montante foi oferecido por não ter emperrado contratos envolvendo a Torre de Pituba, sede da Petrobras em Salvador.

Ele é um dos réus em ação penal referente à 56ª fase da Operação Lava Jato, batizada de Sem Limites, que aponta fraudes e propinas de R$ 67,2 milhões na construção do edifício. Segundo a Procuradoria, os desvios teriam abastecido campanhas petistas. O fundo de Pensão Petros se comprometeu a realizar a obra, e a Petrobrás a alugar o prédio por 30 anos.

DISSE VACCARI – Em 2009, Duque diz ter sido avisado por Vaccari que a Petrobras iria alugar um prédio da Petros em Salvador. “Para minha surpresa, ele já sabia que isso seria feito e que quem iria construir esse prédio seria a Odebrecht”.

“Ele [Vaccari] me disse o seguinte: “Eu não estou satisfeito com essa solução de ser a Odebrecht a construtora. Eu quero incluir também a OAS, porque a OAS tem uma grande relação com o PT. O Leo Pinheiro é um grande amigo e não tem porque uma empresa baiana ficar de fora de um prédio em Salvador. Então, vou trabalhar para que isso ocorra”, afirmou.

Segundo o ex-diretor, a partir daquele momento, ele “já sabia que o prédio da Pituba tinha algum ilícito envolvido’. “Porque antes mesmo de qualquer licitação já se sabia quem iria construir o prédio, o que não é razoável, não é normal”.

AVALIAÇÃO – De acordo com Duque, a área financeira fez a avaliação e optou pelo prazo de trinta anos, o aluguel respectivo era três milhões e três mil reais. “Mas paralelamente a isso, a área financeira pediu que a Petros informasse qual era a avaliação da obra, qual o valor da obra, e a Petros informou R$ 588 milhões. A área Financeira ficou surpreendida porque, internamente, a avaliação interna da obra, variava em torno de R$ 100 milhões a menos”.

“No parecer, ela sugeriu que esse assunto fosse abordado junto a Petros. Eu me recordo que eu não concordei com essa sugestão, porque eu disse, na época, que a Petrobras estava alugando o imóvel, eu tinha que me preocupar com o valor do aluguel e que a Petros, sim, como proprietária do imóvel, como quem iria gastar o dinheiro para construir o imóvel, ela tinha que questionar o valor, sim, mas não a Petrobras. Por isso eu submeti a diretoria, o parecer foi anexado ao documento, onde eu peço a solicitação para alugar e a diretoria aprovou o aluguel de três milhões e três mil reais, bem abaixo do teto estabelecido pela avaliação”, afirmou.

OFERTA – O ex-diretor, então, narra a suposta oferta de Vaccari. “Quando a diretoria aprova a locação, conversando novamente com o Vaccari, ele me diz que não achava justo, razoável, que eu não levasse nenhuma vantagem no negócio. E por que eu não levaria nenhuma vantagem? Porque a questão ali era a Petros construindo um prédio e a Petrobras alugando”.

“Não tinha porque alguém da Petrobras, no caso, eu, levar vantagem, uma vantagem ilícita, uma propina que fosse. Aí ele falou: “Olha, eu não acho justo, porque você sempre ajudou o partido, você não fez com que o processo emperrasse””, relatou Duque.

O ex-dirigente da estatal afirmou que Varraci perguntou ‘se estaria bom’, para ele, “receber um milhão e quinhentos mil reais do valor ilícito envolvido nessa obra”. “É claro que R$ um milhão e quinhentos mil reais é muito dinheiro. Eu aceitei, falei: ‘Aceito, você está querendo me oferecer um milhão e meio, dinheiro que iria pro PT, eu aceito'”.

A ESCOLHER – “Ele, então, me perguntou se eu gostaria de receber esse dinheiro da Odebrecht ou da OAS, que eram os parceiros no consórcio. Aí eu disse para ele o seguinte: “Eu quero receber da Odebrecht, porque eu já tenho um outro dinheiro de um outro ilícito para receber da Odebrecht, combinado com Rogério Araújo” – que era o representante junto à Petrobras”, relatou.

O advogado Luiz Flávio Borges D’urso, que defende Vaccari, distribuiu uma nota, dizendo o seguinte:

“A defesa do Sr. João Vaccari vem se manifestar sobre a citação feita pelo delator Renato Duque, no processo referente à Torre Pituba. Na verdade essa manifestação do Renato Duque não corresponde à verdade, além do que trata-se de palavra de delator, destituída de qualquer prova a corroborá-la. O Sr. Vaccari, enquanto tesoureiro do PT, solicitava doações legais ao partido e todas elas foram realizadas por meio de depósito bancário na conta do partido, com recibo e prestação de contas às autoridades competentes. Essa é a verdade que ficará demonstrada no processo.”

10 thoughts on “Ex-diretor da Petrobras revela que pegou R$ 1,5 milhão em propinas do PT

  1. E pensar que quando saiu o escândalo eu achava que era mentira, pelo vulto dos desvios aquilo não podeira ser verdade, era uma tentativa de derrubar um governo, e todo dia se prova verdade.

  2. Recentemente um rapaz foi morto por uma serpente que ele criava em casa. Inocente, coitado, achou que a serpente tinha amizade por ele e se lascou! O mesmo ocorre com petista: eles são serpentes venenosas, atacam qualquer homo sapiens que não professa a sua crença, e morrem petistas peçonhentos. Esse canalha confesso está querendo livrar a cara do PT ou do Ladrão Four Fingers.

  3. Nãããããoooo…. Não é possivel!!!! Não pode ser verdade!!!! Petistas roubando????
    Impossivel!!!! Sao honestíssimos!!!
    Meu Grande Líder Cachaceiro de Nove Dedos me garantiu que é perseguição, é Gópi, Tudo Mentira!!!
    Soltem meu Líder honestíssimo!!!!
    Eu exijo!!!! Kkkkk…

  4. Bater no pt a esta altura do campeonato equivale a chutar cachorro morto, já perdeu a graça. Aliás, a graça, agora, consiste em chutar os fundilhos dos cachorros vivo$, ou será vivaldino$ ?

  5. Essas divulgações são para reforçar o antagonismo face ao PT – pura e simplesmente.
    Pouco importa se comprovado, ou não, que a testemunha diz a verdade, através de outros meios de prova – inclusive outras testemunhas.
    É o processo penal servindo para interesses espúrios.
    Já o Tecla Duran, ouvido por órgãos da Justiça de diversos países, segue reclamando que órgãos da Justiça do Brasil não quer ouvi-lo:

    “Fui ouvido como testemunha por representantes da Justiça do Peru, Andorra, Suíça, Argentina, Equador, México e Espanha. Entre as consequências diretas e indiretas desses depoimentos, um ex-ministro equatoriano foi preso, o presidente peruano renunciou, e o Uruguai extraditou um ex-funcionário do banco BPA para Andorra. Tudo amplamente noticiado pela imprensa internacional. Como se nada disso fosse relevante, continuo proibido de falar à Justiça do Brasil. Nunca prestei depoimento, embora tenha sido arrolado cinco vezes pela defesa do ex-presidente Lula.”

  6. Se somarem o roubo das três maiores Quadrilhas do Universo, PSDB, PT, PMDB, dava tranquilamente para pagar a dívida pública e ainda sobraria um troco para tomar umas e outras.

    • Falou tudo! A roubalheira dos últimos 30 anos com estes quadrilheiros o país já tinha quitado sua dívida. Mas, se o Judiciário, que infelizmente é tão corrupto como o Legislativo, quisesse, recuperaria no mínimo 80% do dinheiro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *