Itamaraty tenta decifrar o enredo de Bolsonaro no caso da Embaixada nos EUA

Imagem relacionada

O chanceler informal e o oficial depois trocariam suas posições

Deu na Coluna do Estadão

Dentre as muitas teses a circular no Itamaraty, uma vem ganhando mais adeptos: o gesto de Jair Bolsonaro para emplacar seu filho Eduardo na embaixada de Washington é uma forma de o deputado ocupar futuramente o cargo de chanceler (caso uma eventual nomeação dessa natureza não seja vetada pela Justiça sob argumento de nepotismo).

O pai estaria apostando no filho que, neste momento ao menos, tem mais potencial. Afinal, Flávio se vê às voltas com a investigação de seu ex-assessor Fabrício Queiroz, e Carlos comprou muitas brigas.

TROCA-TROCA – A narrativa da tese é simples: manter o deputado federal no prestigiado posto por um ano e meio ou dois e, depois, fazer uma troca com Ernesto Araújo: Eduardo vira ministro e Ernesto, embaixador nos EUA.

A troca não seria, necessariamente, um “downgrade” para o atual ministro. Ele já garantiria um posto num patamar elevado. E, mesmo que o próximo presidente não seja bolsonarista, ficaria já nesse rol do mais alto nível de embaixadores do País.

Por fim, o movimento fortaleceria Eduardo Bolsonaro para liderar uma frente conservadora em candidaturas majoritárias, assim como Jean-Marie Le Pen fez com sua filha Marine na França, compara um embaixador.

Ô ABRE-ALAS… – O Palácio do Planalto já começou a abrir os caminhos para Eduardo Bolsonaro no Senado. Na quinta-feira, o ministro Augusto Heleno foi ao gabinete de Nelsinho Trad (PSD-MS), presidente da Comissão de Relações Exteriores, que analisa as indicações.

Na mesma tarde, Trad foi recebido no Planalto pelo ministro da Secretaria de Governo, Luiz Ramos.

E o deboche rolou solto nos grupos de diplomatas. Uma das piadas dizia: pela “lógica” dos Bolsonaros, eu já posso ser embaixador no Japão. Faço sushi e ikebana…

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOGA explicação é excelente, mas, a ser verdadeira, seria pior do que nepotismo. Significaria o mau uso do Estado para fins políticos e eleitorais. Um comportamento verdadeiramente medieval e inaceitável. (C.N.)

9 thoughts on “Itamaraty tenta decifrar o enredo de Bolsonaro no caso da Embaixada nos EUA

  1. Sou contra essa indicação, mas começo a perceber o gargarejo medonho por trás dessa cuanga. O Itamarati é um feudo esquerdista.

    Notícia para aqueles que defendem que apenas diplomatas de carreira ocupem embaixadas, achando que todo o Itamaraty é composto por clones do Barão de Rio Branco:
    Só para conhecimento, o nome da turma que se formou no Itamaraty em 2018 se chama Marielle Franco.‬ ‪Leiam o discurso da paraninfa da turma, a embaixadora Thereza Maria Machado Quintela, é uma aula de militância na terceira idade para os novos diplomatas que representarão o Brasil pelo mundo:.”

  2. Paixão ou loucura pelos EUA ? “OS EUA É BOM, MAS VIVER LÁ É UMA MERDA, o Brasil é uma merda, mas viver aqui é bom, é o que dizia o saudoso Tom Jobim. É o boi sonso que vara a cerca, e porteira que passa um “boi sonso” passa uma boiada inteira, como já diziam os mais antigos. Penso que vocês estão sendo rigorosos demais com o Bolsonaro. Há precedentes ainda piores registrados nos anais da história da humanidade. Lembre-se de Calígula ( o monstro que a sociedade romana esculpiu), que nomeou para Senador de Roma o seu próprio Cavalo, o famigerado Incitatus. Bolsonaro, afinal de contas, está nomeando para o cargo de embaixador nos EUA o seu próprio filho, que não é nenhum Incitatus, mas, isto sim, um Deputado Federal, eleito pelo Estado de S. Paulo ( o supostamente mais desenvolvido da federação), por milhares de votos paulistas. Tem mais jeito não, a titica já está feita, bem feita e estabelecida, e agora só nos resta comer a titica alheia, o que é pior. Desconfio, e desconfiar não é crime, que estamos todos à mercê de uma mega quadrilha internacional chefiada por Trump, cheia de bon$ propósito$. Estive pensando na sentença dos bolsonarianos contra os contras: “NÃO ESTÁ BOM AQUI, VAI PRA CUBA”, e cheguei à conclusão de que se o Bolsonaro não fosse apenas um falastrão, que na verdade morre de medo do STF, da Câmara do Rodrigo Maia e do Senado, como castigo por ser contra, ele me nomearia embaixador do Brasil em Cuba, já que lá é tão ruim como eles dizem, afinal de contas não sou inimigo dos Castros e lá poderia ajudar a viabilizar bons negócios para o Brasil e os irmãos brasileiros. https://josiasdesouza.blogosfera.uol.com.br/2019/07/11/filho-de-bolsonaro-em-embaixada-e-um-erro-triplo/?fbclid=IwAR2yVSGnyPfGj2Ce-Ra-tAriUuSEAsPWsjntd817Qp74H4oeE-5cX5_Bo9A

  3. Itamaraty tenta decifrar o enredo de Bolsonaro no caso da Embaixada nos EUA:
    AGIOTA, ATRAVESSADOR, GRILEIRO, OFERECER BASE MILITAR AMERICANA EM SOLO BRASILEIRO, COM ÁGIO, PEDÁGIO, VIA CAIXA 2, NA MALA, OU CASH NA CUECA.

    • Concordo, seu Antônio – nada foi mais nocivo ao país do que a desadministração petista. Essa raça vermelha deveria ser extinta se a lei protegesse os homens de bem e nos permitisse executar todos eles em praça pública. Mas não é o caso e não quero estimular violências…
      Mas convenhamos, o Bolsonaro está demonstrando ser muito primário no seu comportamento. Primeiro, provavelmente para agradar a esposa, enche a bola da raça evangelista que não fica muito longe do petismo em termos de exploração humana (a Record e o seu Bispo Massante, é um bom exemplo).
      Agora, me vem com um nepotismo que envergonha até mula sem cabeça. Aí não dá, né? Vou votar nele ou em qualquer um da sua familia no futuro? Não mesmo!

  4. Vi num vídeo de Olavo de carvalho em que ele se diz contra o Eduardo Bolsonaro sair do congresso para ser embaixador.

    De fato, e eu já disse aqui muito antes, que o Eduardo vai perder visibilidade com esse cargo, que é burocrata e para levar recados de seus governos, isto sem falar que ele não poderá manifestar suas opiniões políticas.
    Ou seja, vai perder a conexão com o povão que o elegeu.

    • “Conexão com o Povao que o elegeu”

      Tá sacanagem, né não? Qual político tem “conexão com o povo?”

      Se ele está pensado em ser embaixador e ir para os EUA é porque o tal Povao, para ele, não existe, bolsoalienado.

      Assim como o pai malandro, esse aí só pensa em si mesmo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *