Novo método canadense dá dicas para identificar “fake news” mais rapidamente

Fake news | Comic book cover, Comic books, Book cover

Charge do Alpino (Yahoo Notícias)

Madeleine Lacsko
Gazeta do Povo

Métodos de checagem de informações são ensinados em diversas profissões, com objetivos diferentes. Médicos, engenheiros, professores, pedreiros, policiais, encanadores, enfim, cada profissão tem métodos técnicos específicos para a aferição daquilo que é o coração do seu dia a dia.

O tipo de checagem de fake news que o cidadão comum faz hoje nas redes sociais é mais relacionado àquele aprendido no jornalismo. Você quer saber a verdade sobre um acontecimento, ouve pessoas, vai atrás de elementos que comprovem o que essas pessoas disseram, verifica a veracidade desses elementos e eventuais elementos ou depoimentos que os contraponham, tenta recontar a história com a maior fidelidade possível. Faz sentido, mas só era suficiente no mundo analógico.

QUEM DEFINE A VERDADE? – Vivemos tempos estranhos em que adultos perguntam, com sinceridade: “quem define o que é verdade?”. Se alguém tem o condão de definir, então não é possível se tratar de verdade. Verdade é algo objetivo e verificável. Existem fatos que não são verificáveis, não deixam rastros, provas, às vezes nem testemunhas.

Nem sempre saberemos qual é a verdade, mas sempre sabemos o que é do nosso interesse e quando estamos sendo explorados. Aí que entra o método SIFT de validação de informações e fontes, voltado para o cidadão comum.

Não falamos apenas de validar fontes e informações, mas de analisar o quanto de tempo realmente queremos dedicar a um tema.

PERDA DE TEMPO – Todos nós que usamos redes sociais já nos pegamos empolgadíssimos pesquisando o detalhe do detalhe do detalhe de algo que não tem a menor importância. Também já tentamos argumentar com pessoas que não estão dispostas a debater, querem só fazer propaganda das próprias ideias para o nosso círculo de relacionamento. Precisamos aprender a decidir conscientemente em que ocasiões vamos dedicar nosso tempo e nossa atenção a essas atividades.

Para facilitar a checagem, o canadense Michael Caulfield criou, com base no método jornalístico mas levando em conta a economia da atenção, uma fórmula para validar informações.

O método SIFT é o acrônimo de stop, investigate, find e trace. 1. Pare; 2. Investigue a fonte; 3. Encontre cobertura melhor do tema; 4. Rastreie afirmações, frases e mídia até o contexto original O processo geralmente demora só dois minutos e, segundo as universidades canadenses que o adotam, é mais efetivo para tomada de decisão do que pesquisas exaustivas.

UM BOM EXEMPLO –  Fontes confiáveis de informação também erram. Uma fonte confiável não é aquela à prova de erros, é a que tem experiência comprovada em um tema.

Suponha que você viu uma postagem de um artista famoso com uma posição inflamada e completamente contrária à reabertura de escolas na pandemia. Você tem filhos e começa a ficar com receio. Vamos ao método SIFT.

Primeiramente, pare. O passo 2 é pesquisar quem é esse artista. Você coloca o nome no Google e vê que é uma pessoa muito ligada a outras que partilham da mesma opinião. No passo 3 você se pergunta sobre a possibilidade de achar rapidamente qualquer fonte mais confiável. É só colocar no Google “reabertura das escolas” e haverá alguns favoráveis e outros contrários à reabertura, mas nenhum terá um posicionamento tão radical quanto do artista, que não pisa numa escola desde que era estudante. Conclusão: não é a melhor fonte sobre o tema, deixe essa fonte de lado.

ESPIRAL DE DESINFORMAÇÃO – Quanto mais tempo for dedicado a tentar contrapor ou buscar informações sobre um tema com base em informações obtidas de fontes que não são as melhores, maior a chance de você acabar entrando numa espiral de desinformação. Nós vamos encontrando tantos pedaços de informação que se torna difícil assimilar e impossível analisar.

Se engajamos num debate então, fecha-se o canal da razão e abre-se o da emoção. Nossa tendência será então aceitar as informações que coincidem com aquilo que já pensávamos e rejeitar de pronto o que não coincida. E, sem que a gente se dê conta, já teve a atenção desviada para outra polêmica na qual não havíamos pensado antes. Novamente repetimos a coreografia e, além da confusão, não ganhamos nada.

POUPAR TEMPO E ATENÇÃO – O método SIFT não muda visões políticas nem é a solução contra a desinformação. Alfabetização Midiática é o caminho, aprender a usar o melhor das redes a nosso favor e evitar trabalhar de graça para as Big Techs, gastando nosso tempo e saúde mental.

Na entrevista ao colunista do New York Times, Michael Caulfield diz que “no momento, estamos pegando o recurso mais escasso e valioso que temos – nossa atenção – e o estamos usando para tentar consertar o ecossistema de informações terrivelmente quebrado”. É como acender vela boa para santo ruim. Nas instruções para acidentes de avião, primeiro colocamos a máscara de oxigênio em nós mesmos e depois nos outros. Enfrentar a confusão de algoritmos das Big Techs começa por aprender a ficar a salvo deles.

(Artigo enviado por Mário Assis Causanilhas)

One thought on “Novo método canadense dá dicas para identificar “fake news” mais rapidamente

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *