Ninguém foi punido pelos escândalos do Senado. Jarbas denunciou em vão, surgiram novos mensalões. Que na verdade começaram com a reeeleição de FHC em 1998. A sucessão não anda nem desanda, o PMDB, isolado. Por que não fazem a chapa Daniel Dantas-Gilmar? Dona Dilma prega o ESTADO FORTE, quase o ESTADO NOVO

Como o mundo está “globalizado”, “multinacionalizado”, cada vez mais PRIVATIZADO com o dinheiro do cidadão-contribuinte-eleitor, os assuntos não se localizam apenas num país, escorregam ou extravasam para todos os lados.

Como está tudo parado, Legislativo, Executivo e Judiciário, e nos próximos 50 dias não andarão mesmo, lembremos de ontem e hoje, para refletir e projetar o amanhã. Que ainda se refugia em local incerto e não sabido.

Parece palavreado de policial? E o que é que não parece policial, a não ser de forma evidente, “O CIDADÃO ACIMA DE QUALQUER SUSPEITA”. O cidadão? Desculpem, OS CIDADÃOS.

Nada é local, estadual ou mesmo nacional. Os fatos, sejam políticos, eleitorais, financeiros ou econômicos, explodem derrubando todas as barreiras, e se transformando em universais, dos EUA à China, contaminando tudo e todos.

No momentos, três assuntos têm prioridade absoluta, embora em vez de três, pudessem ser 10 ou 20. Mas fiquemos nesses três, que além da repercussão, terão consequências.

Quais são esses suprapartidários, superprioritários, superescandalosos? 1 – A entrevista de Jarbas e a omissão culpada e culposa do PMDB, que veio em linha reta do autêntico MDB.

2 – A crise financeira que obrigatoriamente teria que se transformar em econômica. (Já se transformou, carregando muitas das esperanças depositadas no presidente Obama).

3 – E o desperdício do dinheiro do cidadão, aos TRILHÕES. Ninguém é contra a utilização de recursos para que a normalidade volte, principalmente em termos e emprego, pois os trabalhadores sempre pagam a conta.

Antes de examinar separadamente cada um dos três assuntos, continuemos perguntando aqui, o que venho perguntando com insistência. A – De onde vem tanto TRILHÃO? B – Para onde vai tanto TRILHÃO?

O que Jarbas Vasconcelos não pôde calar

Ninguém esperava, embora o ex-governador de Pernambuco, dentro do PMDB (o seu partido de sempre) fosse tido como bomba que podia explodir a qualquer momento. Explodiu e com mais força do que todos esperavam.

Jarbas foi didático, sintético, ético, avassalador. Detonou o PMDB, mas não todo, colocando aquele QUASE, que salvou muita gente que tinha mesmo que ser salva, não podia ser atingida. Mas não se restringiu nem reduziu as acusações contra o PMDB, este uma fonte inesgotável de patifarias, de fraudes, de falsificação, de objetivos.

O ex-governador de Pernambuco não deu nomes, teria que utilizar papel em resmas e quantidades colossais. Só que o partido velho e alquebrado, que ainda é o maior do país, não quis e, lógico, não pôde se defender.

E olha que o acusador, não relacionou o grande escândalo do PMDB, já citado aqui muitas vezes. Controlando a Câmara e o Senado, com o maior número de prefeitos e governadores, jamais quis o Poder diretamente, ou seja, não disputou nem vai disputar a Presidência.

Motivo? É que, se eleger o presidente, o PMDB terá que dar aos outros os cargos que hoje domina despudoradamente. É o maior partido para quê? Para nada. Ou melhor: para dominar o país, sem projeto, sem compromisso, sem programa, sem campanha, sem vitória e sem posse.

O PMDB (a cúpula) disse apenas: “Foi desabafo do senador”. Não foi desabafo e sim demolição. Raros poderiam defender esse PMDB, mas não querem, pois sabem que Jarbas não exagerou um milímetro que fosse.

O PMDB não tem cacife nem cacique com potência de fogo para expulsar Jarbas Vasconcellos. E em matéria de “defesa” delegaram Poderes a Serginho Cabralzinho filhinho, que retumbou: “O senador generalizou. EU NÃO SOU CORRUPTO. Ha! Ha! Ha!

Esqueceu do “dossiê Marcelo Alencar”, que mostrou publicamente como ele construiu seu patrimônio? Sérgio não respondeu na hora, tenta usar a visibilidade agora. Não trabalhou jamais, seu “patrão” foi sempre a máquina pública.

Os trilhões do cidadão

2 – A crise financeira começou no setor hipotecário-imobiliário dos EUA, e se espalhou pelo mundo. Logo compararam a falência de 2008 com o que chamaram de “crack” das bolsas de 1929. Na verdade existiam e existem realmente algumas semelhanças. Mas o principal: nenhuma fiscalização, em 80 anos de jogatina desenfreada.

Só que 1929, os que provocaram a crise, não foram ajudados por ninguém. Pagaram com a própria vida, se matando depois de terem matado a economia. E as primeiras providências só foram tomadas 4 anos depois, com a eleição de Rooselvelt. O presidente catastrófico era Herbert Hoover, (uma espécie de Bush filho), quase 80 anos antes.

EUA: a ESTATIZAÇÃO DE 1933,
a ESTATIZAÇÃO de 2008/2009/2010

3 – Roosevelt assumiu com a maior devastação da história dos EUA. Os Fundadores da República jamais pensaram nisso. Mas Roosevelt honrou e dignificou os 8 sábios da Filadélfia. ESTATIZOU tudo, mas não como tentam hoje.

O grande presidente tomou posse com 16 milhões de desempregados, já tinha pronto o New Deal. E formou seu gabinete com jovens no máximo de 25 anos, logo identificados como “brain trust”, desculpem, o monopólio da inteligência.

Reergueu o país, tudo passou ao controle do Estado, água, metrôs, energia, ferrovias, educação, saúde, sem que qualquer aventureiro se apossasse de um dólar que fosse. E implantou uma fiscalização, que funcionou, até que foi totalmente abandonada, a partir dos anos 80.

* * *

PS – Agora, na contramão de tudo o que foi feito por Roosevelt, estão ESTATIZANDO com o  dinheiro do cidadão, mas os maiores acionistas continuam sendo os aventureiros que provocaram a crise. I-N-A-C-R-E-D-I-T-Á-V-E-L.

PS2 – Terminando 2009, começando 2010, a suposta candidata de Lula, a Chefe da Casa Civil afirmou: “O desenvolvimento só poderá ser alcançado com o ESTADO FORTE”. Parece muito com o ESTADO NOVO, e o ESTADO AUTORITÁRIO de Chávez. Agravado e ameaçado pelo  temperamento da CANDIDATA.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *