Governo Temer só age depois que a crise está fora do controle, diz Marina Silva

Marina Silva durante sabatina em SP

Marina foi entrevistada pelo SBT, Folha e UOL

Isabel Fleck
Folha

A pré-candidata Marina Silva (Rede) criticou, nesta quinta (24), o governo do presidente Michel Temer (MDB) por não se antecipar à crise da alta dos combustíveis e por tomar uma decisão de reduzir o preço do diesel “sob pressão política”. Em sabatina realizada pela Folha, UOL e SBT nesta quinta-feira (24), Marina disse que a redução anunciada pela Petrobras na véspera, de 10% no valor do diesel, envia a mensagem de que a empresa “não está se comportando de acordo com as regras do mercado”.

“Fazendo no olho do furacão, com a pressão política, a mensagem que passou externamente é que a Petrobras não se está se comportando de acordo com as regras do mercado. E aí vai uma desvalorização das ações da Petrobras na ordem de 11%”, disse Marina.

ANTECIPAÇÃO – Segundo a pré-candidata, o governo precisa se antecipar aos problemas, e “não agir quando as coisas estão praticamente fora de controle”.

 “Mas esse governo não tem condição de se antecipar a nada, porque ele vive o tempo todo na berlinda: na berlinda da falta de credibilidade, de falta de popularidade, de compromisso com a sociedade brasileira”, afirmou.

Apesar de reconhecer a influência da alta do dólar na alta dos combustíveis no Brasil, ela disse que a crise já era previsível, e que a Petrobras tem uma “margem para manejar essa situação”, com o combustível que é produzido internamente. “Se por um lado você não pode ter uma atitude dogmática contra a lógica do mercado, você não pode ter uma prática dogmática em relação ao mercado. Ninguém altera a tarifa de luz todo dia por causa da variação do dólar”, disse.

OPORTUNISMO – Em entrevista aos jornalistas Fernando Canzian (Folha), Carlos Nascimento (SBT) e Diogo Pinheiro (UOL), Marina disse que não fará um “discurso oportunista” nem adaptará suas propostas para atrair os eleitores do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

“O eleitor não é bobo, as pessoas sabem as minhas convicções. E se, por ventura, uma pessoa que tinha intenção de votar no ex-presidente Lula vai votar em mim, ela fará isso sabendo o que eu defendo”, disse.

Questionada se descartaria uma aliança ou apoio ao PT, Marina afirmou que os eleitores do partido têm todo o seu respeito, mas que sua candidatura “é independente”.

PAGAR PELO ERRO – Ela, inclusive, sugeriu que não mudaria sua opinião sobre a prisão do petista para atrair o eleitorado de Lula. “Não posso fazer adaptação de discurso, porque eu acho que quem cometeu erro tem que pagar por seu erro.”

Marina afirmou que o STF, ao discutir a prisão após a condenação em segunda instância, não pode “criar um precedente de dois pesos e duas medidas”.

“A lei da Ficha Limpa diz que ninguém que é condenado em segunda instância — é claro que resguardados todo o trâmite legal e o direito à defesa — pode ser candidato”, disse. “Por mais relevante que a pessoa seja politicamente, economicamente, socialmente, a lei não pode se adaptar às pessoas. As pessoas que têm que se adaptar à lei.

BANCO DE RESERVAS – Em relação ao Congresso, Marina afirmou que, se eleita, “não negociará princípios” e que não vai olhar “para o tamanho do partido, mas para o tamanho do senador, para o tamanho do deputado”.

“A primeira coisa é não negociar princípios: não posso ter uma base que vota nas propostas que são justas para a sociedade brasileira comprando o voto dessas pessoas. Isso é inadmissível numa democracia, numa república”, afirmou.

A presidenciável disse que vai buscar os deputados e senadores que estão no banco de reservas. “Tem muita gente boa no banco de reserva. E essas pessoas precisam entrar em campo”, disse. “Não é a lógica do partido pelo partido. É a lógica de ter um grupo de parlamentares que se orientam por princípio.”

BARATA TONTA – Segundo ela, mesmo presidentes que tinham maioria no Congresso, como Temer, não conseguem governar. “O problema é que os que têm essa maioria com centrão, confusão, esculhambação, não estão governando. E não estão trazendo essas maiorias. Estavam todos que nem barata tonta no Congresso ontem, no meio dessa crise grave de abastecimento”, disse. “Essa fórmula não funciona. Tem que acreditar que a gente pode compor uma nova maioria.”

Marina disse que, se eleita, manterá o tripé da economia macroeconômica: superávit primário, câmbio flutuante e meta de inflação.

“Não vamos inventar a roda”, disse. “Quem chega e vem inventar a roda em cima de nada cria o desequilíbrio que a Dilma e o Temer criaram”, disse, destacando que, quando era vice da petista, Temer nunca criticou a política econômica da então presidente.

CREDIBILIDADE – A pré-candidata afirmou que é preciso restabelecer a credibilidade para atrair investimentos de novo ao Brasil. Ela disse ter sentido o interesse e a desconfiança dos estrangeiros em visita recente a países europeus.

“Os olhos das pessoas brilham para vir investir no Brasil, desde que não fiquem sujeitos a ver o nome de sua empresa misturado com corrupção dentro da Lava Jato”, afirmou.

Marina repetiu ser conta a PEC do teto de gastos aprovada por Temer, mas afirmou que é preciso haver um controle do gasto público. “O governo quis dar um sinal, mas foi um sinal que não resolve o problema”, disse. “Sou a favor do controle do gasto público, (…) o que eu não concordo é fazer isso congelando o orçamento público por 20 anos. Isso não é inteligente”, declarou.

GASTO PÚBLICO – Para ela, o gasto público tem que estar atrelado ao crescimento do PIB — mais exatamente à metade dele: “Cresceu 4% [do PIB], você pode gastar 2%… Aí você nunca vai ter um descompasso entre o que arrecada e o que você está gastando”, afirmou.

Questionada sobre o fato de sua família ter uma espingarda em casa para defesa quando ela era criança no Acre, Marina disse que “todo seringueiro naquela época dispunha de alguma arma de fogo, até porque eram todos soldados da borracha”.

“Mas a espingarda era uma espécie de ferramenta, isso não pode ser usado para querer liberar geral armas para as pessoas. Isso é uma insanidade”, disse. Para ela, a responsabilidade pela segurança é e tem que continuar sendo do Estado. “Não vai ser o cidadão que vai fazer justiça com as próprias mãos. Pelo amor de Deus. Estamos numa democracia.”

21 thoughts on “ Governo Temer só age depois que a crise está fora do controle, diz Marina Silva

  1. Nevou por 3 dias no sudoeste da Inglaterra este ano. Foram 3 dias sem escolas, sem estradas, sem caminhões….
    Ninguém dirige, que nao sabem dirigir na neve por aqui, de tão rara…

    O pão só voltou ás prateleiras 14 dias depois, devido á neve em outros locais…
    Ninguém morreu!!!
    No Brasil, morrem…

    IAGORA?

    A ver, a ver…..

  2. A turma do MANICOMIO decidiu multar cada caminhoneiro em R$10.000,00

    E quem multa o governo que acaba com a capacidade de trabalho e lucro do trabalhador numa ‘dita’ democracia??

  3. Olha o nível destes bandidos, estes tucanalhas do inferno: Pedro Parente é sócio de José Berenguer, presidente no Brasil do JP Morgan –banco que recebeu da Petrobras pagamento de 2 bilhões de reais antecipados.
    Esse pagamento foi antecipado – os empréstimos venceriam só em 2022.
    Este é o Brasil, isto precisa ser mudado imediatamente, não existe nenhum compromisso com o povo, infelizmente, só resta a intervenção militar.

  4. O artigo abaixo explica a crise dos combustíveis. A Petrobrás está subutilizando as refinarias e importando parte expressiva da produção para abastecer cerca de 25% do consumo interno. A Petrobrás aumentou sua capacidade de refino e ao mesmo tempo aumentou a capacidade ociosa das refinarias. Há cinco anos a Petrobrás respondia por 90% do atendimento do consumo interno, hoje responde por 75%; o resto é suprido pelas importações e, para não ter prejuízo, a empresa repassa toda a desvalorização cambial e os aumentos do preço internacional do petróleo para os preços internos dos combustíveis.

    https://www.cartacapital.com.br/economia/o-que-esta-por-tras-do-aumento-dos-precos-de-combustiveis?utm_campaign=newsletter_rd_-_25052018&utm_medium=email&utm_source=RD+Station

  5. …“Não vai ser o cidadão que vai fazer justiça com as próprias mãos. Pelo amor de Deus. Estamos numa democracia.” Ai, ai, ai. Falando por mim, não quero fazer justiça com as próprias mãos (embora tenha sido abordado de forma violenta por um marginal armado, dentro da minha garagem), quero apenas ter o direito de me defender armado dentro de casa. Só isto. Será pedir demais?

  6. Não sei como, as forças armadas aceitam ordem de um presidente acusado de corrupção, este país está sem comando, que moral tem para decidir algo, o movimento dos caminhoneiros é legítimo, já havia dito ao governo, mas o mesmo o subestimou.
    Não entendo porque não pode ser feito refino do petróleo no país, mas este governo prefere enriquecer os EUA (Shell, Exo e outras refinarias estrangeiras) refinam o petróleo para o Brasil, é preciso que este congresso faça com que o refino seja no país, é por isto que o combustível fica mais caro.

    • O presidente pode ser corrupto, mas as Forças Armadas têm que prover a segurança nacional. O caso dos caminhoneiros parece ser justo, mas não é por isso que vamos permitir que acabem com o país.

    • Não foi “este” governo que comprou a refinaria de Pasadena, na Califórnia, totalmente sucateada, por bilhões de dólares, que eu saiba… A origem dessa crise vem daí…

      Os caminhoneiros que pensassem outras formas de protestar, isso que tão fazendo é criminoso, outro crime contra toda a sociedade, e tem, sim, que ser rigorosamente reprimido.

      • Embora esse corrupto do Temer seja corresponsável também, já que era vice na chapa dos “campeões nacionais” da pirataria política…

    • A cretina pula fora do mato de 4 em 4 anos para arrumar uns trocados e voltar para vida boa.

      Não tem capacjdade para se manter na vida pública, e vive de amealhar os votos dos petistas arrependidos, para aparecer na Globo, e saciar seu ego de aspirante à presidência.

      O Brasil não precisa desse tipo de gente que vive da cretinice, e sabe, ou deveria saber, que não tem nem cacoete para ser o que deseja.

      Deveria se candidatar a prefeita lá de não sei onde, ou até vereadora das matas da onde surgiu, isso sim faria coerência à petista que levou trinta anos para descobrir que o pt é, e sempre foi, uma organização criminosa da pior espécie.

      A dita cuja é, no mínimo, uma retardada política, pois só percebe algo que está na cara, e na esfera pública, muito e muito tempo após.

      Francamente, essa senhora deveria estar criando galinhas do mato, em vez de vir caçar os votos dos otários na cidade.

      Temer neles, e esquerdopatas na cadeia, junto com seu chefe apedeuta da silva!

  7. Esse ódio contra a Marina é muito interessante, me deixa muito curioso… Devem saber muita coisa sobre ela que eu desconheço completamente…

  8. Marina, é uma argumentadora coerente. Agora os comentadores continuam de baixo nivel. Infelizmente a politica é resultado do nível dos eleitores. Pelé no final da década de 70 disse que o brasileiro nâo sabia votar. Foi execrado. Assim como a Regina Duarte. O tempo depois lhes deu razão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *