MDB quer estabelecer um prazo fatal para Meirelles decolar sua candidatura

Decididamente, Meirelles está saindo mal na foto

Andreza Matais
Estadão

Dirigentes do MDB têm falado com mais frequência em abandonar a candidatura de Henrique Meirelles ao Palácio do Planalto caso ele não cresça nas pesquisas até a convenção do partido, que dever ocorrer entre o final de julho e o início de agosto. Uma meta estipulada por emedebistas é o ex-ministro da Fazenda, até a reunião do partido que tomará a decisão, encostar no tucano Geraldo Alckmin. O presidenciável do PSDB aparece com 6% e 7% no último Datafolha, a depender do cenário pesquisado. Meirelles tem 1% das intenções de votos.

Uma ala do MDB garante que a legenda não terá outro candidato ao Planalto em substituição a Meirelles. Nesse cenário, cada um ficará livre para apoiar quem quiser.

PLANO B – Outro grupo faz de tudo para emplacar Nelson Jobim. O nome do ex-ministro também agrada a tucanos, que o veem como uma boa opção de vice na chapa de Geraldo Alckmin. Entre ele e Meirelles, ficam com o primeiro, por não estar associado ao governo.

Apesar do flerte, o PSDB resiste a fechar uma aliança formal com o MDB. Acha que Alckmin perderia tempo tendo de explicar a união com o partido que comanda um governo impopular.

Pragmáticos –  Os tucanos pensam assim: se no primeiro turno, o MDB ajuda Alckmin a aumentar o tempo de propaganda na TV, no segundo essa vantagem desaparece, já que os dois candidatos terão o mesmo espaço. Fica só o ônus.

As avaliações dos tucanos não impedem as conversas. Michel Temer vai num evento sexta-feira, no Palácio dos Bandeirantes, em que estarão Geraldo Alckmin, João Doria e o candidato ao governo de São Paulo, Paulo Skaf.

MARINA/FREIRE – Lá vem ele. As especulações em torno de uma dobradinha entre Marina Silva (Rede) e Roberto Freire (PPS) na disputa presidencial levaram tucanos a compararem o líder do PPS com João Doria (PSDB).

“Como o Doria, o Freire vive nos dando trabalho. Já inventou o Luciano Huck, agora é a Marina…”, alfineta um tucano. Hoje, o PPS é Alckmin.

Confere lá. O Diário Oficial da União traz hoje a sanção, com vetos, da MP 812, que altera juros de fundos constitucionais de desenvolvimento. O presidente Temer vetou item inserido pelo Congresso que dividia o risco da inadimplência de estudantes do Fies entre o banco e BNDES.

2 thoughts on “MDB quer estabelecer um prazo fatal para Meirelles decolar sua candidatura

  1. Neste país é mais lucrativo ser prostituta do que dono de cabaré, por isso, o P-MDB não lançará candidato ou, quando muito, lançará só para cumprir a tabela na primeiro turno e para se aproximar dos futuros clientes.

    Afinal de contas, foi usando essa profissão que o partido negociou o apoio e permaneceu no poder desde o início da Nova República, em 1988.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *