Gilmar Mendes pede para adiar o julgamento do segundo habeas corpus de Lula

A Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) julga dois pedidos de liberdade do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Na foto, o ministro Gilmar Mendes

Gilmar no vaivém — pediu para votar e depois pediu para adiar

Deu em O Globo

O ministro Gilmar Mendes votou para que seja adiado o julgamento do habeas corpus de Lula que questiona a parcialidade do ex-juiz Sérgio Moro. Mas defendeu que o ex-presidente aguarde em liberdade até o fim do julgamento da causa.

Mendes afirmou que o caso é complexo e precisa ser bem examinado – por isso, não haveria tempo de concluir o julgamento nesta terça-feira.

PARCIALIDADE – A defesa alega que o então juiz Sergio Moro, hoje ministro da Justiça, atuou com parcialidade no processo do triplex do Guarujá, que resultou na condenação e na prisão de Lula. No ano passado, dois ministros votaram contra a libertação de Lula: o relator da Lava-Jato, Edson Fachin, e Cármen Lúcia. Ambos argumentaram que o habeas corpus não é o processo adequado para tratar de suspeição de juiz.

No ano passado, Gilmar Mendes interrompeu o julgamento com um pedido de vista, para analisar melhor o caso. Somente no último dia 10 de junho, o ministro liberou o processo para a retomada do julgamento. Além dele, ainda votarão Ricardo Lewandowski e Celso de Mello.

MINISTÉRIO – A defesa de Lula apresentou o pedido ao STF quando Moro aceitou o convite do então presidente eleito Jair Bolsonaro para comandar o Ministério da Justiça. Sergio Moro era juiz e atuava na 13ª Vara Federal de Curitiba. Em 2017, condenou Lula na Lava-Jato. A condenação foi confirmada em 2018 e resultou na prisão do ex-presidente. Ele está na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba desde abril do ano passado.

Depois que o site The Intercept divulgou diálogos atribuídos a Moro e ao procurador da República Deltan Dallagnol, a defesa de Lula pediu para o caso ser levado em consideração no julgamento. Nas mensagens, os dois falam sobre as investigações da Lava-Jato — inclusive sobre o processo que resultou na prisão de Lula.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *