“Não entendo de economia e de muita coisa, mas tenho bom senso”, diz Bolsonaro

Irônico, Bolsonaro diz que não entende o feminismo 

Marco Grillo, Maiá Menezes e Thiago Prado
O Globo

Na primeira entrevista do Globo com candidatos à Presidência, Jair Bolsonaro, que será escolhido neste domingo o nome do PSL ao Planalto, admite desconhecer assuntos econômicos e diz que quem responde por ele nesta área é o consultor Paulo Guedes — o seu ‘Posto Ipiranga’. O deputado ainda provoca adversários e afirma não entender o que o movimento feminista quer.

Em declarações públicas recentes, o senhor gerou desconforto ao dizer que não entende de economia. Não é um problema para um candidato que mira o Planalto?
Não entendo mesmo. Não entendo de medicina, de agricultura, não entendo um montão de coisa. Acho que temos que ter bom senso para governar. Foi o que falei para a equipe do Paulo Guedes (economista responsável pelo programa econômico do presidenciável). O que a gente quer: inflação baixa, dólar compatível para quem importa e exporta, taxa de juros um pouco mais baixa e não aumentar mais impostos. Só pedi coisa boa.

Mas a economia vai ser um eixo relevante da campanha…
Esse é o bê-a-bá, precisa saber mais do que isso? Estou indo para o vestibular ou para campanha política?

Por exemplo, qual seria a sua política de combate à inflação? É com ele (Paulo Guedes). Mas acho que tem que manter a meta que está aí, de 4,5%. Agora, é importante dizer que a inflação está muito mais baixa, não pelo trabalho da equipe econômica, mas sim pelo desemprego e empobrecimento da população.

O senhor é favorável à autonomia ou até mesmo a independência do Banco Central?
O Goldf… Como é o nome dele? (um assessor diz o nome de Ilan Goldfajn, presidente do Banco Central). A ideia do Paulo Guedes é mantê-lo. Outro dia, o Paulo deu uma declaração importante: devemos manter alguns integrantes da equipe econômica atual. Até alertei: “Paulo, não fala em manter alguns da equipe, fala o nome dos caras, para não me vincular com o Temer.” Daqui a pouco, a imprensa vai dizer que apoio o governo Temer.

Qual a sua proposta de reforma tributária?
O deputado Luiz Carlos Hauly está bastante avançado em um projeto. Não vi ainda, mas as informações que tenho são de que, sendo aprovada, vai trazer um grande alívio. O Marcos Cintra (economista) tem fixação em imposto único. Eu, como leigo, acho que é legal, mas também uma utopia. Se conseguir diminuir 15 ou 20 impostos, já seria excelente. É igual à reforma da Previdência: vamos devagar, que a gente chega lá.

Taxação de grandes fortunas?
Sou contra.

E taxar dividendos?
Quem aplica no mercado financeiro, é isso? Aí eu vou para o Posto Ipiranga. Perguntar para o Paulo Guedes. Não tenho vergonha de falar isso não.

Tudo o senhor joga para o Paulo Guedes?
Sobre isso aí (taxar dividendos), eu vou ouvir a opinião dele.

O senhor é contra aumentar imposto, mas pode assumir um governo com problema de caixa. Onde vai cortar?
Se para salvar o governo, tem que quebrar os trabalhadores, vamos morrer juntos abraçados. Ninguém aguenta mais pagar imposto. Podemos também diminuir a quantidade de ministérios. Fundir Agricultura e Meio Ambiente. Transformar o Ministério da Cultura só em uma secretaria.

A negociação durante meses com o PR, liderado pelo Valdemar Costa Neto, condenado no mensalão, não contraria seu discurso contra as práticas da velha política?
Minha negociação era apenas com o senador Magno Malta. O Valdemar abriu para que eu colocasse quem eu quisesse de vice: do meu partido, do dele ou até mesmo um terceiro. Ele coligaria conosco desde que nós fechássemos aliança no Distrito Federal, Rio e São Paulo. Mas acabou, PR já morreu.

A aliança do Centrão em torno de Geraldo Alckmin preocupa o senhor?
O Centrão diz que vai bater mesmo o martelo lá para o dia 4 de agosto. Podem acontecer problemas entre eles, e alguém vir para o nosso lado. O atrativo que eu tenho é a popularidade. Mas estou muito tranquilo. Se der zebra, eu vou para a praia. Não estou preocupado com isso.

O senhor quer mesmo ser presidente da República?
Não estou com obsessão, mas sigo em frente. Acabei de chegar de uma viagem barra pesada. Sozinho, por Goiânia e Rio Verde (GO).

Está cansado da pré-campanha?
Eu digo que sou “imbroxável”, mas estou meio broxa sim.

O senhor vai participar dos debates?
Vou, mas sem ficar preso à agenda, no joguinho de discutir besteira. Vou dar um tranco de dez segundos e falar o que interessa. Não adianta querer me amarrar numa pauta. Vou responder o que eu quero.

O senhor imagina algum adversário caso passe para o segundo turno?
Acho que não enfrento ninguém. A gente ganhar no primeiro turno. O Alckmin acabou de me ajudar com a aliança com o centrão. Vou mandar um beijo para ele. Um beijo hetero.

Ele tem tentado provocar o senhor nas redes sociais. Vai responder?
Não vou entrar na pilha dele. Ele perde em casa (São Paulo) para mim em toda pesquisa. Ele tem que se explicar, crescer um pouquinho mais.

Marina e Ciro também já alfinetaram o senhor publicamente…
Não sou psiquiatra para responder o Ciro. Já a Marina me chamou de hiena em entrevista a um programa de rádio. Imagina se fosse o inverso. A hiena é um animal que só faz amor uma vez por ano, come porcaria o tempo todo…

Sabe quanto a sua pré-campanha gastou até agora?
Não. Fico em casa de amigos. São caras que me convidam, alguns parlamentares. Há uma briga de foice para me levar a qualquer estado do Brasil. Minhas viagens são com o dinheiro do partido. Antes, viajava, em média, uma vez e meia por mês. Agora é quase toda semana.

Tem empresário ajudando o senhor no empréstimo de jatinhos ou na produção de vídeos?
Já tive oferecimento de jatinho e helicóptero e não aceitei. Sobre os vídeos, tem gente que faz no amor e manda para cá. As mídias sociais, sou eu que posto.

Há páginas no Facebook impulsionando postagens favoráveis ao senhor, além de outdoors espalhados pelo Brasil. É tudo espontâneo?
Eu não tenho nada a ver com isso. Não conheço 99% desses caras. Deve ser gente que tem dinheiro. Tem vaquinha também. Por que está acontecendo tudo isso aí? Porque sou diferente dos outros.

O senhor propôs aumentar o número de ministros do Supremo, medida tomada no passado pela ditadura militar no Brasil e por Hugo Chávez na Venezuela. Não é autoritário?
Não. Tem que propor emenda à Constituição, e os nomes seriam acolhidos pelo Senado. Eu indicaria dez. Ninguém em sã consciência acha que o Supremo, em especial a Segunda Turma, está fazendo um trabalho à luz da Constituição.

Pelos cálculos, o senhor poderá indicar dois ministros do STF se for eleito. Por que quer indicar dez?
Você tem que ter maioria independente no Supremo.

Seria dependente do senhor essa maioria, certo?
Não. Nós sabemos como são indicados os ministros. Em especial, quando começou o mensalão, o critério foi mais politizado e ideologizado. E o Supremo está numa situação de querer legislar. O Conselho Nacional de Justiça também, e o Executivo e Legislativo não tomam providência.

O senhor defende pontos fora da lei brasileira, como uma espécie de carta branca para policiais matarem em operações nas favelas. Por quê?
A lei permite só para o lado do crime. Imagina um soldado na rua em missão da GLO (Garantia da Lei e da Ordem). É surpreendido, tem troca de tiros e acaba morrendo um inocente. É justo levar esse garoto para uma Auditoria Militar para uma condenação de 12 a 30 anos de cadeia? Ele tem que ser responsabilizado por tudo isso? Estamos vivendo em guerra, e nela os dois lados atiram. Eu topo manter como está se os especialistas e a imprensa participarem com os policiais de uma operação e mostrarem como têm que fazer.

Em entrevista para a revista Playboy, em 2011, o senhor disse a seguinte frase: “Prefiro que um filho meu morra num acidente do que apareça com um bigodudo por aí”. Voltaria atrás?
Negativo. Não foi do nada. Naquela época, o governo estava com um programa para combater a homofobia e apareceu o kit gay (forma como Bolsonaro chama uma cartilha que seria distribuída pelo Ministério da Educação para debater sexualidade no ambiente escolar). Minhas frases foram importantíssimas para combater a questão de ensinar sexo para criancinha a partir de seis anos de idade.

O senhor acha que é possível ensinar a ser gay?
Não é ensinar, mas estimular. Se você passa um filme na escola de dois meninos se beijando, o Joãozinho no intervalo pode dar uma bitoquinha no Pedrinho. O garoto, até uma certa fase, imita.

Um garoto não poder ver um beijo gay mas pode fazer gestos como se estivesse com armas? (Bolsonaro foi fotografado simulando o uso de uma pistola)
Pelo amor de Deus, você quer comparar beijo gay com isso? Essa foto foi tirada de maneira totalmente espontânea, o pai autorizou e tudo. Ontem fiz mais uma. Chega de frescura, quando eu era criança brincava de arma o tempo todo. Nas favelas, tem gente de fuzil por todo o lado. Um filho vê o pai policial armado todo dia. Não vejo maldade nenhuma nisso. As crianças do Brasil têm que ver as armas como algo ligado à responsabilidade e de proteção à vida.

Caso eleito, haverá preocupação de gênero na formação da sua equipe?
Não vai ter essa preocupação de afro, mulher ou gay. Quero gente que dê conta do recado. Pode ter 14 mulheres até.

O senhor repetiria hoje a declaração de que a deputada Maria do Rosário “não merece ser estuprada, por ser muito feia”?
Exemplo: estou jogando futebol contigo. Você me dá um carrinho por trás, eu xingo você e dou uma cotovelada. Chama-se ato reverso. Estávamos discutindo o caso Champinha. Ela perdeu os argumentos, me chamou de estuprador, e eu respondi no reflexo.

O movimento feminista reagiu fortemente às suas falas…
Cada um faz o que quer da sua vida. Não estou preocupado com movimento de mulher com braço cabeludo. Não interessa. Quer depilar, depila; não quer, não depila.

O movimento feminista não é sobre depilação.
Mas o que o movimento feminista quer? Não sei. Não estou preocupado com isso.

57 thoughts on ““Não entendo de economia e de muita coisa, mas tenho bom senso”, diz Bolsonaro

  1. Muito boa entrevista; claro e honesto.
    Desmistificando inflação baixa. Está baixa pois só se tem $ para pagar juros aos bancos; podes vender teu carro com 10% de desconto que não encontras comprador.
    Claro em seus argumentos e ideário; sem frescura, pieguices para enganar o povo.
    Parece que já tenho candidato, mas vou continuar observando.

    • Pelos cálculos, o senhor poderá indicar dois ministros do STF se for eleito. Por que quer indicar dez?

      Você tem que ter maioria independente no Supremo.

      Independentes KKKKKK

      • Não interessa mais, é morto na vida política.
        O perigo mora agora nos que ainda estão soltos….
        Como esse Collor 2….

        Imagine um presidente fascista e uma vice doidona tresloucada nas rédeas da Nação…
        Ambos totalmente despreparados emocionalmente para reger a bomba gigante que cairá nas mãos do novo presidente….
        Eleições não irão resolver.
        E dar poderes a mais birutas muito menos…

        • Ambos totalmente despreparados emocionalmente para reger a bomba gigante que cairá nas mãos do novo presidente….

          E mais de 5 trilhões em dívida pública.
          Vai cair no colo dos dois
          E não é pouco dinheiro não.

    • Espero que tenham bom senso e não sejam uma coisa como você.
      Acha “coisa” ofensivo? Provavelmente votarei nele e acho deprimente militantes políticos sem argumentos que querem ganhar no grito.
      Argumente! Ou não consegue?

  2. Diz nada entender de economia, e de outros assuntos também. Mas diz que vai ocupar nos ministérios uma dúzia de militares. Que certamente alegarão, como o chefe (se eleito), não entender de nada…

  3. Retificando. Últimas respostas não. Todas você não vê um equilíbrio.
    O sujeito chega a defender golpe jurídico, ardil para desequilíbrio do sistema de freios e contrapesos, tudo para governar sem ser incomodado. Certamente mirando em se garantir no poder até indefinidamente. Seguindo a escola de Chaves. Tentou golpe na década de 90. Depois veio eleito.

  4. Fazem perguntas marotas, esperando que ele caia na esparrela, porém o candidato responde a tudo com sua maneira peculiar de falar. Então é classificado como despreparado.
    Preparados mesmo eram lula e Dilma, que deixaram o pais na pindaíba, ou então o Ciro Gomes, que é mais grosso que dois elefantes abraçados.
    A Marina Silva quer transformar o Brasil no jardim zoológico do mundo e o picolé de xuxu, anda a querer agradar a gregos, troianos, baianos e todos os donos de partidos, vai também se tornar um nanico como eles.
    Os partido ligados ao sindicalismo, só pensam “naquilo”, ou seja, voltar a meter a mão na grana da bugrada.
    Se o povo desta vez não tiver juízo e novamente votar nesta vagabundagem, então sera o fim.
    Deveríamos então tirar o ORDEM E PROGRESSO da bandeira e substituir pelo ROUBO E CORRUPÇÃO.
    Esta eleição é o divisor de águas.

  5. Talvez seja nossa ultima oportunidade. Coerente como sempre. Sincero, portanto, verdadeiro. De todos os presidentes que o país já teve quem entendia de economia. Ah sim…a Dilma, que não sabe a tabuada do um. E de saúde, de agricultura, de industrialização? O Brasil precisa de um gestor que não tenha a ambição da riqueza para si mas para a coletividade.
    Não concordo com o aumento do número de capas pretas no STF, mas ninguém é tudo que a gente pensa. A opçâo é ele, que pode vir a ser um voto equivocado, ou um dos outros candidatos que desde já são a certeza de votar errado. Boa sorte Brasil.

  6. Perguntas , muitas delas imbecis.. Fica , Realmente, difícil. Mas Bolsonaro manda na lata. Fala o que achar conveniente, pois não tem compromisso com o status atual.
    E mais, não sabe, não tem vergonha de dizer que não sabe e delega para quem sabe.
    Bolsonaro no primeiro turno!

  7. Vai ganhar fácil e disparado. Do outro lado só existem políticos que são a mesma coisa dos que estão aí, que só querem manter seu status quo, e a impunidade. A moral, a ética, os bons costumes, e a punição a quem é criminoso precisam retornar a sociedade, e o mundo político precisa ser saneado, pois está uma tremenda nojeira.

  8. Nos centros urbanos já virou até meio de vida: espertos alugam criança excepcional a servir-lhes como chamarizes, nas esquinas, de modo a sensibilizarem os transeuntes, pra tirarem deles mais uma esmolinha aos falsos mendicantes.
    Assaltantes de estrada recrutam mulheres loiras, atrativas, como negaças para emboscarem condutores que adoram um “rabo de saia”.
    A criança deficiente e as mulheres loiras podem ser comparadas ao néscio e alcoólatra Lula. Claro que o ex-presidente também pegava parte da propina: afinal, ele tem uma prole sedente por dinheiro fácil, conquista que a nova geração tanto sonha. Pois, embora fosse medonho, até Frankenstein cobrava pelo seu direito de imagem.
    Os mendigos de araque e os assaltantes de estradas seria a falange de “gigolôs” que explorou o prestígio do Lula, junto à população.
    Todo mundo que vai exercer um cargo de tamanha relevância, ele não tem obrigação de saber de todas as coisas efetas à administração, porém, uma prenoção é necessária. Ou como diz o Zé Sarney: “Eu não enxergo a árvore, mas vislumbro a floresta!”
    Oxalá não seja Bolsonaro mais uma isca, para fisgar o eleitorado incauto, e torna-se este, assim como a população em geral, reféns de inescrupulosos que, por enquanto, apresentam-se como colaboradores ou desemburradores do capitão.

  9. Que coisa horrível de se ler!
    Que manhã de domingo péssima, lendo esse ignorante!
    Sequer deveria se validada essa candidatura, porque trata-se de um incapacitado , em todos os sentidos! Além disso, foi lá, nos EUA, beijar a bandeira daquele país: imagine se o Trump beijasse a bandeira da Rússia!!!
    Sem dúvida, essa candidatura é a hora mais apavorante do Brasil!

    A que ponto esse país desceu!!!
    Um cordão de ignorantes cortejando essa figura deplorável!

    E ainda tem eleitor reclamando da qualidade das perguntas!!!
    Perguntar o que, se ele não sabe nada?!

    Manhã de domingo pavorosa!!!

    Definitivamente, chegamos muito perto da hora de se abandonar o Brasil!!!

    Se esse senhor chegasse ao Planalto, seria a mais contundente glorificação do vazio, do nada, da coisa nenhuma, de que se teria noticia !!!
    E isso, sem dúvida, para dizer o mínimo!

  10. E vou mais longe, até a “secretária” que trabalha aqui em casa me disse ontem que tinha mudado o voto e ia de Bolsonaro. Em pleno sábado a luz do dia foi assaltada a mão armada no centro de Salvador, Relógio de São Pedro, e não havia um policial militar nas proximidades. Chegou e disse que na época dos “milicos” não tinha nada disso, havia respeito e medo do poder público. E só Bolsonaro mesmo para tentar acabar com a bandidagem e a pouca vergonha que se transformou o Brasil. Assino embaixo. Bolsonaro vai ganhar e no primeiro turno, tenho quase que certeza disso!

  11. 1) Li alhures e concordei.

    2) O voto no Bolsonaro é voto de protesto, semelhante ao que foi em Tiririca.

    3) Pode até ganhar e a indústria bélica agradecer.

    4) E nas lojas teremos promoção de AR-15 e outras mais… como nos EUA, que no natal, o bom velhinho Papai Noel, aparece armado em fotos.

  12. Que seja voto de protesto voto por ignorância o que quiserem mas é melhor Jair se acostumando.
    Depois de duas mula e uma besta e meia um cavalo é um avanço.
    Mostrem o que um presidente tem de saber para ser preparado e me indique que eu voto nele.

    Seja quem for que esteja defendendo a manutenção dos poderes atuais é um marginal em toda a essência da palavra e não adianta bla bla bla é um marginal e ponto.

  13. Esquenta não, Bolsonaro, sob a égide do $istema político podre, para prosperar, ninguém precisa entender de porra nenhuma, só de corrupção e picaretagem.

  14. O fundo do poço da ignorância e da malandragem foi atingido com Lula e Dilma. Foi o ápice. Um analfabeto, alcoólatra e corrupto. Nós vivenciamos o pior que uma nação pode produzir, com exceção da uma guerra. Ele fez realmente um desgoverno de coalizão, unindo toda a cambada de salafrarios da pior espécie, de todas as vertentes políticas, com o intuito único de saquear a nação. O estado brasileiro, gigante por natureza, foi usurpado com maestria por uma verdadeira facção criminosa, que infiltrou todos os redutos do legislativo, executivo e judiciário. Os efeitos são sentidos até o presente momento, com o país cambaleante, sem futuro, com as pessoas vendo como a única saída para as duas vidas o aeroporto. O descrédito amplo e irrestrito com a política é evidente. Quando leio alguns comentários neste site, percebo que existem muitos adoradores do estado provedor, talvez por dependência econômica do mesmo. Eu entendo que não podemos lutar contra quem enche os nosso estômago. É mera questão de sobrevivência.
    Entretanto, o verdadeiro debate que deveríamos ter é sobre o tamanho do estado e suas atribuições. Precisamos de tantos senadores, deputados, vereadores, auditores fiscais, juízes, advogados da união, técnicos de tudo, fiscais, motoristas, ascensoristas, guardas, etc, etc e etc. O custo é muito elevado para os pagadores de impostos. As pessoas têm ficarem livres destas amarras impostas pelo estado, de que este é o seu pai, que lhe dá dinheiro, segurança e estabilidade. É querer pouco da vida. O estado fornece ração e em troca recebe adoração. Parafraseando Nietsche, o estado (ao invés da religião), tornou-se o ópio do povo.
    Para terminar, remeto a Noruega, país reconhecido por um estado que fornece um excelente retorno dos impostos. Certa época, o barril do petróleo desvalorizou-se demasiadamente no mercado internacional e o país passou a déficit fiscal, a exemplo do Brasil. Políticos noruegueses tiveram a excelente ideia de solicitar contribuições voluntárias da população para manter o estado funcionando em alta performance. E tiveram êxito: conseguiram 1000 euros em 1 semana. Estes foram muito felizes em demonstrar que estado só sobrevive à base de extorsão, tal como máfia, facções criminosas, milícias e sindicatos.

  15. A convenção está ocorrendo neste exato momento. E o machista do Bolsonaro ladeado por duas mulheres. E Magno Malta dando um show de discurdo..
    Aí não..kk a choradeira do domingo será grande. Choro vermelho.

  16. O que andam chamando de entrevista, está mais para sabatina.

    A velha política não morre, pois a velha forma de enxergar política e analisar política continua viva na cabeça das pessoas. Apesar dos apesares, viva a coragem de Bolsonaro em falar coisas que nunca foram ditas em 30 anos de “desastremocratização”

  17. Excelente entrevista! Bolsonaro é autêntico e sincero. Fora com os que têm codinome nas planilhas da Odebrecht e com a esquerdalha! Chega!

  18. Gostei da entrevista. Estou focado a votar no Álvaro Dias. Mas…. Bolsonaro está me surpreendendo positivamente . Com sua honestidade nas respostas. Com as tentativas de desconstruir sua imagem. Segue firme e forte não fazendo o jogo dos jornalistas amestrados. Afinal. Qual prefeito, governador ou presidente entende de gestão pública? Para governar é preciso ter humildade. E escolher seus ajudantes especializados no setor. E estes também se sercarem de profissionais habilitados. Ou seja funcionarios públicos do quadro que for assumir. Simples

  19. O problema de quem , aqui neste país, ter alguma conexão com a realidade, é enfrentar uma maioria esmagadora de gente da nossa mídia e que a domina há mais de 60 anos, com convicções e, como Nietzsche observou, elas são piores que as mentiras.
    Daí, o que tem de fake-news contra Bolsonaro é inimaginável. Não que ele seja grandes coisas, mas alguma conexão com a realidade ele tem, diferentemente dos outros candidatos, excetuando o Amoêdo.

  20. RADICALIZAÇÃO SOCIAL TOTAL, via votos brancos, nulos e abstenções, pela Revolução Redentora, CONTRA O CONTINUÍSMO DA MESMICE DO $ISTEMA POLÍTICO PODRE, é o que propõe a RPL-PNBC-DE-ME, o Projeto Novo e Alternativo de Política e de Nação, o novo caminho para o novo Brasil de verdade, porque evoluir é preciso. Tem mais jeito não. Ao longo dos últimos 128 anos, restou mais do que comprovado que eleições e golpes, 171, não resolvem o país, pelo contrário só complicam ainda mais as coisas. Portanto, claro está que não é de mais eleições e golpes (2014-2015 que o digam), 171, que o país precisa, mas, isto sim, de Revolução Redentora Já, aqui e agora, da política, da nação e da população. Nesse sentido, a RPL-PNBC-DD-ME, o projeto novo e alternativo de política e de nação, o novo caminho para o novo Brasil de verdade, excluído pelo $istema político podre das eleições de 2014 e 2018, está propondo ao conjunto da população a RADICALIZAÇÃO SOCIAL TOTAL, via votos brancos, nulos e abstenções, contra o continuísmo da mesmice do dito-cujo $istema político podre, com prazo de validade vencido há muito tempo, protagonizado pelo partidarismo eleitoral, o golpismo ditatorial e seus tentáculos, velhaco$, dos quais somos todos vítimas, reféns, súditos e escravos, há 128 anos, e dos quais urge nos libertarmos, via Revolução Redentora, porque não existe outra saída senão pela Revolução a ser iniciada via votos brancos, nulos e abstenções, já, aqui e agora, antes tarde do que nunca. http://www.tribunadainternet.com.br/pmn-rejeita-candidatura-propria-e-valeria-monteiro-faz-protesto-aos-gritos/

  21. Bom mesmo era o Lula que nunca leu um livro e só sabe contar dinheiro,ou nem isso,só inventa,inventa histórias e números.
    Ou a Dilma,esta sim sabe falar e se fazer entender.
    Já o Color falava muito bem e entendia de economia. FHC e Sarney, escrevem que é uma beleza!
    Bolsonaro está fazendo a diferença porque é verdadeiro,passa confiança, mesmo que não se goste do que ele diz. Mas até esta fuga do politicamente correto conta a favor dele.

  22. Foi deputado por 28 anos, se tivesse se envolvido minimamente com os problemas que afligem os brasileiros saberia bastante não só de economia, mas de um monte de outros assuntos. Não apenas não aprendeu nada, como demonstra que não tem interesse em apreender. É o pior tipo de ignorante: o que é burro de propósito não porque lhe faltou oportunidade.

  23. Caro Jornalista,

    Seria CÔMICO, se não fosse TRÁGICO ver os atuais brasileiros, provavelmente eleitores “órfãos” do saudoso doutor Enéas Carneiro (o candidato a presidente mais preparado e com mais títulos e diplomas que o Brasil já teve) se dizendo “preocupados” com o preparo intelectual do futuro presidente como se vivessem na Alemanha ou na Finlândia e como se, até o dia de hoje, fôssemos governados por ESTADISTAS; por isso não podem correr o risco de terem um aventureiro no Planalto e botar a nossa pujante economia e nossa eficiente administração pública a perder!

    Esquecem que moramos em uma COLÔNIA governada por LADRÕES e que os nossos últimos presidentes (Sarney, Collor, Fernando Henrique, Lula e Dilma – exceto o Itamar) e o atual são da mesma laia e que só não estão na cadeia por causa dos seus respectivos engavetadores e cúmplices infiltrados no Supremo Tribunal Federal.

    Esquecem que os cargos mais importantes do país, aí incluindo os de ministros dos tribunais superiores, do Supremo Tribunal Federal, das empresas estatais, dos ministérios e os milhares de cargos de confiança, sempre foram cargos preenchidos ou por bandidos ou pelos seus cúmplices, conforme atestou a tentativa de transformarem o Lula em ministro para fugir da Justiça e, mais recentemente, a tentativa de tirá-lo da cadeia – sem falar na ZONA emque se transformou o Ministério do Trabalho…

    Esquecem que, mesmo morando em um país com o subsolo mais rico do planeta, nadando em recursos naturais e mesmo depois de terem sido vendidos, a preço de banana, até os postes das ruas, ainda vivemos o CAOS econômico, político e social e que esse caos não surgiu do nada, mas nasceu da INCOMPETÊNCIA e da CORRUPÇÃO generalizada praticada pela atual elite política, que nos administra como se fôssemos mulas de carga.

    E, finalmente, esquecem que a carga tributária aumenta anualmente, sem que nada o Estado nos dê de retorno e que hoje já são mais de cinco meses de trabalho só para pagarmos imposto sobre a “renda”, sobre o patrimônio e sobre o consumo – quase o dobro do período registrado na década de 1970.

    -Mas é o Bolsonaro quem não entende nada de economia, pois para qualquer político entenda dos “assuntos econômicos e financeiros”, ele deve, primeiramente, pertencer a alguma quadrilha para aprender “refinar” os seus modos e a falar o que os burros de carga gostam de ouvir. NÃO PODEMOS CORRER O RISCO de eleger um despreparado que venha a transformar o nosso atual paraíso em um inferno. Já pensou se ele deixar as ruas cheias de drogados, de mendigos, de desempregados e de assaltantes? E se ele resolver acabar com a nossa saúde, já que não sabe aplicar uma simples injeção? E se ele atrasar a nossa maravilhosa educação? E se vender as nossas ferrovias aos amigos?
    -E o pior: A falta de preparo poderá deixar a nossa economia crescendo menos de cinco por cento ao ano, coisa inadmissível em um PAÍS DIRIGIDO POR ESPECIALISTAS!
    -Não podemos deixar isso acontecer!
    -Não podemos correr esse risco!
    -Vamos votar no PT ou e naquele partido que fez um pacto de não agressão com o PCC ou naquele outro, que fez acordo com os traficantes cariocas para que eles saíssem do morro, debaixo do nariz da polícia, portando consigo as próprias armas… afinal, todo o povo tem o governo – e o fim – que merece.

    Abraços.

  24. Se ficarem os mesmos dos últimos anos, o que farão? Igual ou diferente do que fizeram?

    Se novos forem eleitos, o que farão? Igual ou diferente do que os até aqui?

    Acho falta de responsabilidade, de credibilidade e de sinceridade da parcela que diz que Bolsonaro é um idiota que não sabe nada.

    pergunto: de Collor a Temer algum sabia alguma coisa? Se sabia o que fez? E is resultados?

    Incrível as pessoas não conseguirem ver que, a imensa maioria dos nossos problemas estão em nós mesmos! Mas a maioria não quer abrir mão de seus direitos e corrigir seus erros. Tudo tem de mudar, mas para os outros! os outros tem de mudar!

    Relembrando: “o atilado pergunta a si a causa dos seus erros. O tolo pergunta aos outros!”

    Acredito, piamente, que precisamos de um presidente maluco, Alguém que diga o que tem de ser dito, sem meias palavras. Que encaminhe mudanças para corrigir o que está errado e não para manter privilégios e feudos.

    Alguém acredita que um político mentalmente estável fará isto?

    E se não conseguir, será o único que usará a força!

    Sem rupturas não haverá mudanças!

    Entregar para os mesmos, terá o mesmo resultado. Entregue para um “maluco” e poderá ter algo diferente.

    Bolsonaro respondeu o que pensa e o que é.

    A maior parte dos candidatos mente, engana, sofisma, apresenta o que não é. E as pessoas são enganadas e reclamam. Quando fala a verdade e como é, são diminuidos, ridicularizados.

    Esta é uma das razões que tem me levado a dizer que: o país é ótimo, tem tudo e tudo para dar certo. mas o povinho, gostem ou não, numa parcela considerável, é um povo de merda. E isto é tão verdade que, a maioria do eleitorado (somando os candidatos escolhidos), está atirando seus votos em ladrões, corruptos e mentirosos.

    E querem que o país melhore!

    Quem sabe um maluco e uma ativista de direita (???) não conseguem vencer esta etapa!

    Fallavena

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *