Meirelles não consegue conter dívida bruta, que dispara para 4,7 trilhões de reais

(Charge: Reprodução/Carta Maior)

Charge reproduzida da revista Piauí

Pedro do Coutto

A equipe econômica do governo Michel Temer, liderada pelo ministro Henrique Meirelles, apesar de seus esforços e da elevação da taxa previdenciária dos servidores públicos de 11% para 14%, não consegue conter a progressão da dívida bruta – que reúne os governos federal, estaduais e municipais, excluindo o Banco Central e as estatais. Em setembro, a dívida bruta atingiu 4,7 trilhões de reais. A informação é do próprio Banco Central e a reportagem sobre o tema é de Fabrício de Castro e Lorena Rodrigues, edição de quarta-feira de O Estado de São Paulo. Sobre o montante de 4,7 trilhões incide a SELIC hoje na escala de 7,5%a/a.

Acentua a matéria que a dívida de 4,7 trilhões representa o percentual de 73% do Produto Interno Bruto. Isso de um lado. De outro, o fato de que os 7,5% de juros produzem uma despesa adicional para o governo na escala de 300 bilhões de reais. O Ministro Henrique Meirelles revela-se sempre preocupado com o ajuste fiscal e com a reforma previdenciária. Interessante indagar como ele vê o crescimento da dívida pública federal. Mas ele jamais toca no assunto.

DÉFICIT CRESCENTE – O ministro de cala, porque o déficit da Previdência está calculado na ordem de 140 bilhões neste ano. A despesa com juros é amplamente superior ao déficit do INSS. Uma coisa, claro, não substitui a outra. Ao contrário. As duas convergem para um desafio econômico financeiro. O que desejo ressaltar é o fato de que o titular da Fazenda nunca se referir ao peso da dívida bruta sobre o contexto econômico do país.

Fabrício de Castro e Lorena Rodrigues publicam em sua reportagem um gráfico focalizando o crescimento da dívida bruta. Este ano, por exemplo o endividamento cresceu em torno de 15% para uma taxa inflacionária que nos últimos doze meses, de acordo com o IBGE avançou apenas 3%.

O esforço do governo para equilibrar as contas públicas conforme O Estado de São Paulo do dia 31, matéria assinada também por Idiana Tomazzeli, inclui o aumento da alíquota previdenciária dos servidores publicos de 11 para 14%, além de adiar seu reajuste salarial. Neste ponto a questão suscita dúvidas até constitucionais. Porque pela Constituição Federal, o reajuste deve ser anual, sem distinção de índices entre os funcionários.

FURNAS NA GREVE – Por falar em servidores, os sindicatos e Associações de empregados de Furnas marcaram uma concentração em frente a sede da empresa para as 13hs. do próximo dia 6, segunda-feira. E anunciaram seu apoio e adesão à greve geral do setor elétrico marcada para o dia 10 de novembro. A greve é contra a privatização das empresas que formam o Holding da Eletrobras.

A privatização depende de lei a ser aprovada pelo Congresso Nacional.

11 thoughts on “Meirelles não consegue conter dívida bruta, que dispara para 4,7 trilhões de reais

  1. LULA CONFESSA A SUA PAIXÃO PELA ELITE FINANCEIRA BANDIDA, algoz do povo brasileiro. Assim como 99% do partidarismo eleitoral, do golpismo ditatorial e dos seus tentáculos, velhaco$, Lula tb, na verdade, é parte do problema e da grande farsa da plutocracria putrefata, com jeitão de cleptocracia e ares fétidos de bandidocracia, fantasiada de democracia, que convém apenas a 5% da população do Brasil, que não tem do que reclamar, a famigerada elite financeira bandida, concentradora da riqueza nacional, que mantém o estado e o mercado capturados, dominados e manipulados por bandidos mancomunados, elite essa que Lula serviu como capacho e nessa condição a fez lucrar como nunca antes visto na história deste país e com a qual Lula confessa que quer a reconciliação porque depois de usado por ela, à exaustão, como capachão da dita cuja, foi descartado pela mesma no banco dos réus da Lava Jato, a exemplo da famigerada ditadura militar descartada pelos me$mo$ no lixão da história do Brasil depois de sugada até o bagaço. https://www.brasil247.com/pt/blog/leonardoattuch/324875/A-elite-brasileira-precisa-se-reconciliar-com-Lula.htm

  2. o lurapio estrebuchava q tinha pagado a divida hahahhah conversa fiada sua jogadinha falsa- quando o pt saiu do desgoverno estava muito maior ainda juntando a interna com externa estava em quase 5 trilhoes e isto q a interna é pior que a externa os 13 anos do pt afundaram nosso pais o estrago foi gigantesco incalculavel vai levar anos e anos p concertar é rombo e rombo

  3. No orçamento federal só sobrou para os agiotas as receitas da Previdência…
    Todo o resto já está comprometido. Inclusive o futuro desta colônia.

  4. Pois é, aonde estão os admiradores do Meirelles?

    Aonde se escondem aqueles que dizem que a economia reage??!!

    Como podem falar da economia com esta dívida interna simplesmente impagável?

    Como podem afirmar que a economia está reagindo com milhões de desempregados e mais ainda de inadimplentes??!!

    Que país herdará o novo presidente desta republiqueta em 2019??!!

    Somente dívidas, violência, salário mínimo degradante, humilhante, na razão inversamente proporcional aos proventos milionários do legislativo e Judiciário??!!

    E os custos incalculáveis dos três poderes com as suas benesses a ministros dos tribunais superiores – já publicado um artigo na TI a respeito -, parlamentares e Planalto, que não param de crescer??!!

    O Brasil está falido, e só não contam a verdade porque são ladrões, corruptos e desonestos!!!

    • Bendl.

      E com certeza a violência cotidiana vai aumentar , ou melhor vai explodir que não tem mais jeito de segurar…
      Mesmo alguns patifes corruptos dizerem que estamos vivendo na Tucanolândia.

      • Armando,

        Vai mesmo explodir, e deve!!!

        Retirar do salário mínimo para o ano que vem QUATRO REAIS, esse governo mais os parlamentares querem enfrentar a massa popular, pois que assim seja.

        Mais um abraço.

  5. Pereira,

    Falta um verdadeiro líder, e não esses oportunistas que usam o povo como trampolim político.

    Não fosse esta ausência, e o povo já teria ido prá cima desta gentalha.

    No entanto, sobram sindicatos e presidentes de falsos movimentos sociais, que não conseguirão o apoio popular porque se distanciam justamente de outros necessitados, então a falta de coesão, de união.

    Logo, a massa vai explodir quando não suportar mais, na razão direta que estará mais enfraquecida, mais alquebrada, mais sem ânimo, então poderá ser facilmente contida, a menos …

    Um abraço.
    Saúde e paz, por enquanto.

  6. Continua a fazer o que sempre fez, entregar o país embrulhado pra presente.
    Um homem que não faz uso da aritmética…
    Esse é meirelles!

    sanconiaton

  7. Auditoria da dívida é tabu Constitucional.

    Esperam o que? Colocaram uma Super Raposa para tomar conta da avicultura brasileira.

    Oo irmaos siameses. Meireles e o Banco de Boston

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *