Guedes quer dar superpoderes à base parlamentar do governo Bolsonaro

Resultado de imagem para paulo guedes

Guedes sonha com uma “ditadura democrática”

Pedro do Coutto

Reportagem de Ascânio Seleme, edição de ontem de O Globo, revela que o economista Paulo Guedes, apontado como ministro da Fazenda no caso da vitória de Jair Bolsonaro, está propondo uma espécie de reforma política que faça com que a maioria de um partido decida todos os votos da bancada na Câmara e no Senado. A proposta superdimensiona o poder parlamentar de modo geral, uma vez que a estrutura partidária do PSL, aconteça o que acontecer nas urnas, não será capaz de fornecer maioria a um hipotético governo Bolsonaro.

A legenda do PSL certamente não elegerá muitos deputados e senadores pois sua estrutura é de pequena dimensão. Assim, Paulo Guedes deve ter em mente a formação de um bloco de sustentação no Congresso. E daí a ideia de que as bancadas sigam determinando os votos de maneira vertical.

É UM SONHO – Paulo Guedes provavelmente sonha com a formação de uma base parlamentar capaz de atribuir situação majoritária em favor dos projetos e iniciativas do governo que dependam da aprovação parlamentar. A reforma da Previdência seria um exemplo da imagem que Paulo Guedes está construindo para depois do segundo turno marcado para 28 de outubro.

O que está por trás do pensamento do economista é estabelecer um tipo de poder absoluto das lideranças das diversas correntes partidárias.

Ele esquece que as três maiores bancadas do Parlamento são do MDB, PT e PSDB. As urnas de 7 de outubro vão decidir se as legendas que hoje são mais fortes conservarão sua força para o amanhã.

DISCRICIONARISMO – De qualquer forma, está caracterizada a tendência discricionária gerada no laboratório político de Bolsonaro, Paulo Guedes e Hamilton Mourão. É bom não esquecer que o mesmo Paulo Guedes, ao lado do general Mourão defendeu uma nova Constituinte elaborada por juristas e aprovada num plebiscito, excluindo a necessidade de aprovação pelo Senado e Câmara Federal. Daí está traçada uma ponte entre o Palácio do Planalto e aqueles que rejeitam a democracia.

 A ameaça deve ser levada em conta, não só pelo eleitorado, mas também pelas lideranças dos diversos partidos. A sombra do regime totalitário está começando a ser desenhada.

Todos devem lembrar da ditadura implantada no Brasil em 1964 e somente abolida em 1985 que levou a Constituição de 88, votada pelos eleitos em 1986.

###
REFORMA DA PREVIDÊNCIA POUPA EMPRESAS

Reportagem de Flávia Lima na Folha de São Paulo de ontem mostra que os candidatos ao Palácio do Planalto – no caso, Ciro Gomes, Fernando Haddad, Geraldo Alckmin, Jair Bolsonaro e Marina Silva – expuseram suas ideias sobre a reforma da Previdência Social.

Bolsonaro, Alckmin e Fernando Haddad defendem a substituição do sistema atual por outra modalidade de contribuição. Tal modelo baseia-se na contribuição individual de cada empregado para assegurar sua aposentadoria quando a idade e o tempo de serviço possibilitarem.

Ciro Gomes e Marina Silva, menos radicais do que Bolsonaro, Alckmin e Haddad, apresentam um esboço para uma regra de transição, mas os outros três presidenciáveis desejam a implantação de um novo quadro de contribuição para efeito imediato.

E AS EMPRESAS? – Os que defendem o sistema de contribuição à base de contas individuais parece que se esqueceram da contribuição das empresas, contribuição essa que estabelece um volume de recursos muito maior para o INSS. Basta dizer que os empregados contribuem no máximo com 11% para o teto de 5,6 mil reais.                

A contribuição dos empregadores é de 20% sobre a folha de salários, sem limite.

2 thoughts on “Guedes quer dar superpoderes à base parlamentar do governo Bolsonaro

  1. Este cidadão esquivou -se de apresentar seu plano econômico , no simpósio realizado pela câmara de comércio , onde estariam presentes vários especialista , por um motivo ; MEDO !
    Medo de que ? De que o referido plano não se sustenta ou é eivado . Outra , o congresso nacional , está entre as instituições mais corruptas do país , um dos grandes responsáveis pelo caos social que hoje vimemos , e este cidadão , tenta dar mais este tapa na cara da sociedade , querer doar mais poderes à este meliantes . DITADURA PARLAMENTAR !

  2. Cinco ideias vindas de cinco imbecis, porque as “fórmulas” apresentadas já existem em outros países e não funcionam tão bem assim. No Chile do general Pinochet o sistema de pensão foi reformado na forma proposta pela maioria, e não funciona bem. A “reforma’ da Previdência é desnecessárias até que se faça uma auditoria das suas contas, sem nos esquecermos dos devedores dela, na casa dos milhões. E os débitos na casa dos bilhões. Feito isto se verá que se o Governo assumir o custo das suas aposentadorias e pensões chegaremos ao óbvio, a Previdência Social brasileira é superavitária. Isto já basta.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *