Movimento ‘Fora, Aécio’ cresce no PSDB, em meio à tentativa de pacificação

SÃO PAULO, SP - 12.11.2017: CONVENÇÃO ESTADUAL PSDB SÃO PAULO - O prefeito João Doria discursou, durante convenção estadual do PSDB, na manhã deste domingo (12) na ALESP. Na foto o prefeito fala ao lado do governador Geraldo Alckmin, do senador José Serra, do ex-governador Alberto Goldman e de outros representantes do partido. (Foto: Bruno Rocha /Fotoarena/Folhapress) ORG XMIT: 1425894 ***PARCEIRO FOLHAPRESS - FOTO COM CUSTO EXTRA E CRÉDITOS OBRIGATÓRIOS***

Doria já se tornou o principal nome do partido

Anna Virginia Balloussier
Folha

Para o governador paulista Geraldo Alckmin, o momento era de “união e unidade”. Mas, com gritos de “fora, Aécio”, a convenção estadual do PSDB-SP, realizada neste domingo (12), na Assembleia Legislativa de São Paulo, mostrou que o racha no tucanato não cicatrizou. O mestre de cerimônias do evento bem que tentou: “Eu quero que você abrace a pessoa ao seu lado e fale: ‘Eu amo o PSDB'”. Mas o clima paz e amor dissipava rápido quando o nome do senador mineiro era evocado.

“Ele deveria colocar o pijama e voltar para a casa”, disse à imprensa Pedro Tobias, reconduzido no dia à presidência do diretório paulista da sigla, ao se referir a Aécio Neves. “Quieto ele ajuda mais.”

MUITAS BICADAS – Entre as últimas bicadas internas, destacam-se a permanência do PSDB no governo Michel Temer e a manobra de Aécio para reassumir a presidência nacional da legenda, destituir o senador Tasso Jereissati (CE) da interinidade e indicar o ex-governador de São Paulo Alberto Goldman para o cargo.

No sábado (11), o PSDB-MG fez sua própria convenção, e nela Aécio reconheceu que é hora do partido deixar a administração peemedebista, mas “pela porta da frente, da mesma forma como entramos”. Sem especificar qual cargo disputaria (se Senado, Câmara ou governo mineiro), ele disse que seu nome no pleito de 2018 é garantido.

Aécio se licenciou da liderança tucana após a descoberta de uma gravação em que pede R$ 2 milhões ao empresário e delator Joesley Batista.

COMPRA CAIXÃO – O espaço que reconquistou no partido é danoso, segundo Tobias. “Compra caixão, se sobrar caixão por aí.” Na mesma toada foi o secretário estadual Floriano Pesaro (Desenvolvimento Social), pré-candidato ao governo paulista. Para ele, Aécio “não pode contaminar membros do partido” e deve “se afastar para se defender” das acusações na Justiça.

Na convenção mineira Aécio “deitou e rolou”, afirmou o vereador Mario Covas Neto, que diz ter cogitado abandonar o PSDB, mas suspendeu a decisão por ora. “O ideal será esperar a convenção nacional [em dezembro]” para ver que rumo o tucanato tomará, afirmou. “Se saio agora, o grupo fisiológico ganha mais força.”

Na semana passada, Tasso já havia acusado Aécio de “fisiologismo”, e o senador rebateu dizendo que rechaça essa “pecha”.

BOLA PARA FRENTE –  Alckmin diz que não é hora de “discutir questões pessoais”, e sim de esperar a próxima eleição da diretoria do partido. “Bola para frente.” Também pediu para “aguardar” o desfecho da convenção nacional quando questionado se assumiria a presidência do PSDB.

Trata-se de uma “decisão coletiva do Brasil”, num pleito que já conta com “dois pré-candidatos”, afirmou. Além do cearense Jereissati, o governador de Goiás, Marconi Perillo, também pleiteia o posto.

Como antecipado pelo “Painel”,o governador já admite a aliados que está disposto a assumir as rédeas do partido se for aclamado pelas diversas correntes do partido.

PRESIDENCIÁVEL – A unanimidade, ao menos no diretório paulista, está em torno de Alckmin. A disputa interna entre ele e seu afilhado político João Doria, para ver qual dos dois conquistava a vaga de presidenciável tucano em 2018, parecia página virada na convenção.

“Estamos juntos”, disse o prefeito sobre Alckmin, quando a dupla desembarcou de uma van que trouxe outros caciques do partido em São Paulo, como Goldman, José Serra e José Aníbal.

Estiveram, mas não por muito tempo: Doria saiu antes dos colegas, para ir ao Grande Prêmio do Brasil de Fórmula 1. Antes, disse que aquela era a “convenção da pacificação”.

O prefeito e Goldman, o novo presidente do PSDB nacional, tentam deixar para trás o entrevero que nutrem há meses e que teve seu ápice em outubro, quando Doria chamou o ex-governador de “fracassado” que “agora vive em casa de pijamas”.

PIJAMA PARA GOLDMAN – A vestimenta para dormir, no entanto, foi lembrada por uma claque da base tucana, que fez um coro de “eu pedi pijama!” quando Goldman começou seu discurso.

“A gente leu que o PSDB tinha acabado. Onde, eu não sei. Aqui em São Paulo não acabou, não, e não vai acabar no Brasil”, disse o presidente do PSDB até a convenção nacional que elegerá a nova liderança partidária. “Não temos caciques, coronéis, imperadores, temos líderes que têm que responder à sua base”, afirmou em seguida, sem endereçar críticas a nomes específicos.

Na plateia, uma dirigente do PSDB Mulher cotovelou uma amiga e disse: “Primeiramente, fora Aécio…”.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
O PSDB já foi um grande partido. Agora se divide entre os velhos, de pijamas, e os novos, de cabeça preta. A união é um sonho que jamais será realizado. O maior líder hoje era Geraldo Alckmin, cujo apelido é “Picolé de Chuchu”. Hoje, João Doria é a principal liderança, mas não terá legenda para ser candidato. (C.N.)

15 thoughts on “Movimento ‘Fora, Aécio’ cresce no PSDB, em meio à tentativa de pacificação

  1. O Doria perdeu o cavalo encilhado, e deveria ter saído do PSDB. Ficando, se tornou igual aos outros e, tanto é verdade, que desapareceu nas pesquisas. Ele poderia ter sido o candidato diferente, mas preferiu ser mais do mesmo.

  2. 1) Sempre que eu leio estas notícias eu lembro do meu querido amigo, o falecido jornalista Luiz Mário Gazzaneo, um comunista histórico.

    2) Quando o PSDB foi organizado ele foi convidado a fazer parte do mesmo e mais ou menos me disse assim:

    3) “Rocha, o PSDB tem uma linha programática muito boa, espero que cumpram a Social Democracia”.

    4) Ele não se filiou aos Tucanos, mas acompanhamos que os mesmos, aos poucos, afastaram-se do belo programa inspirado na Social Democracia Alemã.

    5) Gazzaneo, na dimensão em que vc se encontra, receba os meus abraços espirituais !

  3. O que dói é que tiraram a Dilma (e tinham que tirar mesmo), não foi pelo bem do Brasil e sim para minar o processo de limpeza da coisa pública brasileira e parece que eles estão conseguindo seus ‘podres’ objetivos.

    • Correto.
      Os que participavam do pedido de “intervenção constitucional militar”, bem antes do “golpe constitucional” cortar a anta, sabiam que trocar um zero por outro, um vigarista por outro, levaria o país a esta situação.
      Os defensores da pátria, os entendidos em caos social e que acusaram que seria uma ditadura nova, defenderam o contrário.
      Espera-se que, pelo menos, assumam seu erro e parte do que ai está.
      Abraço.
      Fallavena

  4. Do texto:

    “Alckmin diz que não é hora de “discutir questões pessoais”…
    “Como antecipado pelo “Painel”,o governador já admite a aliados que está disposto a assumir as rédeas do partido se for aclamado pelas diversas correntes do partido.”

    O governador de São Paulo, até pode ser um bom administrador. mas político e lider jamais foi ou será!

    É um frouxo, um banana, um fraco. Quem se submete a um ser assim, é um esperto ou um bedel.

    O PSDB, assim como a maioria dos partidos (se não todos) rasgaram suas bandeiras ideológicas, perderam a credibilidade e se transformaram em verdadeiras quadrilhas, bandos de assaltantes dos cofres públicos.

    Aécio é um criminoso político. Não confessará o crime por que não é homem suficiente para assumir seus erros.E é irrecuperável, em todos os sentidos. A irmã presa por seus atos e ele tentando usar o esqueleto do partido e a história do avô, para safar-se. este são seus únicos e últimos biombos preferidos, na busca de continuar na política.

    Pobre povo (mineiro), pobres imbecis que, mesmo após todas as provas, ainda acreditam que ele é inocente. É preciso ser muito imbecil ou cafajeste.

    Que me desculpem os que pensam diferente, mas quem ainda acha que gente assim tem com o que contribuir eu digo que eles estão ai SÓ PARA ARRECADARR e retirar mais recursos e dignidade do país e da parcela do povo bom.

    Fallavena

  5. Se os tucanos tiverem o minimo senso de sobrevivencia fecham apoio sobre o governador Alckmin que venceu para governador 2 vezes em 1º turno, fez Aécio(o incompetente que perdeu no próprio estado) ter mais de 2/3 dos votos no estado e também elegeu Dória no 1 º turno.
    Vem a duras penas, com pouco ou nenhum apoio federal, conseguindo concluir pesados investimentos(metrô e Rodoanel), apesar do seu governo ter falhas na educação e na segurança, mas comparado a outros governadores de estados grandes pode ser considerado um estadista que pelo menos não deixou de pagar o funcionalismo em dia.
    Administrativamente vem dentro dos limites dando conta do recado e politicamente dá mostras de habilidade quando cogita colocar um esquerdista civilizado(Aldo Rebelo) como companheiro de chapa.
    Por essas e várias razões Alckmin é uma das poucas esperanças de impedir que o país caia em aventuras perigosas. Outro nome razoável é o paranaense Alvaro Dias, mas considerando a maior densidade politica Alckmin é a melhor solução para o momento. Além disso é bem possível um apoio de Alvaro Dias ao paulista num eventual 2º turno. Aliás tenho uma certeza, se Alckmin chegar ao 2º turno dessa vez ele não perde de jeito nenhum. Por isso Dória e demais tucanos, criem juízo, lancem e apoiem o nome de Alckmin. O PAÍS PRECISA DISSO!

  6. TUCANISTÃO PAULISTA, desnorteado, sem rumo, sem noção e sem projeto novo e alternativo de nação, no trono de SP há mais de 30 anos (PMDB-PSDB), com o estado em frangalhos, tudo aparelhado, tentou impor ao Brasil em 2014, e quase conseguiu, e acabou impondo via golpe em 2016, o que nem elle$ me$mo$ suportam dentro das suas próprias hostes. Acabou. A república 171 do partidarismo eleitoral, do golpismo ditatorial e dos seus tentáculos, velhaco$, acabou. Parem com isso, não votem mais nisso, por dinheiro nenhum. O Aécio é exemplo de top de linha dos me$mo$. Elle$ são o Aécio amanhã, se conseguirem fazer sucesso na carreira. Basta. Chega dos me$mo$. Fora todo$. Democracia Direta Já, com meritocracia eleitoral. Revolução Redentora X $istema político podre e suas eleições tipo milho aos pombo$. Democracia Direta Já, apartidária, é a bandeira certa que urge levantarmos já, aqui e agora, antes que seja tarde demais. https://www.brasil247.com/pt/247/sp247/327072/Conven%C3%A7%C3%A3o-tucana-em-SP-tem-coro-de-%E2%80%9CFora-A%C3%A9cio%E2%80%9D.htm

  7. Apenas para registro, em prestígio à nossa Tribuna da Internet.
    O Editor em sua Nota, foi superado pela Realidade no que diz respeito ao apelido do Alkmim.
    Picolé de Chuchu já era. O atual é O Santo.

  8. PSDB nunca foi um grande partido, bem como os outros partidos. Os partidos foram e continuam sendo instituições formalizadas para assaltar o estado – ou sejam, QUADRILHAS. Digo isso há mais de 15 anos – ou estou errado?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *