Falta anular o sítio de Atibaia para Lula ser candidato à sucessão em 2022

A política é uma guerra sem sangue e também um confronto sangrento

Pedro do Coutto 

O voto da ministra Cármen Lúcia na decisão da Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal, embora contraditório em relação a seus votos em temas praticamente iguais ao longo dos últimos anos, analisando-se concretamente o episódio, verifica-se que pode ter garantido a candidatura de Luiz Inácio Lula da Silva à sucessão de Jair Bolsonaro em 2022, se o Plenário do STF confirmar a decisão de Fachin sobre a falta de competência da 13ª Vara de Curitiba no caso de Atibaia, em que Lula ainda tem ficha suja.

Os deputados, senadores e os cientistas políticos, assim classificados por editores de jornais e emissoras de televisão, não perceberam todo o desenrolar do que aconteceu na última terça-feira. Chama a atenção, o que não foi percebido à primeira vista, o fato de Cármen Lúcia ter alterado o seu voto. Ela esperou o voto do ministro Nunes Marques, que deveria seguir uma orientação do Planalto, pois foi nomeado há poucas semanas pelo presidente Bolsonaro. 

HABILITAÇÃO DE LULA – Nunes Marques votou pela imparcialidade de Moro no julgamento do apartamento do Guarujá. Cármen Lúcia então votou pela parcialidade para anular a sentença do juiz que depois foi ministro da Justiça Com isso, habilitou o candidato do PT. Se Nunes Marques tivesse votado pela parcialidade, o julgamento na Segunda Turma estaria decidido e então Cármen Lúcia repetiria a sua interpretação anterior e acompanharia o relator Edson Fachin. 

Em outro habeas corpus, o ministro Edson Fachin, é oportuno lembrar, acolheu uma ação do advogado Cristiano Zanin, que defendia Lula e decidiu anular todas as condenações do ex-presidente por Sergio Moro. Fachin não entrou no mérito dos julgamentos. Achou apenas que o fórum de Curitiba não era o adequado para julgar Lula da Silva. 

Remeteu então os autos para a primeira instãncia federal de Brasília. Com isso, tentou evitar que a corrente no STF liderada por Gilmar Mendes e Ricardo Lewandowski pudesse anular todas as condenações por Sergio Moro, o que derrubaria a própria Operação Lava Jato. Mas isso não aconteceu, porque a Segunda Turma julgou apenas a ação do tríplex.

CASO DO TRÍPLEX – Seria um lago azul para os advogados. Mas como eu disse, Fachin e Cármen Lácia impediram esse acontecimento. Inclusive no voto de terça-feira, Cármen Lúcia fez questão de assinalar que votava pela nulidade apenas no caso do tríplex do Guarujá, e sua manifestação não se estendia aos demais julgamentos de 1ª instância e também aqueles confirmados em 2ª e 3ª instâncias pelo TRF do Rio Grande do Sul e pelo Superior Tribunal de Justiça. 

Bela Megale, em O Globo, diz que o resultado da votação no STF pegou o Planalto de surpresa. Uma surpresa que Vera Magalhães, em sua coluna no O Globo, admite até que Bolsonaro possa estar fora do segundo turno. Seria batido por Lula e talvez por um outro nome que aparecesse para disputar as eleições.  Não acho muito fácil isso, mas tenho certeza que a cada dia Bolsonaro perde força política e apoio eleitoral.  

GUERRA SEM SANGUE  – Relativamente aos cientistas políticos, acentuo que são pessoas de sólida formação universitária e intelectualmente bem preparados. Porém, seus raciocínios têm base muitas vezes no que supõe ser a política. Mas a política, entretanto, não é só como eles pensam. Interesses econômicos e financeiros envolvem o universo político e tais interesses encontram-se profundamente representados nas obras públicas, nos financiamentos bancários, nas aquisições de equipamentos, na Bolsa de Valores e no mercado de câmbio.

Tenho esta sensação adquirida em 62 anos de jornalismo. A política, como alguém já disse na história, é uma guerra sem sangue e também um confronto sangrento. Mas esta é outra questão.

FALTA CONFIANÇA – Reportagem de Nicola Pamplona, Folha de São Paulo de ontem, focaliza a queda de confiança dos consumidores e dos empresários do comércio com o quadro nacional formado pela pandemia, cujos resultados negativos se ampliam. Nas últimas 24 horas, como o Estado de São Paulo publicou, houve 84 mil novos contaminados e morreram 3.158 pessoas.

Nesse ritmo de contaminação, em cem dias a população toda estará infectada. Haverá casos de contaminação por parte daqueles que foram atingidos pela Covid-19 e se restabeleceram. Em consequência disso, diz Pamplona, 8,3% dos consumidores passaram a ver o panorama com desconfiança, de acordo com pesquisa de Otto Nogami, da Fundação Getúlio Vargas.

PESSIMISMO – O pesquisador destacou ainda que a Fecomércio passou a ver com pessimismo a retração do mercado de consumo. Não é para menos, pois o ministro Paulo Guedes está pensando em adiar para 2022 o pagamento do abono aos aposentados e pensionistas do INSS que ganham até dois salários mínimos, para que haja recursos para sustentar o abono de emergência e também a complementação pelo governo das reduções de jornada de trabalho e salários nas empresas particulares. 

O efeito desse adiamento vai levar desespero às vítimas. São 32 milhões de aposentados e pensionistas. A metade ganha de um a dois salários mínimos.

ABONO SALARIAL – A matéria sobre o adiamento do abono salarial, no O Globo, é de Geraldo Doca e Manoel Ventura. Pergunto ao ministro da Economia: onde estão os R$ 100 bilhões que o governo obteria com a Reforma da Previdência Social e que ao longo de dez anos atingiria R$ 1 trilhão? Jamais acreditei em tal afirmação impossível. O resultado aí está. O ministro da Economia não dispõe de recursos a não ser que desloque de um setor federal para outro.

É um fato atrás do outro: Jussara Soares e Manoel Ventura, O Globo, revelam que o presidente Bolsonaro quer nomear Eduardo Pazuello para o Programa de Parcerias de Investimentos, parcerias público-privadas. Guedes sustenta, ele não faz segredo, tanto assim que está no jornal, que a investidura de Pazuello será muito mal recebida pelo mercado.  

Setores do governo, tanto do Ministério da Economia quanto do Banco Central, acham que a economia vai se robustecer no segundo semestre. Mas digo, como esperar isso se a Volkswagen, a Scania, a Volvo e a Mercedes Benz sustaram suas produções no Brasil?

BAND NA FÓRMULA 1 – A Fórmula 1, reportagem de Luciano Trindade, Folha de São Paulo, retoma as atividades e as competições no próximo domingo, dia 28. A TV Globo está fora do contrato que há muitos anos mantinha com a Fórmula 1. Achou o preço de U$ 75 milhoes pelos direitos de transmissão muito elevados. Para minha surpresa a Band achou bom. Tanto assim que assinou o contrato e já às 12h de domingo, hora de Brasília, vai transmitir o GP do Bahrein

Tenho a impressão de que possivelmente a transmissão pela Band tem o apoio do governo brasileiro. A corrida de domingo, será transmitida pelo canal aberto da Band. No entanto, os treinos de 26 e 27 serão transmitidos pela Band Sport e pelo canal TV Pro. A Band contratou a repórter Mariana Becker, o repórter Reginaldo Leme e o narrador Sérgio Maurício, todos da TV Globo.

A TV Globo está fora também do campeonato carioca de futebol, substituída em alguns jogos pela Record, como é o caso do jogo Flamengo e Botafogo da noite de quarta-feira. A Globo, nota-se, está compactando o seu quadro de jornalismo, escalando vários profissionais da GloboNews. Alguns profissionais têm saído, caso de Márcio Gomes, que foi correspondente da Globo no Japão por muitos anos, e agora está na CNN.  São transformações.

16 thoughts on “Falta anular o sítio de Atibaia para Lula ser candidato à sucessão em 2022

  1. Se deixarem o lula ser candidato, seria uma boa medida, ou quem sabe um plebiscito para se saber até que ponto o povo brasileiro deseja que se acabe a corrupção no pais.
    Quem esbraveja contra as medidas tomadas pelo STF, teria a chance de mostrar o desagrado na eleição.
    Seria o “vamos ver” da verdade. Se o povo desejar que o pais continue como é , já sabe como votar, e seja o que Deus quiser.

    • Boa má parte dos brasileiros é partidária do maluffismo: rouba, mas faz. Inclusive, isso já foi objeto de pesquisas!
      O Deus Ocidental, segundo o Antigo Testamento: no mesmo Ente, abriga o genocida e o redentor, simultaneamente. A polícia que executa, é a mesma que protege!

    • Apenas lembrando aos lulistas:

      Bem antes de agosto de 2020, alguns anos antes, 100% do povo brasileiro tinha certeza que Lula era um ladrão incomparável, o maior que tivemos, para espanto mundial!

      • Os milhões de eleitores que escolheram Haddad concordam com os professores de Direito e sabem que Lula judicialmente perseguido por Moro e a república de curitiba.

        • Os milhões de eleitores que escolheram Haddad PERDERAM AS ELEIÇÕES!

          Certamente muitos desses tais “professores” de Direito eram petistas, então a conclusão que chegaram não poderia ser outra.

    • Verdade, mas os negacionistas não querem saber da verdade….a verdade para eles é remédio amargo nas entranhas…..
      quanto à corrupção, em todos os governos houveram, mas a hipocrisia os faz querer serem justiceiros com prova de Power point.

      • Ronaldo, o teimoso,

        Em todos os governos HOUVE corrupção, verdade indesmentível.
        Mas, tal comportamento criminoso, jamais poderia ser estendido aos sucessores de administrações corruptas!

        Desse jeito queres um governo “corruptista” permanente, ou seja, entra e sai presidente mais o seu partido, e seguem roubando o povo e país!

  2. O ser humano é superior dentre os animais; e na capacidade de dissimular, superexcede! Quando perguntado: você é egoísta? Raríssimos são os quem têm autoconhecimento e humildade para confirmar, sim!. Próxima pergunta: quando vais à concessionária comprar um veículo, avalias previamente os transtornos que a tua aquisição trará aos transeuntes? Poluição atmosférica, visual, sonora, odorífera, doenças pulmonares, risco de atropelamento etc. Ou estás pensando apenas no teu conforto?
    E por citar automóvel: se vais dirigindo com a tua mãe sentada ao lado, pressentindo uma batida frontal inevitável, INSTINTIVAMENTE, tiras “o teu” da reta, ou o da “véia”?
    Quando o ministro do Supremo Tribunal Federal, Alexandre de Moraes, embargou a nomeação do Alexandre Ramagem à ditetoria da polícia federal. De pronto, Jair Bolsonaro disparou: “Isso foi uma interferência política, no meu governo!” E um repórter, então, interpelou-o: “Presidente, mas Alexandre de Moraes é um juiz do STF”. E Bolsonaro retrucou: “Mas ele está lá (no STF) por nomeação política!”
    Todavia, chagada a vez do Capetão indicar Kássio Nunes, aí tudo muito certo; mais vagas tivessem para Bolsonaro preencher com os seus fantoches.
    Depois da decisão de Edson Fachin, declarando Sérgio Moro suspeito, no caso do triplex atribuído a Lula, isso surtiu efeito duma bomba de gás lacrimogênio, causou um chororô do diabo! Quem tenta desarrazoar o ato de Fachin, alega que “um juiz concursado não poderia ter seus proferimentos invalidados por julgadores, hierarquicamente, superiores, que são nomeados, muitas vezes, pelo próprio réu ou condenado”.
    Em provas de concurso ao cargo de juizes, a Estrutura Organizacional dos Tribunais – na pirâmide das instâncias, bem como o critério de ingresso a eles – isso é uma questão (quesito) recorrente em todas as provas.
    -Ao longo do tempo, em que Sérgio Moro permaneceu na magistratura, o critério nunca foi assim? Ou quem advoga a “injustiça” cometida contra ele, quer que o ex-juiz seja uma exceção de regra? Ou talvez porque o objeto em questão fosse um Triplex, o Fachin também deveria ser um ministro escolhido em lista Tríplice!
    O próprio Nunes Marques, que foi duramente desqualificado pelos simpatizantes de Moro, porque o magistrado teria inserido dados falsos em seu curriculum vitae. Após a votação da segunda turma, Nunes deu uma “alfinetada escrita”, em seus colegas que não pouparam Moro da suspeição, num passe de mágica, isso foi o suficiente para os moristas elogiarem-no e fecharem os olhos pro “passaporte” de Kássio, até então fraudulento!
    -Enfim, para um vascaíno, se o diabo está fazendo gol pelo Vasco, ele é o próprio Jesus na Cruz de Malta!

  3. O IMPACTO do assalto a mão armada, ocorrido nos Jardins, em Sampa, em 2007, com o Rolex do Huck sendo levado pelos correrias, salvo engano, mexeu com o brio do Luciano que, via artigo publicado pela FSP, à época, “Memórias Quase Póstumas”, o levou a dizer coisas de suma importância que de certa forma, talvez não tivesse noção, eram e continuam sendo o centro nevrálgico da problemática brasileira, que, à época o fez pensar mais profundamente na política, na vida, no país, na sua família, no futuro dos seus filhotes, e até iniciar a sua procura por um “novo salvador da pátria”, cogitando vários nomes mas, certamente, não se decidindo por nenhum. Disse o Huck, àquela época: “Passo o dia pensando em como deixar as pessoas mais felizes e como tentar fazer este país mais bacana”. À ÉPOCA, como já estava nessa estrada há muito mais tempo, depois de ter me preparado muito para trilhá-la, já tinha o fubá pronto enquanto ele ainda estava colhendo o milho, lhe respondi, via Painel de Leitores da FSP, que desistisse de procurar “salvadores da pátria”, pois eu já havia perdido décadas nessa aventura e que havia chegado à conclusão de que eles não existem senão nas fantasias e ilusões vã, como parecia o caso Lula e antecessores, e que, por isso, depois de décadas de muita luta no front, havia me dado ao trabalho de pedir a Deus uma luz no sentido da elaboração daquilo que, a meu ver, era e é o verdadeiro “Salvador da Pátria” que atendia e atende pelo nome de Projeto Novo e Alternativo de Política e de Nação, que é o que proponho há mais de 20 anos com a RPL-PNBC-DD-ME, o novo caminho para o novo Brasil de Verdade, porque evoluir é preciso, que representa a realização do milagre da multiplicação dos pães, dos peixes e das oportunidades em todo o território nacional, que desvia o Brasil do rumo da Brazuela e o coloca no rumo de uma possível Nova Europa brasuca, que não é de direita, não é de esquerda e nem de centro mas que é isto sim tudo isso junto e misturado, porém reformulado numa nova perspectiva sistêmica de política, de país e de povo, porque o resto, “data venia”, a meu ver, é tudo mais dos me$mo$, mais continuísmo da mesmice raso e seco que, aliás, é mais golpe, mais 171, como já disse o Dr. Ayres Britto, ex-STF. E daí, a minha decepção com o Luciano, em termos de boa-fé face às suas possíveis boas intenções políticas, é que, não obstante todas as possibilidades do mundo em suas mãos, ele nunca me convidou sequer para conversarmos sobre o assunto no seu meio, aliás, frequentado por políticos que representam apenas o continuísmo do estado de coisa$ e coiso$ que ai estão há 131 anos, com prazo de validade vencido há muito tempo, ao que parece. Pronto, falei o que estava engasgado há muito tempo na minha garganta. https://www.oantagonista.com/brasil/planalto-ou-faustao/?fbclid=IwAR25C1alcN0D1bQkkKsZB0jkFxmwZEj87-rzsG7p7GrSXXKnHtGN4KILR2o

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *