Intervenção no Rio é outro sintoma

Resultado de imagem para intervenção no rio charges charges

Charge do Duke (dukechargista.com.br)

Percival Puggina

A intervenção federal na segurança pública do Rio de Janeiro, a primeira sob a égide da Constituição de 1988, é apenas mais um sintoma dos gravíssimos males que afetam a segurança e a ordem pública no Brasil. É sintoma, é ação necessária, mas não é, nem de longe, a solução. O verdadeiro mal, se quisermos lhe dar um nome, se chama “cadeia produtiva da insegurança pública”. Ela é imensa, extensa e vem sendo caprichosamente desenvolvida ao longo dos anos. É ela que precisa ser enfrentada em toda sua extensão.

O Rio de Janeiro é a unidade da federação onde esse mal mais avançou. Em diferentes estágios, porém, ele está em curso em todo o território nacional. Refiro-me à revolução empreendida com as armas do crime organizado e do crime desorganizado, revolução que deles se vale para alcançar objetivos políticos.

QUERÍAMOS O QUÊ? – Não se chega a essa situação sem muito investimento, sem muita dedicação ao projeto de enfraquecer a cultura da defesa da ordem e sem desarticular a cadeia produtiva da segurança pública. Não se chega ao arremedo de legislação, persecução e execução penal que temos sem muita doutrinação no ambiente acadêmico e, em especial, sem infiltração ideológica nos cursos de Direito.

Soltar bandidos com um sexto da pena cumprida? Semiaberto de brincadeirinha? Presídios entregues às facções? Não se chega ao caos sem que a ideologia do caos alcance os parlamentos, o Poder Judiciário, o Ministério Público e o conjunto dos formadores de opinião, onde se multiplicam por osmose e em precavida posição remota os “auditores” da ação policial, as carpideiras de bandidos. O cidadão tem medo de sair de casa e os defensores da bandidagem proclamam que … “Temos presos em excesso!”.

DESARMAMENTO? – Que esperavam nossos legisladores, nossos políticos, nossos juristas? Imaginavam conter facínoras com pombas brancas, desarmando a população de bem, descuidando e maldizendo a atividade das instituições policiais, abandonando o sistema penitenciário à insuficiência, à ruína e à desgraça? Esperavam colher quais resultados, os que se dedicam a interditar a disciplina, a deformar consciências, a derrubar valores, a desconstituir a instituição familiar, a esmaecer a autoridade e a missão paterna, a amordaçar as igrejas?

A insegurança pública em nosso país, com todas as suas funestas consequências sociais e psicossociais é mais um sintoma do mesmo mal que se abate sobre a política e sobre a economia brasileira. O Brasil aceitou, por tempo excessivo, dormir com o inimigo. Na medida em que avançavam os números dos homicídios no Brasil, eu ia alertando em artigos, ao longo dos últimos anos, para o fato de que ainda era possível piorar. E a Venezuela era um exemplo disso.

27 thoughts on “Intervenção no Rio é outro sintoma

  1. A Esquerda Brasileira Está Perdendo Os Novos Pobres

    JUAN ARIAS – O problema da esquerda brasileira é que acabou se aristocratizando, transformando-se no refúgio da classe média alta, dos artistas e intelectuais.

    Começa a haver um consenso sobre a crise da esquerda contemporânea e o seu abandono pelos mais marginalizados, entre eles os trabalhadores não qualificados, os desempregados, os jovens desencantados e os imigrantes. Eles são o mundo da nova pobreza.

    O resultado é duplamente dramático, porque a massa dos novos deserdados começa a se refugiar na extrema direita, que roubou da esquerda o discurso anticapitalista. Está ocorrendo na democrática Europa, e existe o perigo de que ocorra também aqui no Brasil.

    No espaço de alguns dias, vários intelectuais se manifestaram em concordância com tal análise. Neste mesmo jornal, Víctor Lapuente, doutor em Ciências Políticas da Universidade de Oxford, em seu artigo “O sexo da esquerda”, alertou sobre o risco de que a esquerda contemporânea “deixe de ser vista como representante da sociedade em seu conjunto”.

    E nesse conjunto da sociedade vivem, por exemplo, a grande massa dos trabalhadores desqualificados, os últimos na escala da pirâmide social e os milhões que procuram trabalho. Todos eles esquecidos pelos grandes sindicatos.

    Allen Berger, catedrático de economia na Universidade da Carolina do Sul, bateu na mesma tecla numa recente entrevista ao jornal O Globo, em que afirma que a esquerda de hoje “perdeu o poder de diálogo com os trabalhadores mais pobres”. Ele alerta que “esse mundo se rebelou” e está sendo “absorvido pela extrema direita”.

    No Brasil, em um artigo recente no Estadão, o sociólogo José de Souza Martins, que já lecionou na Universidade de Cambridge, na Inglaterra, criticava o Partido dos Trabalhadores (PT) por ter traído sua função institucional: “Poderia ter sido o canal de expressão daquela parcela da população que a história condena ao silêncio”.

    O problema da esquerda brasileira, começando pelo PT, que constituía sua espinha dorsal, é, de fato, que acabou se aristocratizando, transformando-se no refúgio da classe média alta, dos artistas e intelectuais.

    Os sindicatos se burocratizaram e se comprometeram mais com as categorias ricas, como os banqueiros, do que com o exército dos milhões de trabalhadores marginalizados. Deixaram para trás valores como os do mérito e a economia, cuja bandeira hoje é empunhada pela direita.

    A esquerda petista escorregou, além disso, para a política da corrupção e dos privilégios. Não foi só o partido que se aburguesou, mas também muitos de seus ativistas, que descobriram o gosto pela vida cômoda dos milionários. E eles representavam a ética.

    A esquerda brasileira resgatou milhões de trabalhadores da miséria, mas sem qualificá-los profissionalmente. Formou assim uma massa de novos pobres que hoje, decepcionados e castigados pela crise econômica, voltam seus olhos para a direita e para as igrejas evangélicas conservadoras (exemplos: a periferia pobre de São Paulo, que preferiu votar para prefeito no milionário João Doria, relegando o candidato do PT; e os excluídos das favelas do Rio, que elegeram como prefeito Marcello Crivella, bispo conservador da Igreja Universal, preferindo-o a Marcelo Freixo, candidato do esquerdista PSOL, que era o preferido pelas classes mais altas).

    Sabemos, ao mesmo tempo, que a classe de trabalhadores pobre é conservadora. Defende a família e a tradição, por cultura e por instinto de sobrevivência, e vê com bons olhos que a polícia mate os criminosos sem os penduricalhos dos processos judiciais, sob o lema de que “bandido bom é bandido morto”.

    Essa massa não se assusta com o fato de ocorrerem no Brasil 60.000 homicídios por ano, um triste recorde mundial, nem que mais de meio milhão de pessoas apodreçam em prisões desumanas, a maioria pobres e negros.

    Para essa massa de novos pobres, a polícia e o Exército são seus melhores guardiões. Analisem as redes sociais e vejam como o militar e ultradireitista Jair Bolsonaro, pré-candidato a presidente, que continua defendendo a tortura e a pena de morte, desperta a simpatia de boa parte do mundo dos trabalhadores mais pobres.

    Por que a esquerda não foi capaz de convencer essa massa de pobres de que os valores da democracia e da modernidade constituem a maior garantia futura de prosperidade?

    Como escreve o sociólogo brasileiro Souza Martins, porque a esquerda “incluiu sem democratizar”.

    Não façam, por favor, uma pesquisa sobre a democracia nesse mundo da nova pobreza, pois sofreriam uma grande decepção.

    A esquerda toda, e também a brasileira, precisa se reinventar para voltar a ser capaz (se é que ainda é possível) de reconquistar os que foram seu sangue e sua razão de ser: os trabalhadores mais pobres, os mais expostos às aventuras antidemocráticas. Cada época tem os seus. Hoje, o proletariado é outro.

    Seria triste e perigoso ver uma transfusão de sangue da massa de trabalhadores marginalizados, ou de jovens desencantados sem futuro, para as veias da extrema direita.

    O grande teste da democracia para os brasileiros já está logo aí, na eleição presidencial de 2018. Então veremos qual força política será capaz de conquistar os votos da massa dos novos pobres, hoje desiludidos com a esquerda.

    https://brasil.elpais.com/brasil/2017/01/09/opinion/14839

    Do site Controvérsia

    • O artigo vai bem até dois terços e depois mostra o ranço de quem não trabalha e que quer continuar sem trabalhar.
      E, esta é a resposta para a maior pergunta do artigo: “Por que a esquerda não foi capaz de convencer essa massa de pobres de que os valores da democracia e da modernidade constituem a maior garantia futura de prosperidade?” A resposta é simples: Porque a esquerda nunca quis incluir os pobres, pois deles ela vive. Se der estudo e educação, o pobre nunca mais votaria na esquerda.

      • E quem disse que a esquerda gosta da democracia. O que vemos nos países de ideologia de esquerda são ditaduras sanguinárias como a que surge agora na Venezuela. A ideologia de esquerda é o câncer que poderá acabar com a possibilidade de uma democracia no país em um futuro mesmo que distante.

    • Prezado Hipólito Borges,

      Agradeço a transcrição deste artigo, pois reafirma aquilo que muitos de nós têm combatido o PT:
      Os seus falsos projetos sociais!

      A frase é minha, quando ao longo do tempo venho repetindo que os petistas condenaram os pobres à miséria, pois alimentados por uns trocados e uma sacola de alimentos, fome não passam mais, entretanto, estanca a vida de milhões de pessoas que sobrevivem à crise, porém jamais vão conseguir vencê-la por falta de estudo e trabalho, a tal necessária qualificação da mão de obra!

      Ora, esta gente não tem o apelo que deixa os políticos absolutamente ávidos: o dinheiro.

      Se os petistas haviam matado a fome de milhões, e não mais do que isso, a aproximação deveria ser com aqueles que têm recursos, os banqueiros, e as doações obtidas pelo PT através dos roubos das estatais, agregariam a esquerda intelectual e os artistas que adoram um uísque importado e petiscos à base de caviar e, claro, a Lei Rouanet.

      O distanciamento da esquerda com os pobres, a razão de seus discursos demagógicos, teve um final melancólico, com esta gente sempre desprezada pelos governantes ao longo de décadas sem fim, também iludida e enganada pelo partido que, inegavelmente, apresentou-se inicialmente como representante daquela “parcela da população que a história condena ao silêncio”.

      Pois os petistas sepultaram de vez os pobres, que andam desempregados, endividados, sem futuro, e a miséria aumentando no Brasil porque também agravada com a violência e saúde pública deteriorada!

      Indiscutivelmente, o candidato que se apresentasse contrário à esquerda e seus métodos de cooptação de votos, e mediante um discurso que o objetivo será a luta contra a corrupção e violência, o povo iria se identificar com essa promessa, haja vista que a qualidade de vida, progresso individual e coletivo, o pobre comer queijo e lotar aeroportos era conversa fiada, para inglês ver!

      Ótima esta tua postagem, pois a análise que faz é pontual e adequada à crise que estamos vivendo no Brasil, e com a falta de identidade dos partidos políticos com o povo, que sequer sabe o que é esquerda e direita, pois quer apenas trabalhar e viver em paz.

      Um forte abraço.
      Saúde e paz.

    • A esquerda fracassou porque teima em não enxergar a realidade e a acreditar em mentiras como “Bolsonaro extrema-direita a favor da tortura”. Não existe reinvenção para a esquerda, ela é totalmente equivocada e sempre será. O melhor que o esquerdista pode fazer é pedir desculpa ao povo e sumir da História.

    • A esquerda cada vez que se “reinventa ” fica pior, e você não notou?

      Ela foi reinventada com o jararacalula, com dilmalandra e com o desencorajado fhc, e cada vez foi pior. Outros apareceram nesse cenário, mas convenhamos, todos, sem exceção, são incompetentes, despreparados, sem espírito público,e muito, muito corruptos.

      Meu caro, você usou muitas palavras, algumas até mentirosas, onde afirma que a “esquerda tirou milhões da miséria”.

      Me desculpe, mas a esquerda não tem desculpas porque no conjunto da obra sempre foi um desastre para economia do país, para a sociedade como um todo e sobretudo para prejudicar moralmente o Brasil.

      Portanto, a esquerda só tem o destino de desaparecer, ou se remir a este bando de ladrões e mentirosos como são ostrês personagens, acima citados.

      Passe bem.

      Viva o Brasil.

      Viva O Vasco!

      Muita

    • Renato
      Com a tua permissão e sem faltar com respeito a todos, não dá para dizer menos do que: que brasileiros de merda!

      Vale a pena ler o texto repassado por ti. Ao final, “Como no filme Tropa de Elite, talvez elas tenham seus motivo$.” Será que também não recebem recursos públicos?

      Renato, que dias estamos vivendo.

      Abraço.
      Fallavena

  2. ATENÇÃO Exercito:

    Todas as pessoas que transitam nas favelas SÃO POTENCIAIS: traficantes, clientes, aviões que levam e trazem a droga em diferentes quantidades.
    Ah, as favelas tem várias entradas? Então que a inteligência descubra, ora!
    Neste ponto crítico que estamos vivendo, (GUERRA), lamentavelmente temos que achar isso, a generalização se faz IMPERIOSA! TODOS SÃO SUSPEITOS! Os politicamente corretos tem que ser veementemente repudiados e meter a viola no saco!
    Isto quer dizer que todos os transeuntes tem que ser revistados ALEATORIAMENTE, deve-se fiscalizar ABSOLUTAMENTE tudo o que anda: carros, bicicletas, caminhões e vans de todo tipo, motoqueiros, pastores, padres, feirantes, comerciantes e até, pasmem, mochilas de inocentes crianças que podem estar sendo usadas por algum pai/mãe inescrupuloso(a).
    Caso seja encontrada algum tipo de entorpecente DEVERÁ ser considerado crime INAFIANÇÁVEL! JAULA NA HORA!!!
    Quero ver se vai ter macho pra se arriscar a carregar um baseado sequer!
    Esse é o trabalho que tem que ser feito. NÃO HÁ OUTRA ALTERNATIVA!
    O resto é pura balela, pirotecnia de quem nada quer resolver.
    Discussões de idiotas dentro de gabinetes.
    Pergunto? Isso é impossível?
    Garanto que só com esta simples operação pode-se estrangular bastante a receptação e venda.
    Quanto as pessoas de bem e trabalhadores que infelizmente lá moram, tenho certeza que não se sentiram “OFENDIDOS”.
    Vão sim, ficar felizes, né não?
    Afinal, quem não deve não teme!
    Mas como diz o nosso indelével Carlos Newton, quem se interessa?
    Atenciosamente.

  3. Lido o primeiro parágrafo, não consigo parar de pensar: – “Ué, mas não é assim a ‘sociedade brasileira’, um mundelho importado pela mídia salto alto do Sudeste e seus potenciais famosos consumidores celebridades grã-finos: COPIAR TODA A MERDA QUE VEM DE FORA?
    Se até os bancos do programa ‘the voice’ são copiados no mesmo pantone vermelho, como não copiaríamos a FANTÁSTICA FABRICA DE PENITENCIÁRIAS E SUA CADEIA LUCRATIVA?
    Hein Willy Wonka?!?!

    Vai ver o quanto as 4 famílias da mídia brasileira, mas as famílias dos banqueiros tem da fatia do lucrativo CRIME BRASIL S.A.

    E aos povelhos FRANCHÁISÎNGUE: -“Vender pra merenda escolar? QUE NADA! Mêu, vâmu vende quentinha pra presidio! Vâmu vendê tornozeleira! ‘dibôa MANO’….”

  4. Uma coisa é mais que certa:

    O bandido mais perigoso do Brasil, no momento, chama-se: ‘Michel Temer’
    O meliante está armado da caneta e do cargo de chefe maior das FFAA…

  5. Custos anual de um aluno na sala de aula : R$ 2, 300
    Custos anual de um presidiário : R$21, 00
    Até quando vamos viver com estas inversões de valores . A criminalidade no Brasil não somente é produzida pelo estado corrupto , como mantida pelo mesmo . É a delinquência estatal que fomenta a social , são umas .

  6. Prezado Sr. Fallavena, sou uma pessoa comum, formado em Adm. de Empresas.
    Nós e noventa por cento da população sabeM que essa é a grande estratégia a ser realizada.
    E o mais espetacular da operação, é: SEM DAR UM TIRO SEQUER.
    E vemos os malucos traçando estratégias mirabolantes dentro de gabinetes com ar condicionado. É tragicômico!
    Forte abraço.
    Atenciosamente.

  7. Gostei da leitura . Reflete bem as causas . Onde foi que eu errei?
    A resposta , na minha modesta opinião, é o artigo em tela.
    Acho , com todo respeito ao excelente escritor do artigo, que ele se resume na seguinte frase: Deixamos acontecer para , depois ver como vamos fazer.
    Parabéns.

  8. E os segredinhos, não tão secretos, começam a aparecer.: “Juízes do Rio recebeiam extra para fazer audiência de custódia”.
    As famigeradas audiências que, entre outras coisas, já liberou um “suspeito” que portava fuzil na cara dos PMs que o prenderam, significava 9,6 mil A MAIS no salário dos felizardos e escravizados juízes que as faziam. Apesar de ser atribuição de juízes….julgar.

  9. O General Braga conhece a violência do Rio ! O seu irmão que era da Marinha foi assassinado na ponte Rio /Niteroi durante aquele lindo período pacífico , em 1980 …..

  10. Tinha um amigo que me dizia há uns quatro anos atrás, leia Gramsci e vc vai ver onde a petralhada quer chegar. Eu olhava para ele e pensava, não sabe nada, as coisas não são tão claras assim. Hoje, acho que o ignorante na época era eu querendo teorizar o simples. Estes comunistas buscaram sua ideologia em Gramsci e o objetivo é acabar com qualquer resquício de democracia. A Venezuela é o retrato das teorias deste jornalista italiano que não passava de um psicopata.

  11. Lula, antes de ser presidente fazia discursos de esquerda, nacionalista.. Depois de eleito, descobriu-se que era tudo mentira, traiu os trabalhadores.
    Reitero o que já disse: entre os políticos brasileiros, não vejo nenhum de esquerda e muito menos comunistas, são todos oportunistas.
    No meu entender, os últimos políticos brasileiros de expressão, da esquerda democrática, ou representantes da social democracia.foi Leonel Brizola e Darcy Ribeiro.
    Para combater a criminalidade com eficiência, muita coisa tem que ser revista: A progressão da pena, por bom comportamento ( bom comportamento é obrigação do detento). fica claro, que a pena dada pelo juiz é para inglês ver. Mudanças no Código Penal: e no Processo do Código Penal. Mudanças no sistema carcerário em que detento tem que trabalhar, com isso acabaria com várias mazelas existentes nos presídios. O usuário de droga primário seria preso e levado a uma clinica pública, cumpriria uma pena de alguns meses para tratamento, se reincidente a pena dobraria para tratamento. Na verdade os usuários de drogas são tão responsáveis pelos crimes do narcotráfico quanto os traficantes, um não vive sem o outro.
    .

  12. O Sr.Percival, como sempre, direto e objetivo: doutrinação amaldiçoada de esquerda nos cursos de direito, no legislativo e no judiciário, visão romântica e humanitária da bandidagem, eis o resultado!Cadeia é para castigar, para sofrer, ressocialização é balela, vagabundo deve ser tratado como o que é, lixo, escória da sociedade, o meliante recebe condenação de no máximo 15 anos por tráfico, cumpre apenas 5, sai com peito estufado dizendo “paguei minha dívida com a sociedade, sou um oprimido”, semi-aberto, saidinha no dia das mães, dos pais, das crianças, natal e ano novo em casa, visita íntima, progressão de regime, redução da pena, 3 dias trabalhados, menos um em cana, pasmem, leitura reduz sentença, o recado é claro:o crime compensa!Bandidos bom é bandido morto, preferencialmente enterrados em pé, coberto com 100 kgs de cal, para dissolver rapidamente os ossos!

    • O SUS, durante o governo Cezar Maia, funcionava muito bem, o paciente era atendido pelo medico no mesmo dia, ou no dia seguinte. Hoje recorre ao SUS é perda de tempo, o paciente leva meses para ser atendido.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *