Macron participa de reunião sobre Amazônia nesta segunda-feira em NY

Resultado de imagem para macron

Em alta, Macron está na capa da “Time” desta semana

Deu no Correio Braziliense
(Agência France-Presse)

O presidente francês, Emmanuel Macron, participará na segunda-feira (23/9) de uma reunião sobre a Amazônia organizada em Nova York à margem da Assembleia geral da ONU, para mobilizar a comunidade internacional sobre o reflorestamento da região afetada por grandes incêndios.

Um dia depois de sua chegada, domingo à noite, a Nova York, o presidente francês lançará “um chamado à mobilização” para a floresta amazônica com os presidente chileno, Sebastián Piñera, e colombiano, Iván Duque, entre outros, informou o Palácio Eliseu nesta quinta-feira (19/9).

CONSENSUAL – Esta reunião, que se pretende que seja “consensual”, acontece após a que juntou no começo de setembro sete países da região na Colômbia, para proteger a maior floresta tropical do mundo, devastada por incêndios pelos quais o presidente Jair Bolsonaro foi muito criticado por Macron. Nenhum encontro está previsto entre os dois dirigentes em Nova York.

A França “também é um país amazônico”, informou o Eliseu, cujo território de ultramar da Guiana também tem uma vasta superfície amazônica.

Na segunda-feira, Macron participa ainda da Cúpula sobre o Clima organizada pela ONU, que não terá participação brasileira e será “a ocasião para afirmar nossa ambição climática”, completou a Presidência francesa.

REUNIÕES – Em Nova York, onde estão reunidos muitos dirigentes internacionais, o chefe de Estado francês tem tido uma série de reuniões bilaterais, especialmente com o americano Donald Trump e com o presidente da Autoridade palestina, Mahmud Abbas.

Ele discursará na terça-feira (24/9) na Assembleia Geral pela terceira vez desde o início de seu mandato. Macron tentará obter avanços sobre temas prioritários para a França, como a crise de segurança na região africana do Sahel e da Líbia, apoiando a ONU, que busca reiniciar as negociações entre os beligerantes.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG –
Ao que parece, a vingança do presidente Emmanuel Macron será maligna, como diria Bento Carneiro, o vampiro brasileiro criado por Chico Anysio. O presidente francês está em viés de alta e saiu na capa da Time desta semana. Com uma falta de habilidade absoluta, Bolsonaro arranjou um inimigo muito forte que vai dificultar as coisas para o Brasil. Em matéria de diplomacia, o Brasil já foi um gigante, mas agora voltou a ser um anão. (C.N.)

19 thoughts on “Macron participa de reunião sobre Amazônia nesta segunda-feira em NY

  1. Como diz o redator, Macron está em alta. Minha opinião é que ele sempre esteve, mas ficou mais conhecido na pátria-amada depois que o defensor da política ComCamRem do Meio-Ambiente o detratou.
    Só para dar crédito ao autor, a política ComCamRem (Comer menos, Cagar menos e Reproduzir menos) foi concebida pelo presidente brasileiro numa de suas mais brilhantes inspirações filosófico-científicas.
    Infelizmente nosso presidente-gênio não participará da cúpula do meio ambiente, mas emprestará sua criatividade e eloquência á salvação dos religiosos perseguidos por regimes absolutistas. Como haverá tempo de sobra na viagem, o nosso presidente-gênio tentará uma entrevista com o presidente Trump – é sempre bom reafirmar ao presidente Yankee que somos vassalos incondicionais e estamos prontos a baixar as calças sempre que for necessário.
    Maldito voto!

  2. O discurso ideológico de esquerda continua. Agora que o discurso de sindicatos e direitos do pobre caiu em desuso pois as pessoas acordaram para a realidade, usam o discurso ambientalista. Já ficou claro para todos que a ideologia esquerdopata só se importa com o dinheiro no bolso deles e com o poder central sem o contraditório. Tentarão de todas as formas manterem o discurso de vítimas.

  3. O francês poderia explicar ao mundo e principalmente aos defensores da Amazônia, como uma pantera negra foi capturada este final de semana em seu país, desfilando em telhado alheio…o bichano foi introduzido na fauna parisiense, para conservação da espécie? Ladrões e piratas, nada além, conservar para saquear, vendendo a peso de ouro na Zoropa!

  4. Seria interessante o presidente francês se preocupar menos com a Amazônia Brasileira e se preocupar mais com o povo e o ambiente da Amazônia Francesa (Guina) os quais estão bem desprezados

  5. Arauto dos países desenvolvidos.
    -Façam o que eu digo, mas não façam o que eu fiz e continuo fazendo desde a Revolução Industrial (1820-1840)…
    -Que moral tem Macron ou qualquer outro francês para falar de ecologia e de meio ambiente para o Brasil quando a FRANÇA é uma das POTÊNCIAS que já poluiu o meio-ambiente com radiação proveniente das explosões de mais de 210 (DUZENTOS E DEZ) testes nucleares?
    -Desses, 17 testes realizados no Saara Argelino e os outros 193 no Pacífico Sul. Onde estavam esses ecologistas quando os milhões de animais e de plantas foram FRITOS pela radiação?

    Recentemente os Estados Unidos e Coréia do Norte realizaram mais uma explosão nuclear, cada um.
    -Onde estavam esses ecologistas que não foram protestar na Casa Branca e em Pyongyang?
    -Por que não procuram salvar as florestas de coníferas da Rússia?
    -Ou internacionalizar as matas da Califórnia para protege-las dos incêndios anuais?

    Vê se esse tipo de gente tem espaço em país sério Só mesmo aqui, CASA DA MÃE JOANA, qualquer um se torna “especialista” e “dono da razão” e tem o seu palpite publicado nos grandes e corruptos jornais como se fosse COISA SÉRIA, mesmo sendo o Brasil até hoje uma nação de economia AGROPASTORIL, vendedora de produtos primários, que desconhece o uso em larga escala do carvão, da energia nuclear, que nunca iniciou nenhuma guerra mundial e mesmo sabendo que toda a EUROPA só detém 0,3% das suas florestas originais.

    Abraços.

    • Muito reveladoras as gafes do príncipe encantado da Macrônia descritas nesse link. Macron é no fundo um personagem saído dos romances de Ayn Rand, alguém para quem as outras pessoas não existem, não são seres carnais com problemas e dificuldades reais, são apenas abstrações que podem ser remodeladas à vontade ou dispensadas com um peteleco. Ele exibe o mesmo tipo de insensibilidade social de Mitt Romney, candidato republicano derrotado em 2012, que dizia que não se preocupava com os 47% dos americanos que não pagavam impostos por estarem na faixa de isenção (ou seja, pobres).

    • CN seu comentário precisa de tradução simultânea…Macron em alta? Candidatura a Piada do ano?
      Sair na capa do Time da esquerda caviar não significa nada…Macron está em baixa, foi desautorizado por Trump e a.Merkel sobre as queimadas e o prestígio dele está queimando na França onde vai mal.
      Como diria Bussunda conta outra

        • Há interpretações divergentes, é claro. Naturalmente que a mídia quer a todo custo salvar seu menino de ouro do neoliberalismo, mas isso não reflete necessariamente toda a opinião pública:

          “Quando a França retorna de suas longas férias de verão, os especialistas parecem concordar que o presidente em apuros do país está em ascensão – em casa e no exterior.

          “Júpiter está de volta”, declarou o blogueiro e tradutor de política francesa Art Goldhammer no final de agosto. “A reviravolta está começando”, disse Sophie Pedder, chefe do escritório da Economist em Paris . “Ele está levando o Ocidente”, trovejou Washington Post colunista Jennifer Rubin.

          O otimismo parece fluir de duas fontes: primeiro, o fato de a França conseguir sediar uma cúpula do G7 sem incidentes diplomáticos embaraçosos envolvendo os participantes – apesar do risco aumentado de colocar Donald Trump e Boris Johnson na mesma sala que outros líderes mundiais; segundo, o fato de ter sido um verão bastante calmo para Macron e seu gabinete em casa, como é geralmente o caso dos governos franceses.

          Essas são baixas para julgar o sucesso de qualquer presidência. Mas a conversa sobre um “retorno” também encobre a realidade simples: Emmanuel Macron continua sendo um presidente extremamente impopular, cujas sugestões de apoio foram mínimas na melhor das hipóteses. A mais generosa das pesquisas recentes, um estudo da Harris Interactive publicado na terça-feira passada, encontrou Macron com 43% de aprovação, três pontos acima de junho. Outra pesquisa recente o apontou com apenas 34%. Outro estudo , conduzido pela emissora de rádio pública da França, descobriu que apenas 25% consideram o registro de Macron como “positivo”.

          Mesmo tendo as opiniões mais tolerantes, Macron é um presidente com índices de aprovação semelhantes aos de Donald Trump. Se esse ponto nem sempre aparece na cobertura da imprensa sobre Macron, isso tem a ver com as origens de classe de seus críticos mais fervorosos. O presidente dos EUA é odiado por muitos grupos de pessoas, mas quase universalmente por liberais instruídos; o presidente francês é mais odiado pela classe trabalhadora.”
          https://jacobinmag.com/2019/09/emmanuel-macron-comeback-france-gilets-jaunes

  6. O nível do jornalismo brasileiro é tão ruim, que chega a ser desanimador a leitura de QQ artigo. Por que exaltar uma criatura como Macron ? A única coisa que o Presidente fez foi defender os interesses nacionais. Por que ignorar os interesses internacionais da UE na Amazônia?? A única coisa que a UE quer é o minério. Esses jornalistas são apátridas. Triste Brasil.

  7. Caro Newton,

    Saúde, Paz e Bem!

    As NRs suas e do ilustre Coppelli são esclarecedoras.

    Sem esgotar os temas, no meu humilde entendimento, o país já foi muito mais habilidoso no cenário internacional, conforme ressaltado nas pertinentes publicações da TI sobre Oswaldo Aranha e o Barão do Rio Branco, craques que enalteceram a atividade diplomática e o próprio país, posicionando-o com destaque na seara das relações internacionais.

    Gratíssimo e Forte Abraço!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *