Governo provisório

Romero Alvarenga, Ceará
“Helio, obrigado sobre a explicação que pedi a respeito de Castelo Branco, muito boa. Desculpe a insistência, você citou que ele disse ao ex-presidente Juscelino que não queria ser CHEFE DO GOVERNO PROVISÓRIO, não sei o que é isso”.

Comentário de Helio Fernandes
Isso ocorre quando alguém tem que assumir a presidência, sem legitimidade ou com ausência de eleição. A primeira vez aconteceu no 15 de novembro, com o Marechal Deodoro. As maiores figuras da história brasileira, eram os Propagandistas da República, que se fundiram com os Abolicionistas. Ultrapassados, o Poder ficou entre os dois Marechais das Alagoas.

Como o Império acabou, e não existia mais Executivo, Legislativo ou Judiciário, Deodoro assumiu. E não existindo ninguém para legitimá-lo, ficou PROVISÓRIO, durante 1 ano, 3 meses e 10 dias. (De 15 de novembro a 25 de fevereiro de 1891, quando passou a INDIRETO). Mudou a denominação, mas continuou sem LEGITIMIDADE.

O outro PROVISÓRIO foi Getúlio Vargas em 1930, chefe da “REVOLUÇÃO” que não houve. Mudaram apenas o rótulo, o conteúdo piorou. A vitória foi em 3 de outubro de 1930, mas Vargas só pôde chegar ao Rio no dia 24.

(Então empossaram uma Junta Militar, com 3 oficiais generais: Leite de Castro, Tasso Fragoso e o Almirante Silvio Noronha. Não havia brigadeiro, porque a Aeronáutica só teria Ministério e vida própria em 1941).

Vargas ficou então com Provisório, não se incomodou, não ia mesmo passar o Poder a ninguém. Com golpes e mais golpes, ficou 15 anos e 5 dias. Veja, Romero, quanto pode durar um mandato PROVISÓRIO. Castelo garantiu a JK, eleição presidencial para 1965, só foi acontecer em 1989.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *