Pazuello terá que explicar ao TCU a distribuição de cloroquina com uso de recursos do SUS

Charge do Sid (humorpolitico.com)

Rayssa Motta
Estadão

O Ministério da Saúde tem cinco dias para prestar informações ao Tribunal de Contas da União (TCU) sobre o uso de recursos do Sistema Único de Saúde (SUS) na distribuição de cloroquina e hidroxicloroquina para tratar pacientes diagnosticados com o novo coronavírus.

A ordem partiu do ministro Benjamin Zymler na última sexta-feira, dia 22, depois uma auditoria feita pela área técnica do tribunal apontou ilegalidade no custeio dos remédios sem eficácia comprovada para uso contra a covid-19.  Apesar da ausência de validação científica, o presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, apostaram nos medicamentos como estratégia de tratamento precoce contra o vírus.

AUTORIZAÇÃO DA ANVISA – No despacho, o ministro do TCU afirma que os remédios só poderiam ter sido fornecidos pelo SUS para tratar a doença se houvesse autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) ou de autoridades sanitárias estrangeiras. “Verifica-se não haver amparo legal para a utilização de recursos do SUS para o fornecimento desses medicamentos com essa finalidade”, diz um trecho do ofício.

Na avaliação do ministro, os esclarecimentos devem ser prestados na esteira da mudança de discurso do ministro da Saúde. Após meses de defesa e entrega em massa dos medicamentos pelo governo federal, o general afirmou que a pasta nunca orientou o ‘tratamento precoce’ e sim o ‘atendimento precoce’ dos pacientes.

CONTRADIÇÃO – “Nunca indiquei medicamentos a ninguém. Nunca autorizei o Ministério da Saúde a fazer protocolos indicando medicamentos”, afirmou Pazuello no último dia 18. Segundo observou Zymler, a posição é ‘contraditória’ em relação a orientações e documentos emitidos pelo próprio ministério.

O TCU também pediu explicações sobre o aplicativo TrateCOV, lançado para agilizar o diagnóstico da covid-19. O tribunal quer indicação dos responsáveis pela plataforma, a descrição do funcionamento e se está prevista sua reativação. O aplicativo, que recomendava antibióticos, cloroquina e ivermectina até para bebês, foi tirado do ar na quinta-feira, dia 21.

12 thoughts on “Pazuello terá que explicar ao TCU a distribuição de cloroquina com uso de recursos do SUS

  1. Ah, Pazuello!!

    Pazuello, Pazuello!

    Tiraste do ar o TrateCOV por quê?

    Mas o que houve, rapaz?

    Não confias mais na cloroquina?

    Não confias mais no tratamento precoce?

    • “Ainnnnnnnnnnnnnnnn, eu vô tomá uma tonelada de cloroquina só purquê o meu Mitozinho querido mandou !!!!!!!!!!!!!!!!!”

      (Escrito em MODO JUMENTINHO BORXONARISTA HISTÉRICO APAIXONADO PELO MITO)

          • EM TEMPO II:

            Falando em jumentinhos, os vagabundinhos borxonaristas estão gostando de ver o Mitozinho querido modulando o discurso pra começar a apoiar vacinas?

            O sujeito é muito mau caráter mesmo, hein?

            Se dependesse desse vagabundo, estaríamos até hoje sem vacinas….

  2. Sai daí Gal.”Zuzu”…
    Este povo não presta…
    Vai acabar sobrando pra você, sozinho, segurar esta onda “Zuzu”…
    No final apenas voçê, vai levar nos “óio” “Zuzu”…
    Avisei !!!

  3. Simples assim: seguindo as prescrições médicas! tudo para uso antiparasitário, e excepcionalmente antiviral. Parasitas é o que não falta neste país! nem corruptos locupletando-se do erário.

  4. No momento atual os fármacos antiparasitários já largamente conhecidos há várias décadas, também como eficientes agentes antivirais, se utilizados contra a Covid-19, precocemente, serão os mais eficientes “remédios”, contra a pandemia, inclusive contra a corrupção nos “contratos e aquisições” na área de saúde.
    Ou estaremos optando pela “corrupção com o genocídio” como resultado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *