Janot devia mandar prender logo o procurador pilantra que o assessorava

Resultado de imagem para marcelo miller

Miller traiu a Procuradoria e deixou Janot mal

Carlos Newton

Nos últimos dois meses, a chamada “Operação Abafa” fez um esforço extraordinário para destruir a honra do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, com o objetivo de desmerecer todo o trabalho do Ministério Público Federal, visando a inviabilizar a fase final da Lava Jato, exatamente como aconteceu na Itália com a famosa Operação Mão Limpas (“Mani Pulite”). Enquanto a Lava investia contra o PT e partidos aliados, como o PP, foram aplausos gerais. Depois que passou a incriminar caciques do PMDB e do PSDB, a Lavo Jato se viu submetida a uma campanha implacável, desfechada simultaneamente pelo Planalto, pela cúpula do Congresso e por integrantes do Supremo Tribunal Federal, conforme o ministro Luís Roberto Barroso tem denunciado incansavelmente.

Por ironia do destino, o mais bem sucedido ataque a Janot acabou sendo feito pela Polícia Federal, ao recuperar gravações que o empresário Joesley Batista tinha feito e mandado apagar. E um dos áudios incrimina justamente o ex-procurador Marcelo Miller, que era assessor do próprio Janot e abandonou a carreira para ser advogado de um escritório que defendia a JBS, vejam a que ponto chega a desfaçatez dessa gente.

FALSO PROCURADOR – Embora tenha sido aprovado em concurso público, Marcelo Miller se revelou um falso procurador, pois traiu a corporação em troca dos velhos “30 dinheiros”. Já se sabia que era pilantra, porque se demitiu do cobiçadíssimo cargo de procurador da República e nem cumpriu o prazo legal de quarentena, foi logo se incorporando à equipe de advogados (escritório Trench, Rossi e Watanabe), que negociava o acordo de leniência da JBS), vejam que Miller tinha mesmo vocação para trocar de lado e passar a servir ao mundo do crime, sob o manto sagrado da advocacia.

Um dos trechos da gravação de quatro horas – que Joesley Batista mandou apagar e foi recuperado pela Perícia da Polícia Federal – era uma conversa entre o controlador da JBS e seu braço direito no esquema de corrupção, o executivo Ricardo Saud. E o diálogo comprova que o então procurador Marcelo Miller tinha sido cooptado pelo grupo empresarial.

ANIMAÇÃO NO PLANALTO – A entrevista de Janot, anunciando investigações, foi comemorada no Planalto, cujos locatários logo pensaram que a delação de Joesley será automaticamente anulada, para isentar Temer e o resto da quadrilha, mas não é bem assim, o rolo-compressor da Justiça continuará investindo contra eles, que não conseguirão se livrar da Lava Jato.

Mas haverá novidades, é claro. Antes de sair, Janot deveria aproveitar o embalo e decretar logo a prisão de seu ex-assessor Marcelo Miller, que largou o Ministério Público para trabalhar no lado podre da advocacia, aquele que enriquece mantendo a impunidade dos criminosos de colarinho branco. Se mandar prender esse pilantra, Janot mostrará que realmente todos estão ficando iguais perante a lei, neste país. Mas se Miller continuar em liberdade, isto é sinal de que muita coisa ainda precisa mudar aqui na Carnavália, em matéria de Justiça.

###
P. S. – Em todo esse imbroglio, o mais importante será saber quais são os ministros do Supremo que estariam no bolso de Joesley Batista, se é que isto é verdade. Façam suas apostas.  (C.N.)

13 thoughts on “Janot devia mandar prender logo o procurador pilantra que o assessorava

    • Gratíssimo pela correção, Luiz Moreira Britto, às vezes não sei onde está minha cabeça (no bom sentido…).

      Já corrigi o enlouquecido texto.

      Forte abraço,

      CN

  1. O que está sendo revelado, nós já sabíamos e apenas esperávamos o desenrolar dos fatos para desmascarar o lulo-dilmo-petralha Dr. Janot, que combinou, através de seu auxiliar direto, uma forma de salvar o molusco e o poste e incriminar os “golpistas”. O tiro saiu pela culatra, porque não contavam com a burrice dos açougueiros. Chupa essa, de novo, petralhada. Quase deu certo, heim? Fazer do Brasil uma Venezuela e, posteriormente, uma Coreia do Norte. Mas, a nossa sorte é que vocês são um bando de aloprados. Fizeram, às nossas custas, os açougueiros ficarem bilionários, para extraírem as riquezas da Nação. Todos vocês vão dar de cara com a merda. O Brasil estará a salvo de vocês.

    • Então tá. Então é só a “petralhada” o mega câncer da nação. Isso tb parece papo de bandido. A direitalha, ladra, que rouba este país e sangra este povo há 517 anos, que prostituiu tb os petistas fisiológicos, mercenários e idiotas é santa, né ? O pega agora tem que ser pra capar geral. O lado podre da sociedade não pode mais continuar dando as cartas e jogando de mão.

        • Não vejo como “petista canceroso”, a sua própria expressão já mostra que sua análise é cheia de ódio e ideologia, o que o deixa sem condições de uma análise lúcida e imparcial, baseada numa realidade que conhecemos, sabemos que a corrupção é endêmica e precisa ser extirpado da sociedade, o que não acredito sem que aja uma ruptura, mas discordar utilizando palavras como “petralha”, “coxinha” e adjetivos afins, mostra falta de capacidade de raciocínio diante de um quadro muito mais complexo.

  2. O Janot não é doido. O Miller pode também querer fazer a sua delação particular e ai, como é que ficamos? Ou não ficamos? A prudência é a mãe das sabedorias.

  3. Newton, uma coisa me intriga: Qual a razão de Temer logo assim que Janot o acusou, ter dito que Marcelo saira do cargo de procurador direto para o escritório de advodados de Joesley. Estaria Marcelo Miller a serviço de Temer? E qual a razão de em determinado momento ao ser procurado pela imprensa Marcelo ter dito que só se pronunciaria na justiça? Marcelo já sabia por antecedência que sua atuação ia parar na justiça? Lógico que estou tateando. Mas esses fatos aconteceram. Como você vê esses fatos. Da para você decodificá-los?

    • Como sempre, Aquino, você está no caminho certo. Como diz o ditado, não há santos na Terra. Existem pessoas sem caráter em todas as corporações. Na Procuradoria e na AGU, sabia-se que existiam (e existem) elementos fazendo o jogo de Temer e dos corruptos, na tentativa de inviabilizar a Lava Jato. Este tipo de gente pode estar de um lado e depois passar para o outro, depende de quem der mais. É igual a leilão.

      Abs.

      CN

      • Sempre achei que as delações do Machado e dos Batistas tinham também o objetivo de desacreditar a lava-jato, além de atacar desafetos. Porém acho pouco provável que o Miller tenha jogado deliberadamente sua carreira de procurador e agora de advogado no lixo. Para mim eles vacilaram não acreditando que a PF pudesse recuperar as gravações apagadas. Ao perceberem que tudo ia cair na mão da Dodge, decidiram entregar a gravação e combinaram com o Bonner que escondeu no JN a informação de que a PF tinha recuperado os áudios. A presa é inimiga da perfeição já diz o ditado.

  4. Lembrem-se que muitos casos “escabrosos” no Brasil são “resolvidos” com a conivência de quem tem a incumbência de de esclarecê-los: simplesmente aprontam alguma lambança e o processo se arrasta por décadas e ninguém é punido.
    Geralmente essa pessoa (Delegado, Desembargador, Juiz, Procurador ou Ministro) é escolhida a dedo, justamente para fazer ou deixar fazer o que se fez agora.
    Não existem inocentes nessa história.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *