Mourão admite que situação é incômoda, mas confia em Bolsonaro e Flávio

Mourão

Mourão diz que Bolsonaro já se explicou, fallta o ex-assessor

Tânia Monteiro
Estadão

O vice-presidente eleito, general Hamilton Mourão, reconheceu que “causa incômodo” a demora de Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), a dar explicação sobre a sua movimentação bancária. “Óbvio que toda vez que você tem de dar explicação, isso incomoda, é desagradável. Mas volto a dizer. Tenho plena confiança no presidente e no Flávio. “Confio nos dois”, afirmou.

Na quarta-feira, o presidente eleito afirmou pelas redes sociais que, se tiver “algo errado” no caso que envolve movimentações financeiras “atípicas” de ex-assessor de seu filho, “que paguemos a conta”. Bolsonaro, no entanto, disse que nem ele nem Flávio são investigados no caso. A declaração foi feita em transmissão nas redes sociais.

Mourão disse ao Estado que Bolsonaro “foi claro” ao dizer que “se investigue e apure”. “Então, para mim, morreu o assunto”, declarou ele, acrescentando que não acredita que essa questão respingue no governo. “Agora é esse Queiroz. A coisa toda está centrada nele”, observou.

Essa situação toda não está deixando o presidente em uma situação delicada, com essa demora?
O presidente deu a explicação dele. Para mim morreu o assunto.

O senhor está dizendo que o assunto está resolvido?
O Bolsonaro foi claro na live que fez ontem (nesta quarta-feira, dia 12). Não tem mais o que tocar nisso aí. O que ele disse? que se investigue e que se apure. Então, para mim, morreu o assunto.

Mas ninguém sabe ainda direito a história desse dinheiro e de outras transferências. As explicações foram suficientes?
Aí compete a vocês, da imprensa, furungarem esse assunto. Eu não tenho instrumentos pra dizer qualquer coisa. Desconheço a profundidade do caso e estou de acordo com as palavras do presidente. O presidente foi claro.

Mas isso não respinga na imagem dele, no governo?
Não. O presidente já falou o que tinha de falar. Agora é esse Queiroz. A coisa toda está centrada nele.

Mas Queiroz não apareceu até agora para dar explicações…
Eu não sei. Eu não tenho conhecimento do assunto. Eu tenho de ir pela palavra do presidente e eu confio na palavra dele.

Essa situação causa incômodo?
Incômodo causa, né… É óbvio, porque toda vez que você tem de dar explicação, isso incomoda, é desagradável. Mas volto a dizer. Tenho plena confiança no presidente e no Flávio. Confio nos dois.

E essa demora toda não está deixando o presidente em uma situação delicada?
O presidente deu a explicação dele. Repito. Para mim morreu o assunto.

O senhor acha que o presidente demorou a dar explicação?
A explicação inicial ele deu de cara, dizendo que o dinheiro depositado na conta da esposa dele era de pagamento do empréstimo. Pronto, morreu. Mas continuou a pressão. Ele esperou um tempo aí da pressão e aí resolveu vir a público, fez a live ontem (quarta-feira, 12) e deixou clara a posição dele, de uma forma muito direta, dizendo que se investigue e se puna se tiver coisa errada para ser punida.

Mas essa demora em dar explicação não foi longa demais?
Ele mesmo estava colhendo dados para saber, que história era essa. Afinal de contas, o cara era assessor do filho dele, não dele.

Esse episódio todo não atrapalha o início do governo?
Eu não acho que atrapalhe o governo. Fora alguns comentários de imprensa, não estou vendo as redes sociais fazendo rebuliço com isso. Não acho que haja uma pressão enorme. Acho que existe este questionamento. Há questionamento e alguma resposta terá de surgir para isso aí. Mas não da parte do Bolsonaro.

15 thoughts on “Mourão admite que situação é incômoda, mas confia em Bolsonaro e Flávio

  1. Mourão no brejo do Bolsonaro faz o papel do morde e assombra, late e abana o rabo. Vamos combinar o seguinte, se para ter militares no governo que sejam os da ativa, os que estão no front, até porque essa pijamada que ai está, na base do oportunismo, sem capacidade política e muito menos criativa, não quer saber de outra coisa no governo senão empurrar com a barriga para engordar os seus soldos, salários e rendimentos, num momento terrível para o Brasil que precisa de estadistas e não de oportunistas.

      • O mais sensato e mais plausível são os Comentaristas deste Blog e os Jornalistas investigarem a justiça. Vão achar tanta coisa errada, que chegarão à conclusão de que tem que fechar tudo pra balanço, a república 171 inteira, de porteira fechada.

  2. Bolsonaro e um ladrão que vive feito um rei.
    Daqui pra frente a origem de sua fortuna será melhor investigada,e vai surgir o mar de lama e podridão que e a sua vida.
    O Brasil vai ficar em uma situação cada vez pior com esta família de bandidos no governo.

  3. morreu nao. aqueles depósitos eram pedagio que os funcionários do cara pagavam e,como dizia aracy de almeida, estamos conversados de resto, o cara deve ser responsabilizado. os dois, flavio e queiroz.

  4. Bolsonaro como todo politico ficou milionário.
    Já população Brasileira está cada vez mais pobre.
    Mas agora chegou a vez dessa família delinquente prestar contas com a justiça.

    • MP denuncia 29 na Operação Furna de Onça
      O Antagonista

      O Ministério Público Federal no Rio de Janeiro denunciou hoje o ex-governador Sérgio Cabral, dez deputados estaduais e outras 18 pessoas, no âmbito da Operação Furna da Onça.

      Foi nesta operação, desdobramento da Lava Jato, que o Coaf identificou movimentação atípica de R$ 1,2 milhão na conta de um ex-motorista de Flávio Bolsonaro — o filho do presidente eleito, no entanto, não foi acusado na denúncia.

      A operação desarticulou esquema de propina de R$ 54 milhões na Alerj em troca de apoio aos governos de Cabral e Luiz Fernando Pezão, entre 2007 e 2018.

      Os deputados acusados são André Correa (DEM), Chiquinho da Mangueira (PSC), Coronel Jairo (SD), Edson Albertassi (MDB), Jorge Picciani (MDB), Luiz Martins (PDT), Marcelo Simão (PP), Marcos Abrahão (Avante), Marcus Vinicius “Neskau” (PTB) e Paulo Melo (MDB).

  5. Insegurança Jurídica, Política…
    Insegurança Pública total…
    Anencéfalos eleitores.
    Usurpadores e abusadores do Poder.

    Passei a imaginar que essa vida é tão deprimente pelas notícias que sempre me chegam que até divaguei nos pensamentos melhor fosse não mais ser vivida.

    Mesmo com tantas notícias de fatos incontroversos muitos saem em defesa cega da família de canalhas eleitos… O castelo desmoronando e ainda assim cegos, surdos se acham na razão.

    Antes passavam que tinham o atestado de nada consta. Agora é o menos desonesto.

    De tudo isso cansei. Só me deprimem mais.

    Encerrando, retorno aqui só para mandar um abraço aos colegas e dizer que vou sumir por uns meses.
    Já havia cortado muitas amizades e, agora, com essa decisão, os poucos os canais de notícias que vinha acompanhando.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *