Fato inédito na História: a Polícia Federal demoliu o governo Michel Temer

Resultado de imagem para temer acusado charges

Charge do Laerte (Arquivo Google)

Pedro do Coutto

Manchete principal nas edições desta terça-feira de O Estado de São Paulo e de O Globo, a Polícia Federal acusou frontalmente Michel Temer, Gedel Vieira Lima e Eduardo Cunha, além dos ministros Eliseu Padilha e Moreira Franco de corrupção organizada e irrigada por um lance de propina no montante de 31 milhões de reais. No Estado de São Paulo a reportagem é de Beatriz Gulla, Fábio Serapião e Andreza Mataes, no Globo matéria de página inteira saiu sem assinatura. Mas assinada por Bruno Pires no Estadão, que destacou a versão de Joesley Batista a respeito de como subornava políticos do país.

A Polícia Federal disparou a reação provavelmente contra a iniciativa do ministro Torquato Jardim de substituir Leandro Daielo da direção geral da PF. Mas este aspecto, quanto à motivação, importa pouco. O essencial é que jamais na História do Brasil, até esta terça-feira, a Polícia Federal havia formulado denúncia tão frontal contra um presidente da República, em particular, e contra um governo de modo geral.

UM VENDAVAL – Causou assim um impacto da força de um vendaval que demoliu o esquema de poder, como comprova a falta de reação do Planalto a uma entidade de segundo escalão na hierarquia ministerial. O governo explodiu e a demolição tornou-se o cenário do poder. O Globo e O Estado de São Paulo que ontem circularam vão se tornar peças importantes de um triste período da vida brasileira. A Esplanada do Ministérios em Brasília foi varrida do mapa da moralidade pública.

A tal ponto que o único reflexo assinalado por Brasília foi o da indicação do deputado Carlos Marun para relator da CPMI para desinvestigar Joesley Batista e a atuação da JBS no panorama governamental. A reação descambou para o ridículo, na medida em que atribuiu a Marun uma reação impossível. Pois o deputado é o relator mas não é o único tradutor dos caminhos que a Comissão Parlamentar Mista, de Senado e Câmara, vai percorrer. A CPMI inevitavelmente terá que convocar Joesley Batista e Rodrigo Janot, sob pena de tornar-se uma tentativa frustrada, logo na decolagem para o reino da fantasia.

MANOBRA INÚTIL – A representação parlamentar do governo pode incluir a maioria de senadores e deputados, mas nunca a totalidade de seus integrantes. Assim o projeto de desviar as atenções da opinião pública e a busca de diluir as denúncias não surtirão efeito favorável ao sistema de poder. Pelo contrário. As sessões do reino fantástico vão esbarrar na cortina do irrealismo implantado pela verdade dos fatos e pela consciência da população brasileira.

A manobra saiu pela culatra. O Planalto esqueceu os jornais e as emissoras de televisão que vão acompanhar o desenrolar das cenas que ficarão gravadas na memória. A exemplo das gravações de Joesley Batista e Ricardo Saud, da filmagem de Rocha Loures, da gravação do encontro noturno do controlador da JBS com o presidente da República na residência oficial de Michel Temer, no Palácio Jaburu.

A soma dos fatores conduz a um resultado péssimo para o governo, que, nesta altura dramática do desabamento, está sendo  exposto com luzes fortes ao julgamento popular. Do julgamento popular surgirão reflexos que vão emoldurar o episódio desencadeado pela Polícia Federal no mapa da História do Brasil para sempre.

6 thoughts on “Fato inédito na História: a Polícia Federal demoliu o governo Michel Temer

  1. A Polícia Federal teve a atitude que estávamos pedindo às Forças Armadas.
    Mesmo o policial mais enquadrado da corporação, sente que realmente o País está indo para o “ralo” e a verdade tem que ser exposta pois por incrível que pareça, parte da sociedade pensa que está em curso uma conspiração revanchista, quando não é isto.
    O MDB, tinha cacife para “bancar” com mais pressão o projeto do Dante de Oliveira “Diretas Já” mas preferiu “aceitar” as eleições por via indireta.
    Aceitou ter em seus quadros o Sr José Sarney militante de coturno na Arena e vice de Tancredo Neves para presidente indireto.
    Traiu vergonhosamente os brasileiros, quando não deixou, aí já como PMDB, o Ministro Dilson Funaro flexibilizar o Plano Cruzado. Isto para fazer maioria nas eleições que se avizinhavam; e fizeram uma maioria de modo a “tomar conta” do país, o que acontece até hoje.
    De traição em traição, olhando só suas conv$eniências, chegaram onde estamos hoje.
    Não esqueçamos o RJ onde o Gato Angorá foi governador e dizimou com o excelente plano dos CIEPS e hoje o RJ “EXPLODE” em violência.
    O PT ia pelo mesmo caminho; mas parece que o pedaço era pequeno para tanta ganância.
    MUITO OBRIGADO PARA A POLÍCIA FEDERAL, por não ter se sujeitado.
    Dentro da doutrina espírita, no Livro dos Espíritos tem uma resposta onde se lê: “nós somos culpados pelo mau que causamos, culpados pelo bem que poderíamos ter feito e pelo mau advindo por não ter feito o que poderíamos” é mais ou menos desta maneira.
    Muito bom dia e que Jesus Cristo nos guarde.

  2. É bom não confundir Autoridade Moral de Efeito Dissuasivo do Terror Bélico. Não existe escudo melhor para acobertar podridão como o corporativismo e, sobretudo, as ARMAS; esta última jamais perderá a eficácia, enquanto o ser humano for mortal. Por isso mesmo é que, a cada dia, o mundo é acelerado pela corrida armamentista. O corporativismo político apresenta-se como o mais frágil de todos; muito instável mesmo: ele é um pêndulo em consonância com a formatação das nuvens!

  3. A Polícia federal apenas chutou um cachorro morto.
    A PF sonha com a independência que foi dada ao MP, o que seria bastante salutar para que as investigações fiquem longe das manobras políticas.
    Acontece que a política jamais vai abandonar o controle das forças de segurança, porque é a garantia da impunidade.
    Desde de que foi promulgada a constituição de 88, já deu tempo para se perceber o que não funcionou nela, seria a próxima eleição a oportunidade de se eleger nova assembléia constituinte e modificar a forma como é composta a suprema corte, o ministério público e também a polícia federal.
    Estes três órgãos deveriam ter independência total, inclusive sem chefes nomeados pelo executivo.
    A PF parece que esta assumindo esta independência, mesmo que de forma oficiosa.

  4. Cabe a pergunta, a mesma que foi feita aos eleitores dos petistas logo após o resultado das urnas mesmo depois das denuncias começarem a pipocar contra o PT, o que adiantou? Pergunta essa que está sendo feita a todos que defenderam Temer na presidência, inclusive os parlamentares que barraram a investigação, cujos nomes serão muito lembrados em 2018 para que o eleitor consciente e consequente, não se perca quanto a quem merece seu voto e quem merece o desprezo do eleitor e cidadão brasileiro. Isso só serve a quem tem algum prazer em ver o país continuar a sangrar, pois em sã consciência, não há justificativa que possa ser usada para manter alguém contra o qual pesam tantas e tão graves denuncias. E a tal CPMI? Irão investigar o que ou quem? Ao que parece nossos parlamentares se acham melhores que o MP e a PF para fazer o trabalho, então para que manter toda estrutura de um Minstério Público e uma Polícia Federal? Temos um Congresso, um dos mais caros do mundo que ou trabalham demais ou de menos para terem tempo de atuarem em frentes onde não possuem formação técnica ou aparato orgânico para atuarem. Não por acaso estão entre as últimas instituições do país em matéria de credibilidade e aceitação popular.

Deixe uma resposta para Lionço Ramos Ferreira Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *