O sentido da vida não se perde por causa da desordem da corrupção

vf

Ilustração do Duke (O Tempo)

Leonardo Boff
O Tempo

Quem olha o panorama brasileiro sob a ótica da ética não deixa de ficar desolado e entristecido. Um presidente não é apenas portador do poder supremo de um país. O cargo possui uma carga ética. Ele deve testemunhar os valores que quer que seu povo viva. Aqui temos o contrário: um presidente tido por corrupto não só por acusação de políticos, mas por investigação séria da Polícia Federal e de outros órgãos, como o Ministério Público.

Mas, devido à desmesurada vaidade do cargo e à total falta de respeito ao país, ele se mantém à base de corrupção feita à luz do dia, comprando votos de deputados e oferecendo outras benesses. E os deputados, gaiamente, se deixam corromper, aproveitando a ocasião para conquistar funções e outros benefícios. A República apodreceu de vez. Temos que refundar o Brasil sobre outras bases.

HÁ ESPERANÇA – A despeito disso tudo, não deixamos a esperança morrer, embora, nesse momento, no dizer de Rubem Alves, trate-se de uma “esperança agonizante”. Mas ela ressuscitará dessa agonia e nos resgatará um sentido de viver. Se perdermos o sentido da vida, o próximo passo poderá ser o completo cinismo e, no termo, o suicídio.

A despeito da desesperança e da existência do absurdo diante do qual a própria razão se rende, acreditamos ainda na bondade fundamental da vida. O homem comum se levanta, perde precioso tempo de vida nos ônibus superlotados, vai ao trabalho, luta pela família, se preocupa com a educação de seus filhos, sonha com um Brasil melhor, é capaz de gestos generosos e, em casos extremos, arrisca a vida para salvar um inocente. O que se esconde atrás desses gestos cotidianos e banais? Esconde-se a confiança de que, apesar de tudo, vale a pena viver porque a vida, em sua profundidade, é boa e foi feita para ser levada com coragem, a qual produz autoestima e sentido de valor.

UMA VIDA ÉTICA – Há aqui uma sacralidade que não vem sob o signo religioso, mas sob a perspectiva do ético, do viver corretamente. O sociólogo austríaco-norte-americano Peter Berger escreveu um livro brilhante, relativizando a tese de Max Weber sobre a secularização completa da vida moderna, com o título “Um Rumor de Anjos: A Sociedade Moderna e a Redescoberta do Sobrenatural” (Vozes, 1973). Aí descreve inúmeros sinais que mostram o sagrado da vida e o sentido que ela sempre guarda, a despeito de todo caos e dos contrassensos históricos.

Trabalho apenas um exemplo que me vem à mente, banal e entendido por todas as mães que acalentam seus filhos. Um deles acorda sobressaltado: teve um pesadelo, percebe a escuridão, sente-se só e é tomado pelo medo. Grita pela mãe. Esta se levanta, toma o filho no colo e, no gesto primordial da magna mater, cerca-o de carinho e de beijos, fala-lhe coisas doces e sussurra:

“Meu filhinho, não tenhas medo; sua mãe está aqui. Está tudo bem e está tudo em ordem, meu querido”. O menino deixa de soluçar. Reconquista a confiança da noite e um pouco mais e mais um pouco, adormece.

EXISTE ORDEM – Essa cena tão comum esconde algo radical que se manifesta na pergunta: será que a mãe não está enganando a criança? O mundo não está em ordem, nem tudo está bem. Contudo, estamos certos: a mãe não está enganando seu filhinho. Seu gesto revela que, não obstante a desordem, impera uma ordem mais fundamental. O conhecido pensador Eric Voegelin, em “Order and History” (1956), mostrou magistralmente que todo ser humano possui uma tendência essencial para a ordem.

A tendência para a ordem implica a convicção de que a vida possui sentido. Que, no fundo da realidade, não vigora a mentira, mas a confiança, o consolo e o derradeiro aconchego.

Assim, cremos que, acabado o tempo da grande desolação por causa da corrupção que destrói a ordem, voltaremos a celebrar e desfrutar o sentido bom da existência.

15 thoughts on “O sentido da vida não se perde por causa da desordem da corrupção

  1. 1) Pensamento do dia:

    2) “A mentira corrói os valores da sociedade. A mentira é um câncer que está contaminando todas as áreas, tanto na esfera pública como privada e não apenas em nosso país. Basta olhar como está avançando a desconfiança entre as nações e em relação ao comportamento de muitos governantes. Está cada vez mais difícil para nossos jovens e nossas crianças acreditar nas boas intenções dos que deveriam dar o exemplo de retidão em todas as decisões. Os interesses de muitas nações e de seus povos estão sendo substituídos por ambições pessoais ou de alguns grupos, gerando guerras, destruição, pobreza, desemprego, fome e ondas de refugiados” = Ryuho Okawa, médium budista japonês, escritor.

  2. SERÁ, CEARÁ ? VEJA, aqui mais uma frase de mais um discurso de ponta do continuísmo que até acena para o Novo de verdade, mas que, infelizmente, mantém o rabo preso com o velho $istema político podre que já morreu. Eles falam do novo mas no desfecho dos deus discursos eles puxam as brasas do Novo de verdade para as para sardinhas apodrecidas e assim tentam continuar vendendo por novo o mesmo e velho peixe podre, senão vejamos: “Nós temos o dever de nos descolar dessa realidade objetiva medíocre e tentar despertar o povo brasileiro um sonho de um novo futuro, um novo projeto, uma nova atitude, uma nova sociedade ” . https://www.brasil247.com/pt/colunistas/geral/326601/Ciro-e-Lula-unidade-com-quem-e-para-que.htm

  3. A despeito de qualquer situação temos que usar a RAZÃO para discernir, sempre. Vontade e Razão são atributos da alma e usados com determinação nos levam à superação. Este é o principal atributo do homem e o tira de situações extremas como depressão e crises diversas, como de pânico e outras. Quanto ao sofrimento, é opcional, e sofre justamente quem não entende a necessidade de haver esta limpeza e para tanto a descoberta de toda a sujeira; já a dor é necessária e é ela que aflige, pois também reflete a responsabilidade de cada um e de todos com situações como a que se vive hoje, no Brasil.

    • Interessante sua exposição, Rosela. Outro dia, ao estudar o pensamento de Sidarta Gauthama (Buda) sobre sofrimento, fiquei impressionado com a sabedoria do ensinamento dele. Muito interessante e bate com sua ideia de que o sofrimento é opcional.

      Abs.

      CN

      • Caro C.N.! O sofrimento está fundamentado naquilo que guardamos nos nossos baús de verdades. Quando algum fato ou ato ameaça o que ali está protegido, nossa “zona de conforto” se incomoda e responde com ele… Mesmo admitindo que quase tudo em que acreditamos está incluído na “mentira hierarquizada”, a zona de conforto não deixa por menos…

  4. A meu ver, uma Pessoa lúcida que analisa o panorama Político do Brasil, não deveria ficar, nem desolado nem entristecido com o que vê. Apenas constata, que o que vê, é o esperado num Sistema Político que induz a isso que está aí. E burro, quem operar diferente, dentro desse Sistema Político.

    Um Sistema Político que concentra a Chefia do Estado e do Governo na mesma Pessoa.
    Em que o Dinheiro Público sustenta todos os Partidos Políticos ( +- 32 na Ativa + 50 na Linha de Montagem), Fundo Partidário, Tempo de TV, etc.
    Em que permite-se todos os tipos de Coalizão entre todos os Partidos de qualquer Ideologia.
    Que tem um Segundo Turno, que é quando ” a coisa fica como o Diabo gosta, para negociar”.
    Que coloca velhos Políticos, geralmente em fim de carreia, para chefiar e ocupar os estratégicos Órgãos de Fiscalizações, (Tribunais de Contas, etc.).
    Em que não há Distritos para organizar a Representação Política do Povo, mas o Voto vale em todo o Estado, ficando o Representante do Povo, representando todos e ninguém.
    Onde não há direito do Povo fazer um Re-Call de maus Representantes.
    Onde não pode um “Independente” ser Candidato a nada.
    ………………………………………………………………………
    Enfim, onde faz mais Votos quem tem mais Dinheiro para gastar na Campanha.
    É mais forte e estável o Governo do Executivo que forma a maior Base Aliada, e esta não se forma, digo se compra, com “vento”.
    ……………………………………………………..

    Enquanto não mudar para melhor o nosso Sistema Político, será sempre, mais do mesmo.

  5. Quem olha o panorama brasileiro sob a ótica da ética não deixa de ficar desolado e entristecido. Um presidente não é apenas portador do poder supremo de um país. O cargo possui uma carga ética. Ele deve testemunhar os valores que quer que seu povo viva. Aqui temos o contrário: um presidente tido por corrupto não só por acusação de políticos, mas por investigação séria da Polícia Federal e de outros órgãos, como o Ministério Público.
    Esse desalento do colunista é até compreensível. O parlamentarismo seria uma excelente saída, pois o seu pressuposto básico é que a nação não é obrigada a aturar governos mediocres até o final do mandato, mesmo que o prazo do mandato seja de razoaveis 4 anos. Dentro do parlamentarismo podia-se até mesmo pensar na volta da monarquia, aí se faria sentido se devotar a aura quase sacrossanta ao chefe de estado. Nada contra, desde que seja um poder apenas simbólico.
    Mas já que não querem estabelecer o civilizado parlamentarismo que se adote então uma solução intermediária que já existe em alguns estados dos EUA: – o recall.
    A cada 2 anos depois das eleições gerais para presidente, governadores, deputados e senadores), no caso junto das eleições municipais o povo seria convocado a dar o recall no mandato presidencial. Se houver 2/3 dos votos válidos contrários a permanência do(a) presidente o mesmo seria “impichado” e se convocaria novas eleições para se completar o tempo do mandato. Mas uma condição muito importante teria que estar explicita. O(a) presidente não sofreria impeachment sozinho, haja visto que o eventual fracasso também tem que ser creditado ao congresso, necessariamente haveria também eleições para toda a câmara dos deputados e para o senado também. Claramente haveria necessidade de mudar o tempo de mandato dos senadores, que deixaria de ser de 8 anos e seria no máximo de 4 anos também. Seria o impeachment solidário dado pelos verdadeiros donos dos mandatos dos politicos, no caso os eleitores brasileiros.

    • Prezado Willy Sandoval, peço-lhe que não mande mais comentários em maiúsculas, pois não são aceitos em nenhum blog e a TI não é exceção.

      Grato,

      CN

  6. “O sentido da vida não se perde por causa da desordem da corrupção.” Claro que não, seu Boff, o que a corrupção nos rouba é uma boa educação, um sistema eficiente de saúde, boa infraestrutura, investimento em tecnologia… Sentido da vida e outras besteiras de teólogos sem emprego é pura asneira. A vida é real, seu Boff, chega de bostejos. (de to boast about. Nada a ver com bosta).
    Só um detalhe: nunca leio seus artigos.

  7. “um presidente tido por corrupto não só por acusação de políticos, mas por investigação séria da Polícia Federal e de outros órgãos, como o Ministério Público.”
    Eu não consigo entender como um presidente flagrado, altas horas da noite,no Palacio Jaburu, com dois bandidos Processos, sempre arquivados. Ainda pretende se reeleger em 2018.Serei eu obturada?
    Seu Obturado, vivido por Walter d’Ávila só conseguia entender as piadas muito tempo depois, eu sou pior, não consigo entender como Temer se mantem no poder e tem seus processos arquivados.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *