Governo já conta os votos no Senado para garantir Eduardo Bolsonaro em embaixada

Resultado de imagem para eduardo bolsonaro charges

Charge do Aroeira (jornal O Dia/RJ)

Rodolfo Costa e Augusto Fernandes
Correio Braziliense

A indicação do deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) para a embaixada brasileira dos Estados Unidos, em Washington, ainda nem foi confirmada oficialmente pelo presidente Jair Bolsonaro, mas as articulações estão a todo vapor. Senadores minimizam a disputa política que o assunto provocou, mas o governo busca, com as articulações, garantir vitória logo no início da retomada das atividades legislativas.

Seria, para interlocutores, um sinal de força no Senado, que iniciará os debates da reforma da Previdência após conclusão da votação em segundo turno na Câmara.

SEM PLANO B – Os diálogos são incipientes, mas ganham força dia após dia desde que o presidente comentou o tema, na última quinta-feira. A confirmação de Eduardo deve ser feita até o fim deste mês, uma vez que Bolsonaro não tem “plano B”.

As costuras estão sendo conduzidas junto aos parlamentares da Comissão de Relações Exteriores (CRE) do Senado para “desempatar” o placar, que nas contas de congressistas e interlocutores governistas está próximo de oito votos favoráveis e oito contrários. Até a noite nesta terça-feira (16/7), dois votos ainda eram desconhecidos na sondagem de articuladores contatados pelo Correio. O do senador Romário (Podemos-RJ) e da quinta vaga, ainda não definida, do bloco MDB, PRB, PP. É esse posto vago o alvo central das articulações. O líder do governo no Senado, Fernando Bezerra (MDB-PE), suplente da CRE, costura dentro do bloco sua indicação.

SUPLENTES – Além de Bezerra, compõem os suplentes Renan Calheiros (MDB-AL), Simone Tebet (MDB-RS), Ciro Nogueira (PP-PI) e Vanderlan Cardoso (PP-GO). Os dois pepistas são classificados como incógnita, enquanto Calheiros poderia votar contra — por vingança à articulação governista que encaminhou a vitória de Davi Alcolumbre (DEM-AP) à Presidência do Senado. E Simone Tebet já se posicionou contrariamente.  Para ela, a indicação de Eduardo é o “maior equívoco” que Bolsonaro comete desde que assumiu a Presidência.

Independentemente de ser legal ou constitucional a indicação, Tebet avalia que não é moral. “Contradiz tudo aquilo com que o presidente se comprometeu em campanha, com um discurso de meritocracia. Não podemos esquecer que é uma carreira diplomática que exige, normalmente, 30 anos de trabalhos no exterior para se chegar ao posto mais alto, que é ser embaixador nos EUA”, declarou ao Correio.

MARGEM DE ERRO – O governo trata o placar de 8×8 com margem de erro, pois acredita que alguns senadores, na hora da votação, poderiam apoiar a indicação de Eduardo. Ainda assim, cinco votos contrários são dados como certos. São os casos dos senadores da oposição, Jaques Wagner (PT-BA), Renilde Bulhões (Pros-AL), Kátia Abreu (PDT-TO), Randolfe Rodrigues (Rede-AP) e Marcos do Val (Cidadania-ES), vice-presidente do colegiado — que, em 2017, teve desentendimento público com Eduardo.

Em um eventual empate, a expectativa é de que o desempate viria do voto do presidente do colegiado, Nelsinho Trad (PSD-MS).

CONVENCIMENTO – Uma derrota na Comissão de Relações Exteriores não seria terminativa, pois o placar do colegiado tem que ser confirmado em plenário, mas uma vitória daria um norte para o governo montar corpo e estrutura de apoio com alvo nos próximos passos.

Restará ao governo convencer  o presidente do Senado, Davi Alcolumbre, que identifica o cônsul-geral do Brasil em San Francisco, embaixador Pedro Borio, como o nome ideal para assumir a embaixada de Washington.

SABATINA – O presidente do Senado disse que Eduardo será sabatinado “igual” a todos os outros. Para a ala governista, é um sinal de que o engajamento de Alcolumbre para costurar um quórum numeroso em plenário exigirá um custo, que pode envolver o apadrinhamento de algum indicado do demista.

Quem tem auxiliado o governo é o diretor executivo do Instituto Legislativo Brasileiro (ILB) do Senado, Márcio Coimbra, homem de confiança de Alcolumbre, ele tem trânsito entre os senadores. Foi Coimbra quem o apresentou aos representantes da alta cúpula do Partido Republicano dos EUA e à Casa Branca, em viagem feita ao fim de 2018.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
A indicação do filho Eduardo Bolsonaro é uma vergonha para o país e desgasta ainda mais a imagem do presidente Jair Bolsonaro no exterior, que já é péssima. Na verdade, Bolsonaro se tornou a bola da vez dos cartunistas europeus, que se divertem esculhambando o governante brasileiro. (C.N.)

22 thoughts on “Governo já conta os votos no Senado para garantir Eduardo Bolsonaro em embaixada

    • Vc tb não está jogando de bandido contra a Nova Política de Verdade Alex, de forma até leviana ? O que a pobre coitada da Nova Política de Verdade tem a ver com essas pragas, lideradas pela encarnação do caipora de xiririca, carreirista do baixo clero do velho sistema podre ?

      • Fosse o Haddad o eleito, tb não governaria, fariam o mesmo que fizeram com a Dilma, à base do nefasto “quanto pior, melhor” levado às últimas consequências, ou seja, à destruição do país, como de fato continua acontecendo, porque o sistema político podre já deu tudo que podia dar, de bom e de ruim.

      • Tanto não tinha outra alternativa que foram Bolsonaro e Haddad para o segundo turno. Quase ninguém quis saber dos outros (com toda razão).
        Vamos rezar e torcer para nas próximas eleições aparecer gente nova, honesta e competente.

  1. O presidente , em campanha, disse que com ele não haveria nepotismo , o toma-lá-da-cá, etc, etc etc….

    Mas o que estou vendo eu mesmo do mesmo, não mudou nada.

    E, em termos de incompetência: é um novo Collor, um novo Lula, um novo Dilma e um novo Michel Temer.Assim caminha o Brasil para mais 4 ou 8 anos de estagnação porque está cavalgadura pode ser reeleito, o que seria uma desgraça.

    Tenho dito.

  2. Uma importante correção a este artigo de Rodolfo Costa e Augusto Fernandes, ambos do Correio Braziliense : O Senador Marcos do Val (Cidadania-ES), novo nome do PPS, que decidiu este partido deixar de chamar-se PPS e passou a chamar-se Cidadania, e que é vice-presidente do colegiado, irá votar contra a indicação de Eduardo Bolsonaro para a Embaixada do Brasil nos EEUU não porque, em 2017, teve desentendimento público com Eduardo, mas sim porque esta é a posição de todo o Partido Cidadania. Os parlamentares do Cidadania não amesquinham seus votos, nem mesmo por desentendimentos com as autoridades que por ele serão avaliadas no Senado, mas sim por compromisso ético e com a Constituição.

    Interessante também comentar a irônica mas veraz charge do Aroeira (jornal O Dia/RJ). Só faço um reparo: Se Eduardo Bolsonaro , de quatro, na concepção de Aroeira é quem está representado na charge com a bandeira dos EUA fincada em seu traseiro, não é bem isso o que vai acontecer: quem será fincado no traseiro pela bandeira americana será o povo brasileiro. Eduardo Bolsonaro vai viver de mordomias nos States, mas o povo brasileiro, mal representado por um embaixador despreparado, é quem vai sofrer as consequências (o que já está acontecendo) com as decisões tresloucadas do pai de Eduardo, hoje ocupando a Presidência da República, que só toma medidas nefastas para a vida da população, especialmente desde a classe média até os que vivem abaixo da linha de pobreza.

  3. Ronaldo um erro não justifica o outro. Este rapaz – o Bolsonaro pai, nosso presidente; vem se mostrando, além de incompetente,
    um moleque digno de sua progênie. Uma vergonha Nacional, mostrando ao mundo e internamente porque somos condenados ao subdesenvolvimento.

    • Bolsolóides precisam antagonizar com petistas para justificar a mediocridade do Bolsonaro e sua família. Como não tem argumentos para defender a indicação do Eduardo, precisam criar um espantalho sobre Haddad, como se isso justificasse a indicação. Típico de gente imbecil.

  4. Não gosto dessa nomeação, acho uma ideia de jerico. Mas agora o autor vir com essa de que Bolsonaro tem imagem desgastada no exterior? E dai? Ele governa para os brasileiros, pouco me importa a opinião de jornalistas estrangeiros que se forem semelhantes aos brasileiros devem ser solenemente ignorados.

    Acho ridículo essa coisa de ficar se rebaixando:
    – Ai o jornalista estrangeiro disse não sei o que…
    – Ai a Merkel falou aquilo… que feio….

  5. Comentário do dia 16/07, continua atual. Quanto ao Dudu Bolsonaro, não se iludam, com a casa já começando a cair mais cedo do que se esperava, os Bolsonaro e CIA precisam, desesperadamente, do Dudu lá, sob as bênçãos e proteção do Diabo Loiro norte-americano, e todos mentalmente sadios sabem porque, e grande parte do senado tb tem interesse nisso, logo o nome do pimpolho do “mito” será aprovado. O problema deles é que o Diabo Loiro norte-americano tb já anda mal das pernas por lá, com a casa tb começando a cair, e daí é bem possível que todos eles, lá, façam companhia ao Zé Maria Marin, o Rei da CBF, do COB do Heleno e cia, porque no Brasil cadeia para presidente é só do Lula.

  6. O Dilmo deve estar muito feliz. Ele, um simples capitão, comanda generais, logo, está copiando o seu ídolo Napoleão que nomeou toda a familia como principes na Europa.

    Em breve, o Dilmo entrará no Supremo com um pedido de revisão de sua reforma, alegando como paradigma, seus colegas de turma que chegaram a generais.

    Imediatamente, dois grandes juristas, em uma decisão duocrática ( toffoli e gilmara*) concederão as devidas promoçoes: GENERAL DILMO BOLSONARO

    *Gilmara, significa “combatente ilustre, espada brilhante” Este e o novo nome de Gilmar Mendes

  7. O trampanaro filho do Jefe é o cara certo pra trabalhar com a gestão do pato Donald trump, a imbecilidade dos dois é indecente de tão compatível.

    Quanto a representar o Brasil como embaixador, aí são outros 500…
    De todos os possiveis diplomados na carreira diplomática, se pegar o pior, este será muito mais qualificado que o filho de um guardinha, politico de baixo clero, que subiu na carreira tomando no bucho e levando “na bucha” a presidencia.

    Olha quem apóia, uma Damares, um Araújo….
    A INDECÊNCIA REINANTE NA BRASILDA.

    Ontem o Mourão disse que, de Norte a Sul, em toda loja maçônica por onde tem passado, o apoio ao governo Bozolado é fiel.

    Basta entender, daqui pra frente, quais os propositos do patrão (ou patrões) do Bozolado.
    Se a agenda dele for compativel com recessão e caos, estao no caminho certo…

    In Búiguer We Distrust…..
    Mas quem somos nós, we, we uí, ui uííffffff voôu!
    Num vento, sumiu como passarinho….
    Nós (we) o povo, se não formos às ruas combater esse assalto repetitivo ao nosso país, somos os culpados por toda essa palhaçada que vai se provar desastrosa….

  8. A questao pode ser resolvida de uma forma muito mais simples.

    basta saber se tem competencia ou não, independentemente de ser filho ou noa de Bolsonaro.

    Ele (Eduardo) ou Jair , não sei, disse que podia ser embaixador porque tinha fritado muito hambúrguer nos EUA.

    Na matéria abaixo, isto é posto em dúvida:

    “LANCHONETE ONDE EDUARDO BOLSONARO TRABALHOU NÃO TEM HAMBÚRGUER
    Deputado falou que tinha fritado hambúrguer nos Estados Unidos

    embora Eduardo Bolsonaro tenha dito que fritou hambúrguer nos Estados Unidos, a lanchonete onde ele afirma ter trabalhado só serve frango frito.”

    Então, sua principal competência e que justificaria a nomeação, não é verdadeira

    Logo, como não fritou hamburguer, nao pode ser embaixador

    Simples assim

  9. Eu achava essa indicação,do presidente,uma escolha descabida conforme disse em dois textos,publicados,na Tribuna da Internet”.
    Agora depois que li isto,no site do Ministério das Relações Exteriores,MUDEI RADICALMENTE,minha opinião:
    http://www.itamaraty.gov.br/pt-BR/sem-categoria/18707-dia-do-diplomata-formatura-da-turma-marielle-franco-2016-2018-do-irbr-e-cerimonia-de-imposicao-das-insignias-da-ordem-de-rio-branco-palacio-itamaraty-20-de-abril-de-2018?fbclid=IwAR2_BKC44kXAz4SXdgO3pvAYT8uymsxOfUnX3iLPIMcix4p7T6265V5L-FI

  10. Deu na Época on line (17/07/2019):

    “SALÁRIO DE EDUARDO BOLSONARO VAI DOBRAR SE VIRAR EMBAIXADOR:

    Segundo o Itamaraty, a remuneração bruta para o cargo é de US$ 18.216,25, o que equivale a R$ 68.546,57.

    Esse valor considera que Eduardo levará a mulher, Heloísa Wolf Bolsonaro, com quem se casou em maio. O embaixador em Washington, casado, tem direito a um auxílio familiar de US$ 958,75 mensais, ou seja, R$ 3.607,71.

    Atualmente, o salário bruto de um deputado federal é de R$ 33.763.”

    Viram um dos motivos que levou o “mito” a deixar o cargo vago por 4 meses e, somente após o filhote completar 35 aninhos ele resolveu indicá-lo para a embaixada em Washington?

    Como já disse em comentário anterior, depois de 28 anos como político, fazendo rolos com o Queiroz, agora ele dará (se o senado deixar) esse presentão para o filhote.

    Aos bolsoalienados uma pergunta:

    Vocês acham que o “mito” pensa no país ou em sua prole?

  11. Indiscutivelmente a contrariedade por Flávio Bolsonaro em ser Embaixador nos Estados Unidos, é porque o rapaz é filho do presidente.

    Nada mais haveria de empecilho.

    Mas, conforme link postado pelo brilhante advogado Werneck, o Instituto Rio Branco politizou-se, optando pelo Psol, a ponto que a turma de 2016/2018, denominou-se de Marielle Franco!

    Outros embaixadores escolhidos anteriormente, da mesma forma jamais fizeram curso algum neste sentido, caracterizando as designações como meramente política, menos de ser levado em conta a função de diplomata e suas condições.

    Ora, em se tratando de confiança, o filho de Bolsonaro é a escolha perfeita, independente do aspecto ético e moral, claro.
    No entanto, o deputado seguirá à risca as determinações do pai, presidente desta republiqueta, sem causar qualquer surpresa desagradável ou inesperada.

    É até bem possível, que Trump faça o mesmo, enviando seu filho para ser Embaixador no Brasil.

    Flávio em Washington não seria problema;
    Mas, o “Trumpinho”, fico imaginando se esse guri resolver conhecer a noite brasiliense ou carioca ou paulista ou mineira, e levar um cacete de algum leão de chácara ou ser assaltado e baleado quando sair dessas boates!
    Pronto, os americanos vão declarar guerra contra o nosso País!

    Por via das dúvidas, Bolsonaro poderia evitar que seu filho fosse para o Tio Sam, diminuindo os riscos que corremos com o “Trunpinho” vir para cá, ainda mais se for semelhante ao pai no seu comportamento com as mulheres!

    Ou, então, o Trumpinho se apaixona perdidamente por uma de nossas belíssimas mulatas, com seus corpos maravilhosos e sensuais, e se perde numa dessas curvas.
    Já imaginaram o filho de Trump se casar com uma brasileira e mulata, estilo Sargentelli?!
    Logo para os republicanos americanos??!!

    Se Bolsonaro não pensou nessas possibilidades, tá em tempo, antes que nos arraste para uma guerra que exterminará conosco!!!

    Manda o Flavinho para a Disneylândia por um ano, aplaca a vontade do guri, mas evita sérios problemas com esse troca-troca de filhos que vão e filhos que vem!!!

  12. Tal indicação é mesmo vergonhosa! É uma aberração!

    Bem se vê que essa família Bolsonaro não deve ter noção do ridículo!

    E essa charge do artigo tem tudo a ver com tamanha patacoada!

Deixe uma resposta para AndreBR Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *