Fernanda Montenegro conduz Nelson Rodrigues à eternidade de sua própria obra

Resultado de imagem para fernanda montenegro e nelson rodrigues

Fernanda dá um show interpretando o amigo Nelson

Pedro do Coutto

No domingo que passou, o programa Fantástico deu sequência à viagem que Fernanda Montenegro realiza com Nelson Rodrigues para a eternidade da obra do maior teatrólogo brasileiro, ao mesmo tempo memorialista, cronista apaixonado por futebol. Além disso, romancista. A série preparada por Fernanda Montenegro, domingo passado, estacionou a viagem no cronista esportivo. Apaixonado pela Seleção brasileira e pelo Fluminense, tem com parte de sua bagagem literária a coluna no O Globo “À Sombra das Chuteiras Imortais”.

A atriz abordou frases suas e, sobretudo, a descoberta do que ele chamava complexo de vira-lata, que pesava na alma de parte substancial da população. O Campeonato do Mundo conquistado em 1958 foi uma resposta à frustração de 1950, quando, segundo o próprio Nelson Rodrigues, fomos derrotados por um homem só: Obdulio Varela. A conquista histórica de oito anos depois na Suécia começou a mudar o complexo que o escritor identificava. Vibrou como poucos no bicampeonato de 62 e guardou tristezas para a derrota de 66.

BELA PREVISÃO – Em 70, apaixonadamente escreveu no início da Copa que o Brasil seria novamente campeão do mundo. O jornalismo esportivo se dividiu entre a euforia de Nelson e a isenção de Armando Nogueira, este na coluna diária do Jornal do Brasil. O impacto da certeza de Nelson e da dúvida de Armando deu margem ao surgimento de personagens de ficção como o “Sobrenatural de Almeida”, o “Gravatinha” e o “Palhares”. Sobrenatural de Almeida era a imagem da derrota e do derrotismo. Uma variante do complexo de vira-lata.

O destino levou a confirmação do que previa Nelson Rodrigues: na final do México, derrotamos a Itália. O êxito foi mais uma consagração passageira do cronista, já consagrado plenamente por suas múltiplas criações. Dentro e fora da realidade.

Hoje, olhando-se o passado com a lente da memória, concluímos que a diferença essencial entre Nelson Rodrigues e Armando Nogueira estava na arte do primeiro e no estilo do segundo. O artista não tem limites para si próprio. Ele flutua, voa na imaginação e usa a realidade para construir tanto a fantasia quanto o que considera no fundo da alma a sua própria realidade.

Resultado de imagem para fernanda montenegro e nelson rodrigues

Nelson e Fernanda, amigos desde sempre

A ARTE É UM DOM – A busca da ruptura, da criação, do encontro entre o fascínio criativo e a imaginação projetada no papel e agora nas telas da televisão e da internet, são características da arte que, como disse Noel Rosa, não se aprende no colégio. É um dom, um impulso com o uso das palavras e das imagens, e isso diferencia os artistas e as demais pessoas, que mesmo inteligentes não conseguem escapar dos limites em torno de si.

Para falar de limites desejo sugerir a Fernanda Montenegro que dedique um capítulo de sua série à peça “Vestido de noiva”, que está para o teatro brasileiro assim como o “Cidadão Kane”, de Orson Welles, está para o cinema internacional.

Deve ser esta talvez a última escala da viagem de Nelson Rodrigues, conduzida por Fernanda, em busca da eternidade do escritor e da eternidade de sua própria obra.

5 thoughts on “Fernanda Montenegro conduz Nelson Rodrigues à eternidade de sua própria obra

  1. Há quatro anos Fernanda Montenegro lê trechos de Nelson Rodrigues, durante 80 minutos. De acordo com a filha do Nelson, Sonia Rodrigues, são frases que estavam enterradas como “sapo de macumba”
    Numa entrevista ao Estadão, em agosto passado, Fernanda Montenegro responde:
    “Como é passar esses momentos ao lado de Nelson?
    Acreditei que seria um pânico na minha vida, mas ninguém foi embora em nenhuma das apresentações. Posso dizer sem o menor pudor que foi um sucesso. Eu honestamente digo que não represento nada. É uma leitura e vale pelo que o Nelson diz – às vezes, uma maneira assustadora de colocar um ponto de vista político; em outra, a disposição de fazer uma confissão. Sua tragédia de vida é comovente. Uma leitura sem nenhum floreio. Apenas a natureza da fala. E, por acaso, sou eu quem está lendo.

  2. Tipos criados por Nelson Rodrigues:
    . “Palhares, o canalha”, a “grã-fina de narinas de defunto”, a “estagiária de calcanhar sujo”, a “freira de minissaia”, o “padre de passeata” o sobrenatural do Almeida, o idiota da objetividade e outros tantos de inclinação nitidamente satírica.

    . Nelson Rodrigues: As entrevistas das estagiárias têm uma virtude rara: nunca saem. Falo por experiência própria. Quase todos os dias, uma estagiária me caça pelo telefone. E eu falo sobre todos os temas e personalidades. Opinei sobre os Kennedy, João XXIII, o Kaiser, Gandhi. No dia seguinte, abro o jornal e vejo que não saiu uma linha. Mas uma coisa curiosa: não só as estagiárias. Profissionais da melhor qualidade estão seguindo a mesma linha. Posso dizer que a nossa imprensa criou o novo gênero de entrevistas que não serão publicadas nem a tiro”.

    O nosso editor Carlos Newton trabalhou com Nelson e deve saber de muita curiosidade sobre ele.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *