Juiz Moro deveria ter recusado com ênfase o convite eleitoreiro de Alvaro Dias

Resultado de imagem para moro e alvaro dias

Alvaro Dias diz usar o juiz Moro para atrair eleitores

Jorge Béja

 A respeito do suposto convite feito pelo candidato Alvaro Dias (Podemos) ao juiz Sérgio Moro para ocupar o Ministério da Justiça, em caso de vitória eleitoral, o magistrado emitiu uma nota dizendo que não pretendia se manifestar, mas tanto já constitui manifestação. E manifestação que deixa uma ponta de decepção, ainda mais porque no texto o juiz escreveu que não se manifestaria “no momento”, o que supõe entender que se fosse em outro momento…

Mas, queira ou não queira, o Dr. Moro já se manifestou. A simples declaração de que não pode se manifestar já é manifestação. O correto seria o juiz negar desde logo o convite (manifestação negativa e nunca manifestação vaga e duvidosa), se Álvaro Dias vencer e ratificar a promessa de chamar Sérgio Moro para ser ministro da Justiça.

NÃO FICA BEM – Deixar para outra oportunidade (e não neste momento) não fica bem para um juiz que está investido na competência para julgar os réus da Lava Jato e outras operações congêneres ou dela derivadas.

Sobre a pessoa do juiz Sérgio Moro não pode pairar dúvida. E a manifestação dele deixa dúvida, a ser dissipada, esclarecida, explicada, elucidada em outra ocasião, como ele próprio escreveu e, não, no momento, como diz o juiz na nota à imprensa.

Moro deveria ter sido enérgico, sem ferir a susceptibilidade de ninguém. E o tom enérgico exigiria que Moro emitisse nota informando que o convite foi ato pessoal, unilateral e subjetivo do candidato, sem que ele — Moro — tivesse anterior conhecimento.

JUIZ ATÉ O FIM – Na mesma nota, seria oportuno e muito bem visto se Moro dissesse (ou antecipasse) que é juiz por vocação e magistrado será até a sua aposentação. Pronto, seria o suficiente para que nenhum candidato, aproveitando o respeito e admiração que o povo brasileiro lhe devota, fizesse promessa de convidar o juiz Sérgio Moro para ocupar cargo no Poder Executivo do governo federal ou usasse o nome do juiz com referência de apoio à sua campanha.

Assim como ficou, a nota do juiz Moro deixa entender que chega até a ser possível ele aceitar o convite (dependeria do momento), o que seria um retrocesso na vida do magistrado. E vai aqui uma pergunta: quem autorizou o candidato Álvaro Dias a dizer que vai convidar o juiz Sérgio Moro para ser o seu ministro da Justiça, caso vença o pleito presidencial?

33 thoughts on “Juiz Moro deveria ter recusado com ênfase o convite eleitoreiro de Alvaro Dias

  1. Prezado doutor Béja:

    E é bom que não nos esqueçamos daquela foto inapropriada, para dizer o mínimo, na qual ele se diverte com suspeitíssimos personagens, todos investigados pela Justiça…

    Saudações,
    Carlos Cazé.

    • A inveja é considerada um dos Sete Pecados Capitais segundo a Igreja Católica Romana. No livro Genesis a inveja é tida como o que motivou Cain a matar seu irmão Abel.
      Como não tenho religião, graças a Deus, sempre vi a inveja, do ponto de vista moral, como uma expressão de fraqueza do ser humano.
      Os ataques ao juiz Moro, frequentes nos juizes inúteis do STF, nos canalhas políticos ou mesmo naqueles cujo objetivo é o perfeccionismo do ser humano, não
      passam de tentativa de destruir uma personalidade única em nosso país.
      Sejamos mais respeitosos com o povo respeitando aqueles que o defende.
      Envy is a capital sin!

      • Como só nhavia Cain e Abel, houve algum trans ? O Novo Testamento sumiu com a Lilithe por que ? Um Genesis geneticamente inexplicável ….

  2. A nota do Juiz Sérgio Moro foi perfeita e na medida, pois neutralizou o uso eleitoreiro do candidato Álvaro Dias de forma elegante e equidistante da seara política.

    Parabéns Juiz Sérgio Moro!

  3. Deus meu! O Juiz Sérgio Moro precisa se
    relacionar!Meu coraççao diz que ele é uma pessoa íntegra.

    A seguir Mario Quintana fala sobre a Arte de viver:
    “A arte de viver é simplesmente a arte de CONVIVER…..
    Simplesmente disse eu??
    Mas como é difícil.”

  4. Situação delicada do juiz Moro. Se ficasse calado seria criticado, claro. Se manifesta há este viés de interpretação. O dr. Béja – observem, agora vou tentar interpretá-lo – é admirador do juiz e por isto não quer que paire absolutamente qualquer névoa sobre sua imparcialidade.
    Moro humano eventualmente?! sofre críticas, mas é referência no meio jurídico e fora dele.
    O Brasil agradece.

  5. Muito pelo, pouco ovo, se o Juiz estivesse atras de cargos, ele que não é burro como já sabemos, teria ido direto ao cargo de maior relevância, se candidataria ao cargo de presidente, onde com certeza teria grande chance de chegar ao 2º turno.
    Os olhos mostram tudo, mas vemos o que nos convêm. Ademais não é a primeira vez que um politico cita seu nome para uma indicação tentando assim pegar carona em sua fama, mas isso é pratica corrente dessa crasse, então novamente o Juiz não tem culpa de nada e não deve nada a ninguém.

  6. Béja forçou a declaração de Moro.
    É ler demais dentro do que o juiz disse.
    Mais a mais, ‘autorização’ para político dizer o que quer ou o que deseja?

    Político pela própria natureza diz e fala o que lhe vier na telha. Que morda a isca quem assim o desejar.

    • Concordo plenamente. O Moro foi juridicamente perfeito. Se ele dissesse NÃO estaria gerando especulação de que tem posição partidária. Dizer que no momento não tem nada a declarar é óbvio pois o mundo é dinâmico. O Dr. Béja forçou muito na interpretação.

  7. Beja, bom dia!

    Deixe de lado seu petismo , e vá se preocupar com coisas que te dizem respeito, pois você é um homem íntegro e inteligente, portanto deixe o Moro em paz, e mire sua artilharia no luiz inácio que assim estará trabalhando para o bem do Brasil.

    Abraço.

  8. Não basta ser um juiz diferenciado (e nem estou dizendo excepcional), tem de ser perfeito, num mundo imperfeito e num meio conspurcado, inundado de lixo.

    Num mundo e num país sem quase exemplos positivos, Moro serve de bom exemplo para muitos. Certamente é odiado por aqueles que desejam justiça só para seus inimigos. Para os amigos às benesses!

    Fallavena

    • É incrível como deixam o reprovado Tóffoli em paz. Incapaz de passar em concurso para juiz e a mídia evita criticá-lo com veemência. É petista confesso pois trabalhou anos para o partido de carteira assinada, mas nunca citam a sua possível parcialidade.
      O Brasil precisa de um desfibrilador para sair do infarto e poder entrar na UTI. Aí então começa a recuperação. Antes disso esqueçam.

  9. Dr. Jorge Béja admiro seus textos e seu conhecimento, mas neste caso eu ouvi várias vezes o presidenciável Álvaro Dias dizer que era um convite público a Sérgio Moro, que não havia conversado com ele. Entendo como um ato aproveitador e político do Senador, que embora possa não ter soado bem pela insistência, pode ter rendido alguns votos a ele, pela admiração que o povo tem pelo juiz.
    E quanto ao juiz não ter recusado de pronto, e na sua opinião, porque aceitar seria um retrocesso em sua carreira, com todo respeito, acho que compete só a ele decidir isto.
    E outra indagação é: qual dos outros candidatos defende a lava jato não só de boca mas teve projetos para fortalecer a lava jato, como o fim do Foro Privilegiado por exemplo?
    Não que isto lhe dê autoridade para se dizer o candidato da lava jato, mas é claro que ele iria tirar casquinha disso.

  10. Quem fez o discurso do convite foi o senador, ele é que tem que ser cobrado. Provavelmente eles até sejam próximos, são da mesma região, o juiz Moro é um ser humano, tem vida social, não é uma vestal, obrigado a viver num Olimpo sagrado pra provar sua integridade.

    É também cidadão e eleitor, talvez vote no próprio senador, pela proximidade. E este, sabendo disso, talvez tenha se sentido com liberdade para fazer o convite de público. Tentando, é claro, faturar em cima da popularidade e do prestígio do juiz, essas coisas da política que a gente conhece bem, as quais toda pessoa pública está sujeita. E sobre as quais não tem controle, muitas vezes.

    Acho até que o senador poderia ter expresso o desejo de convidar o juiz para um projeto. Totalmente inadequado, a meu ver, foi fazer disso um mote de campanha, repetido quase como um slogan, com o objetivo explícito de angariar votos para si. Ao juiz não restava outra saída a não ser fazer o que fez, dizendo simplesmente o que disse, em outras palavras: não tenho nada a ver com isso. E ponto final.

  11. O juiz Sérgio Moro fez bem, para não ser tomado com mal educado, fez de conta que não ouviu a puxada de saco do Álvaro. Aqueles que não gostaram da não negativa do juiz é porque ele não lhes é simpático, aí caem de pau no moço, mas ele está bem na fita e, não é só no Brasil. A inveja mata.

  12. Considero injusta e até absurda, a afirmação postada acima que o dr.Béja é petista!

    Ou porque jamais leram a quantidade de artigos e comentários postados pelo eminente advogado ou percebo má vontade com o articulista!

    E me expresso dessa maneira porque ser petista hoje em dia é ser mal visto, é ser cúmplice de ladrões, participar de uma organização criminosa, logo, o dr. Béja sendo uma pessoa de bem, honesta, humanista, decente, competente na sua profissão, um advogado conhecido nacional e internacionalmente, jamais iria optar pelo PT, e digo isso com sinceridade e convicção!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *