Milicianos investem em joias, carros e fazendas para esconder seus lucros

 (Foto: Divulgação)

Carlinhos Três Pontes, morto em 2017

Felipe Grandin, Henrique Coelho, Marco Antônio Martins e Nicolás Satriano
G1 Rio de Janeiro

Joias, carros de luxo e fazendas. O ganho obtido por milicianos com a exploração de serviços em comunidades da Região Metropolitana do Rio de Janeiro está sendo investido em regiões bem distantes das favelas dominadas por este grupo. É o que mostram investigações da Polícia Civil, do Ministério Público estadual e processos na Justiça do RJ aos quais o G1 teve acesso.

Esta reportagem da série Franquia do Crime mostra que um chefe de milícia foi preso com R$ 56 mil em joias. Outro homem apontado por agentes como sendo um chefe miliciano comprou uma fazenda de um político da Região Serrana do RJ. No local, ele tinha até animais exóticos.

OPERAÇÃO CONJUNTA – A fazenda foi descoberta após um trabalho conjunto entre a Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas (Draco) e o Laboratório de Lavagem de Dinheiro da Polícia Civil do Rio de Janeiro. No inquérito, policiais apuram a compra de uma fazenda em Sapucaia, no Norte Fluminense, por Marco Figueiredo, conhecido como Marcos Catiri, investigado por chefiar uma milícia na Zona Oeste do Rio.

Atualmente, Catiri figura como acusado em dois processos: um por organização criminosa na Vara Criminal de Bangu, e outro por posse de arma e receptação no juízo criminal de Sapucaia. Ele responde em liberdade.

De acordo com policiais, Catiri comprou a fazenda que já pertenceu a um ex-prefeito de Teresópolis. O político não é investigado pela Polícia Civil. Os investigadores querem entender a intermediação de um empresário da Baixada Fluminense no negócio. Em operação no local, os policiais encontraram emus, araras, avestruz, cavalos de raça e um lago com pedalinho.

ESCOPETA E COLETE – No interior da casa, também foi encontrada uma escopeta de fabricação turca e um colete à prova de balas. Atualmente a propriedade está lacrada. Policiais da Draco investigam se a fazenda foi comprada com dinheiro adquirido com extorsões a moradores de comunidades. Os investigadores já descobriram que a quadrilha cobra R$ 1 mil por semana de motoristas de vans que circulam no bairro de Bangu, na Zona Oeste do Rio.

Em uma ação de busca e apreensão, os policiais apreenderam anotações numa cooperativa de vans de Bangu. Na documentação, há a comprovação de que o pagamento do aluguel de um apartamento no condomínio Ocean Front, na Barra da Tijuca, era feito pela cooperativa. Para os policiais, isso indica influência de Marquinho no transporte.

NA PRAÇA SECA – Em 24 de fevereiro deste ano, policiais da Delegacia de Atendimento à Mulher (Deam) de Niterói prenderam Horácio Souza Carvalho, apontado como um dos chefes da milícia da Praça Seca, na Zona Oeste do Rio. A região ganhou a atenção de autoridades da Segurança Pública do RJ porque, desde dezembro, vem sendo alvo de disputa entre milicianos diariamente.

De acordo com investigações da Draco, a milícia local “rachou” levando a confrontos quase que diários. Segundo policiais que prenderam Horácio, no momento da prisão, ele ofereceu dinheiro para ser libertado. Preso por formação de quadrilha, corrupção ativa e organização criminosa, o criminoso foi encontrado em um apartamento na Barra da Tijuca.

As joias que usava foram apreendidas e encaminhadas ao Instituto de Criminalística Carlos Éboli (ICCE). Uma perícia preliminar avaliou o cordão de ouro que Horácio usava em R$ 40 mil. Cada anel que ele usava custa R$ 8 mil cada um.

EM SANTA CRUZ – Há um ano, policiais da Draco prenderam Cleber de Oliveira Silva, chamado de Clebinho, que pertenceria a uma milícia instalada em Santa Cruz. O criminoso estava em um apartamento na Avenida Lúcio Costa, na Barra da Tijuca.

Na garagem, os policiais encontraram um Camaro, avaliado em R$ 150 mil. Ao revistarem o veículo, os investigadores encontraram uma mala com R$ 180 mil em dinheiro. Foi apreendida também uma Hilux na operação – em favor do Estado do RJ.

As investigações apontam que Clebinho usou um “laranja” para adquirir o veículo. Em sua defesa, ele alega ser dono de um posto de gasolina, mas a polícia descobriu que o local não está no nome de Clebinho. Uma perícia do ICCE no apartamento encontrou ainda R$ 180 mil em joias.

EXPLORAÇÃO DE AREIA – Uma das maiores milícias do Rio investe na exploração de saibro. O empresário responsável pelo negócio é Luís Antônio da Silva Braga, irmão de Wellington da Silva Braga, o Ecko, procurado por chefiar a milícia com influência em Campo Grande, Paciência, Santa Cruz, Cosmos e Inhoaíba.

Ecko assumiu o grupo após a morte de outro irmão, Carlos da Silva Braga, o Carlinhos Três Pontes. De acordo com promotores do Ministério Público, Luiz Antonio é o sócio da Macla Extração e Comércio de Saibro. Luiz Antonio foi preso pela Draco em 2015 acompanhado por dois seguranças – um deles policial militar. O empresário acabou liberado no Plantão Judiciário.

Em depoimento no Ministério Público, um miliciano, preso em 2016, que não teve o nome divulgado, apontou a extração de areia e saibro como uma das atividades mais rentáveis do grupo, que seria proprietário de um depósito de gás e de uma loja de venda de baterias para carro.

29 thoughts on “Milicianos investem em joias, carros e fazendas para esconder seus lucros

  1. -A “PRÁTICA MILICIANA” está espalhada em todo o país e, em muitos lugares, como no Distrito Federal, tem a proteção dos deputados e governos locais:

    -Fui a um evento do Centro de Convenções Ulisses Guimarães, no Eixo Monumental, e tive que pagar vinte reais ADIANTADOS ao “miliciano” que estava no estacionamento para não ter o carro danificado.
    -Reclamar com quem, se o próprio Governo do Distrito Federal, com o apoio dos deputados do PT e do PSOL, até já distribuíra coletes para esses bandidos?
    -Agi com a lógica e paguei a taxa de proteção, logicamente, pois eu, de acordo com a atual ideologia dos “intelectuais”, estava “errado por está certo” e o bandido estava “certo por está errado”. A outra opção seria eu ter voltado para casa mais cedo.

    -Quando eu saí, obviamente, já não tinha ninguém no local: Depois que o estacionamento lotou e parou de entrar dinheiro adiantado, o “miliciano” evadiu-se com parte do salário dos otários deste país!

    (PS:O paraíso pregado pela esquerda, durante a ditadura, terá se resumido ao que vemos nos dias de hoje?)

    Abraços.

  2. Arrivistas, alpinistas sociais, muquiranas de toda a espécie em busca de enriquecimento ilícito são patéticos e bizarros, no seu desejo de ostentação.

    Se reproduzem como baratas nos últimos anos, motivados pelo exemplo cabal do grande líder. Lago com pedalinho demonstram a afinidade no gosto.

  3. Deve estar faltando assunto nos Estados Unidos.

    Com muita sinceridade, e para eu manter a minha honestidade comigo mesmo e com aqueles que leem meus textos, mas este jornal americano exagerou!

    Meu Deus, quantas pessoas e imagens que poderiam realçar o negro como ainda sendo oprimido globalmente, menos usando o assassinato da vereadora para colocá-la na condição de mártir!

    Não me lembro de projetos de sua autoria que tenham mudado a situação do pobre e do negro, pois as demais etnias podiam ser mortas e passarem por necessidades, que a vereadora jamais se importou.

    Se os protestos que fazia – reitero que a parlamentar era absolutamente desconhecida no país -, agora, depois da sua morte é que a mídia está postando a sua ocupação e função, pois antes jamais houve qualquer alusão ao trabalho por ela desenvolvido, trata-se de muita propaganda de resultados pífios, absolutamente ignorados.

    Não entendo esse exagero que se está dando a mais um crime perpetrado no Brasil!

    A meu ver, as notícias e manchetes que não veicularam as mortes de milhares de outras pessoas, até mesmo em circunstâncias muito mais cruéis, devem estar se penitenciando por essas omissões, logo, Marielle está recebendo da imprensa desculpas em nome de outros cidadãos brasileiros assassinados, e que tinham o mesmo valor como ser humano para suas famílias e à sociedade!

    Ora, se a população carcerária tem na sua maioria a população negra, bastariam fotos estampadas dos presídios brasileiros, que ilustrariam com muito mais propriedade e procedência a situação do negro no país!

    Marielle tinha a sua família muito bem constituída, pai, mãe, irmã;
    Teve uma filha, que lhe educou e deu-lhe atenção, carinho e amor;
    Foi eleita porque assessora de um deputado do Psol, então se tornou conhecida porque acompanhava este parlamentar nas suas campanhas;
    Jamais passou por privações, tais como fome, não ter o que vestir, calçar, falta de escola;
    Marielle se formou em Sociologia. Aproveitou a Bolsa que ganhara e conquistou o seu diploma merecidamente;
    Marielle era uma mulher jovem, bonita, que vivia com uma companheira em igual condições.

    Portanto, não vejo da parte da vereadora qualquer sacrifício pessoal pelo pobre e pelo negro.

    Seus protestos ficaram na oratória, nos discursos, em transmitir aos eleitores à sua posição ideológica, e mais nada.

    Admito que se tratava do seu objetivo, porém como símbolo de uma luta contra a opressão e em escala mundial, Marielle deve estar se dizendo onde estiver:
    – Menos, pessoal, menos!

    • Eu só queria saber como um sujeito que mora nos cafundós do interior do RS pode ditar tanta regra sobre a atuação de uma vereadora do Rio de Janeiro.
      A Mariele apresentou,em 14 meses de trabalho como vereadora,mais de 16 projetos que viraram leis.
      Se não estou enganado é mais do que Bolsonaro e famiglia fizeram em mais de 30 anos de vagabundagem pelos legislativos do Rio e de Brasilia.
      Menos digo eu,gaucho!Muito menos!

      • Os projetos de Marielle:
        Veja todos os projetos apresentados por Marielle
        Creche noturna gratuita para beneficiar mães que estudam e trabalham à noite
        Campanha permanente de conscientização e enfrentamento ao assédio e violência sexual
        Criação do Dossiê Mulher Carioca, com dados da violência de gênero
        Assistência gratuita para construção e reforma de casas para famílias de baixa renda
        Criação do programa de desenvolvimento cultural do funk
        Fim da renúncia da cobrança de ISS para empresas de ônibus
        Restrição de contratos entre Prefeitura e Organizações Sociais (OSs)
        Prioridade para servidores serem pagos antes do prefeito, vice e secretários
        Programa de efetivação das medidas socioeducativas em meio aberto
        Dia da luta contra a Homofobia no calendário da cidade
        Dia da Visibilidade Lésbica no calendário da cidade
        Dia de Tereza de Benguela e da Mulher Negra no calendário da cidade
        Dia Municipal de Luta contra o Encarceramento da Juventude Negra
        Ações de combate ao jogo “Baleia Azul”
        Fixação de cartaz informativo sobre violência sexual em locais públicos de atendimento às mulheres
        Comissão sobre a Intervenção
        Marielle havia sido recém-nomeada, em fevereiro, uma das relatoras na comissão de representação da Câmara Municipal em Brasília para acompanhar a Intervenção Federal na Segurança Pública

          • Não!Isso não é da alçada dela!
            Mas você pode ficar tranquilo que ela instituiu o dia da luta contra a homofobia livrando a sua cara de tantas perseguições!

          • Usaste, para tentar me ofender e me ridicularizar o expediente do homossexualismo, como se isso fosse uma coisa ridícula e abominável. É evidente isso. Senti cheirinho de homofobia agora. Quem é o homofóbico? Cuidado com a tal lei da sua Mártir!

        • Pois eu queria saber como que alguém que mora na cidade do Rio de Janeiro, pode ser tão obtuso na sua compreensão e inteligência quanto às “leis” que um parlamentar faz, e que não resultam em nada prático e útil para aqueles que defende?!

          Desenvolvimento cultural do funk, importantíssimo;
          Dossiê da mulher carioca, certamente vai resolver a violência contra a mulher fluminense;
          Efetivação das medidas socioeducativas, como?!
          Dia da luta contra a Homofobia no calendário da cidade, de que forma, caindo de pau sobre os heterossexuais?
          Dia da Visibilidade Lésbica no calendário da cidade, como, elas vão ficar peladas na rua?!
          Dia de Tereza de Benguela e da Mulher Negra no calendário da cidade, e o dia da Mulher Branca, Parda, Mulata … nada?
          Dia Municipal de Luta contra o Encarceramento da Juventude Negra, quer dizer que o criminoso negro e jovem não pode ser mais preso?
          Ações de combate ao jogo “Baleia Azul”, como?!
          Fixação de cartaz informativo sobre violência sexual em locais públicos de atendimento às mulheres, quanta demagogia!
          Comissão sobre a Intervenção, brincadeira!

          Se são estas as leis criadas pela vereadora, que tu deste tanta ênfase, das duas uma:
          ou a tua alienação a respeito do que serve e é útil é imensurável ou queres também fazer parte daqueles que estão endeusando a Marielle, que se tratava de uma pessoa como as demais, apenas fazendo o seu serviço para a qual havia sido eleita, porém sem que essas leis e dias comemorativos redundassem em emprego e qualidade de vida para o negro e pobre!

          Observo que aqueles que residem nos cafundós do RS e de qualquer outro Estado, muitas vezes sabem mais do que os moradores de grandes cidades e capitais, pois facilmente enganados pela quantidade de leis e projetos elaborados, menos pela qualidade da atuação de um parlamentar!

          • Dentre todos os posts recentes, aquele rapazinho, que faz média com café, só comentou nesse aqui. Teria sido a foto do “bonitão” sem camisa fumando charuto que o atraiu? ? Depois empurra pra mim essa história de gay…

          • Ela apresentou 17 projetos de lei mas só foram mencionados em seu comentário 7 deles.
            Tem muita coisa aproveitável nos outros 9 e mais ainda nos que mencionaste, para o público eleitor dela.
            Mas a sua mentalidade provinciana e tacanha não te deixa ver o que se passa nos grandes centros com sua diversidade populacional.

          • Só não podem mexer no escandaloso “bônus de eficiência e produtividade”. Imoralidade equivalente ao auxílio-moradia dos juizes.

          • Tu és o comentarista mais preconceituoso que existe na Tribuna da Internet!

            Flagrante o teu ódio pelos obesos;
            Indiscutível a diferença que alimentas com aqueles que não são cariocas;
            Denominas de mentalidade provinciana quem reside no interior, e não nas capitais;
            Não admites que as pessoas que não tenham faculdade possam se manifestar em espaços como este;
            A tua função é permanentemente de crítico, jamais apresentando o que pensas, mas deturpando, menosprezando e ironizando textos alheios.

            Logo, a conclusão do teu comentário, que não sei avaliar a diversidade populacional dos grandes centros, evidencia a tua absoluta ignorância e má vontade com as demais pessoas porque as cidades interioranas também possuem essa diversidade que apontaste!

            Ou, na tua ótica, a minha cidade só tem brancos?
            Não tem pobre?
            Não tem negros?
            Não tem homossexuais?
            Não tem lésbicas?
            Não tem heterossexuais?
            Não tem criminosos?
            Não tem gente honesta, séria e trabalhadora?
            Não tem magros e gordos?
            Não tem mulheres mais belas e atraentes do que outras?
            Não tem pessoas de baixa estatura e alta?
            Empregados e desempregados?

            Por isso mesmo que deves achar importante os projetos da vereadora, onde imperam a demagogia, uma quantidade de propostas que jamais melhoraria a vida dos necessitados!

            Ficas tão apatetado e perturbado pela quantidade de gente que possui o Rio de Janeiro, que não pensas, não raciocinas, não medes as tuas palavras!

  4. Jornal Nacional – grande cocheira alienadora e defensora de bandido. Mas parece que ele não defende qualquer bandido não! Tem os “bandidos dele” e os “bandidos dos outros”. Neste caso, ele só defende os “bandidos dele”…

  5. Da Internet:
    “Mais um assassinato no Rio de Janeiro. Desta vez a vítima foi o petebista Paulo Henrique Dourado, o Paulinho P9, suplente de vereador em Magé (RJ). Minha solidariedade a toda a família e aos amigos de Paulinho. Com certeza não veremos ninguém do Psol gritando “Paulinho presente”.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *