Lava Jato aponta apartamento de luxo em SP como indício da ligação entre verba da Oi e família de Lula

Apartamento ocupa sozinho um andar em área nobre de SP

José Marques
Estadão

Além do sítio de Atibaia (SP), um apartamento de 335 m² em região nobre da Zona Sul de São Paulo é apontado pela Lava Jato como um dos principais indícios de que o empresário Jonas Suassuna usou dinheiro de contratos com a Oi para beneficiar a família do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Comprado por Suassuna em 2009 por R$ 3 milhões (R$ 1,9 milhão de entrada, e o resto parcelado), o imóvel foi reformado e mobiliado por ele ao custo de, segundo estimativa da Polícia Federal, ao menos R$ 1,6 milhão. Foram colocados revestimentos de piso e de parede, forro de gesso, condicionadores de ar e armários planejados.

ANDAR INTEIRO – Alugado em 2013 por Fábio Luís Lula da Silva, o Lulinha, o apartamento ocupa sozinho o 23º andar de um dos dois edifícios do condomínio Hemisphere. Ele tem três suítes (uma master e duas de tamanho padrão), terraço gourmet, escritório, cozinha, sala de estar e de almoço.

Suassuna também é dono de parte do sítio usado por Lula. A PF desconfia que tanto o apartamento quanto o terreno em Atibaia foram comprados com dinheiro de contratos comerciais feitos sem lógica econômica, uma fachada para dar aparência legal às transferências.

ALETHEIA – Em 2016, durante a 24ª fase da Lava Jato, batizada de Aletheia, que investigou Lula, o apartamento foi alvo de busca e apreensão. Informações obtidas a partir daquela operação foram usadas para justificar as ações da Mapa da Mina, fase deflagrada na última terça-feira (10), que tem Lulinha como principal alvo.

Apesar de ter comprado o imóvel, antes de escolher a planta do apartamento Suassuna mandou um email sobre o assunto a Lulinha. A PF suspeita que essa decisão tenha partido do filho de Lula.

ELETRODOMÉSTICOS – Há suspeita também de que eletrodomésticos usados por Lulinha tenham sido comprados pelo dono do apartamento e também por Kalil e Fernando Bittar —que também é dono do sítio de Atibaia.

“Seguem os orçamentos dos produtos escolhidos pelo Fabio e esposa. Preciso transformá-los em pedido e negociar com você a forma de pagamento e desconto”, diz um email enviado a Kalil em outubro de 2013, acessado após busca e apreensão da PF.

Na residência foram periciados eletrodomésticos, como forno elétrico, refrigerador de quatro portas, adega climatizada, lavadora e secadora, refrigerador de cervejas, televisão e equipamentos de áudio e vídeo. À época, eles tinham custo de R$ 130 mil.

ALTO PADRÃO – O imóvel é descrito pela PF como “um residencial de alto padrão” que “possui localização privilegiada, com predomínio de imóveis residenciais”. Já o condomínio Hemisphere “possui ampla estrutura de lazer, dispondo de academia, lounge, quadra poliesportiva, piscinas coberta e descoberta, sala de recreação, dentre outros ambientes”.

Lulinha alugou o imóvel por R$ 15 mil mensais. A perícia da Receita diz que um imóvel similar na região, mobiliado, custava R$ 40 mil mensais. Além disso, quebra de sigilo bancário apontou que de outubro de 2013, quando Lulinha alugou o apartamento, a fevereiro de 2016, pouco antes da deflagração da Aletheia, só houve 13 dos 28 pagamentos que deveriam ter sido feitos ao longo do período.

MORADIA DE LULINHA – “Há indícios de que esse imóvel possa ter sido adquirido com a finalidade específica de servir de moradia depois para Fábio Luís Lula da Silva”, disse o procurador Roberson Pozzobon na última terça, após a operação. “É muito semelhante ao que aconteceu também no sítio de Atibaia.”

Ele aponta a proximidade das datas das compras: o sítio de Atibaia foi comprado em outubro de 2010. As duas condenações do ex-presidente Lula na Lava Jato, até agora, são relacionadas a reformas em imóveis atribuídos a ele: o tríplex em Guarujá (SP), que levou à sua prisão, e o sítio. O petista sempre negou que tivesse cometido qualquer irregularidade.

MENOS DE 1%  – Como apontado pela Folha, o valor de compra do sítio de Atibaia representa menos de 1% do total de repasses suspeitos investigados pela Lava Jato na fase que investiga Lulinha. O imóvel, porém, é o elo para que o caso seja apurado pela força-tarefa de Curitiba.

A investigação é diretamente vinculada à que originou o processo que condenou Lula por corrupção e lavagem de dinheiro e aponta que o petista foi o principal beneficiado com a compra e obras no sítio.

Uma das evidências é que vários produtos criados pelas empresas de Lulinha e Suassuna não obtiveram resultado comercial relevante, como a “Bíblia na Voz de Cid Moreira”. A Oi teve uma receita de R$ 21 mil com a comercialização do produto, mas repassou R$ 16 milhões à Goal Discos, de Jonas Suassuna, pelo serviço.

PROVAS – A força-tarefa da Lava Jato tem elencado, além do sítio, outros fatores para que a investigação sobre o caso seja tocada por Curitiba, como a utilização de “dezenas de provas obtidas ao longo da operação”, em buscas e apreensões, quebras de sigilo e inquéritos policiais.

A força-tarefa também argumenta que uma agência de publicidade que fez pagamentos à empresa de Lulinha e Suassuna, a PPR Profissionais de Publicidade, teve atuação também junto à Petrobras, que é o foco da Lava Jato no Paraná, além de ter feito pagamentos a firmas do operador financeiro Adir Assad, hoje delator.

ANULAÇÃO – Na sexta-feira, dia 13, a defesa de Lulinha pediu ao Tribunal Regional Federal da 4ª Região que retire a investigação da vara federal de Curitiba e anule a decisão. Eles afirmam que “nada há na fase 69ª da Operação Lava Jato que aponte algum mínimo resquício de fraude ou desvio na Petrobras”.

Lula tem negado ter cometido qualquer irregularidade e disse nas redes sociais que a operação que investiga seu filho é uma “demonstração pirotécnica de procuradores viciados em holofotes”.

5 thoughts on “Lava Jato aponta apartamento de luxo em SP como indício da ligação entre verba da Oi e família de Lula

  1. “Há muito tempo que a esquerda perdeu o mapa do Brasil.

    Segundo o Datafolha, 81% da população acha que a Lava Jato deve prosseguir. O número é levemente menor do que o apurado em abril de 2018, 84%.
    Mesmo entre os que votaram no Haddad, 75% acha que a operação deve continuar. E 76%, entre os eleitores com renda familiar de até dois salários mínimos.
    O tema ainda é muito relevante, já que para 57% a corrupção continuará na mesma proporção ou deverá aumentar. Isso explica porque o Sergio Moro, com uma avaliação ótima e boa de 53%, é o ministro mais popular do Bolsonaro, mesmo depois das revelações do Intercept. E o Bolsonaro, apesar da extensa folha corrida, vai faturando sozinho esse discurso.
    Mas para a esquerda, a Lava Jato serviu apenas para legitimar o golpe contra a Dilma e prender o Lula. E a questão da corrupção é a névoa produzida pela direita e pela mídia que encobre o verdadeiro problema do país: a desigualdade.
    A outra onda que o Moro surfa sozinho é a do combate à criminalidade, que é um tema que afeta diretamente a vida das pessoas. A receita do governo é a ampliação do punitivismo penal expresso no pacote que o ex-juiz enviou ao Congresso.
    Qual a proposta alternativa da esquerda? Nenhuma né, e o Freixo, PSOL, que trabalhou duramente para tirar do pacote o excludente de ilicitude e o “plea bargain” foi devorado vivo pelos companheiros do próprio partido. Vale lembrar que os índices de criminalidade estão apresentando sensível redução, e quem vai faturar isso? O Bolsonaro, né?
    Ontem, foi aprovado o texto base do projeto que moderniza o marco regulatório do saneamento, abrindo espaço para maior participação da iniciativa privada. A esquerda tem se posicionado contra o projeto, mesmo o Brasil tendo 100 milhões de brasileiros sem acesso ao saneamento básico (descalabro que atravessou os governos petistas). Qual a alternativa proposta pela esquerda para melhorar o status quo? Nenhuma né.
    Daí você lê que o TSE aprovou mais um partido, o Unidade Popular, que se orienta pelos “princípios e pela teoria do socialismo científico”, desenvolvida por Karl Marx e Friedrich Engels no século XIX, e que vai implementar o “controle social da economia”, vai lutar pelo “fim da espoliação imperialista sobre a economia nacional”, pela estatização de “todos os meios de transporte coletivo”, e o “fim do monopólio privado sobre a terra”.
    E lê, também, que o vereador do PSOL, Brizola Neto, apresentou uma Moção de Louvor e Reconhecimento ao capo da Coréia do Norte, pela luta em prol da paz mundial. E que o PT e o PSB apoiaram a elevação do Fundo Eleitoral para R$ 3,8 bilhões.
    E que a Operação Mapa da Mina revelou que a Oi transferiu quase R$ 200 milhões para a empresa em que o filho do Lula é sócio e que os demais sócios são os proprietários do sítio dos pedalinhos, que foi emprestado para uso da família do presidente e que foi reformado pelas empreiteiras Odebrecht e OAS.
    Acho que comecei o post errado. A questão não é apenas que a esquerda partidária perdeu o mapa do Brasil. Perdeu também o senso de ridículo que foi substituído por uma notável cara de pau.”

  2. O que diz o “quadrupede- mor petralha kkkkkk” para comentar mais esse braço do grande assalto que o Brasil sofreu pelas mãos fétidas do Maior Ladrão e Maior Traidor da Pátria Brasileira” ?????

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *