Mortes de Bruno, Dom, Rouanet e dom Cláudio jogam luzes no que há de melhor e pior no Brasil

Manifestação cobrando justiça e segurança para os indígenas na cidade de Paulista, na região Metropolitana de Recife.

E assim o país vai perdendo justamente o que tem de melhor

Eliane Cantanhêde
Estadão

Em tão curto espaço de tempo, o Brasil chora as mortes de Bruno Araújo Pereira, Dom Phillips e agora as de Sérgio Rouanet e d. Cláudio Hummes. Personagens marcantes, cheios de simbologia, que jogam luzes sobre as graves mazelas que horrorizam os brasileiros e corroem a imagem do País no mundo.

Baleados, queimados, esquartejados e enterrados numa beira de rio, Bruno e Dom trabalhavam pelas boas causas, os direitos das comunidades isoladas, a justiça e a humanidade. Uma morte horrível, de pessoas do bem. Por quê? Para quê? E, afinal, quem são os mandantes?

MENINO MONSTRO – No Estadão de domingo, Leonencio Nossa mostrou como Pelado, o primeiro a confessar, foi décadas atrás o “menino” das excursões dos ícones indigenistas Sydney Possuelo e seu filho Orlando, para identificar as ameaças às comunidades isoladas. Como o menino virou monstro? É o abandono, falta de esperança, aliciamento… E os monstros estão empoderados.

E morre Sérgio Rouanet, diplomata, humanista, antropólogo, filósofo, escritor, homem da cultura, dos direitos humanos, que deixou como legado a Lei Rouanet, de incentivo às artes, cinema, teatro, dança e música que nos enchem de orgulho e refletem a riqueza da miscigenação brasileira. Uma lei vista hoje como coisa de comunista e de vagabundos para assaltar o dinheiro público (como certos pastores, no MEC?).

Quem vê a Cultura como estorvo nomeia para a Secretaria de Cultura um cidadão capaz de fazer evento público com símbolos, textos e música de inspiração nazista. E outro que, em vez de música e poesia, faz apologia de armas. Ah, Sérgio Rouanet! Onde fomos parar?

TUDO ERRADO – Paramos num país que persegue Paulo Freire, Nise da Silveira, Ricardo Galvão, Chico Buarque, Fernanda Montenegro e esfrega na cara da sociedade a Ordem do Mérito do Livro, da Biblioteca Nacional, para… Daniel Silveira. Um escárnio. O que estará sentindo Rouanet, em algum lugar, ao lado de Carlos Drummond de Andrade?

Agora, lá se vai d. Cláudio Hummes, o cardeal que dedicou a vida à sua religião, não para arrancar dízimos de pobres, mas a favor dos trabalhadores, do ambiente, dos indígenas, dos direitos humanos.  Quando o argentino Jorge Mario Bergoglio foi anunciado novo papa, d. Cláudio sussurrou-lhe: “Não te esqueças dos pobres!”. E assim Bergoglio virou o papa Francisco, em homenagem a São Francisco de Assis.

Que nos piores momentos nos lembremos de que o Brasil é de d. Cláudio, Rouanet, Bruno e também de Dom, brasileiro por amor, não de quem defende golpes, armas, até o nazismo. Estes precisam voltar às profundezas de onde nunca deveriam ter saído: as das minorias radicais.

5 thoughts on “Mortes de Bruno, Dom, Rouanet e dom Cláudio jogam luzes no que há de melhor e pior no Brasil

  1. A imprensa NARCO-socialista tenta fazer o maior auê com a concessão dessa medalha ao deputado Daniel. Fui conferir e, como tudo que vem dos desonestos militantes vermelhos travestidos de jornalistas, trata-se de mais uma narrativa vagabunda. Vejam o que diz a matéria da Biblioteca Nacional:
    “A lista deste ano foi, como referido, plural e democrática, contemplando, na parte da manhã, bibliógrafos, lexicógrafos, linguistas, gramáticos, críticos, professores, historiadores, diretores de instituições irmanadas, escritores e sociólogos. Contemplou-se aqui, de modo mais incisivo, o mérito cultural dos agraciados, isto é, sua contribuição para o engrandecimento da cultura nacional.

    Além desses, na parte da tarde, parlamentares dos três níveis da Federação – União, Estado do Rio de Janeiro e Município do Rio de Janeiro e de Petrópolis – também foram agraciados. Contemplou-se aqui o espírito e os laços de amizade e de parceria com a Biblioteca Nacional do Brasil. É da mais alta importância que a Fundação Biblioteca Nacional se aproxime e mantenha relações de apoio institucional com parlamentares e suas respectivas Casas Legislativas. E isso deve ser sim, não somente pelas pautas legislativas que são de interesse da FBN, como pela circunstância relativa às emendas parlamentares. Hoje, mais do que nunca, a preservação e expansão das entidades públicas, tanto na área da cultura como em outras, depende da atenção e recursos da classe política. O caso da Fundação Biblioteca Nacional não é diferente.”

  2. vagabundos para assaltar o dinheiro público (como certos pastores, no MEC?).

    Só os pastores, Dona Eliana.??

    Dona Eliana dorme o dia inteiro nas “informações”…e esquece de fornecer algumas delas….

    • Perguntar não ofende..

      Quem assalta dinheiro público que era para a Merenda, Metrõ, Despoluição do Esgoto Coveiro , Parque do Povo, SAbesp,, Roubanel, também são vagabundos.???

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.